quarta-feira, 22 de agosto de 2018

"Desistam de se mudar para Portugal"

Matheus Moraes sugeriu que eu comentasse uma matéria que saiu no Estadão esses dias, leia a matéria na íntegra aqui.

É engraçado ler esse tipo de matéria uma vez que você está por dentro do assunto, vivendo aquilo dia-a-dia, fica bem interessante. No geral digo que a autora tem muita razão no que diz dentro do contexto e público alvo para qual escreveu e totalmente sem noção para outras pessoas. Vamos lá...

A Ruth vive em Portugal à 4 anos, casada com um português, então com certeza deve saber um pouco mais que eu sobre o país e o rumo da imigração brasileira, mas algo logo no começo do texto já me brochou:
"Concordo que, quando Bolsonaro é fortemente cotado a presidente da República, não dá vontade de criar filhos nesse lugar."
Claro, criar filhos num país comandado por petistas é ok, o problema é o Bolsonaro e o fortalecimento da direita. Veja bem, se nosso querido Molusco ganhar, isso poderá ser uma excelente janela de oportunidade para se ganhar dinheiro no Brasil, esperto quem aproveitar, burro é quem ficar de mimimi. Foda-se quem governa ou deixa de governar o país, precisamos aproveitar as oportunidades sem ser um velho chorão. Muita gente focou milionária de maneira lícita durante os anos do PT, esperto foi quem se ligou que a farra não ia durar pra sempre, vendeu suas empresas, soube investir o que ganhou, mandou dinheiro pra fora... Podemos quem saber ter uma nova onda dessas.

Voltando à Portugal ela tem razão quando diz que Portugal está na moda e que muitos europeus estão vindo para cá devido à qualidade de vida elevada e baixo custo de vida, isso não é novidade. Também está certa quando diz que o dinheiro de fora injetado aqui infla o preço das moradias e fode com a vida do português que ganha luso-euros, porém como sempre acredito que existe um grave problema geográfico envolvido nisso: LISBOA e PORTO. Portugal não se resume à essas duas cidades e assim como eu fiz, outros podem vir ao interior onde a moradia ainda é acessível e há muitas vagas de emprego disponíveis. Lisboa é enorme, economia forte, muito trabalho, mas sofre do mesmo problema brasileiro da superpopulação, é muita gente numa mesma zona geográfica disputando emprego e moradia. Se tem um conselho que dou pra quem está planejando vir pra Portugal é: venha para o interior, sua vida será melhor, mais barata, terá mais emprego e tudo será mais fácil.

Portugal não é só Lisboa!

"Os brasileiros não têm grandes dificuldade para conseguir empregos como garçom, vendedor ou camareira. Mas vejo pessoas achando que vão chegar aqui e facilmente conseguir trabalho como advogado, engenheiro, publicitário, administrador. Surpresa: não vão."
Exatamente! Não poderia ter explicado melhor. Amiguinho, tenha uma coisa em mente quando pensar em emigrar: as chances de trabalhar na sua área de formação e ter sucesso nisso são ínfimas de tal forma que é melhor desencanar disso e trabalhar com a hipótese que isso simplesmente não irá acontecer. Quer saber, isso é um exercício libertador de várias maneiras. Por ter vindo com esse pensamento é que Bia e eu arranjamos trabalho tão rapidamente (por não ficar de mimimi esperando uma vaga nas nossas áreas ou gastando tempo com validações de diplomas, etc), outra grande vantagem é a chance de ganhar mais, isso porque quando um peão ganha € 850 e um advogado ganha € 1.000, não me parece muita vantagem trabalhar na área de direito...
"Quanto ao sistema público (nem vou entrar na conversa óbvia de ter que explicar que nem todos têm direito a utilizá-lo), posso dizer que 90% dos amigos portugueses que tenho têm plano de saúde privado. E seus filhos estudam em escolas privadas. E não, não é baratinho. E que mesmo nas escolas públicas quase sempre é preciso pagar um valor mensal."
Acredito que o ciclo de amizade da Ruth seja de pessoas de classe média, classe média alta, porque até onde sei nenhum dos meus colegas de trabalho tem filho em escola particular. Sobre plano de saúde privado você encontra até de graça (sim, o supermercado Continente "dá" um plano de saúde pra quem é cliente, isso porque mesmo com plano de saúde aqui é tudo co-participativo) mas se quiser pagar dificilmente vai gastar mais de € 50 por família.
Quando olho para um centro de saúde público de Portugal, me pergunto se elite brasileira estaria disposta a viver assim. Tenho certeza absoluta de que não. Quem está habituado à desigualdade social tem sérias dificuldades para abrir mão dos seus privilégios.

Sem dúvidas! Galerinha que tem Sulamérica no Brasil jamais se sujeitará ao sistema público português. Ainda não precisei usar, mas relatos de conhecidos dizem que é normal esperar 12h pra ser atendido na emergência de um hospital, mas quando você destrincha a informação entende que o sistema aqui é bem diferente: você tem um telefone pra ligar e fazer uma pré consulta por telefone, o médico pode inclusive receitar medicamentos por telefone porque o sistema de receitas é eletrônico e quando você chega na farmácia basta apresentar seu documento e a receita já está no sistema. Existe uma separação por níveis de emergência, logo se você é daqueles que vai no postinho brasileiro porque está com gripe, ficará sim 12h esperando no hospital. No sistema de saúde a simplicidade impera novamente (como tudo em Portugal), não há sofisticação alguma, é tudo enfermaria, tipo linha de produção mesmo. Estranho pra quem acha que hospital deve ser uma experiência hoteleira...

A frasinha de "abrir mão dos seus privilégios." é bem esquerdada mas não deixa de ser verdade. No Brasil a classe média (me incluo no grupo) acostuma-se ter uma vida bem diferente da classe mais baixa, seja por ter filhos em escolas pagas ou por ter um plano de saúde que te coloca num quarto com ar condicionado. Aqui o que acontece é uma uniformização, uma homogeneidade entre os pobres e a classe média, só começa ter alguma diferença a galera mais bem de vida mesmo. Na prática o frentista do posto, o caixa do supermercado, o enfermeiro e o advogado estão todos no mesmo balaio...
A sensação de segurança realmente existe por aqui. Andar de ônibus à noite (lembrando que um bilhete para um trajeto, comprado com o motorista, custa quase 2 euros) sem medo é mesmo um luxo. Mas vale dizer: furtaram o celular de diversos conhecidos aqui. Deixamos nosso carro na rua de casa e no dia seguinte encontramos os vidros quebrados e não sobrou nem a cadeirinha da minha enteada para contar história. O paraíso não existe.
Parece que  nas grandes cidades está ficando assim mesmo. O que acontece aqui é a famosa frase: "a ocasião faz o ladrão". Você dificilmente sofrerá um assalto ou crime violento mas não dê bobeira, achando que seu Iphone69 não será furtado.
"Mas não gostam tanto assim dos nossos diplomas e frequentemente não acham que somos bons o bastante para ocupar certos cargos, frequentar certos lugares ou para namorar certas pessoas. Somos frutos de uma ex-colônia. Somos América Latina. Somos hemisfério sul. E isso fica evidente na forma como somos tratados."
É claro que não gostam dos nossos diplomas, o sistema educacional brasileiro é um lixo e pra exercer qualquer coisa aqui nossa formação brasileira quase sempre não é suficiente. Os portugueses tem a Universidade de Coimbra fundada 300 fucking anos de descobrirem o Brasil! Caralho, precisa falar mais alguma coisa? Competir com profissionais portugueses é dificílimo, mais um ponto a favor da minha teoria de desertar da profissão antes de vir pra cá.

Sobre sermos mal vistos por sermos ex colônia, brother, chega de hipocrisia, somos inferiores em muita coisa sim, somos no geral mais selvagens (a sociedade brasileira nos moldou assim), somos mais xucros, e isso vai de cada um contornar da maneira que achar possível.

Acontece que pra grande parte do pessoal que tem condições de vir para Portugal, o país acaba sendo mais uma armadilha que outra coisa. Aposentados que vem com visto D7 se fodem por depender do câmbio, grande parte das pessoas que vem com cidadania possuem uma boa situação financeira no Brasil (só o custo da cidadania pode ser o de um carro popular) e se veem como pobres por aqui. Muitos veem com a ideia de ter uma vida minimalista (como a minha), diminuir o ritmo, etc, porém ao chegar aqui percebem que isso não é pra eles, que eles gostam de ter um pouco mais, viver com mais e isso pode ser inviável por aqui. Acho que minha grande sorte é ser realmente minimalista, ter uma companheira idem, ter documentação necessária e ser desencanado da profissão e de bens materiais, além disso trabalho com pessoas simples, o que faz minha expectativa profissional/financeira também ser baixa. Pessoas assim com certeza se darão melhor por aqui.

A Ruth escreveu esse texto para o típico casal classe média-meio-alta brasileiro, que tem renda familiar de pelo menos R$ 18k, um Civic 2016 e um Rav4 2018 na garagem do sobrado de R$ 500k, Valentina e Enzo estudam numa escola particular, possuem todos os canais da Net, todos os eletrônicos da maçã e fazem compra no Pão de Açúcar e no Marché. Nesse contexto, ela tem toda razão.

74 comentários:

  1. Então você tocou em um ponto que muita gente não percebe que é a diferença entre as grandes metrópoles e as cidades menores de interior.

    Inclusive já vi uma pesquisa que comparava as grandes metrópoles do mundo e verificou que elas se parecem mais entre si do que os países em que estão inseridas. Exemplo: São Paulo, Nova Iorque e Tóquio se parecem entre si mas do que as outras cidades de seus países porque pelo seu porte e número de habitantes acaba se tornando inevitável um enorme número de sem tetos, zonas com infraestrutura precarizada e criminalidade alta e etc.

    Esses problemas estão mais associados ao fato de que se tratar de cidades absurdamente grandes que cresceram de maneira desordenada do que os problemas dos países em si.

    É por esse motivo que eu não saio da cidade de médio porte de onde eu vivo para me meter em uma São Paulo por exemplo. De que adianta ter mais oportunidades de emprego se o custo de vida vai subir na mesma medida.

    Dito isso acredito que Portugal é sim uma boa opção. Acontece que a mentalidade de pessoas de pensamento socialista é diferente da nossa.

    Enquanto eu tenho meus 24 anos e não tenho vontade nenhuma de ter filhos em um lugar precário igual o Brasil onde impera o caos e não tem segurança pública, no qual você pode tomar um tiro na cara por causa de um celular, enquanto eu estou preocupado com essa democracia instável do Brasil que sempre ameaça se tornar uma ditadura (ora de esquerda, ora militar), enquanto estou preocupado se meus futuros filhos passariam necessidade em uma economia quebrada ou se morreriam por causa da criminalidade urbana, a esquerdinha está preocupada com cara feia e ofensas verbais por parte dos portugueses mais xenófobos rs

    No mais senti um tom do bom e velho "terceiro mundo para vocês e primeiro mundo para mim" característicos daqueles socialistas que são eles próprios burguesinhos, já que ela esta casadinha e com o dela garantido em um país que por enquanto esta bastante estável em relação ao Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, cidada grande é cidade grande em qq lugar do mundo, a bagunça, hiperlotação, sujeira, tudo isso impera. Americanos costuma dizer que NY não é EUA, eles tem razão, NY não tem nada a ver com a maioria do país.

      "De que adianta ter mais oportunidades de emprego se o custo de vida vai subir na mesma medida." - normalmente não é na mesma medida, o custo supera as oportunidades.

      "a esquerdinha está preocupada com cara feia e ofensas verbais por parte dos portugueses mais xenófobos rs" - verdade! Vou fazer um post sobre "xenofobia" mas pra adiantar continuo insistindo que a maioria dos preconceitos estão mesmo dentro das cabeças.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. O goyim corey ta bolado.

      Excluir
  2. Se todo mundo que mora nos países considerados de terceiro mundo, mudasse para países de primeiro mundo, os países de primeiro mundo nao teriam condições de recebê-los e logo tudo viraria um caos.

    Imigrar pode ser uma alternaiva pra muitas pessoas e acho que cada um tem a liberdade de fazer as escolhas que tem vontade. Por hoje posso dizer que não tenho vontade de morar em outro país.
    Digo por hoje porque posso mudar de opinião. Porém tenho bem claro que sou brasileiro, com todos os problemas inclusie cultarais que o Brasil tem, a minha nacionalidade é brasileira.
    Sei que é até certo ponto utópico o que vou dizer. O Brasil tem potêncial fantástico pra quase tudo, depende fundamentalmente da mudança de comportamento e cultura da população para qe esse país melhore.
    Portugal, Espanha, França, Japão, Alemanha, Irlanda, já passaram por momentos de dificuldades (em alguns casos dificuldades extremas) e se reerguram, uns mais outros menos, mas são melhores hoje.
    E se a população desses países tivesse desistido de seus países nos momentos de crise?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas os países de primeiro mundo não possuem condições de absorver os de terceiro, mas isso jamais acontecerá, na verdade é pouca a gente que tem vontade de emigrar.

      Olha, nem é questão de ufanismo e sim de praticidade. Se você me mostrar somente uma coisa que eu posso fazer em prol de melhorar a sociedade brasileira e que vai resultar em algo positivo eu compro a passagem de volta pro Brasil hoje mesmo. Mas não vale coisas abstratas como: "use seu conhecimento em prol do país", "o Brasil precisa de empreendedores", "fique e lute por um país melhor"...

      "E se a população desses países tivesse desistido de seus países nos momentos de crise?" - mas eles deixaram!!! Basta olhar ao redor, EUA é quase tudo descendente de Irlandês, no Brasil vemos portugueses, italianos, japoneses e alemães por todos os lados. Imigração faz parte do ser humano, sempre existirão muitas pessoas imigrando e via de regra imigrante se dá melhor que o nativo pq sabe a merda de onde veio e não quer voltar. Pq japonês é tudo rico no Brasil? Pq portugueses montaram impérios de imóveis na grande SP?

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Corey, não sou ufanista, pode ter certeza.
      Procurando ser um cidadão de bem você já está ajudando a melhorar o país.

      Sei que muitos europeus foram para EUA, Canadá, Brasil, Argentina e Austrália.
      Sei também da imigração japonesa.
      Muitos dos exemplos das imigrações citadas ocorreram por que esses países estavam em crises profundas ou guerras.

      O Brasil apesar de todos os problemas, felizmente não atingiu esse patamar e espero que não atinja.
      Também vejo a questão da imigração muito pelo lado do país que os recebe.
      Você já pensou nos desafios e problemas que países que recebem quantidades grandes de imigrantes podem sofrer?
      Portugal fatalmente passará por isso, o que geralmente resulta em queda da qualidade de serviços e por fim de vida das pessoas.

      Enfim é um tema complexo e não quero simplesmente polemizar, apenas mostra um ponto de vista.

      Vou citar aqui um exmplo de algo que vi uma vez pela TV e me deixou muito pensativo sobre tudo iss.
      A alguns anos um furação atingiu o sul dos EUA e uma brasileira foi entrevista ainda assustada com o que tinha ocorrido.

      Na curta entrevista ela disse que voltaria ao Brasil, já que aqui não tinha esse tipo de coisa. Sei que a entrevista foi no susto e temos que dar um desconto.

      Mas veja enquanto o lugar lhe foi útil ela não queria voltar, a partir do momento que se deparou com uma situação ruim, a volta já apareceu como uma opção.
      EmPortugal a alguns anos houve uma crise econômmica e muitos brasileiros voltaram, reclamando inclusive.

      É correto isso? Se srvir de um local enquanto esse lhe oferece algo bom e quando ocorre algo ruim se descarta tudo isso e em muitos casos se critica.
      Sei que não são todos assim, mas vejo isso como algo relativamente comum aos imigrantes ou mesmo migrantes.

      Com relação as cidades grandes:
      Muitos criticam as grandes cidades por vários motivos. Mas as grandes cidades tem boa parte de sua população originária de outros lugares, geralmente menores.
      Porque essas pessoas não conseguem dar a cidade grande uma cara de cidade menor então?

      Acho que no fim das constas as pessoas enxergam esses lugares apenas como transitórios. As grandes cidades acabam sendo usadas e não vividas, não se tem vinculo por boa parte de seus moradores.
      Acho que também por isso se tornam lugares frios, já que são de todos e ao mesmo tempo de ningém.

      Excluir
    3. Ok, sendo cidadão de bem eu já estou ajudando. E o que ganho com isso? Sim, já pensei nos desafios e problemas que os países que recebem imigrantes enfretam. Novamente, o que ganho com isso? Desculpe amigo, queria ser mais altruísta mas acabo sendo egoísta mesmo, acho a vida muito curta pra se preocupar com essas coisas, não sou Madre Teresa, infelizmente...

      Portugal já está perdendo qualidade devido à alta quantidade de imigrantes (me incluo nisso), mas não são todos pobres q chegam para sugar. Há muita gente injetando dinheiro no país, aposentados com visto D7 que gastam em Euros, franceses que se aposentam e tb acham aqui um lugar bom pra se viver, injetam uma quantidade enorme de dinheiro no país... Nem tudo é negativo...

      "Mas veja enquanto o lugar lhe foi útil ela não queria voltar, a partir do momento que se deparou com uma situação ruim, a volta já apareceu como uma opção." - olha, sinceramente sou desses. Se amanhã Portugal não me servir mais, vou pra outro lugar. Não vou ser hipócrita e dizer que não... Alías o mesmo se aplica (ou deveria se aplicar) pra tudo na vida. Se seu casamento é uma merda, pq continuar? Entende meu ponto de vista?

      "Porque essas pessoas não conseguem dar a cidade grande uma cara de cidade menor então?" - hiperpopulação e diferença de culturas já são razões suficientes.

      Acho que todo lugar é transitório, não sei se um dia finalmente irei falar: "vou ficar aqui pra sempre". Sei lá, o mundo é tão grande pra nascer, viver e morrer em um só lugar, ou em 10, ou em 20...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    4. quero viver onde é bom para mim.
      Se não estiver bom, mudo. Qual o problema?
      Existem vários lugares para se viver nesse mundão. Por que tenho que ficar em um só? e ainda por cima ruim?
      Esse discurso seu chega a ser infantil no sentido de ingenuidade.
      Eu não preciso tentar melhorar nada. Eu faço minha parte sendo cumpridor de meus deveres. Assim, quero viver em um lugar onde a maioria pensa e age dessa forma.
      Simples assim.

      Assinado ex-brasileiro morador da Flórida (morador legalmente, diga-se de passagem).

      Excluir
    5. Infatil é um bosta querer sugar o país dos outros.

      Maquiavel já falava sobre isso, es só um aproveitador brasileirinho coxinha morador de miami.

      Excluir
  3. Corey, bom dia!

    Você acha que se a renda sua e da bia fosse de 30 ou 40k mensais, morando no brasil em uma pacata e segura cidade do interior (semelhante a que você mora em portugal), você não investiria em um carro como um TT rs, uma panamera ou outro brinquedão de final de semana?

    Pergunto pois sei que você está na fase minimalista, mas sei também que os veículos são uma paixão sua e um dia você pode mudar o modo como pensa e se presentear com um veículo desses.

    Aproveitando o adendo, quanto você acha que uma pessoa tem que ganhar para aguentar bancar um brinquedão desses? No exemplo que dei, coloquei a renda mensal de 30 ~ 40k mensais pois penso que seja o suficiente para comprar e manter um carro desse nível, que custa entre 200 ~ 240k aproximadamente. Estou errado?

    Abc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é fácil de responder. Mesmo gostando de carros JAMAIS pagaria mais de R$ 50k num carro, não existe a menor chance... Se eu tivesse a fortuna do Buffet tb andaria de Cadillac semi-novo.

      Pra quem tem uma renda dessas e gosta de carro o melhor negócio é comprar um Corolla de 2 anos de uso pro dia-a-dia e alugar as "naves" na gringa, sem chamar atenção de bandidagem.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Com relação especificamente a Portugal, sobre a questão de morar em cidades grandes.
    Portugal tem apenas duas grandes regiões metropolitanas Lisboa e Porto, que nem são tão grandes comparadas com São Paulo por exemplo.
    Num país de 11 milhões de habitantes os impactos da chegada de muitos imigrantes aparecem rapidamente.
    Mesmo que muitos começarem a ir pra cidades menores em pouco tempo as menores também saturarão.
    Aumentarão os preços dos imóveis etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Mesmo que muitos começarem a ir pra cidades menores em pouco tempo as menores também saturarão." - sem dúvidas, esse movimento é irreversível. Tive sorte por ser um dos primeiros a descobrir a cidade onde vivo mas já percebo a chegada de mais brasileiros e muitos franceses.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Quando Bolsonaro é cotado para ser presidente é que dá vontade de ter filhos pois pelo menos temos a esperança de um país descente onde o bandido morre o cidadão de bem vive livre!
    Onde a maracuitaia de favores aos congressistas para aprovacao de matérias diminuiriam muito ! Esperança de nao precisar mudar para portugal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, não tenho nem nunca tive vontade de ter filhos em situação alguma, tb jamais apostaria que com Bolsonaro "a maracuitaia de favores aos congressistas para aprovacao de matérias diminuiriam muito" mas sem sombra de dúvidas com ele temos um pingo de esperança.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Nossa mas este blog virou COMUNISTA de vez! argh!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corey é um centro-esquerda coerente, ao menos sabe da bizarrice que é a esquerda BR.

      Excluir
  7. O mais engraçado é que como todo "bom" esquerdista, é hipócrita, se ela reclama tanto dai, pq não se muda? Vai pra um "paraiso" socialista, estilo Cuba, ou Venezuela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas! Hipocrisia é inerente de todo esquerdista.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Olha o corey dando uma de direitista raivoso.

      Como está na Portugal que é comandada por um esquerdista?

      Porque não mora nos capitalistas Jamaica e haiti?

      Há sei porque não são países centrais do capitalismo kkkk.

      Direitista hipotrita é dose. Esse corey é uma piada abissal.

      Excluir
  8. Anônimo22 de agosto de 2018 03:43

    Senti isso ao me decepcionar um pouco com Londres. Lógico que tem coisas legais, mas no geral me senti no Rio. Andei em bairros estranhos por lá e galerias que me lembravam Madureira. Me fez repensar se gastaria meu dinheiro para conhecer esses lugares sem novidades nenhuma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, no geral essas cidades grandonas são trash mesmo, o que resta é aproveitar o ambiente trash de cada uma delas. É por isso que São Paulo é uma das minhas cidades preferidas.

      Ainda prefiro ir para essas cidades grandes zoadas a gastar dinheiro pra visitar país de quinto mundo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Queria saber que é esse anônimo que saiu de madureira se morar aqui no RJ e foi parar em Londres, vou dizer RJ principalmente madureira onde moro perto e sou pobre esqueçam aqui é o lixo do RJ, lugar de zé povinho ainda mais perto de favelas como vários lugares do RJ, mas vai falar a tem o parque de madureira que bandido usa pra se esconder quando corre da polícia, com certeza eu ia preferir Londres.
      Corey ja tenho acompanhado seu blog a um bom tempo e outros tambem com o tema de finanças e tem me ajudado a mudar algumas idéias que eu tinha.
      Essa experiência que você relata sobre morar em Portugal acho muito bacana e me traz algumas idéias.
      Atualmente estou esperando ser chamado para um concurso em que fui aprovado detalhe como celetista, acho uma boa a oportunidade ainda mais que me encontro em um sub emprego ganhando pouco.
      Então saindo a nomeação será para uma cidade de médio porte do interior do RJ pretendo ficar morando um tempo lá e depois se tiver uma outra oportunidade pretendo sair do lixo que é a M do estado do RJ.
      Continue com esses relatos pois trazem um bom conhecimento para nós.

      Excluir
    3. Anônimo22 de agosto de 2018 22:00

      Nunca disse que morei em Madureira. O que disse é que fui em alguns lugares em Londres que me lembravam a muvucada e sujeira do bairro carioca. A rigor, lógico que não tem comparação Londres e Rio, mas não é esse abismo todo, principalmente se afastando das zonas turisticas. Cheguei a ser abordado por drogado e presenciei dois caras assaltando uma mulher no ponto de ônibus, ambas situações durante o dia.

      Excluir
    4. Esses descerebrados da blogosfera acham que cidades grandes da Europa são 100% diferentes das grandes brasileiras.

      Paris está um nojo.

      Excluir

  9. Corey você é coerente e imparcial
    Latino geralmente é um povo muito apaixonado, não consegue discutir dados. Seu texto/blog é um alívio.
    Deve ter gente te chamando de esquerdopata e gente de chamando de nazista/fascista/conservador, mas a verdade é que você só falou a VERDADE
    São os fatos.
    Eu não teria grandes problemas de morar aí, por causa da minha forma de pensar e porque sou ZERO apegada a profissão, mas lidando com fatos, para muita gente a realidade aí não seria esse paraíso, mas não por Portugal ser “ruim” mas sim porque o classe média latino apaixonada fica sonhaaaando com a Europa igual criança, ai não dá mesmo.
    Texto ótimo
    Abraços
    Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sandra! Tento sempre usar a razão invés da emoção, se mais gente fizesse o mesmo teríamos um mundo melhor, com certeza. Sim, sempre me chamam de esquerdopata, outros me chamam de fascista, vai entender...

      Olha, confesso que tenho um certo apego à minha profissão sim. Foi algo que cursei por gostar, fiquei anos sem exercer e qd o fiz foi uma experiência muito legal, mas mesmo assim desencanei e toquei a vida. Não é isso que vai me deixar deprimido.

      "mas sim porque o classe média latino apaixonada fica sonhaaaando com a Europa igual criança, ai não dá mesmo." - exatamente! Pessoal imagina vivendo na Suíça, com chalés por todos os lados, grama verdinha e vaquinhas leiteiras atravessando a rua. Europa é bem longe disso...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  10. Eu havia lido esse artigo na íntegra. Muitas coisas ela tem razão, porém muita coisa é fala de esquerdopata.
    Sobre plano de saúde, a qualidade da saúde pública de Portugal é reconhecida mundialmente, inclusive é melhor que a da Irlanda. Ocorre que as emergências aqui demoram, pq o sistema de classificação de risco funciona! Realmente as unidades de saúde são bem simples, mas não precárias! Aqui não existe plano de saúde, é seguro-saúde, e é muito barata.
    Sobre a saturação das cidades, o efeito já é sentido em Braga, Guimarães, Aveiro, entre outras.
    Me assusta também a quantidade de brasileiros aqui, queimam nosso filme!
    Outra questão, Portugal é sim um país socialista. O atual governo é do Partido Socialista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso o mesmo! Aqui a maioria das coisas são simples, postos de saúde são simples, restaurantes possuem decoração simples, lojas possuem mobiliário centenário... mas como vc disse simplicidade não é sinônimo de precariedade.

      "Me assusta também a quantidade de brasileiros aqui, queimam nosso filme!" - gostaria muito de dizer que é mentira, mas não é. Outro dia fui numa festinha na casa de uns brasileiros e quando deu 22h me mandei pq a bagunça estava demais. No dia seguinte fiquei sabendo que baixou até polícia. Pqp, tudo gente "véia", 50, 60 anos nas costas fazendo essa presepada?!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. "Sobre plano de saúde, a qualidade da saúde pública de Portugal é reconhecida mundialmente, inclusive é melhor que a da Irlanda."

      Isso só pode ser piada.
      Meu Deus, essa gente conhece mesmo Portugal?
      Saúde pública no país é MUITO inferior não só a da Irlanda como de qq pais europeu.

      Excluir
    3. Não sei pq ainda não usei (e espero não usar) o sistema público de nenhum país (nem do Brasil, tirando vacinas que é algo que o SUS tem monopólio), mas ouço barbaridades sobre a saúde na Irlanda (Dublin, pode ser que em cidades menores seja diferente) e na Itália.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    4. Ao anônimo que disse que o sistema de saúde pública de Portugal é MUITO inferior aos países europeus seguem os rankings:
      1-Organização Mundial da Saúde:

      http://thepatientfactor.com/canadian-health-care-information/world-health-organizations-ranking-of-the-worlds-health-systems/

      2- NUMBEO (2018)- https://www.numbeo.com/health-care/rankings_by_country.jsp

      Neste ranking do numbeo Portugal aparece como tendo o 29º melhor sistema de saúde do mundo. O irlandês é o pior da Europa. No ranking da OMS, Portugal teve o 12º melhor sistema, mas o primeiro ranking é de 2000.

      Excluir
  11. Minha opinião sobre ir embora do Brasil é bem parecida sobre parar de trabalhar e viver de renda. Ir embora do Brasil e viver bem fora é pra quem é multi milionário.
    Eu só sairia do Brasil em 2 situações: se minha vida aqui se tornasse inviável economicamente ou se tivesse milhões de reais que convertidos ainda fosse milhões de dólares ou euro.
    Se minha vida ficasse inviável não teria nada a perder. Sofrendo aqui iria sofrer num país rico.
    Aqui não sou rico, mas tenho bom emprego, boa poupança e ganho uma boa grana com juros.
    Se tivesse 15 milhões de reais poderia optar por morar aqui e ter um alto padrão de vida ou morar em Portugal ou nos EUA e ainda ter um alto padrão de vida. 4 milhões de euros dá pra investir em reit's americanos, comprar imóveis em lisboa e ter uma renda de uns 20k euros por mês. Considerando uma rentabilidade de 5% a.a.
    Aí não precisaria me preocupar com exercer ou não minha profissão.
    O que vejo é muita gente sem noção. Vai pra Portugal com diploma bananense, com pouco dinheiro e acha que terá vida fácil. Vida fácil é pra quem é rico. Aí a vida é fácil aqui ou em qualquer lugar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada um é cada um... respeito sua posição embora pense completamente diferente.

      Se eu tivesse esses 15 milhões de reais provavelmente torraria uns 10 e ficaria com 5 pq sinceramente não vejo onde vou precisar de tanto dinheiro, até pq não deixarei herdeiros.

      "O que vejo é muita gente sem noção. Vai pra Portugal com diploma bananense, com pouco dinheiro e acha que terá vida fácil." - concordo!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  12. Lamento, mas Portugal é sim o terceiro mundo da Europa.
    E não, isso não é um comentário "esquerdado", como vc catalogou. Seu texto é enviesado porque ficou irritado com a declaração da Ruth contra o Bolsonaro e desconsiderou todo o resto. Mais racionalidade. Ela acertou em tudo.

    Quanto a isso:

    "É claro que não gostam dos nossos diplomas, o sistema educacional brasileiro é um lixo e pra exercer qualquer coisa aqui nossa formação brasileira quase sempre não é suficiente. Os portugueses tem a Universidade de Coimbra fundada 300 fucking anos de descobrirem o Brasil! "

    Pelo seu comentário, é visível que vc nunca frequentou a Universidade de Coimbra. E não tem a menor noção do que é qualidade acadêmica, e repete clichês típicos de terceiro-mundista deslumbrado com idade.
    Pode ter dez mil anos de idade, continua a ser uma universidade decadente, com um sistema de ensino super ultrapassado e ridicularizado até pelas outras universidades portuguesas.
    E que só sobrevive porque vive à cata de alunos brasileiros.

    Quanto à qualidade, só pode ser piada. Veja qualquer ranking mundial de universidades - repito: qualquer um - e SEMPRE a USP, Unicamp e outras brasileiras estarão à frente das portuguesas. Nem tem comparação.
    A formação dos profissionais das nossas melhores universidades é mil vezes superior às deles. Falo com conhecimento de causa.
    Agora, se vc compara uma Uniesquina com Coimbra, obvio que Coimbra é melhor, mas em Portugal também está cheio de faculdade picareta. A comparação tem que ser USP com Coimbra, e aí, sinto muito, a USP ganha em tudo.

    (Aliás, engraçado vc odiar o esquerdismo da Ruth, mas idolatra a Univ. de Coimbra, que é um antro de esquerdismo universitário pior que qualquer universidade brasileira - de novo, se vc tivesse frequentado saberia disso).

    De resto, sugiro que aprenda gramática. Vc desconhece o uso das vírgulas, da crase, de ortografia, etc.
    Acho alguns temas que vc aborda no blog bons, mas aí errou feio.


    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Lamento, mas Portugal é sim o terceiro mundo da Europa."

      Chile é primeiro mundo na América do Sul

      As duas frases acima possuem o mesmo valor, mas na prática não dizem nada.

      Amigo, acho que da mesma forma que eu preciso aprender gramática (sim, sempre fui péssimo em gramática, nunca tirei mais que 7 embora sempre tirei mais de 9 em redação o que na prática é mais útil) vc precisa aprender interpretar textos. Usei o exemplo da Universidade de Coimbra devido à tradição e importância que tem no país, se é ruim ou não, não sei, o que sei é que pra validar o diploma da minha profissão ela é a mais conceituadas segundo todos que conversei, inclusive a instituição de classe. Sem dúvidas é um antro de esquerdismo assim como sua amada USP.

      Excluir
    2. Chegou o "estudante" da FFLCH, 8 anos tentando se formar em Filosofia na USP mas a maconha não deixa.

      Excluir
    3. Corey tomo no toba kkkk

      Excluir
  13. Ah, esqueci de um detalhe.

    Mestrados e doutorados em Portugal em geral são picaretagem e muito malvistos no meio acadêmico brasileiro (com razão). Não tem projeto de ingresso, metodologia prévia, nada. Muitas vezes nem defesa tem, é entregar o trabalho e já era. Por isso tá cheio de brasileiro que não foi aprovado em seleção de mestrado no Brasil e parou em alguma universidade portuguesa.
    Por isso muitos dos mestrados e doutorados deles não são reconhecidos em concursos no Brasil.

    Em suma, o Brasil tem mil problemas, mas o nosso ensino superior é sim melhor que o de vários países, inclusive o portuga.
    O resto são tentativas dos portugueses em impedir o acesso de concorrentes ao mercado que possam tirar a vaguinha deles.
    Mas, se serve de consolo, isso ocorre no Brasil também com alguns estrangeiros.
    Mentalidade anticapitalista.

    Enfim, é isso. No resto, seguem pra vc as dicas q eu dei antes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Por isso muitos dos mestrados e doutorados deles não são reconhecidos em concursos no Brasil." - falou em concurso perdeu a razão. Desde qd aprovação em concurso tem a ver com qualidade profissional e boa formação acadêmica.

      Excluir
    2. Ao anónimo de 22 de agosto, 14h.
      Entregam trabalhos sem defesa?
      Mas as pessoas que aqui escrevem sabem do que falam? Ou é só na base do "ouvi dizer"?

      Excluir
    3. Anónimo, são assim tão inteligentes, têm as melhores universidades e tal. então e porque é que se deixaram chegar à decadência que aí vai?

      Excluir
  14. Não conheço quem escreveu o artigo pelo qual acabas por dar também a tua opinião ao país Corey. Não li o artigo dela, fui lendo os excertos que deixavas…
    desagrado.

    Não sabemos receber? reconhecer valências? Distinguir quem tem boas capacidades e poderá ser mais valia ao sistema(seja media/grande empresa?)? esta é para rir…

    Deve ser por isso que recebemos os vossos estudantes e de tantos outros países. que vos acolhemos para trabalhar, e recebemos bem. Muito bem. Pelas costas recebemos estes comentários hipócritas e de quem não sabe ser humilde.


    O nosso sistema nacional de saúde é mau? 12h em fila de espera? onde? não deve sair de lisboa de certo! Desça, venha até Santarém, Abrantes e em 10 min tem a receita na mão e está fora do hospital.

    Escolas publicas pagas? Onde? mais uma vez desça, venha até beja, ou suma e vá até Guimarães ou Aveiro…

    Escrever mal, só porque sim é bonito! Reconhecer ou conhecer o país é que dá trabalho.


    Falta de segurança? Nem vou responder a esta deixa.

    Ou o mundo em que vive dentro de Portugal é muito pequeno, ou a humildade da pessoa é do tamanho de um piolho.

    Portugal não é nenhum paraíso mas ao ponto de dizer/escrever um titulo desses mete dó. Tenho, real, pena de quem é assim. Coração ingrato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, só me resta pedir desculpas em nome daqueles que reconhecem as qualidades que o país oferece.

      Excluir
    2. Independente da diferença de opiniões, só o modo como o anônimo português escreve já mostra o quanto perdemos qualidade no idioma escrito e falado no Brasil.

      Excluir
  15. Pelo que eu entendi do texto, a autora convida os leitores a uma reflexão sobre a necessidade de deixar de lado a visão romântica de Portugal ser a tábua de salvação dos brasileiros, como a autora mesmo diz:

    "mas vejo, muito assustada, a quantidade de brasileiros que está criando uma perigosíssima ilusão quanto à vida em Portugal."

    Sendo que o recorte teórico dela se refere a Lisboa:

    "Ocorre que- surpresa- Portugal não é o paraíso. Ouço um monte de gente dizer que vai pedir demissão, vender tudo e tentar vida nova em Lisboa com o discurso de “não preciso de muito, só uma casa, um empreguinho e para o resto vou usar serviço público”. Então, vamos lá, isso é uma ilusão do início ao fim."

    Ou seja, a autora faz um alerta a respeito da criação de falsas expectativas sobre a vida em Lisboa.
    O texto contém alguns clichês e uma visão generalista e relativistas sobre determinados pontos, mas é válido se retirarmos o alerta de não ver Potugal/Lisboa como a solução de todos os problemas, visto que o brasileiro será um imigrante em busca de oportunidades, dessa forma, enfrentará desafios, ou seja, se não estiver disposto não terá êxito.

    Ela tenta alertar que trocar de país não é um sonho de uma noite de verão, ela avisa dos perigos desse tipo de mentalidade:

    "Uma coisa é ouvir um jovem qualquer de 20 e poucos anos dizer que vai tentar a vida fora com uma mochila nas costas. Outra coisa é ouvir que uma família com 3 filhos vai arriscar tudo para morar fora, sem certeza nenhuma, sem nem saber bem o que está fazendo, embarcando numa ilusão extremamente irresponsável. E é isso o que tenho ouvido por aí."

    O alerta é direcionado as famílias, que antes de tomar a decisão de se mudar é importante estudar, conhecer melhor o país, não vale a pena jogar tudo pro alto, principalmente pelo fato de que as famílias de classe média dificilmente escolheriam cidades menores, muito provavelmente irão escolher a capital, mas as chances de quebrar a cara são grandes.

    Creio que a autora do texto foi um tanto quanto infeliz na escolha do título do texto.

    O título é: "Desistam de se mudar para Portugal", enquanto o subtítulo é "Ou pelo menos pensem muito bem antes de tomar essa decisão"

    Ao generalizar Lisboa, cidade, com Portugal, país, faz com que o texto seja descontextualizado, pois a vida nas grandes cidades de quaisquer países existentes no planeta, será extremamente diferente das cidades menores, com isso, a generalização se torna imprecisa.

    Penso que o título seria melhor se ela se referisse somente a Lisboa, por exemplo: Pense bem antes de se mudar para Lisboa, ou, Reflexões sobre a troca do Brasil para Lisboa, creio que ficaria mais coerente e menos generalista.

    Enfim, já visitei Portugal em três oportunidades: 2008, 2012 e 2016, a mudança é evidente, o desenvolvimento melhorou a relação de Portugal com os demais países europeus e do mundo, alguns serviços melhoraram, outros ficaram mais expensivos, entretanto, perderam a qualidade, mas, ainda é um país a se cogitar, pois com força de vontade e humildade (engolir o ego) é possível vencer de uma forma bem mais satisfatória do que no brasil, pois o grande problema do brasil é o fato da maioria da população trabalhadora assalariada não ter um bom poder de compra, prejudicando os resultados e influindo na auto estima, mas isso é papo para outro comentário.

    Abraço.

    H.

    ResponderExcluir
  16. Li esse artigo e o achei ridículo. Até parece que a senhora não vive aqui.
    Viver em Portugal é muito fácil, enquanto que no Brasil não. Só tenho isso a dizer.

    ResponderExcluir
  17. Estudei na Universidade de Coimbra, Engenharia, lá realmente é uma faculdade muito exigente e difícil, o estudo é integral de manhã e de tarde.

    Legal ter falado na Universidade de Coimbra, tem 728 anos fundada em 1290.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai estudar engenharia no ITA/IME então.... 10x mais puxado.

      Excluir
    2. Assim, para comparamos temos de ter passado por os dois lados. Eu não estudei no ITA/IME.Por isso não sei.

      Mas você, com certeza também não estudou na universidade de Coimbra para comparar.

      É muito difícil que o ITA/IME, seja 10x mais puxado, já que a universidade de Coimbra, já é uma das melhores do mundo.

      A educação em Portugal é integral o tempo todo, até na faculdade, são muito mais horas de aula e de estudo.

      Por exemplo, o M.I.T. dos Estudos Unidos, essa sim é muito mais puxada.

      Abraço.

      Excluir
    3. Universidade de Coimbra? Quero ver se encaram os TCCs da UNIP!

      Excluir
    4. Coimbra uma das melhores do mundo onde?!

      Mostra um RANKING aí em que ela esteja no top 200 pelo menos.... não achei ela nem no top 400! Toma um pau da UNICAMP, por exemplo.

      Excluir
    5. A estes anónimos que comentaram a cima só vos digo:

      Os Brasileiros têm engenheiros tão extraordinários (como formados em todas as outras áreas - também eles extraordinários) e têm uma situação no país de cortar à faca.
      Viva a vossa inteligência.

      Excluir
    6. A universidade de Coimbra costuma aparecer nas 500 melhores do mundo.

      Bem não vou ficar aqui discutindo quem é melhor ou pior.

      Mas por acaso, você estudou na UNICAMP e Estudou na Universidade de Coimbra para saber qual a mais difícil?

      Eu não estudei nas duas, por isso não sei responder.

      Excluir
    7. Apesar de ter muita tradição, Coimbra não é a melhor nem em Portugal: fica atrás da UPorto e ULisboa, de acordo com o webtronics.

      Excluir
    8. Concordo com você, a Universidade de Coimbra tem muita tradição, principalmente nos cursos de Direito e Medicina.

      Atualmente nos rankings, a universidade de Lisboa e do Porto estão acima, claro que isso muda um pouco de ano para ano.

      No Brasil, também existem excelentes universidades como a USP e outras.

      Para dizer bem de uma universidade, não é preciso falar mal das outras. Afinal, tanto em Portugal como no Brasil, existem excelentes universidades.

      Excluir
  18. A classe média brasileira que ganha 18k e não tem 1M de investimentos, sem contar a casa, é o maior antro de imbecis que já surgiu na face da Terra.São folgados, acham-se geniais, vivem com inveja da classe alta, mas são analfas financeiros.


    A classe média é idiota no mundo todo, pois pode ficar rica, mas viaja na maionese e se acha "importante".


    Serão todos cuckodizados sem dó nem piedade.

    ResponderExcluir
  19. Classe média pode ter vida legalzinha, com algum conforto, alguma segurança. Isso na maior parte dos países do mundo. Inclusive em cidades pequenas e médias do Brasil.

    No entanto, quem quer ter um vidão com iates, carros de luxo, amantes gostosona$ tem de coçar o bolso, gastar um bom dinheiro. Muitos prazeres custam caro.Os prazeres exclusivos custam mais caro ainda.

    Vejo gente achando que vai ter vida no estilo de rico de novela das 8, com direito a champanhe na piscina trazido pela empregada gostosona, mas que vai acabar se frustrando muito.

    ResponderExcluir
  20. Olá novamente Corey,
    Ontem passei rápido por aqui e só acabei por dar resposta a um esperto dos comentários aí de cima que diz que em Portugal se fazem cursos a entregar trabalhos sem defesa.

    Vou agora fazer análise ao que foi escrito no post.

    Gosto de emigrantes, gosto de pessoas com outras culturas que venham ensinar e com vontade de aprender, que sejam boa onda e se integrem e deixem integrar com as nossas gentes. Porque nisso nós somos bons, no receber.

    À Ruth posso dizer apenas que, se eu me sentisse assim em relação ao país onde morasse já tinha ido embora. Aliás, nem percebo, se Portugal é assim tão mau, o que a Ruth continua cá a fazer. Pode regressar ao seu extraordinário Brasil. (E atentem, que não estou a minimizar o Brasil. Todos temos pontos altos em algum sector, Brasil não é diferente).

    Mas escrever o que Ruth escreve de um país que a acolheu? Que lhe pode estar a dar um emprego que um Português perdeu e que ainda assim a recebe bem na esplanada do café, no balcão do talho ou na receção da piscina???????? Muito bom.

    Bom, agora em relação a alguns aspectos do texto de Ruth:
    - Educação – Paga? Bom, toda quanta é privada sim, é paga. Publicas com mensalidade, só se tratarem de jardins de infância/jardins escola. E as há em que se pagam 40€ mensais, fazem-lhe assim tanta falta Ruth – ou quem se identifique com o que foi escrito-?. (Ou então saia de Lisboa.)
    - Saúde - 12 horas de espera? Que hospitais frequenta? Lisboa não é Portugal. Generalizar é um ato cobarde de quem não se dá ao trabalho de conhecer.
    - Segurança – Ou falta dela? Podemos neste tópico abordar o Brasil ou era um golpe baixo da minha parte? É porque era o que a Srª merecia.
    - Formação académica – Ou falta de formação pessoal? Sabe que aqui, neste país damos importância à formação académica sim, mas também à humildade, ao caracter, a predisposição para o trabalho, empenho, método… pense(pensem) qual é a formação que lhe(vos) falta.

    E agora podem pensar que estou apenas a defender o meu país, mas enganem-se. Já estive em 3 países diferentes (4 com Portugal) e em todos apreciei a leveza de uma cultura diferente. Com todas as condicionantes que possam ter (saúde, segurança, transporte…). Por ter sido educada numa envolvente diferente, não posso diminuir o “mundo” de outros só por estupidez, só porque no “meu” país é diferente, não rebaixo o outro. Adaptação. Jamais me atreveria a escrever “não venham emigrar para a Polónia”. É feio. O país não é meu. Não tenho de dar “ordens”. E se se tratar de uma opinião, o título não pode ser formulado desse modo. Pode ser licenciada em artes, mestre em engenharia, doutora em gestão, não sendo humilde não merece consideração.
    Desculpe Corey, é apenas um desabafo, talvez por isso muita gente já não goste tanto de vos receber. Por encontrar pessoas assim pelo caminho.
    Quem está mal que se mude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei realmente quanto às universidades, mas o nível educacional português que precede o nível superior está bem acima do brasileiro.

      Excluir
  21. A autora tem razão. Ela escreve para pessoas de classe média alta. Ela deixa claro no texto. Neste caso, o texto dela é sensato. Fora do país, brasileiro não encontrará as regalias que o Brasil proporciona para a classe média. Por exemplo, no EUA, ninguém paga empregada, faxineira, etc. é muito caro. No Brasil, temos condições de pagar. Não abro mão desse tipo de conforto para ter que ralar na cozinha, levando uma vida pior que no Brasil. É nesse ponto que ela acerta.

    ResponderExcluir
  22. Muito obrigado pela citação Corey. Seu texto é interessante, desmitifica a Ruth em alguns pontos e concorda em outros, porém, o que mais me chamou a atenção nas discussões foi o comentário dos portugueses em seu blog, muito bacana e de ótimo nível, Parabéns e que eles sejam sempre bem vindos neste espaço e passe seu ponto de vista, como nativo, é uma grandeza cultural que só vem a somar...

    ResponderExcluir
  23. Estive esse ano em um programa Erasmus em Portugal, vou dizer minhas impressões:

    Segurança: essa nem dá pra comparar, realmente é um país muito seguro, mesmo pensando em outros países europeus. Por outro lado,
    na faculdade os equipamentos tinham de ser acorrentados para evitar furtos.
    Saúde: não usei nenhuma vez, mas eu via alguns colegas portugueses reclamando da falta de médicos e do valor a se pagar pelas consultas.
    Comida: maravilhosa. Vários cozidos, bacalhau, carne de porco, francesinha, pães, vinho. Boa e barata.
    Pessoas: vi de tudo. Gente simpática, gente que me olhava diferente por ser estrangeiro, gente preguiçosa, gente interesseira, gente trabahadora. Não deu pra formar um padrão de portugues médio
    Corrupção: existe sim e não é pouco. Quando havia testes, digo com segurança que uns 70% da sala colava. Era normal ver alunos no dia anterior preparando suas 'cábulas'
    Comportamento: eu achava que deixar pra ultima hora era coisa de brasileiro, mas descobri que aprendemos com eles. Atrasar compromissos também. Raramente a aula começava no horário.
    Economia: na cidade onde estive, em 6 meses vi apenas um mendigo e foi por uns 3 dias apenas. Todo mundo parecia ter o mesmo nível social lá, bem diferente do BR.
    Educação no trânsito: achei excelente. Pise na faixa e eles vão parar. Menos em Lisboa, mas capital não conta.
    Emprego: obviamente vão dar preferência para um português em cargos mais qualificados. Não adianta reclamar, nós fazemos o mesmo com haitianos, bolivianos e venezuelanos aqui.
    Educação: pelo que me falaram todas as faculdades são pagas, o que muda é o valor da propina. Nas mais conceituadas, pode chegar a 800 euros mensais, mas é possível ir a politécnicos e pagar menos de 100 euros mensais. Sim, tem que defender para conseguir a titulação. Em geral achei o nível parecido com o nosso, não tive grandes dificuldades para conseguir notas boas nas provas.
    Cultura: eles consomem muita coisa do Brasil, desde MPB até funk pancadão. A globo tem um canal lá que fica passando só novelas e séries, eles adoram.
    Política: achei eles um pouco alienados. Alguns não sabiam nem diferenciar esquerda e direita. Não achei ninguém pra discutir política lá.
    Televisão: a TV aberta é ruim igual no Brasil. O BBB deles se chama 'casa dos segredos' e as novelas são tipo as mexicanas.
    Inteligentes: simmm. Quem diabos inventou essa história de português burro?


    Moraria em Portugal? Sim, se já tivesse a IF. Se for pra lá trabalhar, disputar emprego e recursos com eles, melhor ficar no BR mesmo.
    Além disso, apesar de ser essa zona, o Brasil é um país bom. Lá, não importa o tempo que você fique, não vai haver integração 100%, você sempre vai ser o estrangeiro.

    Quanto a preconceito, creio que com mulheres brasileiras é muito pior, já que elas em geral tem fama de vagabunda lá.

    Acho que a relação de Portugal com as colonias africanas é muito mais próxima do que com o Brasil, até pela independência mais recente deles. Eu realmente vi muitos africanos lá, principalmente angolanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário é muito verdade TUDO que falou foi o que já ouvi conversando com pessoas próximas (e confiáveis) que moraram lá, mais de 3 anos inclusive).

      Sandra

      Excluir
    2. Anônimo, relato muito bom, obrigado por compartilhar.

      "Política: achei eles um pouco alienados. Alguns não sabiam nem diferenciar esquerda e direita. Não achei ninguém pra discutir política lá." - vejo isso como uma vantagem. Discussões idiotas sobre política não levam à nada.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  24. Seu último parágrafo descreve com precisão o grande segredo da IF, flexibilidade.... sei que o artigo é sobre morar em Portugal, mas sendo flexível é possível morar em qualquer lugar do mundo e sendo flexível é possível ser IF em quase qualquer época da vida. Basta ter mente aberta... muitos me perguntam qual meu plano B caso a aposentadoria antecipada não funcione, minha resposta é que serei flexível a ponto de voltar ao Brasil ou voltar a trabalhar.

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "minha resposta é que serei flexível a ponto de voltar ao Brasil ou voltar a trabalhar." - e pq não, certo? Penso o mesmo!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  25. Achei ridículo o texto dela. Ela editou e tirou essa parte do Bolsoestado. Nunca fui, nunca serei e não tenho os valores da classe média alta do Brasil, basicamente passei da pobreza para a IF num curto espaço de uns 10 anos (projetado) e ser da rats race da classe alta pra mim é fora de cogitação.

    Esse povo parece que não tem hobbies. Se fossem surfar, velejar, andar de bike, fazer uns trekkings ou hikings encheriam menos o saco.

    ESse site é muito bom pra quem anda falando besteira. A população de Portugal diminui ano a ano. De dez milhões vai chegar em 7 milhões nos próximos 30 anos.

    http://pordata.pt

    Veja esse site Corey, é bem legal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Esse povo parece que não tem hobbies. Se fossem surfar, velejar, andar de bike, fazer uns trekkings ou hikings encheriam menos o saco." - e transar, rsrs! Concordo!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  26. Corey...qual a relação custo de aquisição do imóvel/aluguel recebido? Vontade de comprar um imóvel aí e alugar como investimento, no futuro.

    ResponderExcluir
  27. Fala Corey

    Muitos pontos a comentar mas vou me ater a questão do interior. Quando morei aí também fiquei numa cidade minúscula Figueira da Foz, era tudo mais simples mas funcionava. Sobre o serviço público de saúde cheguei a usar uma vez e foi super tranquilo vc fica muito tempo em cidades grandes, mas essas metrópoles são cheias em tudo mesmo. Em cidades pequenas o atendimento é muito rápido e agendado.

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.