sábado, 16 de novembro de 2019

Empreender em Portugal

Atenção: meu teclado está com problemas e não consigo usar algumas teclas (mesmo no teclado virtual do windows), portanto peço o favor de ignorarem erros, principalmente acentos.

Esse post será longo, leia quando tiver tempo e se houver interesse no assunto.

O Brasil é um lugar hard core pra empreender e ter uma empresa na Europa é muito mais fácil. Será?

Não, não é mais fácil empreender em Portugal, aliás, o Brasil deveria ser considerado um paraíso pelos empreendedores. Nesse post vou falar um pouco sobre isso e expor a MINHA OPINIÃO, ou seja, é tão somente o meu ponto de vista, voce pode discordar.

Em primeiro lugar é preciso deixar claro que minha experiencia como empreendedor é bem raiz, ou seja, penso que uma empresa é onde voce compra por 1 e vende por 2 ou presta algum serviço para outra pessoa. Não incluirei nesse post "empreendimentos nutella" que, brincadeiras a parte, considero negócios digitais, aplicativos e coisas pouco tangíveis para leigos. Reza a lenda que para empreender dessa maneira hi-tech o buraco é mais em baixo, mas sou caipirão e empresa pra mim é onde se vende pão, carne, dipirona, gasolina, cuecas, pintos postiços, bananas, whisky e whiskas.

Ora bem, a treta de empreender no Brasil é realmente coisa para durões: impostos malucos e pouco inteligíveis até para contadores, autorizações e licenças caras, regras pouco transparentes, concorrencia por todos os lados, uma loja similar a sua em cada esquina, dificuldade de achar mão de obra que presta, etc. Empreender em Portugal deve ser bem diferente porque aqui os poucos obstáculos são: impostos malucos e pouco inteligíveis até para contadores, autorizações e licenças caras, regras pouco transparentes, concorrencia por todos os lados, uma loja similar a sua em cada esquina, dificuldade de achar mão de obra que presta... Sim, amigos, aqui existem todos esse problemas e mais alguns, não pense que só porque Portugal é um país desenvolvido que as coisas são muito diferentes do Brasil, aliás, pensando bem, são bem diferente sim, veja algumas dessas diferenças:

1- Mercado consumidor minúsculo. Quem ve de fora as vezes não se da conta de como Portugal é pequeno e vazio, vamos fazer uma rápida comparação entre Portugal e a CIDADE de São Paulo:

PORTUGAL: Território: 92.256 km² ; Poupulação: 10.374.822 habitantes
SÃO PAULO CAPITAL: Território: 1.521 km² ; População: 12.176.866 habitantes
(fonte Wikipedia)

Conclusões: Dentro de Portugal cabem 60 cidades de São Paulo porém São Paulo tem quase 1 milhão a mais de pessoas que Portugal inteiro! O que isso significa? Não há gente suficiente me Portugal para absorver muitos novos empreendimentos, mas isso é o de menos se voce considerar características bem distintas do povo portugues.

2- Mercado consumidor envelhecido. Podem falar o que for, gente velha não consume tanto como novos e tem certa aversão de tecnologias ou novidades. Meu pai nunca chegou perto de um computador e nem usa o ar condicionado do carro talvez por medo de ser engolido, who knows? Se voce andar meia hora por qualquer cidade de Portugal perceberá (comparado com o Brasil) como tem idoso e como é raro ver uma gestante ou mesmo crianças.

Grande parte dos portugueses mais jovens e que estão no auge da idade de trabalho moram em outros países da Europa como França, Luxemburgo, Suíça e Alemanha porque lá o salário é várias vezes maior, são os chamados pejorativamente de "avecs". Isso é outra coisa estranha para brasileiro, não temos esse costume. Durante as férias de verão, de Natal e spring break as cidades são inundadas por Audis, BMWs, Mercedes e VW tops com placas francesas e luxemburguesas com adesivo da seleção portuguesa no vidro traseiro. São os portugueses imigrantes que voltam a Portugal para visitar a família, consertar os dentes e gastar EUR e CHF nas cidades que ficam abarrotadas de gente, com transito, sem vagas no shoppings. Muito fora da realidade brasileira.

Todo o bom gosto dos avecs, perceba a placa francesa

Golfera também é carro de mano em Portugal,
adesivo da seleção e placa suíça, avec starter kit
Ande por qualquer cidade do Brasil e é um festival de choro de criança, casais de vinte e poucos anos loucos pra comer o mais novo sushi de churros com vinagrete de melancia ou comprar fantasias de unicórnio para Enzo e Valentina.
3- Mercado consumidor educado financeiramente. Desde que comecei a trabalhar com portugueses percebi como em geral são bem educados financeiramente, poucos falam em dívidas, desconheço quem use cartão de crédito e quem tenha financiamento de carro mas conheço vários com menos de 30 anos que já possuem um terreno para construir ou algum dinheiro guardado para dar de entrada num apartamento. Esse pessoal usa carros velhos, muitas vezes herdado dos pais ou parentes próximos, compram roupa na Decathlon ou Primark e não é raro ver pessoas com celular de flip. De certo modo lembram muito as pessoas que frequentam a blogosfera de finanças, mas imagine isso num nível nacional. Pessoas assim pensam muito antes de realizar compras, o que desacelera muito a economia e por consequencia, prejudica empreendedores.

Esse mesmo pessoal quando se ve com pouco dinheiro para realizar seus sonhos simplesmente vai trabalhar numa construção na Alemanha e no próximo verão volta de férias no seu VW Scirocco e com o bolso cheio. Pode dar uma despirocada e virar consumista, mas acaba por consumir fora de Portugal.

4- Mercado consumidor pouco a fim de novidades. Aqui vou usar somente exemplos culinários. Brasileiro adora coisas diferentes, por isso o sushi de churros com vinagrete de melancia vende tanto. Paleta mexicana, torresmo de rolo, sorvete de iogurte, enfim, tudo que for comida diferente brasileiro compra. Em Portugal é bem diferente, eles são extremamente caxias com relação a alimentação. 95% dos restaurantes portugueses tem o mesmo cardápio e em todos eles a refeição é composta por sopa, pão, prato quente, sobremesa, café e pra lavar tudo isso, vinho da casa. Isso é ótimo porque come-se bem e muitas vezes chega-se a pagar 5 euros por toda essa combinação acima citada. Quer comer um macarrão? Faz em casa ou vai num restaurante italiano. Quer comer carne? Vai numa churrascaria "brasileira", pagará por Fogo de Chão e comerá como churrasco da laje. Aqui é raríssimo se ver um self-service, por exemplo. Coisas que descolam um pouco da cultura deles é ignorado.

Tenho exemplos aqui onde moro de brasileiros que vieram com sangue no zóio pra montar restaurantes e no fim das contas acabaram apenas atendendo a própria comunidade brasileira o que pode ser um bom negócio mas é pouco sustentável. Ter uma empresa com foco nos consumidores brasileiros pode funcionar no curto prazo mas tenho dúvidas se é sustentável no longo prazo. Brasileiros veem e vão, hoje chegam meia dúzia e outra meia dúzia vai embora, seja pra outra cidade ou voltam para o Brasil. Nesses quase dois anos que estou por aqui vi muito disso: pessoas mudaram pra outras cidades, foram para outros países da UE ou voltaram para o Brasil, portanto mesmo entre os brasileiros é complicado manter clientela.

Outro fator que complica é que no geral brasileiro em Portugal tem pouco dinheiro, os principais perfis são aposentados que vieram com visto D7 e vivem aqui com renda em BRL, como euro a quase 5 por 1 não é difícil entender como é difícil a conta fechar, ainda mais para um pessoal mais velho que possui mais dificuldade de mudar hábitos em prol de economizar dinheiro. Vejo que 90% desses brasileiros não ficará aqui muito tempo. No outro extremo temos a galera jovem que vem como turista e depende de um contrato de trabalho pra se legalizar, no meio de tempo precisam viver com um salário mínimo ou menos que isso já que muitas vezes são explorados. Pessoas com o meu perfil, ou seja, trinta e poucos anos, que tenha documentos, trabalhe e tenha alguma renda no Brasil é raro de se ver, portanto o empreendedor que dependa de brasileiros está em apuros.

5- Poucas coisas são novidades, não foram testadas ou não estão disponíveis. Quando voce está em Portugal tem fácil acesso a produtos de todos os outros países da Europa a preço acessível. Voce consegue comprar queijos franceses e cerveja alemã no mercado da esquina. Consegue manter sem problemas seu Citroen ou Mercedes de 20 anos de uso. Coisas que são novidades no Brasil aqui já existem a tempos. A ideia de negócio que voce tiver na cabeça provavelmente já foi testada por outro brasileiro, se deu certo já está consolidado, senão deu acabou desaparecendo. Esse é o caso dos restaurantes self-service, reza a lenda que uma década atrás começaram a pipocar em todo canto, poucos sobreviveram porque a galera não curtiu.

6- Impostos altos. Se voce pensa que paga muitos impostos no Brasil, pense novamente. A verdade é que se voce for ver na ponta do lápis paga-se talvez até menos que aqui em Portugal, a grande diferença é o retorno que aqui é mil vezes melhor que no Brasil. Empresas aqui pagam impostos pra caralho, ok que aparentemente o sistema tributário é mais simples e parece não haver essas sobreposições de impostos que existem no Brasil, mas paga-se muito. A grande merda no Brasil é a dificuldade de apurar os impostos devido, ninguém sabe se sua empresa está pagando a mais, sonegando ou pior, pagando mais de um imposto e sonegando o outro. Outra coisa que vejo ser extremamente pesado aqui são as multas imputadas a empresas, não é incomum voce ouvir falar de multas de 2k ou mesmo 10k euros!!!

7- Regras complexas e pouco claras. Se tem uma coisa que brasileiro faz bem é empreender no ramo de comida. Dorinete ficou desempregada e vai fazer brigadeiro pra vender, Creusa faz bolos de aniversário magníficos, Creiton vende churrasquinho de gato na porta do estádio de futebol e Marinelson coxinha na grande da fábrica da VW. Se eles fossem tentar isso aqui em Portugal acabariam em cana e com alguns milhares de euros em multas para pagar. Aqui voce precisa ter uma cozinha industrial que siga todas as regras da UE para preparar qualquer alimento para venda, foda-se que a padaria da esquina deixe os pães expostos para as moscas e Ines pegue o pastel de nata com a mesma mão que te deu o troco, se voce quiser vender um bolo de fubá para seu vizinho deverá ter uma cozinha masterchef e 65665 licenças com a prefeitura.

Ok, voce não é um brasileiro de comidas mas a mão treme quando ve uma oportunidade de empreender em serviços. Manicures, cabelereiros, mecanicos, jardineiros e motoboys brasileiros estão entre os melhores do mundo. Graciane cobrava 10 Reais pra fazer unhas no Brasil, chega em Portugal e percebe que suas colegas de profissão portuguesas cobram 10 Euros e ainda arrancam bifes das clientes. Caralho, Graciane pode ganhar mais que médico fazendo unhas " 'a Brasileira" por 15 Euros!!! No Brasil ela era MEI porque achava correto estar legalizada, mas se não fosse trabalharia na mesma sem ninguém encher seu saco, ao chegar em Portugal decidiu ver como deveria fazer para trabalhar certinho.

Graciane foi a Camara Municipal (prefeitura) onde o funcionário a informou que seria necessário "abrir atividade nas finanças" para começar a trabalhar, ela foi nas "Finanças" onde João explicou certinho que ter atividade aberta seria o equivalente do MEI brasileiro e ela poderia pagar seus impostos e contribuição a Segurança Social gozando de todos os benefícios governamentais. Nesse momento João é interrompido por seu colega, Mario, que estava ao lado e ouviu a história toda. Mario disse que para trabalhar como manicure Graciane deveria antes "tirar um curso" de manicure que lhe desse licença para trabalhar. Ok, Graciane chegou em casa e foi pesquisar os tais cursos, encontrou dois em sua cidade: um que demorava 18 meses, custava 2000 euros e daria o título de "manicure" e outro de 3 semanas, 100 euros e daria um diploma de "técnico em manicure". Não entendeu nada e foi ao sindicato das manicures se informar melhor. Lá foi informada detalhadamente por Filomena que para trabalhar como manicure ela deveria na verdade cursar um "mestrado integrado" em Manicuraria com duração de 5 anos. Desolada saiu do sindicato meio perdida, parou no primeiro salão e perguntou a sua colega como ela tinha feito para trabalhar. Jurema que também era brasileira disse que não tinha feito curso algum e que simplesmente trabalhava no salão desde 2010.

Muita gente acha que porque tem atividade aberta e emite "recibos verdes"
está trabalhando de forma legal, mas nem sempre isso pode
ser verdade.

Assim as coisas funcionam em Portugal, há muita informação desencontrada e é comum ter conflitos gritantes dentro da mesma instituição. Se no Brasil voce nunca sabe se está pagando impostos certos, aqui voce muitas vezes não sebe se está trabalhando dentro da lei ou se está sujeito a multas na casa dos milhares de Euros.

8- Barreiras sinistras de entrada e concorrencia estranha. A maioria dos negócios no Brasil podem ser abertos de maneira simples, voce acha um ponto comercial, paga as licenças e algum tempo depois abre sua loja de coxinha de 50 centavos. Aqui parece ser bem diferente. Quer abrir uma farmácia? Deve ser farmaceutico e prestar um concurso público que dirá onde voce pode abrir. Posto de gasolina? Também existe um zoneamento estabelecido pelo governo.

Se não bastasse as barreiras de entrada aqui temos um tipo de concorrencia estranha. Veja o caso das farmácias, o preço dos remédios é o mesmo para todo o país, portanto preço não é um fator de concorrencia. Gasolina é o mesmo preço, 1 centavo a mais ou a menos, exceto nos postos do Jumbo que é 10 centavos mais barato, mas há promoções nas outras redes de postos onde voce consegue economizar 10 centavos, então no frigir dos ovos gasolina é o mesmo preço em qualquer posto. Também não se houve falar em diferença de qualidade entre posto X ou Y. Cafeterias são um tipode comércio muito popular por aqui e voce encontra literalmente uma em cada esquina, as vezes mais de uma por esquina. Até nas aldeias do interior tem mais de um café. Açougue não parece ser um bom negócio afinal os mercados vendem carne de qualidade superior por preços menores, o oposto do que acontece no Brasil. Aqui não existem lanchonetes, parece bizarro, mas é verdade. Se voce quer fazer um lanche rápido precisa se contentar com os salgados borrachudos vendidos no café. Oportunidade de negócio? Tenho minhas dúvidas... será que ninguém nunca tentou? Será que os portugueses aceitariam a ideia de comer um X Tudo com vitamina de abacate?

Engraçado como aqui temos muitas empresas familiares mas em certos ramos essas desapareceram. Voce praticamente não encontra mercadinhos de vila que foram engolidos pelos grandes, movimento que está acontecendo hoje no Brasil.

Isso são coisas favoráveis do ponto de vista do consumidor mas uma merda para o empreendedor.

9- Preconceito. Jamais sofri preconceito direto por ser brasileiro, mas isso não quer dizer que não exista de maneira indireta ou pelas costas. O fato é que muitos dos nossos conterraneos cagam na imagem no brasileiro, seja por serem barulhentos, grosseiros ou mesmo por fazerem picaretagens como pegar empréstimos e fugir do país sem pagar. Isso é algo difícil de medir mas tenho certeza que muito portugues deixa de frequentar um negócio por ser de brasileiro. Se parar pra pensar isso é até natural e nós mesmos devemos inconscientemente fazer isso no Brasil também ao dizer que pastelarias de chineses são sujas ou não entram em lojas de gente com turbante com medo que explodam igual a Mareas.



10- Peculiaridades. Certas coisas são bem diferentes por aqui e podem passar batido ao brasileiro que não olhar com carinho mas são coisas que podem influenciar negativamente o empreendedor.

Aqui é frio. Estamos no outono e hoje está 7 graus e chovendo. Isso invitavelmente inibe as pessoas de baterem perna na rua. Gente que bate perna é gente que gasta dinheiro porque acaba passando na porta de lojas. Quando tinha loja no Brasil sofria muito com semanas de frio e chuva, o movimento caia consideravelmente mesmo para negócios perenes, acontece que isso acontecia poucas semanas no ano, aqui é assim durante a maior parte do tempo.

Aqui é quente. Contraditório porém verdadeiro. No verão nessa terra faz um calor de torra ro cu, fato que assim como o frio e chuva também inibe o vai e vem das pessoas.

Portas fechadas. No Brasil ao andar numa rua comercial voce entra e sai das lojas com facilidade porque afinal de contas as portas estão abertas, existem até sinonimos de empreender relacionados a isso: "fulano abriu as portas do próprio negócio". Aqui devido ao clima extremo as lojas são fechadas, voce sempre tem que abrir uma porta pra entrar. Isso inibe a entrada de gente porque dá trabalho ir numa loja e muitos, como eu, acabam ficando constrangidos de entrar numa loja e não consumir nada. Além disso prejudica a visualização da loja e impede o uso de coisas que atraem pessoas como promoções de ponta de gondola ou mesmo uso de músicas e narradores.

Baixa desigualdade social. Aqui o peão da fábrica ganha 700, o enfermeiro 900, o médico 2000. Embora isso contribua muito para a qualidade de vida, principalmente dos pobres, estrangula o consumo de quem ganha mais porque voce pode chegar a pagar mais de 50% de imposto de renda se ganhar bem. Além disso tem menos gente com renda fora da curva como acontece no Brasil. No Brasil temos uma massa ganhando 2000 mas também temos muita gente ganhando 20.000. Aqui não tem isso.

Todos tem acesso a tudo. O pobre tem acesso a medicamentos gratuitos assim como no Brasil mas aqui ele consegue seu remédio na mesma farmácia que o presidente da república, só não paga por ele. Os filhos do pobre tem acesso a material escolar paga pelo governo através de vouchers que são trocados em qualquer papelaria. O governo também paga por tratamentos dentários dos mais pobres através do mesmo sistema de vouchers. Aqui não tem Pão de Açúcar ou outros mercados premium porque voce compra produtos nobres no Lidl que é low cost. E muito difícil empreender por nicho social como acontece no Brasil onde voce pode ter um mercado popular ou uma lanchonete gourmet.

Brasileiro é descontrolado com dinheiro. Isso é bom por dois motivos. Se seu cliente é descontrolado com dinheiro vai gastar mais, pesquisar menos e aceitar pagar mais caro. Se seu concorrente é descontrolado e voce não ele terá mais chances de quebrar rapidamente deixando mais mercado pra voce. No Brasil é extremamente comum nego misturar PF com PJ, não sei como isso é aqui mas o fato do brasileiro empreender nas coxas é um ponto favorável pra quem tem um pouco de dinheiro, um pouco de planejamento e dinheiro. Não é preciso muito para se sobressair e ter uma empresa mais saudável.

Idioma. voce nasceu no Brasil, logo fala portugues, certo? ERRADO!!! O que voce fala é IDIOMA BRASILEIRO, sim, aqui em Portugal todos dizem que brasileiro fala brasileiro e que esse é um idioma muito parecido com o portugues, por isso nos entendemos bem. Nossa versão do portugues é muito diferente do de Portugal, isso não é um problema para ser entendido porque os portugueses tem muito contato com cultura brasileira e estão acostumados em lidar com gente do mundo inteiro mas o oposto é sim um desafio. Voce não terá problemas para entender Ines que é recepcionista de um hotel em Lisboa, ou Pedro, garçom de uma casa de "francesinhas" no Porto porque eles estão acostumados com turistas e falam de maneira mais pausada, limpa e com poucas gírias. Agora a partir do momento que voce está numa Vilarinho de Samardã da vida, mermão, estará em apuros para entender o que Helder e Dona Conceição estão a falar. Parece mentira, mas a barreira da língua também existe por essas bandas.

Poderia continuar esse post por páginas e páginas mas já ficou demasiado grande. Acredito que agora já é possível entender o porque (desculpe a falta de acento) empreender em Portugal pode ser uma grande furada por mais que pareça fácil. Tudo isso que escrevi também deve se aplicar aos outros países da Europa com agravantes da ainda mais complicada diferença cultural e de idioma. Nem falei de EUA onde todos dizem ser o país das oportunidades (e realmente pode ser) mas passa longe de ser um paraíso para empreendedores já que lá a galera gosta de torrar dinheiro mas a concorrencia é a mais competente do mundo, há muito dinheiro disponível para se investir em qualquer merda, etc.

Brasil é tão bagunçado que faz surgir muitas oportunidades e isso muitas vezes é ignorado por nós, somente é possível ver essas oportunidades de fora, é justamente isso que aconteceu comigo. Hoje vejo como fui um empreendedor de merda durante o tempo que tive loja, só sobrevivi devido ao oba oba da era PT e porque meus concorrentes eram piores que eu. Achava que estava abalando mas na verdade estava surfando nas ineficiencias brasileiras. Tenho certeza absoluta que não sobreveviria e muito menos ganharia dinheiro se tivesse empreendido da mesma maneira em Portugal. No Brasil qualquer Zé Ruela consegue se virar empreendendo, isso é óbvio pra mim hoje, mas nem sempre foi.

Abraço a todos que ficaram até aqui!

P.S. Falei, falei, falei e esqueci de falar sobre a "empresa" da Bia. Ela está tendo sucesso mas sabemos que é algo sazonal e que cai dentro de várias armadilhas acima mencionadas, sem contar que pra ser sustentável a longo prazo toda empresa deve rodar sem necessariamente o dono presente, o que não é o caso dela. Enfim, ela está surfando na onda enquanto existe.

55 comentários:

  1. "ou não entram em lojas de gente com turbante com medo que explodam igual a Mareas"

    Hahahaha brincadeiras com o Marea à parte, Corey, aqui no BR não vejo preconceito algum com árabes, libaneses, judeus e o escambau: pelo contrário, parecem até se dar bem por essas bandas, tanto que SP capital, maior centro financeiro do país, é abarrotado destes povos e muitos com uma puta grana e cheios de imóveis, comércios etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, o que percebo é um preconceito inconsciente, o que com certeza acontece aqui em Portugal. Não chega a ser discriminação e sim talvez um medo do desconhecido ou do diferente. Não sei se fui claro, rs

      Abraço

      Corey

      Excluir
    2. Claro, no Brasil não explodem bombas pois esse país já é uma miséria só. Na Europa, explodem a porra toda.

      Excluir
  2. Corey, Portugal está servindo de aprendizado. Mas pelo que você tem postado, já pensou em voltar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande HM, voltarei sim, só não sei quando ainda...

      Abraço

      Corey

      Excluir
  3. Corey, o sotaque das lusas é apaixonante?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No começo era gostoso de ouvir, agora já é natural.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  4. Ô Corey, sei que não tem nada haver com o post, mas vou perguntar duas coisas:

    1 - As mulheres portuguesas são bonitas? Você as classificaria como uma das mais bonitas da Europa?

    2 - Já lí sobre muitos imigrantes do leste europeu que moram em Portugal, especialmente da Romênia, Bulgária e Ucrânia. Moram muitos europeus do leste aí?
    Se sim como eles se inserem aí, visto que o ucraniano e bulgaro são idiomas muito diferentes do português. Romeno é um pouco mais próximo.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1- Na média elas são bonitas porém poucas são "boas" (como os portugueses chamam as gostosas). No Brasil temos uma massa de mulher feia e muitas realmente bonitas mas aqui são mais medianas. As italianas são mais bonitas que as Portugueses e claro, as do leste não tem comparação.

      2- Na zona onde estou não tem pessoal do leste (desconheço), talvez tenha em Lisboa ou Porto. Até onde sei esse pessoal vai mais pra Italia (romenos, principalmente, por causa do idioma que é próximo), Alemanha e França.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  5. ótimo post
    vc poderia morar em outros paises da europa e daria para escrever um livro com sua jornada

    abs!

    ResponderExcluir
  6. Corey, perfeito o post! Só corrobora aquilo que eu já falei com vc.

    Na Europa mais rica que Portugal e nos EUA, tudo isso que vc falou se aplica em modo hard. Uma grande rede de churrascaria brasileira não se sobressaiu ao mercado americano (fechou no primeiro Estado que tentou entrar, a Flórida). Adaptada ao "lucro Brasil", não se adaptou com as margens americanas.

    Muito se fala sobre a carga tributária brasileira. Pois bem, aqui o MEI começa pagando 50 reais de imposto. O simples nacional começa pagando apenas 4% do faturamento bruto. Ao se apurar o lucro líquido na contabilidade, este é totalmente isento de Imposto de Renda nas bandas tupiniquins. Na União Europeia, existe uma tributação solapante sobre os lucros das PME, que pode chegar a 33% (França). Fora que tem o IVA que pode chegar a 25% dependendo do país e vc tem que repassar pro consumidor no preço da mercadoria. Então, numericamente está comprovado que no Brasil as PME se paga menos impostos. O problema é que o que se paga não retorna pra sociedade.

    No Brasil já existe concorrência em todos os segmentos, sim. Mas não é nada, nada mesmo comparado ao mercado norte-americano ou europeu. Por aqui tem muito amadorismo e ineficiência, e é aí que aquele que faz a coisa direitinho, prestando um bom atendiemnto e sendo fiel à qualidade do produto/serviço oferecido, se sobressai.
    Aqui temos um mercado consumidor pouco educado financeiramente, nego caga pra educação financeira, e isso é uma grande oportunidade.Fora que o Brasil oferece a oportunidade de ganhos de escala com seus 210 milhões de habitantes;
    Não estou dizendo que é fácil. Não, não é. Empreender é difícil em qualquer lugaar e por aqui tem algumas buRROcracias que lá fora realmente são coisas extremamente simplificadas de resolver.
    Era relativamente fácil se sobressair com comércio e negócios no país e realmente "fazer dinheiro". Isso até 2013. Até o PT fuder tudo. No entanto, prevejo uma nova marola pra surfar sob a gangue do Bolsonaro nesta década 2020-2030.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chimpanzé, imagine empreender numa Alemanha da vida, onde a cultura é completamente diferente e são conhecidos por serem frugais (Lidl e Aldi são alemãs).

      Sim, o problema não é quanto pagamos e sim como a grana é revertida para a população. Europa e mesmo EUA se paga igual ou mais imposto que no Brasil.

      O principal exemplo de como um empreendedor fazendo as coisas certas pode se sobresair no Brasil é o ADG da High Torque (se não conhece vale a pena pesquisar). Um mecanico que começou a postar vídeos na internet de como trabalhava de maneira correta e honesta, viralizou e anos depois tá milhonário com trocentas franquias no Brasil. Como ele mesmo diz: No Brasil o maior malandro é o honesto.

      Empreender no Brasil já foi muito mais fácil mas ainda é mais tranquilo que na Europa.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  7. Ótimo relato e bem esclarecedor. Eu estou longe da aposentadoria, mas penso em Portugal como uma opção. Eu sou introvertido e acho difícil fazer amizade em uma cidade como SP por exemplo. Quero ver se consigo fazer uma viagem a turismo para aí para ter uma ideia de como é a "vida" das pessoas normais aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, se vc é introvertido (assim como eu) teria muita dificuldade em fazer amizade aqui em Portugal. Os portugueses nos tratam super bem mas daí a fazer amizade são outros quinhentos.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  8. Low coast sejamos sinceros em clubes de swing os dotados são os mais desejados, as mulheres entre elas quando cochicham sempre falam sobre o pênis dos homens.



    Eu mesmo depois que comecei a ir ora academia com aquela calça colada que marca tudo já peguei 3 cavalas gostosas que afirmaram curtir muito homem dotado(lembrando que 1 delas é casada).


    Ser dotado conta muitos pontos sim com a mulherada.


    Quando elas querem diminuir um homem sempre falam que ele tem pinto pequeno.



    Penis grande e grosso faz diferença sim, assim cono shape, beleza, altura e dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza esses atributos fazem sucesso com a maioria das mulheres, mesmo mulheres que dizem não ligar pra isso.

      Porém com relação a ser bem dotado nenhuma mulher saberá isso antes que você transe com ela, por tanto o fato de ser bem dotado de todos os fatos citados é o que faz menor diferença, porque esse fator não é explícito.

      Excluir
    2. Amigo tripé, ok, deve ser legal ter um pauzão mas não entendo a necessidade de ficar discutindo isso em qq lugar.

      Excluir
    3. Caro Corey, você não entende ? Cara, esse post maluco é a cara do Brasil, onde tem sempre alguém querendo aparecer !

      Excluir
  9. Muito interessante seu relato Corey, constrasta em alguns pontos aqui com O Canada. Principalmente na questão de simplificação dos impostos e simplicidade na burocracia. Vejo uma vantagem absurda em empreender aqui do que no Brasil, e achava que Portugal seria semelhante à América do Norte nessa questão de impostos e burocracia.

    Você acha que voltará a empreender no Brasil?

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Canadá deve ser mais para EUA que pra Europa, é legal ter um contraponto.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  10. olá meu caro!!
    Até que enfim alguem com propriedade falou algumas verdades! eu estou cansado de discutir isso com esses "liberais" que dizem que a mão do Estado brasileiro é pesada.
    Aí esses mesmos "liberaizinhos" de mer... que querem que Brasil se transforme em EUA ou Europa omitem que a Justiça lá é bem mais pesada.
    Exemplo:
    https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2019/03/27/interna_nacional,1041755/bayer-e-condenada-a-pagar-us-80-milhoes-a-homem-que-teve-cancer-por-h.shtml


    https://oglobo.globo.com/economia/monsanto-condenada-pagar-us-2-bi-casal-com-cancer-atribuido-ao-herbicida-roundup-23663128


    //g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2019/03/20/uniao-europeia-multa-google-em-149-bilhao-de-euros-por-antitruste.ghtml

    Comparar o Brasil com alguns países utilizando critérios isolados é comparar melancia com maçã. Nada a ver. (um país continental com 200 milhões de habitantes e quase metade sem ensino superior e boa parte analfabeta). É fácil citar país menor em tamanho geográfico e populacional que São Paulo.

    Você fez muito bem Corey, mencionando diversos aspectos. Porque desmistificou a lenda que existia que o Brasil é um entrave ao empreendedorismo. Mal perceberam ainda que os estrangeiros adoram vir para cá apenas para sugar do sangue e suor dos brasileiros e enviar seu lucro para o exterior.
    Um exemplo é o assunto da privatização. Tem empresa que não tem que dar lucro, e sim atender o interesse público, ampliando concorrencia. Quer um exemplo? Cingapura tem uma estatal de e linhas aéras (Cingapure airlines). Quem sabe se tivessemos uma estatal nesse setor as passagens não poderiam ser mais baixas, obrigando as outras empresas (que atuam em oligopólio disfarçado) a diminuírem as suas passagens.
    Outro exemplo: Correios. Ninguem manda carta hoje, mas quantos não fazem compra pela internet. Já pensou dominar esse nicho e obrigar o consumidor que comprou um produto a pagar uma bela taxa a você e você ser o dono de 95% dessa fatia de mercado? Aí tem gente que acha bonito privatizar e entregar isso na mão do estrangeiro, que vai atuar com "mais eficiência". VocÊ é empreendedor, Corey! Avisa esse pessoal que investidor quer é lucro no bolso!!!

    Empreender aqui no Brasil é fichinha perto de vários países desenvolvidos. Ser PJ aqui e sonegar imposto é discurso paradoxal de neoliberal que quer que aqui vire Austrália mas não quer ter 45% da renda taxada, como lá na Austrália. Imagina quanto arrecadaríamos com 45%!!!
    É isso que faz um país mais justo. Começa por aí… tratando pessoas diferentes de forma diferentes.

    Aqui no Brasil é uma piada a carga tributária. Uma pessoa que tem patrimônio de 25 milhões de reais não muda nada em seu padrão de vida se o Estado morder uma fatia e deixá-la com 24 milhões. Aí ficam de “mimimi”: “uhhh.. duhhh.. mas o capital vai tudo para fora se tiver taxação em grandes fortunas.”
    Mas aí é contraditório! O Estado brasileiro quer arrecadar mais para dar oferecer serviço público de qualidade, aumentar salário de professor e os “liberais” se sentem incomodados. Por outro lado, querem citar Liechnstein como exemplo de mundo, que paga para um professor ESTADUAL mais de 74.000 euros/ano.

    Enquanto isso não percebem que 50% da arrecadação vai para remunerar bancos e fundos em dívida pública (isso também é omitido e mentido, porque jogam a culpa na previdência, que com essa reforma só vai fazer banco ficar com mais grana ainda).

    VocÊ deu uma aula para o https://www.investidorinternacional.com/um-interminavel-filme-de-terror/

    É isso meu caro!! Esse post, neste ano, por enquanto fica sendo o melhor deles: "desmistificando a Europa". Parabéns!!!
    E me junto aos demais, que querem mais posts desse tipo.

    abraço, sucesso e ótimo domingo!

    Ass: Capitalista extremista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, confesso que fiquei um pouco confuso com seu post, achei contraditório em vários pontos, mas pode ser compreensão minha mesmo.

      Não entendo como uma estatal pode puxar concorrencia, não conheço exemplos de onde isso aconteceu, mas se vc tiver fique a vontade de exemplificar.

      De qq forma obrigado, abraço

      Corey

      Excluir
    2. Excelente comentário, Eduardo Moreira.

      Corey, mais umas duas postagens dessa e eu volto orgulho de ser brasileiro.

      Obrigado

      Excluir
    3. Olá, meu caro, Corey. Irei explicar.
      Talvez tenha ficado sem uma "fluidez e continuidade" porque eu copiei e colei o que tinha escrito antes em outro post de um outro blog.
      Vamos lá!
      Exemplificando como uma estatal pode puxar a concorrência (no caso, um exemplo no setor de linhas aéreas).
      .
      Acabei de fazer a seguinte consulta:
      Passagem para semana que vem de São Paulo-Foz do Iguaçu-São Paulo (ida: dia 23; volta: dia 24). Preço mais barato encontrado: R$1.383,00.
      (De curiosidade, olhei o mesmo trecho mas com menos de dois meses para frente. Ida: 11/jan; Volta: 12/Jan. Preço: R$764,00 - ou seja, a companhia aérea faz uma operação bem mais barata que na primeira data e ainda está lucrando com isso, correto?)
      Pois bem.
      O papel da estatal, em um setor de linhas aéreas por exemplo (APENAS UM EXEMPLO), seria fazer uma operação como essa, mas sem visar lucro, o que daria, pela lógica contábil, bem menos que R$764,00. E mais: ainda que fosse próxima a viagem, a companhia estatal aérea não aumentaria o valor da passagem, como praticado de forma costumeira pelas companhias aéreas.
      .
      Isto posto, uma estatal atuante no setor de companhia aérea, que opera só para fechar a conta, já que o interesse de sua criação é público e não de dar lucro, a concorrência é puxada para oferecer um voo mais barato.
      .
      Pensar que temos concorrência no Brasil, especialmente em "mega setores", como setor aéreo e bancário, por exemplo, é um ledo engano. Por isso você consulta uma passagem aérea e o valor da passagem várias, às vezes, apenas centavos (que bela concorrência!).
      Brasil sempre permitiu oligopólios assim, por isso temos 5 bancos concentrando 95% das operações financeiras do país, mas isso não passa despercebido por um empreendedor, como você.
      .
      Pronto, é isso. Compreendeu? O que acha? Qualquer coisa pode falar e tento esclarecer.
      (Nem venha dizer por favor: “ahhh… mas a estatal não ia operar tão bem como uma privada”. Isso já é outraaa questão e aí a nossa discussão iria longe).
      .
      E o que isso tem a ver com o post?
      Tudo! É que da mesma forma que alguns falam “AHH! É BEM DIFÍCIL EMPREENDER NO BRASIL! BOM MESMO É A EUROPA E EUA” também falam, erroneamente: “TEM QUE PRIVATIZAR! PORQUE AÍ TEMOS EFICIÊNCIA E PREÇO BAIXO DE SERVIÇO E PRODUTO!” E vários aspectos são ignorados, como o fato de perceber que a “mão invisível do Estado brasileiro é bem mais leve do que parece”.
      .
      E seu cachorro??
      Abs.
      Capitalista extremista.

      Excluir
    4. Que cara doido esse "capitalista extremista".

      Uma empresa que não vise o lucro não tem o porquê de existir. E sem isso, ela está fadada a ruína. Sem incentivos econômicos essa tal estatal aérea nunca iria se modernizar, prestar bom atendimento, procurar formas de diminuir custos (e consequentemente aumentar a produtividade), seus funcionários não serão incentivados a se reciclar, aprender idiomas, em suma, não terão nem que se esforçar para serem cordiais só público. Mais ou menos o que já se vê em muitas repartições públicas hoje.
      E se é "pública" significa que todo mundo paga, via impostos, INCLUSIVE (e principalmente) os mais pobres, que nem voar, voam. mas pagarão pesados impostos pra permitir que a AEROBRAS permita "preços mais baixos pro Enzo voar pra Miami".

      Isso sem entrar no mérito da provável corrupção que mais cedo seria imantada lá, já que os principais cargos executivos da AEROBRAS seriam indicados politicamente. Como nas outras estatais federais. Ai vc teria sei lá, o sobrinho do Renan Calheiros indicado como presidente.

      Essa é simplesmente a melhor receita pra um fracasso de política pública, que vai sair bem cara em poucos anos.

      Excluir
    5. Sim, anonimo.
      É público = todo mundo paga. Mas num país "normal" o pobre paga menos e o rico paga mais - que não é o caso do Brasil.

      Excluir
    6. Mais um zé que nunca teve empresa ou sabe como é a vida de empreendedor repetindo a papagaiada da turma esquerda da vida. Mil contradições e um texto só... você acha que o Brasil não é complicado? Me diz ai você conhece o programa do governo chamado sped bloco k? Sped contábil? ECF? E o pior é que ele paga de grande conhecedor da economia, mas fala que a reforma da previdência é pra ajudar os bancos. Rir pra não chorar com esse povo!

      Excluir
    7. Esquerdista quer empresa estatal pra morder um cargo público para ficar de vagabundagem ou tributação de fortunas para fabricar uma pensão ou bolsa. Perceba que quando não conseguem parasitam os pais.

      Esquerdista não gosta de trabalhar mas quer receber sem contribuir com nada de relevante pra sociedade.

      O correto seria privatizar 100%, inclusive o governo dá pra ser privatizado, polícia, tribunais, tudo privado!

      Imposto zero! Apenas voluntário em momentos de crise! (Guerra, fome, etc).

      Democracia direta digital enxugaria a máquina pública e acabaria com a corrupção mas naturalmente segregaria o país.

      Não precisamos de um país grande, forte e assistencialista.

      Podemos ter vários países livres para decidir o seu próprio destino, com ideais e culturas diferentes, onde as pessoas se juntariam por afinidade.

      Tudo isso que coloquei é uma utopia, mas ser libertário diz mais a respeito da liberdade e do respeito às outras pessoas, o que pouco acontece com a gente hoje em dia.

      Imposto é ROUBO em qualquer lugar do mundo, e sonegar é a nossa única legítima defesa.

      Excluir
    8. É impressionante como num momento em que alguém fala em uma provável solução ou aponta, de maneira específica, certas contradições, assim como o Corey fez no texto, por exemplo, vemos pessoas que pensam de modo contrário simplesmente atacando a pessoa e não os seus argumentos de forma fundamentada. Vejamos:

      1. "Mais um zé (...)" - ataque à pessoa, conduta típica de quem geralmente fala dela mesma.
      2. "Mil contradições (...)" - embora o anônimo não tenha mencionado ao menos uma delas de modo a elevar o nível da conversa.
      3. "Você conhece o termo 'x' (...)?" - não, realmente não conheço. E mesmo que eu conhecesse, isso não faria diferença na minha vida, pois nunca precisei saber profundamente o significado desses termos. (No caso de precisar eu iria terceirizar o serviço - para isso tem escritório de contabilidade; pela mesma razão existe escritório de advocacia - para trabalhar em um caso específico).

      Por outro lado, eu também poderia perguntar se o anônimo conhece inúmeros termos que é da minha área e não da dele. Ou seja, é uma pergunta inútil e que não quer dizer nada.

      4. "paga de grande conhecedor da economia" - não, meu caro. estou 'pagando' não. realmente não sei nada.
      -
      Há um simplismo em desejar que o Brasil atinja padrões Europeus sem querer enxergar a realidade desses países, como a alta tributação, por exemplo.
      -
      Vamos fazer o seguinte questionamento a uma pessoa de extrema esquerda: "Você acha que o governo deve dobrar o valor do bolsa-família?" Resposta do esquerdista: "SIM!"; segunda pergunta: "Você se dispõe pagar mais imposto para que o governo possa dobrar o valor do bolsa-família?"; resposta do esquerdista: "NÃO!!!"

      Vamos fazer o seguinte questionamento a um "neoliberalzinho": "Você quer que os serviços públicos sejam tão eficientes como na Austrália?"; resposta: "SIM!"; segunta pergunta: "Você quer ter sua renda taxada como na Austrália, em 45%, para que o Estado possa fazer investimentos nos serviços públicos?"; resposta: "NÃO!!!".
      -
      O que quero apontar é a seguinte contradição: as pessoas querem o benefício, mas não o sacrifício.
      Querem abrir um negócio de sucesso na Europa, mas não sabe das grandes dificuldades burocráticas que a esperam - talvez maiores que no Brasil.
      Acham que a mão do Estado brasileiro é pesada, mas desconhecem a realidade dos outros países que elas mesmas têm como exemplo.

      -

      "Ahhhh... mas não adianta o Brasil arrecadar mais porque aqui tem corrupção". Arram... não tem corrupção nos EUA e na Europa, parabéns a você!
      -
      É tão complicado ter uma conversa "útil" hoje em dia...
      Desculpe ser extenso, Corey, mas só assim para 'tentar' seu um pouco claro naquilo que pretendo dizer.
      -
      capitalista extremista.

      Excluir
  11. mudando de assunto...
    como está o seu cão?? adaptou? e o frio? vocÊ sai com ele? Povo aí tem mais gato, ne?
    abs

    Capitalista extremista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A companhia estatal teria custo bem maiores que há privada. Funcionários iam ganhar mais, trabalhar menos (menos eficiente) e ainda vai haver mais corrupção e cargos políticos. Dessa forma já não seria possível colocar o preço baixo, a não ser que o contribuinte pague mais por isso. De forma geral quanto menos entrave (menos barreira que o governo coloca) mais concorrência há. No caso da companhias aéreas é só liberar a entrada das estrangeiras e dar espaços aéreos nos aeroportos.

      Excluir
    2. Povinho,
      já vi que vc desconhece a diferença de salário dos executivos do Bradesco e do Itaú com relação ao dos executivos do Banco do Brasil. Executivos dos primeiros bancos recebem bem mais - essa informação está disponível na internet.
      Sobre corrupção: engraçado falar que haveria, pois lembrando o caso do "petrolão", a corrupção tinha início com um cartel formado por 13 empreiteiras, empresas privadas que simulavam uma concorrência nas licitações.
      Corey, esqueceu de falar outra coisa sobre a europa. Não há entrega de objetos como há no brasil. Você recebe uma notificação na sua casa e busca o objeto em uma central do que seria equivalente aos correios - a não ser que você pague por isso e um valor bem mais alto.
      ASS: RUMO A IF AOS 35.

      Excluir
    3. As melhores companhias aéreas do mundo são estatais: Qatar e Emirates.
      TAP Portugal: estatal.
      Quer ir para africa? Consulte o preço dos voos e verá que os preços mais baratos são pelas estatais Ethiopian e South african airlines. Brasileiro só não costuma usá-las porque está mal acostumado a comprar apenas "pacotes", que acabam oferecendo só voos pelas companhias que que já conhecemos.
      " é só liberar a entrada das estrangeiras e dar espaços aéreos nos aeroportos": BALELA!

      Excluir
    4. Meu cão vai indo, um dia após o outro. Obrigado por perguntar.

      Confesso que ainda estou confuso com essa história toda de estatal ser bom pra concorrencia, não vou simplesmente gritar que não funciona pq até que seus argumentos fazem sentido, ao menos na teoria.

      Abraço

      Corey

      Excluir
    5. Estatal nunca será a melhor opção pelo argumento mais forte de todos: cabides de emprego, apadrinhamento político e funcionário público vagabundo.

      Conheço muitos comissionados, gente que entrou na prefeitura sem concurso e continua lá por anos, faltas remuneradas, entre as mil regalias.

      Tem que privatizar 100% e acabar com essa farra e os impostos.

      Excluir
  12. No meu entender o maior problema é a concorrência com grandes empresas. Como o consumidor é mais "inteligente" não compra por impulso, compra onde estiver mais barato (aguarda alguns dias para compra de uma grande rede pela internet ou simplismente vai direto em um loja física das grandes redes). Por Portugal e a própria Europa ser pequeno, a entrega é super rapida. Dessa forma é mais difícil pro pequeno comerciante de rua. Além de que, pelo que falou, o pequeno não tem nenhuma facilitação, as mesmas dificuldade colocadas pelo estado é tbm colocado ao pequeno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E-commerce aqui tá engatinhando, nem se compara com o Brasil. Meia dúzia de gatos pingados compram pela internet, parece brasileiro em 2006. Até existe facilidades como comprar da China sem ser taxado e a Amazon da Espanha, mas pelo que percebo poucos aproveitam isso, compram em loja física mesmo.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  13. Acompanho o blog há anos, vc sempre traz mta informação nova! Não imaginava o que era empreender em Portugal.
    Felicidades pra vc e sua esposa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concurseira em 2019 no Governo Bolsonaro? Bota o meme aí "aqui tem coragem!"

      Volta LULA, 500 concursos por ano pagando 10k, dava pra escolher e já era...Tempinho bão!

      Excluir
  14. Mataram a pau Corey e Capitalista extremista.
    Brasil é um país de oligarcas. So nao ve quem nao quer

    ResponderExcluir
  15. Mataram a pau Corey e capital extremista.
    Brasil é país de oligarcas. So nao ve quem nao quer

    ResponderExcluir
  16. Excelente post, Corey. E você nem chegou a comentar sobre as regras e legislações trabalhistas bizarras que por cá existem, da quase impossibilidade de demitir alguém às relações de trabalho no estilo chefe manda, empregado cala a boca e obedece.

    Moro cá há pouco mais de um ano e já estou a cogitar a possibilidade de virar avec.

    Discordo do retorno dos impostos aqui. O SNS é patético e os serviços essenciais vivem a fazer greve.

    Cumps,
    IOTR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, é muito bom ser empregado aqui, as mamatas são bem maiores que no Brasil.

      Comparadom com o Brasil os serviços públicos de Portugal são excelentes, só a segurança já paga a conta.

      Abraço

      Corey

      Excluir
  17. Vcs reclamam da CLT? Na França o código trabalhista
    (code du travail) tem 3 mil páginas. A Alemanha é extremamente rígida com questões trabalhistas.
    Só mesmo os anglo-saxões (EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia), Suíça e mais algumas outras exceções tem relação trabalhista mais liberal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! O WalMart até saiu da Alemanha por não conseguir se adequar às leis trabalhistas e mindset dos empregados de lá.

      Abraço

      Corey

      Excluir
    2. Aqui no Brasil o Walmart também saiu por se ferrar com a justiça do trabalho.

      Excluir
  18. Eu nem me lembro a última vez que precisei sacar dinheiro em banco e pagar alguma coisa com dinheiro em espécie aqui no Brasil - isso faz no mínimo 6 meses.
    Em Portugal seria impossível ficar tanto tempo - você tem até posto de gasolina que não aceita cartão. dá pra acreditar??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reza a lenda que na Alemanha é ainda pior.

      Excluir
    2. As pessoas ainda estão utilizando muito dinheiro em espécie na Europa.
      baixa inflação: em um país com baixa inflação as pessoas não tem problema para guardar pilhas de dinheiro de baixo do colchão. 100 euros são 100 euros depois de um ano.
      A instituição de taxa de juros negativas é outro: no lugar de ser remunerado com seu depósito bancário, simplesmente você é cobrado por isso (logo isso chega no Brasil - já está tudo "ensaiado". Assim, os bancos centrais forçam quem vive de renda fixa a retirar do "principal", ainda que a longooo prazo.
      dois bancos na alemanha já estão praticando taxas de juros negativas par adepósitos acima de 100.000 euros.
      http://www.ft.com/cms/s/0/39b009c6-5fc2-11e6-b38c-7b39cbb1138a.html

      Excluir
  19. Parabéns Corey pelo seu excelente texto.
    Descrição ao estilo "CVR" do antigo BOLHA IMOBILIÁRIA (um antigo blog).
    E parabéns pela diplomacia, no caso do "capitalista" extremista, pois o cara tem o direito de falar o que quer, vc respondeu com educação mas sem dar corda.
    Pena que outros comentários caíram na armadilha do contraditório enfurecido. Não que eles estejam errados, pois este "capitalista" tem um discurso totalmente estatal e anticapitalista, mas vc soube lidar com o ruído sem gerar mais ruído.
    Mais uma vez parabéns.

    ResponderExcluir
  20. A internet precisa de mais textos como esse, Corey, parabéns!
    Imagino que na Suíça o empreendedor deve enfrentar problemas ainda piores (população pequena, barreira de 3 idiomas, saturação de mercado, etc.) de modo que fico imaginando se a maior liberdade econômica de lá conseguiria compensar isso... partindo do seu artigo, deduzo que empreender na Suíça seria um misto de Portugal e EUA...

    ResponderExcluir
  21. Corey vc escreve muito bem parece que tirou as palavras da minha cabeça, concordo muito com voce, alias hoje estive no meu contador e realmente nem eles entendem exatamente como funciona a tributacao..
    fazia uns 3 anos que nao acessava o blog, pra ter uma ideia acabei de descobrir q o blog do pobreta nao existe mais.

    ResponderExcluir
  22. muito bom o texto e os comentários
    quanto à intervenção do Estado, de acordo com o código penal de Massachussets, é crime quando dois adultos, não casados, fazem sexo consensual entre si

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.