domingo, 18 de dezembro de 2016

Amigos, Festas e Bebidas

Ultimamente Bia e eu estamos conversando muito sobre o quão as coisas mudaram nas nossas vidas nos últimos anos e claro, como estamos envelhecendo e amadurecendo.

Até não muito tempo atrás a gente ia em alguma festa de amigos ao menos uma vez ao mês. Na verdade posso traduzir "festas de amigos" como: "reuniões com conhecidos onde sentimos obrigação de ir". A verdade nua e crua é que Bia e eu não temos amigos, nenhum, nenhum mesmo, ponto final. Somos amigos um do outro e pronto, é o bastante. Os "amigos" são na verdade pessoas que possuem certo vínculo social conosco: colegas do tempo de escola, colegas de trabalho, conhecidos de baladas, etc. Com cada grupo temos algo em comum mas nunca tudo em comum. Mesmo dentro desses grupos as coisas foram se modificando e os "amigos" se distanciando: os colegas de escola se tornaram socialistas (fuja dos amigos socialistas), pais ou simplesmente foram sumindo no mundo. O trabalho mudou, os co-workers também, os interesses já não são os mesmos.

Isso se torna mais latente com um casal esquisito como a gente que é meio maluco, não tem filhos, parece mendigo mas viaja pro exterior com frequência, que não divide detalhes do trabalho, renda ou planos com os outros... Junte a isso o fato de sermos um tanto quanto anti-sociais (já devemos ser people-person demais durante o trabalho), não tolerarmos bagunça, barulho e música de gosto duvidoso e o total fracasso social fica mais aparente. Atualmente abandonamos sem perceber a desgraça da "obrigação social" e não vamos mais a reuniões de "amigos" e familiares. Isso trouxe certa sensação de liberdade, de novamente sair da Matrix e fazer as coisas porque temos vontade e não por nos sentirmos obrigados. E esse lance de ser social pra aproveitar oportunidades, fazer networking e o kct é mais uma coisa plantada na cabeça das pessoas. Quem se lembra do Negócio Kyiosaki que fiz ano passado? Conheci Ana, uma das envolvidas no negócio, na lavanderia do prédio, sem forçar nada. Enfim, não é preciso fofocar com "amigos" de 20 anos pra conseguir bons negócios (a propósito, o telefone de Ana continua salvo no meu celular mas nem por isso fico forçando a amizade mandando "bom dia" no whats). Nos EUA é muito comum eventos de networking, onde você vai a uma reunião pra distribuir cartões de visita e forçar amizades a partir das quais espera obter alguma vantagem. Poucas coisas na vida são tão patéticas como isso. É errado? Claro que não! Mas é patético...

Com certeza absoluta eu estaria muito melhor financeiramente e profissionalmente se tivesse um grupo maior de amigos. O fato é que quanto mais gente você conhece e se relaciona, maiores as chances de fazer negócios e aprender mais. Porém minha personalidade não condiz com isso e não me arrependo nenhum pouco por fechar essas portas. Não sou e nunca serei político.

Realmente acho que pessoas cheias de "amigos" não são muito confiáveis porque é necessário ser falsa pra cultivar "amizades". (taquem as pedras). Da mesma maneira que casais e pessoas que ficam afirmando sua felicidade em redes sociais estão na verdade tentando acreditar que são felizes. Não estou dizendo que não exista amizade de verdade, claro que existe, assim como existe casamento de verdade (preparando um post sobre isso, polêmica a vista...). O que estou tentando dizer é que não existe possibilidade de uma só pessoa ser amiga (de verdade) de um monte de gente, quanto menos amigo, melhor (menos é mais, lembra-se?).

Outra coisa que percebi é que encher a cara perdeu completamente a graça. Até pouco tempo atrás eu curtia ir num churrasco e ficar doidão com os mesmos "amigos" relatados acima. Já era, isso não tem mais a menor graça. Gosto de beber um bom whisky e uma cerveja, mas de boa. Quando percebo que estou ficando mal paro imediatamente. Tenho ficado meses praticamente sem beber, não tenho mais litros de bebida em casa, percebi que "investir" dinheiro num bom scotch não me faz feliz como antes. O fato de todo mundo levar bebedeiras com naturalidade, ter orgulho de ressacas e de torrar rios de dinheiros com cachaça é algo que anda me incomodando bastante, não consigo ver vantagem nisso e não entendo como as pessoas levam isso com naturalidade (aliás até entendo porque até pouquíssimo tempo atrás eu também achava natural: as pessoas simplesmente se deixam levar pela "cultura" e "tradições" e não param pra pensar o quão absurdo é sentir orgulho de ser um drogado (porque ficar bêbado é sim se drogar)). A gente aqui na blogosfera critica quem acha natural ter dívidas mas não costumamos olhar para nossos próprios rabos e ver que também achamos certos absurdos como coisas normais da vida.

Uma coisa que anda me incomodando ultimamente é a banalização da maconha. Quando era moleque os colegas maconheiros respeitavam os não usuários e jamais fumavam em grupos de não-nóias. Hoje marmanjo fuma um na frente de criança, na mesa do bar, com a maior naturalidade... Veja bem não tenho opinião formada sobre legalização de maconha (embora como liberal que sou minha opinião tende a ser da liberação) mas porra, cada um faz o que bem quer mas tem coisas que obviamente devem ser feita no privado. Também tenho costumes pouco ortodoxos mas nem por isso saio falando e principalmente fazendo em público.

Acho que estou ficando um velho chato, aliás tenho certeza disso!

80 comentários:

  1. Post sensacional! Meus parabéns. Quanto à legalização das drogas, inclusive maconha, sou totalmente contra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Não sei, não tenho opinião formada sobre isso... Pode ser bom por um lado e ruim pelo outro... Talvez acabaria com essa "cultura de maconheiro" ou talvez não...

      Excluir
  2. "Acho que estou ficando um velho chato, aliás tenho certeza disso!"... melhor trecho do texto... hehehehehe... brincadeira, sinto-me assim também. Juntando com o post sobre carros e outros percebe-se o quanto o passar dos anos muda nossas prioridades, nosso modo de enxergar a vida. Estou prestes a completar 31 anos e sinto muito do que você falou nesse texto aqui, inclusive em relação a bebidas. Parabéns pelo excelente conteúdo Corey.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Leandro! Acho que isso é um movimento natural do ser humano.

      Excluir
  3. Me vi nesse texto cara tô com 34 anos e estou igual com os a.Igor cada vez mas distante bebedeira não tenho mais paciência e querendo me mandar do Brasil. Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, sem saco pra festas bagunçadas...

      Excluir
  4. Muito bom texto. Eu também penso assim e me identifiquei com o texto na hora.

    Também perdi o gosto por beber. Na sexta gastei R$58 em cerveja e estou arrependido até agora. E sempre gostei de ir sozinho num bar. Mas os ambientes estão cada vez piores (ou sou eu): músicas ambientes lixo, um povo cada vez mais feio e nojento.
    Garçons sem qualquer preparo para atender. E o pior é que na mesa ao lado tinha um gordo nojento com cara de funcionário público (chupim?) que tentou puxar assunto por causa da bandeirinha "prendam o chefão (com o desenho do pixuleco)" que tenho na bike, dizendo que votou no lula 4 vezes... É de vomitar.

    E "amigos" e familiares socialistas, eu sempre me afasto. Não quero nem saber da sua existência.

    Também acho que menos é mais. Acho que estou ficando velho.
    E isso é bom :-)...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb já cheguei a me arrepender por dinheiro gasto em bar... Cheguei a ter o costume de frequentar um bar semanalmente mas acabei me dando conta que fazia aquilo mais por ser uma "obrigação" porque a sociedade entende que homens precisam desse momento de socialização. Bullshit!

      Excluir
  5. Post corajoso. Pouca gente tem coragem (mesmo com o "anonimato" da internet) de admitir que não tem amigos. Admitir isso é algo que incomoda, traz peso e até vergonha, já que soa como um tipo de fracasso.
    Mas creio que a grande maioria das pessoas tem de fato poucos amigos, mesmo pessoas populares tem poucos amigos, muitos inclusive não tem nenhum. Se as pessoas forem fazer uma reflexão sincera e forem peneirar suas amizades chegarão a essa conclusão.
    Isso assusta, como lidar? Acho que todos temos máscaras sociais. Quanto menos mascarados formos e mais sinceros conosco e com os demais formos, mais teremos condições de nos relacionarmos com verdade e construir relacionamentos mesmo que poucos, verdadeiros.
    E o ser humano não foi feito pra mentira.
    É um peso ter que frequentar locais ou se relacionar com pessoas "forçado" por obrigações sociais ou familiares, se isso não é verdadeiro, não trás a satisfação e a felicidade que esperamos.
    Tenho um comportamento e pensamento parecido com o seu, mas esse fim de ano estou mais otimista com relação a isso. Acho que quando nos conscientizamos com sinceridade a respeito de algo, passamos a ter condições de enfrentar esse algo de forma eficaz.
    Seja procurando aceitar e conviver ou mudar a situação, até porque perdemos as idealizações que temos e que muitas vezes são as verdadeiras causas das nossas desilusões e sofrimentos.
    A verdade tem força e liberta, tenho certeza disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que muita gente está na mesma situação mas como vc disse, poucos são os que assumem. O padrão é aparentar ter muitos amigos, muitas fotos no instagram, etc...

      O que vc disse sobre máscaras sociais é a mais pura verdade. Qd tiramos as máscaras afastamos as pessoas mas tb podemos atrais aquelas que realmente valem a pena.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Corey, foda se se vão ``legalizar´´ ou não essa merda, já tá tudo liberado mesmo. Nego usa droga e parte da população nem se incomoda com isso. Agora, esse (e outros) ``temas´´ que a mídia coloca para que seja debatido pelo povão pouco ou nada acrescenta nas nossas vidas como investidores. Parece que a imprensa ocupa-se em provocar esse tipo de discussão para manter a massa ignara entretida com algo sem tanta relevância se comparado, por exemplo, com a mudança na previdência ou algo que acho extremamente importante que são as mudanças ou até mesmo a extinção da CLT. Agora imagina a imprensa promovendo um debate sobre fim da obrigatoriedade da contribuição ao INSS e possibilidade de cada um optar em contribuir para o INSS ou para uma previdência privada. O rebuliço que ia dar. Por isso acho que esses temas como maconha, aborto, armas são assuntos que a imprensa joga periodicamente para continuar mantendo a massa ocupada e impossibilitando o povão a pensar em temas mais relevantes. Afinal quem quer usar droga, fazer aborto e comprar arma não encontra tanta dificuldade. Sendo que a proibição não impede boa parcela dos brasileiros ao seu acesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre a imprensa eu só digo uma coisa: ela é toda de esquerda! ponto final! Tenho 4 colegas jornalistas, todos petistas e exaltadores da agenda de esquerda. A imprensa deveria ser extinta, jornalista não é profissão.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Cuidado! generalizações costumam ser burras.

      Excluir
    3. Costumam sim, mas essa nao e

      Excluir
  7. Ou você acha que o Abílio Diniz, O Luiz Barsi, o Parisotto entre outros se ocupam em discutir ``legalização´´ de droga. Estão mais preocupados em se os congressistas começarem a se organizar em torno de um possível imposto sobre grandes fortunas ou sobre heranças, conforme, salvo engano, a Constituição de 88.

    ResponderExcluir
  8. Sou contra essa anti socialização, mas sobre a falsidade das pessoas nos relacionamentos e a parte das bebedeiras tb concordo.

    ResponderExcluir
  9. Onde assino no post Corey?

    Abcs

    Diego

    ResponderExcluir
  10. Fala Corey! Legal seu relato! Penso dá mesma forma quanto a bebida. Eu nunca fui de beber (fiquei ruim uma vez e decidi nunca mais ficar)..

    Quanto a amigos percebo que o tempo vai diminuindo a qntd deles. Hoje com 32, conto na mão os "parsa". O mais triste é ver que "amigos" sumidos lembram de você quando precisam de algo...(daí vc percebe sua ingenuidade...)

    Sobre casamento, fiz um post falando como dividir as contas do casal e ele já foi meio polêmico, imagino como será o seu rsrs

    Se puder veja! http://investidoringles.blogspot.com/2016/11/como-dividir-as-contas-do-casal.html

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá II!

      Eu simplesmente não tenho "parsas", rsrs! E isso não me incomoda nenhum pouco!

      Posts sobre casamento e mulheres sempre geram polêmicas, tive alguns aqui no blog a acabei tendo que tira-los porque acabam atraindo um público que não me interessa. Vou passar por lá...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  11. As relacoes sociais sao uma das bases da matrix. Desde crianças somos ensinados a ser "educados" com os outros, o que nada mais é do que ser falso. Experimenta sair falando verdades na cara das pessoas: não sobrará ninguém, nem os que postam Fotinhos exaltando a sinceridade no Facebook. Já me senti muito mal por não ter habilidade de fazer amizades, mas conforme o tempo passa tenho me sentido mais confortável em fazer coisas sozinho, como ir a passeios ou shows. Networking é o caralho.
    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Desde crianças somos ensinados a ser "educados" com os outros, o que nada mais é do que ser falso." - não tinha pensado nisso, mas é a mais pura verdade. Somos ensinados a ser falsos, não que isso seja totalmente ruim mas é essa a verdade.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  12. Cara, estou a espera de uma biblia do corey. Alguém tem que compilar esses ensinamentos!

    Abc

    ResponderExcluir
  13. Já leu Sapiens - Uma Breve História da Humanidade? Ele trata sobre a limitação das amizades dos homens, podemos ter, salvo engano, no máximo, algo em torno de 120 pessoas que o nosso cérebro considera uma relação, inclusive parentes.

    Isso foi importante para a evolução da espécie no planeta, tanto quanto para ocupá-lo completamente, há milhares de anos.

    No entanto, essa coisa de centenas ou milhares de amigos no Facebook é balela, é uma tremenda farsa, é, nas palavras do autor, que é historiador, um "mito". Aliás, foi essa capacidade de criar mitos que deu origens às nações, empresas etc., porque multiplicou os "laços" possíveis entre as pessoas, ao ponto de poder, há milhares de anos, construir uma pirâmide que está lá até hoje no Egito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fala Dr!

      Vou dar uma olhada nesse livro, não conheço. Esse é um tema interessante.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  14. Acredito que seja uma tendência das pessoas que estão na busca da IF, estou nesse clima ai, no meio do ano, sai umas vezes p ver jogos da Olímpiadas com um recente grupo de amigos, o q levei de lição disso foi q gastei mais do q devia, sentia como obrigação de ir, fui saindo aos poucos, hj n sou solicitado como antes, entrei para o grupo doa chatos, isolado e bla bla, ate povo da minha família andam reclamando disso, e as obrigações de fim de ano esta bem ai e eu sinceramente sem muita vontade de participar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho muita sorte de ter eliminado as obrigações de fim de ano da minha vida, junte a isso o fato da minha família não ser unida e estou numa situação confortável. Melhor ser chato mesmo!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  15. Olá Corey,

    Quanto as situações sociais, li recentemente em um livro algo interessante.
    O autor diz que a sociedade é um grande teatro, onde cada um está interpretando seu papel e normalmente fingindo ser algo que não é.
    A moral do livro é que devemos aprender a sermos ótimos "atores", com o único objetivo de conseguir benefícios próprios, pois é o que todos fazem, afinal.

    Apesar de ser uma abordagem agressiva e um pouco amoral, eu concordo com ela. Pois só participa do "jogo" quem quer (o que não é seu caso, mas seria o meu, por exemplo).

    Abraço,
    Luan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luan, essa abordagem pode ser amoral mas é assim que devemos tocar a vida. Sou falso mesmo em várias situações, como por exemplo no trabalho, mas onde não preciso ser evito ao máximo porque no fundo isso me faz mal...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  16. Olá, Corey. Beleza colega? Fico triste ao ler um artigo como este. A Amizade é o o que faz uma vida plena e satisfeita. É verdade que a relação de amizade com a nossa mulher muito importante, mas não nos relacionamos apenas com nossas companheiras. Não há nada melhor do que comunidades saudáveis, com relações genuínas de amizade, é quando percebemos que a vida assim é muito melhor de ser vivida.
    Desejo a você uma vida com mais amizades, e menos "obrigações sociais". Um bom final de ano para você Corey.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Soul!

      "Não há nada melhor do que comunidades saudáveis, com relações genuínas de amizade, é quando percebemos que a vida assim é muito melhor de ser vivida." - até hoje nunca vi algo parecido com isso.

      Obrigado, eu não quero ter "amizades", como disse no texto isso não é algo que me incomoda, eu realmente prefiro ser assim. Temos pontos de vista bem diferentes...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Soul, você tem tantos amigos assim?

      Excluir
  17. Boa noite Corey.

    Texto perfeito. Não gosto de lugares barulhentos, festas e socializações forçadas, principalmente as da empresa no fim do ano.
    Corey você não sabe da sorte que tem de ter encontrado a Bia. Quantas mulheres existem que não gostam de gastar, sair todo fim de semana, restaurantes caros e com grife, confraternizações em que a falsidade impera no ego das pessoas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei sim, sou um cara de muita sorte!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  18. Corey, parabéns cara, mais um excelente post.

    Sucesso

    Abraço

    ResponderExcluir
  19. confraternizações de fim de ano na empresa eu fujo...falsidade...e sobre amigos...tenho alguns...uns seis ou sete próximos...fujo dos socialistas e também dos fanáticos de direita.... mas gosto do contatos com amigos..churrasco...cerveja...também sou minimalista e as vezes vou na casa dos caras...cheias de tranqueiras e coisas...mas me divirto...aqui em casa...ninguém vem...minha casa não tem nem sofá....não recebo ninguém e a galera sabe disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazem 3 anos que não faço mais festa de fim de ano na empresa, no lugar disso dou um bônus pra cada funcionário. Percebi que as pessoas levavam como obrigação e eu mesmo não via a hora de tudo aquilo acabar...

      Excluir
  20. Boa noite, Corey!

    Acho que tudo começa na honestidade das pessoas. Na primeira impressão. Se as pessoas se aproximam por motivos claros, creio que a relação caminhará bem. Por exemplo, quando uma pessoa se junto com outra por questões profissionais, todos os envolvidos tendem a ter uma ótima relação (claro, algum fator posterior pode dissociá-los), eles perceberão que o que os une é o fator X, e que há barreiras quanto a outras coisas. E assim nas demais coisas da vida.

    Eu tenho uma característica difícil para fazer amizades, é que sou meio misantropo. Não ligo para regar amizades (é um defeito que tenho de corrigir), gosto de ficar, só, por longas horas (mas fico bem quando alguém me acompanha). Aprecio bastante meu tempo sozinho, pois faço minhas atividades e Hobbies (leituras, escalada, musculação, observar a natureza, assistir o que quero, escutar minhas músicas e ficar só mesmo).

    As pessoas tentam me incluir nas coisas, mas reluto em reunir-me...

    Agora, o que é estranho é que sou muito requisitado, as pessoas gostam de conversar comigo e de me ter por perto. Não sabia bem o porquê, até que alguém me disse que é devido à minha naturalidade e aptidão para várias coisas. A questão de poder conversar sobre vários assuntos, de ter conhecimento de várias coisas e de ser educado e honesto no que falo. Acabo por chegar à conclusão de que as pessoas se conectam por motivos, às vezes, tão banais que acabam por criar relações sem sal, e quando se conectam por motivos mais enriquecedores (tanto materialmente como espiritualmente ou intelectualmente), elas sentem a validade da situação, percebem o quão especial é aquele momento.

    Acho que se as pessoas fossem mais honestas consigo mesmas, as relações tenderiam a melhorar... como assim? Bom, se as pessoas fossem conversar, digamos, sobre música X (música erudita, por exemplo), e todos os envolvidos estivessem ali porque apreciam verdadeiramente a música erudita, o resultado seria uma amizade pontuada mais pela qualidade e profundidade dos sentimentos expostos, todos estariam conversando do que gostam. Agora, o que vemos, na realidade, são pessoas forçando amizades, chegam a algum lugar e ficam falando de coisas banais e estúpidas só para manterem um vínculo (novelas, fofocas, roupas, os gastos mais divertidos, mulheres e etc).

    Prefiro ter relações saudáveis, não vou atrás de amizades, se tiver de acontecer, então acontecerá naturalmente devido à afinidade entre minha pessoa e outras. Com isso, tenho amizades verdadeiras, as quais falo abertamente (sobre os nossos assuntos em comum) e saio da reunião com a sensação de que tive algo proveitoso, de que firmei bons laços. E isso é interessante porque conheço pessoas as quais raramente vejo, mas quando as vejo, a conexão é imediata.

    Enfim, acho que você não precisa apenas limitar-se a ter amizade somente com sua esposa. Vocês dois podem ter mais amigos, mas de maneira natural, sem essas obrigações sociais. Juntem-se às pessoas que não querem "imitar relações" (vamos a tal lugar? Rapaz, tu viste o que aconteceu ontem? Opa, será que um carro x não é mais bacana que o carro y). Vivam relações claras, baseadas em certos valores e culturas.

    Enfim, desejo-te um bom novo ano! Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que vc diz sobre er um motivo de aproximação é o que acontece com colegas de trabalho que acabam tendo um forte motivo em comum e se identificam.

      Eu adoro ficar sozinho e não entendo essas pessoas que sempre precisam de companhia pra fazer as coisas: ir pra academia ou comprar pão.

      Sobre as pessoas se conecetarem por motivos mais enriquecedores eu concordo e assino em baixo. Esse é o motivo pra existência de uma blogosfera como a nossa. O único motivo que conecta as pessoas aqui é forte, ninguém nunca nem viu a cara do outro e mesmo assim rola relações respeitosas e enriquecedoras.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  21. Grande Corey!

    Excelente texto! Concordo em algumas partes, mas discordo completamente de uma: o de não ter amizades.

    Em um primeiro momento percebo que confundes o conceito de amigo e colega. Ao ler o seu texto vejo que falas o tempo todo em amigo, mas descreves um colega! Esses eu concordo que não fazem falta em nossas vidas, mas os amigos verdadeiros, sim.

    Amigo não precisa de obrigação social. Amigo é aquele cara que, mesmo que vocês passem meses sem conversar, apesar disso ser difícil hoje em dia por causa dos diversos meios de comunicação, quando se encontram tudo flui naturalmente. É aquele cara que, em qualquer dificuldade, você pode contar e está disposto a ajudar.

    Fico triste e feliz ao mesmo tempo com seu texto. Feliz por ver que você e sua parceira se completam, e triste por achar que isso não é o suficiente na vida de um ser humano.

    Acredito muito nas relações verdadeiras entre as pessoas. Sem interesses. Essas relações, pelo menos na minha vida, trazem bastante felicidade.

    Abrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Nordestino!

      Vc tem razão, misturei um pouco os conceitos mas no fim das contas o que pretendi dizer é que até hoje não encontrei um "amigo" mesmo, de verdade, da maneira que vc descreveu. Pensando vem aqui até tenho uma pessoa que é como vc disse: passa um tempão sem a gente se ver e qd isso acontece é bem legal, rola um entrosamento bacana, mas mesmo assim não a chamo de amiga...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Tenho um relacionamento assim com minha ex namorada. A gente não deu certo mas a amizade ficou e até hoje a gente se vê pra tomar uma cerveja sem mágoas e o papo rola legal.

      Excluir
  22. Geralmente não comento, mas vou abrir essa exceção. Corey, acho que seu modo de vida está tomando um viés radical. Você é um radical e ainda não percebeu isso. Você está colocando toda a sua felicidade na Bia. Um dia a Bia pode não estar mais disponível, por N motivos (não desejando nenhum mal).

    Acho que essa sua estratégia, vai te levar cedo ou tarde para o abismo. Mas cada um cada um, só minha opinião, não quero de forma alguma ofender.

    Te digo isso, porque é muito fácil se afastar de tudo e de todos, quando as coisas vão bem, mas quando elas não vão, e cedo ou tarde elas não vão, pois a vida é feita de fases, você corre o risco de não ter ninguém, para ajudá-lo ou apoiá-lo, ter boas amizades é saudável, ter muitas, concordo que não rola.

    Enfim, não coloque todas as suas fichas em uma só situação e/ou pessoa, como parece ser o seu caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo e concordo com seu ponto de vista, mas acontece que isso não é uma escolha, eu não escolhi não ter amigos. Pode ser que ainda não encontrei algum... Não vejo como mudar isso...

      Excluir
    2. concordo com o anon mas concordo com vc Corey. a gente não escolhe ter ou não amigos e aqueles que aparentam ser não deixamos ser, entende?

      Excluir
    3. O Anon de 19 de dezembro de 2016 10:49 falou muita coisa certa.

      Podemos ter contato humano, obviamente que ganhar dinheiro é o motor principal da vida. Mas isso não precisa me tornar um eremita.

      Excluir
    4. Pra ter contato humano vc não precisa necessariamente ter "amigos". Ter uma boa convivência com colegas de trabalho por exemplo, é uma maneira de cultivar o contato humano. Já escrevi sobre isso aqui no blog...

      Excluir
  23. Você acha mesmo que as pessoas tem "orgulho de ressacas"?
    Eu acho uma bosta ficar de ressaca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe a cultura da bebedeira e sim, acho que as pessoas tem orgulho de ressaca pq sempre querem contar uma história de ressaca pior que a do outro...

      Excluir
  24. Perfeito post Corey!
    Vivemos na era do consumo e do prazer, e a principal característica dessa era é uma busca para ver quem é mais feliz, claro compartilhando tudo em redes socias, pois não importa eu ser mais feliz que o meu "amigo", eu quero que ele saiba disso. Então nada mais normal do que ter mais de 2000 "amigos" nas redes sociais. Mas peça dinheiro emprestado ou algum outro favor para ver quantos irão ajudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "pois não importa eu ser mais feliz que o meu "amigo", eu quero que ele saiba disso" - exatamente, essa é a impressão que tenho...

      Excluir
  25. Corey, acho que você e a Ana são que nem os "the beautiful ones" , da Mice Utopia Experiment.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://forum.outerspace.com.br/index.php?threads/john-calhoun-o-psic%C3%B3logo-que-criou-o-inferno-dos-ratos-para-estudar-a-extin%C3%A7%C3%A3o-humana.424805/

      Excluir
    2. Não conhecia esse experimento, achei bem interessante e concordo com as conclusões tiradas. A super população é algo ignorado em nossa sociedade e quem sofrerá com isso são as gerações futuras. Por isso cada vez mais gente busca se isolar, trocando cidade grande por interior, por roça... Ainda não cheguei a esse ponto, sou daquelas pessoas dependentes das comodidades da cidade e não me vejo vivendo de outra forma (por enquanto). Obrigado por compartilhar, abraço!

      Corey

      Excluir
  26. Corey, já quis falar apenas de finanças das 07 da manhã à meioa noite, mas fiquei sozinho e frustrado.

    Nos EUA deve ser possível ter amigos investidores e pegar dicas em cada conversa, mas moramos no Brasil.

    Invejo o Warren Buffet, pois TODOS OS AMIGOS dele são investidores, ele fala em dinheiro em 90% do tempo, mas também tem hobbie fora da bolsa como o jogo de bridge.

    Fazer network para ganhar mais grana é uma coisa genial dos americanos. todas as fontes de dinheiro são bem vindas.

    Não preciso ter raiva de quem pensa diferente de mim.

    Eu lembro sempre que se existe pensamento socialista a culpa é de TODOS os governos, americano, brasileiro etc. que não ensinam finanças nas escolas.

    A partir do momento que a mulher pobre vira capitalista ela para de produzir prostitutas e operários, por isso os governos não ensinam capitalismo na escola; todo governo precisa de pobres sem noção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que nos EUA seja muito diferente... até porque lá a cultura do consumo é muito maior o que leva pro emburrecimento ainda mais rápido. junte a isso a preocupação excessiva com as questões das "minorias" e o politicamente correto e a tragédia está anunciada.

      Não é interessante ensinar finanças na escola, aliás, a escola praticamente inteira é só conhecimento inútil.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  27. Ultimamente eu to me sentindo um velho (tenho 29 anos) pois todos que trabalham comigo são mais novos e os assuntos realmente não batem. Sou constantemente julgado por alguns assuntos de viés financeiro. Taxado como mão de vaca ou que só pensa em grana...

    Por várias vezes eu tento refletir se é realmente isso, mas a conclusão que chego é que é um assunto que eu gosto.. e é por isso que estou com meu humilde blog e acompanho os blogs alheios...
    Aqui a afinidade em torno de um assunto é bem forte.. me sinto em um bar conversando com amigos...

    Mas te entendo Corey, só acho um pouco triste pois eu tenho 1 amigo com quem posso falar assuntos de interesse mútuo, e isso é muito legal cara... quando se acha um "bródi" assim, tem que valorizar..

    Espero que tu ache algum um dia

    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Japa!

      Normal parar pra refletir se realmente não somos mão de vaca... sempre me pego pensando nisso mas a conclusão é uma só: todo mundo se fode com grana, eu não, portanto continuo achando que eu estou certo e os outros errados, mesmo sendo minoria vs maioria.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  28. Excelente post, como todos.

    Sobre a maconha, já está legalizada. Meu vizinho não para de fumar, chego em casa este cheiro insuportável no hall do elevador, eu e outros vizinhos do andar já reclamamos para o síndico e nada, o que fazer? Mudar-se de prédio, sair na porrada/discussão. Difícil, ser certo neste mundo de hoje é ser errado.

    Continue sempre que possível com os seus posts, seu blog já está nos meus favoritos, sempre estou passando por aqui e ver seus posts.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, se for ver já está sim legalizada... Sempre tive colegas maconheiros na época da escola, mas havia respeito. Só fui saber o cheiro daquela porra depois de velho, rsrs! Mudar de prédio é sim uma alternativa, por isso prefiro morar de aluguel.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  29. Gostei Corey!

    Com relação ao empreendedorismo. Você está tocando as 2 lojas ainda? Como está seu "fôlego" pra continuar trabalhando?
    Ainda tem vontade de expandir?
    Se possível faça um post sobre isso.

    Sempre fui de fazer planos, traçar metas, projetos de longo prazo, nos mínimos detalhes.

    Isso me ajudou, porém, de uns tempos pra cá, não consigo mais fazer isso, pois é muita pressão minha, em mim mesmo, pra conquistar coisas, que eu considero necessárias hoje, só que daqui a 1 ano, 2 anos, talvez não sejam mais, pois tudo vai mudando.

    Não abandonei esse sistema de metas e projetos, pois também não sei viver igual a um porra louca, mas estipulei menos coisas, e prazos menores, no máximo 1 ano, mas meu foco tem sido cada semana, mês, e trimestre.
    Pode não parecer, mas muita coisa muda, em muitos aspectos, em menos de 1 ano.

    Um exemplo rápido: O empresário vai começar com 1 loja, dia 01/01/2017, e pensa: Vou acabar o ano com 3 lojas, e daqui a 5 anos, quero ter 30 lojas. Então ele traça o plano, e começa a trabalhar. Mas um erro muito comum, é só considerarmos a nossa realidade, o nosso mundo, porém, no meio do caminho, acontece alguma situação que o faça refletir, ou que mostre novas possibilidades de chegar ao mesmo lugar, só que por outro caminho, e nosso planejamento inicial, não será mais alcançado.
    De repente ele está está lá com as 20, 30 lojas, ou não, e pensa: Por que eu quero tudo isso? O que estou fazendo?

    Pra mim, uma meta, assim como qualquer investimento por exemplo, deve ser explicado de maneira fácil e direta, caso contrário, provavelmente é uma coisa que você impôs a si mesmo, sem algum motivo específico, ou seja, não é tão importante.

    Exemplo: quero porque quero uma Bmw. Daí faço todo um planejamento pra trabalhar mais, arcar com as despesas, e enfim, consigo comprar uma. Daí começo a utilizar, pagar seguro, Ipva, fica quase impossível de manter, mas eu continuo, firme e forte, trabalhando mais, só pra manter a Bmw, porque sou grande fã.
    Daí paro pra pensar: Por que fiz isso? Horas a mais de trabalho, só por causa de um carro? O stress diário extra que eu mesmo me causei, por causa de uma porra de um carro.

    Entenda, eu adoro carros, adoro Bmw, e teria uma, caso fosse fácil ter. No meu caso, teria que trabalhar o triplo, guardar cada centavo, e viver pra pagar uma. Não faz sentido.
    Mas não condeno quem GANHA BEM, e quer ter uma. Gosto do conceito de que para ganhar mais, você deve trabalhar o mesmo número de horas, e rentabilizar sua hora, e não fazer dupla jornada (isso eu já fiz, por necessidades mesmo, mas não dura muito tempo).

    Então pro grande empresário, pro médico que ganha R$5.000,00 por dia, ter e manter um carro de luxo, penso mais é que devem ter, pois é uma coisa que vem naturalmente, sem obrigação de trabalhar mais.

    Mas pro caso da maioria, o pessoal que ganha na faixa de R$8.000,00, que querem ter, e acabam fazendo várias horas extras, é ridículo.

    Isso também é ser minimalista, simplificar os processos da nossa vida. Diminuir os resíduos.

    Continua...

    ResponderExcluir
  30. Continuação...



    O que acontece muito hoje, é que as pessoas interpretam personagens mesmo. O Flávio Augusto, um baita empresário que está no auge de popularidade, prega todos os dias, o quão legal e "do caralho", é ser empresário. Mas será que é mesmo? Eu nunca gostei tanto de trabalhar, era assim quando eu ganhava R$400,00 num mês, assim como quando eu ganho R$8, 10, 12.000,00 em alguns meses.

    Sou (estou) autônomo, "trabalho pra mim, não tenho chefe", talvez eu tenha mais liberdade do que alguns funcionários, pelo horário de trabalho, mas também tenho total responsabilidade por mim, pelas contas, e também não acho nada demais ser empresário.
    Muitos empresários no Brasil, nem ganham dinheiro com suas empresas, só trabalham por trabalhar, outros herdaram bens, vivem de renda, e criam uma empresa pra se declarar empresário. Foram poucos que eu conheci, que vieram de baixo, pouparam, investiram e agora estão grande. E duvido que esses que trabalharam mesmo, achem tão legal assim, continuar trabalhando, mas entendo, alguns só curtem estar no trabalho, talvez até, pra fugir do relacionamento com esposa/filho.

    Obs: As coisas que aconteceram comigo, ao acaso, foram as mais interessantes. Situação inusitadas que ganhei dinheiro, indiquei vendas, tentei vender um produto e acabei vendendo outro, sem planejar, tudo isso fluiu de maneira natural.

    Também parei de forçar networking, saí de ferinos, os assuntos sempre são os mesmos, as jogadas do neymar, quanto neymar ganha, neymar neymar. Acho isso inútil.

    Sempre gostei de ler, praticar esportes.

    Não gosto muito da minha profissão, mas é o que aprendi a fazer, e também não consigo me ver, tocando um restaurante ou mercadinho por exemplo, ou trabalhando em horários comerciais e finais de semana. Presto serviços, trabalhando em casa, com horários flexíveis.

    O meu ramo, funciona estilo uma anarquia, é o mercado livre, pego um serviço, às vezes repasso, tudo sem vínculos empregatícios, CLT, sem nota fiscal. É o dinheiro circulando livre, pra quem estiver afim de trabalhar.

    Esse sou eu, gosto de uma vida tranquila, gosto de surfar, praticar esportes, ler livros, blogs sobre minimalismo e investimentos, não curto muito trabalhar, não gosto dos assuntos da mídia.

    Corey, grande abraço, continue com seu blog.

    Sucesso pra você e sua esposa.




    Att,

    Pretorian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, estou com somente uma loja (por enquanto). Não tenho fôlego e continuo nessa única e exclusivamente por dinheiro. Sou um "prostituto" do emrpeendedorismo, rsrs!

      Desisti de fazer planos detalhados a algum tempo... pra mim simplesmente não funciona, minha vida tá sempre mudando e jamais consigo cumprir meus planos. Não sei se isso é ruim ou bom, mas enfim, é assim! Meu foco agora é simplesmente colocar a vida num determinado rumo e deixar rolar pra ver o que vem. Me sinto mais leve dessa maneira.

      "acontece alguma situação que o faça refletir, ou que mostre novas possibilidades de chegar ao mesmo lugar, só que por outro caminho, e nosso planejamento inicial, não será mais alcançado" - exatamente! Se até nossa opinião muda, que dirá os fatores externos...

      Isso que vc falou sobre a BMW pode ser reduzido pra um carro popular. Nêgo que ganha 3k, tem família e quer ter carro zero tá fudido igual o que ganha 8k e quer ter BMW.

      Ser empresário não tem glamour algum! Ganhamos mais porque é assim que deve ser, o ônus é muito grande logo o bônus deve ser tb. Empresário de verdade como vc disse, o que veio de baixo, é o primeiro a se ferrar na mão do governo, aí surgem os casos de suicídio que sempre ouvimos falar... O que vc disse sobre fugir da família é muito verdadeiro, conheço diversos casos.

      O importante é ganhar dinheiro sem foder a saúde!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Isso mesmo..
      Vendeu as outras Corey? Poderia contar como foi o processo, e que fatores você usou pra decidir com qual comércio ficar, ou qual vender..

      Abraço

      Pretorian

      Excluir
    3. Pretorian, não me sinto a vontade pra falar como foi, ao menos por enquanto...

      Excluir
  31. ótimo post !!! além da banalização da maconha, o pessoal anda pregando muito direitos dos homossexuais, eu respeito, nada contra, mas a maioria parece que hoje em dia perdeu o respeito, as vezes 2 marmanjos se pegando na rua na frente de todo mundo e principalmente crianças!! Eu conheço homossexuais que são discretos, deixam para fazer essas coisas entre 4 paredes !! tá muito liberal esse mundo hoje em dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho nojento e desnecessário casais se pegando na rua, sejam hetero ou homossexuais. Conheço diversos homossexuais que se incomodam com essa "batalha" por direitos. Eles querem tocar suas vidas como qq outra pessoa e não ter as atenções pra cima de si.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  32. Olá Corey,
    Excelente post.
    Eu tenho mais colegas do que amigos. Sei lá se são amigos mesmo. Eu tenho vários irmãos e nós conversamos muito por telefone ou cara a cara quando encontro com eles. Pelo que vejo eles são mais amigos.
    Tenho muitos colegas de trabalho. Quando saio da empresa nem contato tenho muito, as vezes uma conversinha por whatsapp.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seus irmãos podem ser seus amigos sim! Assim como podem ser somente conhecidos... Não é questão de sangue e sim de afinidade.

      Excluir
  33. Concordo plenamente, alias me identifico totalmente.
    Meu namorado é o único amigo que tenho, os demais são só colegas que durante a vida me deram várias rasteiras.
    Hoje em dia não curto mais beber com os "amigos", no máximo tomo um vinhozinho com meu namorado e faço um churrasco com a família.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a gente vê quem são amigos de verdade qd precisamos e quase sempre nos decepcionamos.

      Excluir
  34. Parabéns pelo post.Minha mãe costuma dizer que tudo de mais é veneno e que amizades estreitas demais não são boas.É natural com a idade deixarmos de ser de esquerda e nos tornarmos mais careta.Penso que agir com naturalidade, ser verdadeiro e o equilíbrio nas relações é essencial. Posso dizer que tenho alguns amigos e valorizo a minha família.Você já parou para pensar que um dia a Bia pode te deixar? Digo isso porque acho que não havia casal mais feliz que eu e minha esposa.Mas, depois de alguns anos de namoro e mais alguns de casório não estamos mais tão bem.Então se o casamento ruir? Se tivermos amigos fica mais fácil de recomeçarmos, afinal de contas ninguém namora com inimigos, né?Risos.
    Acionista25.Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, já pensei e sim, seria difícil. Mas o que posso fazer? Não ter amigos não é questão de escolha... Sim, muita gente namora com "inimigos", vide o monte de relacionamento podre que existe por aí...

      Excluir
  35. Corey se puder adiciona meu blog em sua lista, caso goste de noticias sobre pessoas com potencial para influência...

    http://fofocarioonline.blogspot.com.br/

    Eu nunca bebi álcool, nunca tive interesse nisso. Pra mim ao menos não faz falta nenhuma.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  36. Sobre a parte da bebida, as pessoas bebem para escapar da realidade.
    Pensando racionalmente, não faz sentido você beber algo que possa te trazer possíveis consequências (dar pt, ressaca e coisas bem piores), mas as pessoas fazem isso ou para se mostrar aos amigos ou para fugir de uma realidade e ir para uma melhor ou os dois né, rs.

    Corey, mudando um pouco de assunto, tenho 22 anos e ano que vem vou iniciar um curso de Téc. Adm pelo Senac e estava pensando em fazer um curso de conserto de celulares. Você acha que pode ser uma boa? Resolvi deixar a faculdade para depois, do jeito que as coisas estão, vou me formar e ficar desempregado.

    Marcelio.

    ResponderExcluir
  37. Corey,

    seus posts são simplesmente sensacionais.

    Festas de fim de ano é bem isso que acontece. Churrasco e mais churrasco e só encontrando a galera das antigas.

    o engraçado que meus amigos hoje todos na casa dos 40, são todos amigos de infância. A maioria com dificuldade financeira ou então totalmente frustados com suas vidas.

    No meio da galera sou visto como o "bem sucedido", pq ganho 15k e trabalho em multinacional....Cara, isso é patético.....Mas enfim, são meus amigos e gosto de vez em quando (duas vezes por ano) conversar e botar as fofocas em dia.

    com certeza vamos ficando velhos e chatos. Coisas que antes eram super legais de falar e conversar, hj já não tem a mesma graça.

    tb não consigo ter amizade por interesse em negócios. Amizade pra mim é ter afinidade.
    Trabalho numa empresa que todo mundo é político , mas não consigo... como é dificil ser político!

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.