sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

O Mito da Concorrência

Após a rápida postagem que fiz sobre o caso do veterinário impedido de trabalhar de graça pelo CRMV surgiram vários comentários interessantes, entre eles a tal da concorrência predatória. Decidi escrever esse post para falar um pouco da minha opinião sobre concorrência.

Já escrevi sobre vários assuntos que considero mitos, coisas que as pessoas deturpam e repetem como verdades absolutas e que racionalmente falando não fazem o menor sentido. Foi assim com o mito do capital de giro e o mito do retorno do investimento. A concorrência na minha opinião é mais um mito enraizado na cabeça das pessoas.

Quando se fala em concorrência predatória então... tenho uma opinião muito simples sobre concorrência predatória: ISSO NÃO EXISTE. É bem simples entender: você tem uma loja de grampeadores, cada um é vendido a 10 reais. Um concorrente chega e monta uma loja vizinha a sua e começa a vender os mesmos grampeadores a 5 reais. Isso é concorrência predatória? Não, não é. Você também conseguiria vender a 5 reais se quisesse, bastaria sair da sua zona de conforto, melhorar a eficiência do seu negócio, diminuir a margem, aumentar o volume e se bobear após certo tempo você estaria lucrando mais vendendo grampeadores a 5 reais que a 10... Agora a pergunta do milhão: Você está disposto a fazer isso? Provavelmente não, eu mesmo não estaria e acharia mais fácil criticar o concorrente dizendo que ele destruirá meu negócio quando na verdade a incompetência é toda minha.

A grande maioria das pessoas (me incluo nisso) monta negócios buscando ganhar dinheiro e ter certa estabilidade, elas não querem ter que lutar pro resto da vida melhorando processos e produtos. As pessoas se acomodam e sinceramente não acho isso 100% errado. Aí vem um concorrente melhor e a tira do negócio. A culpa foi do concorrente?

Nos Estados Unidos dos anos 50 o varejo era dominado por lojas de variedades do tipo preço único, as chamadas Five and Dime Stores (algo como nossas lojas de 1,99), as margens de lucro eram altas, as pessoas eram sempre atendidas por funcionários que pegavam os produtos atrás do balcão. Um jovem empreendedor chamado Sam Walton comprou uma dessas lojas, uma franquia, e começou a fazer coisas malucas como cortar preços pela metade, comprar toneladas de produtos e oferece-los a preços pouco superiores ao custo. A loja de Sam se tornou um sucesso e a figura dele bem quista na pequena cidade do oeste americano, os outros comerciantes não gostaram nada daquilo e deram um jeito de expulsa-lo da cidade. Ele quebrou? Não, muito pelo contrário, achou uma nova praça, montou outra loja, e mais outra, e outra... Montou uma super loja no formato "discount store" onde mercadorias eram oferecidas por preços muito menores que em outras lojas. A rede cresceu e graças a aviões monomotores, a pouca interferência estatal, uma economia vibrante e poder de compra elevado a empresa do Mr Walton se tornou uma empresa que "talvez" você já tenha ouvido falar: o Wal Mart.

O Wal Mart foi talvez o primeiro grande "concorrente desleal" que se tem notícia, chegou chegando, quebrando empresas familiares, quebrando fábricas ao redor dos EUA, destruindo cargos de trabalho nessas fábricas ao mesmo tempo que criava milhares de postos de trabalho a salário mínimo (ou menos que isso). Graças ao Wal Mart criancinhas chinesas estão trabalhando nesse momento, adultos em Bangladesh estão trabalhando 16 horas por dia, 7 dias por semana dentro de fábricas abafadas, ganhando centavos de dólar por hora... Milhares de mercadinhos, lojas de conveniência, lojas de ferragens, pequenas farmácias, oficinas mecânicas fecharam suas portas desde a chegada do Wal Mart.

Tudo isso é culpa do capitalismo opressor e de uma grande corporação malvada, certo? ERRADO! A culpa do fechamento das empresas familiares não é do Wal Mart e sim da demanda por produtos mais baratos. A esmagadora maioria das pessoas quer pagar menos por um produto e já que a matemática é exata só existe um meio pra isso: corte de custos. O Wal Mart soube fazer isso muito bem, desde os baixos salários e pesadíssimas carga de trabalho dos executivos que jamais voam de primeira classe e sempre se hospedam em hotéis de beira de estrada (4 executivos por quarto), desde a exploração do trabalho semi-escravo dos asiáticos. O Wal Mart é eficaz e ponto final. A eficácia permite que essa empresa venda produtos a preços baixos e obtenha lucro sempre. O Wal Mart não é mal, ele é eficaz.

Empresas familiares quase sempre são ineficazes, aliás tudo o que envolve família a possibilidade de dar merda é muito grande. Na maioria das empresas familiares não existe meritocracia, os membros da família vivem num ambiente socialista onde ninguém tem salário nem funções pré definidas. O patriarca das duas uma: ou leva a empresa nas costas centralizando decisões ou é um estorvo que tira mais dinheiro que todo mundo, não faz nada a não ser reclamar. Não existe busca por eficácia e redução de custos, as decisões são tomadas na "orelhada" e na base do achismo. Sinceramente você acha que uma empresa assim é mais merecedora de mercado que uma corporação de capital aberto, onde as decisões são tomadas por profissionais, onde o salário é compatível com a função?

Vou usar o meu exemplo: minhas lojas só existem graças a ineficácia dos meus concorrentes em diversos aspectos, eu consegui visualizar a falha deles e trabalhar isso a meu favor a fim de ganhar um público que valorize o que tenho de bom. No dia que um concorrente fizer o mesmo que eu e abaixar os preços em 5% (o que pe perfeitamente viável) ele me quebra em 6 meses. A pior empresa do meu ramo nos EUA é muito melhor que a minha empresa aqui no Brasil. A ineficiência brasileira como um todo é algo assustador.

A concorrência faz mais bem que mal. Os concorrentes me tornaram um empreendedor melhor. Concorro com todo tipo de gente: o barateiro, o extremamente eficaz e também com o relaxado. Aprendi um pouco com cada um deles e tenho plena consciência que há muito o que melhorar no meu ramo, como não tenho saco pra fazer essas melhorias e por saber que um concorrente pode chegar fazendo essas melhorias e roubar um pedaço do meu negócio, estou me desfazendo das empresas. É muito simples: se você tem medo da concorrência, saia do negócio e não fique de mi mi mi que o concorrente é malvado. Tenho plena consciência que o problema não está nos meus concorrentes e sim comigo que não tenho paciência pra mudar.

Agora saindo um pouco da área empreendedora... Nêgo reclama que profissão A é prostituída, que na profissão B nêgo trabalha quase de graça, que o profissional C cobra abaixo do mínimo... Engraçado que ninguém colocou uma arma na sua cabeça te obrigando a fazer a faculdade A, B ou C. Você escolheu sua profissão e se ela está uma bosta o que te impede de mudar? Preguiça de começar do zero? Pode ser, eu também teria, mas se fosse um profissional A preguiçoso preferiria ficar quieto que reclamar que o colega é um concorrente desleal... Sem contar que na profissão A, na B e também na C há inúmeros profissionais bem sucedidos... A maioria das pessoas entra na faculdade com sonho de ser o foda da categoria, mas nem 0,00001% chegará a isso, essa é a verdade... Precisamos nos contentar com nossa mediocridade, a ficha precisa cair que a grande maioria de nós jamais passará de profissionais medianos (me incluo nisso como empreendedor e como profissional licenciado).

Pra resumir digo que concorrência é algo em que as pessoas colocam muita ênfase e que é visto como um imenso monstro de 7 cabeças enquanto na verdade é só mais um fato a ser trabalhado.

57 comentários:

  1. Boa Corey!
    Bem pragmático. A questão é que praticamente todo ser humano busca "fazer a boa", "encostar", enfim, ter mais tempo livre na busca/vivência da felicidade. A busca por eficiência tem seu preço e realmente temos que encarar essa realidade. Grande abraço! ass Gaivotão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No mundo do empreendedorismo dificilmente um cara vai conseguir se encostar pro resto da vida, é tudo muito dinâmico (mesmo com as burocracias).

      Excluir
    2. Parabéns pelo texto ..

      Cada classe profissional aqui neste país quer criar um conselho com podere para impedir a entrada de novos profissionais como se voltássemos a idade média e as corporações de ofícios ..

      Na minha área de trabalho só vejo gente reclamando e trabalhando pouco. Fazer jornadas de 16 horas por dia ninguém quer ..

      Todos querem ganhar 10 mil por mês comendo pizza a noite e assistindo BBB...

      Excluir
    3. Penso igual. Levantar a bunda da cadeira e trabalhar (mais) pouca gente quer e engraçado que quem faz isso normalmente não reclama...

      Excluir
  2. Corey,

    Perfeito! No fim das contas, o problema sempre está dentro de nós mesmos. E se tivermos alguma pretensão de resolvê-lo, o primeiro passo é, necessariamente, admitir nossas limitações.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "admitir nossas limitações." - vejo pouquíssimas pessoas fazendo isso. As pessoas simplesmente não admitem que não sabem algo, que são mais fracas, que são menos preparadas.

      Excluir
  3. Pessoal pensa que a vida real depois da faculdade será igual a vida dela no facebook. Pura ilusão.
    No mercado só os fortes (eficientes) sobrevivem e se destacam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a vida não é facebook (ainda bem!)

      Excluir
  4. Texto inspirador... mas não basta inspiração, tem que trabalhar! Ninguém gosta de concorrência, mas todos, ou quase, gostam de ter opções.

    A verdade é que toda esse conversa mole de CADE e defesa da concorrência mais atrapalha e serve para manter os mesmos no topo. O governo quer mesmo é encher o saco e tomar um grana, se quisesse mesmo garantir a livre concorrência não burocratizava (e tributava) tanto a vida das empresas no início, as quais não possuem grana pra bancar carregador e carimbador de papel.

    Os vagabundos sem energia pra ir em frente, porém cheios de vontade de permanecer no topo sempre estão aí... e sempre recorrem ao governo para atrapalhar as novas ideias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso que eu digo, na hora de ter concorrência ninguém quer mas na hora de ter opções, preços ou serviços melhores todo mundo deseja... É a hipocrisia nossa de cada dia...

      O governo como sempre é uma piada de mal gosto

      Excluir
  5. Ótimo texto Corey!

    Sobre a última parte eu já ando alguns meses pensativo no que posso fazer para mudar o rumo da minha vida. Por enquanto todas as minhas opções envolvem gasto de dinheiro, o que não posso fazer no momento por estar desempregado e os "empregos" que me aparece não me faz valer a pena atravessar a cidade já que ganho o mesmo ficando em casa só coçando.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem tudo envolve gasto, as vezes é necessário até ganhar menos pra poder mudar alguma coisa...

      Excluir
  6. Otimo texto, na verdade a nossa cultura ainda é pior perto da historia da empresa americana, na hora de comprar busca preço qnd é vc atrs do balcão a concorrência é o capeta.
    Vejo isso com bons olhos chego ate a afirmar q esse texto representa em muito a situação de quase 90% dos brasileiros rm relação ao q estamos passanfo hj, se to ganhando do governo ta otimooo se alguem chega e tira é um ladrão viva a preguiça metal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concorrência é um negócio chato pra burro no dia a dia mas é inevitável, sempre vai acontecer.

      Excluir
  7. Sempre que eu leio sobre o Walmart americano eu me pergunto por que o Walmart brasileiro não tem essa cultura de preços tão mais baixos como lá fora... será que aqui "entraram no jogo" e viram que não precisam concorrer tão fortemente? Abs., João Luis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostaria de saber... queria tanto ter um WM americano do outro lado da rua...

      Excluir
  8. Mais um ótimo Post meu amigo Corey.
    Os preços dos produtos na minha empresa são maiores que o meu concorrente (meu ex patrão). E tenho uma razão pra não baixar meus preços: Meu serviço é garantia de cliente satisfeito e pelo lado de lá o que não falta é reclamação de todo tipo. Enqto eu consegui sobreviver e me dar bem dessa forma, eu continuarei com essa posição.
    Resumindo: A eficiência vencendo a menor oferta.

    S&P
    http://simpleseprospero.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala SP, bem vindo de volta...

      Meus produtos tb são mais caros, mas meu atendimento é melhor, meus funcionários são mais capacitados. Tenho clientes que pagam o prêmio, então não tem pq ser diferente. Não faço a menor questão que o cliente do concorrente barateiro entre na minha loja, ele não ser pra mim.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  9. Voltei a postar no meu Blog depois de 8 meses de ausência (que pra mim pareceram uns 5 anos).
    Qdo puder Passe por lá meu amigo.
    Abraços,
    S&P
    http://simpleseprospero.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Corey,
    A sua história em pegar empresas quebradas e consegui reerguê-las sem muito mistério me deixa fascinado. Isso é uma arte.
    Já estou perto dos 40k e tenho aproveitado várias oportunidades pra lucrar no comércio.
    Sou teu fã meu amigo.
    abracos,
    S&P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é bicho de 7 cabeças, é mais matemática básica e um pouco de feeling.

      Excluir
  11. Quando que vc está pensando em vender a empresa? esse ano?

    ResponderExcluir
  12. Fala Corey.

    Vender sem concorrentes e o sonho de todos, afinal, voce coloca seu preco, sua margem.

    Concordo que, concorrencia pode ser uma oportunidade de mudanca, melhoria de processos e a criacao de um diferencial.

    Citarei um exemplo hipotetico meu: Digamos que eu consiga comecar a construir meu primeiro lote, e no lote ao lado uma grande construtora va construir tambem, mesma metragem, projeto similar.

    Logicamente, nao conseguirei competir em preco de materiais, em teoria eles venderiam mais barato que eu, mas, minha arma seria um acabamento diferenciado, um pos-venda diferenciado, ou seja, seria um aperto mas que eu poderia criar a minha defesa.

    Acho que o caminho e este mesmo.

    Abraco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala VdC!

      O que vc disse sobre acabamento eu digo sobre atendimento. Esses são nossos diferenciais, outro diferencial seu é provavelmente a menor burocracia que uma empresa gigante tem.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  13. eu não entendo esse País....

    Este caso não poderia ser denunciado como formação de cartel?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A quem você denunciaria uma suposta formação de cartel?

      Excluir
    2. O CRMV IMPÕE que não seja feito trabalho de graça.
      Ok.


      Porém, o veterinário NÃO PODE cobrar 1 centavo pela consulta. Pois existe um PREÇO FIXO TABELADO pela CRMV !!!!

      Isso para mim é formação de CARTEL.

      Dá uma lida (de verdade) nesse link:
      http://www.escolaveterinaria.com/2014/04/codigo-de-etica-do-medico-veterinario.html

      Abraços!!

      Excluir
  14. Corey, e se o concorrente usa alguma forma desleal, mas legal, de baixar os preços.

    Imagine que disputo um mercado com uma empresa chinesa que paga bem menos direitos trabalhistas/salários em troca de uma jornada de 10/15h ou mais por dia. Como vou concorrer com eles? É só um exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É simples, se vc não consegue concorrer com eles, saia do mercado. Não entendo essa paranoia de continuar num mercado/emprego a todo custo.

      Excluir
  15. Lembro que vc disse em 2013 que ao conhecer Gustavo Cerbasi, a sua visão sobre futuro mudou e vc havia se infectado pelo vírus da Eduacao financeira hehehe.
    Vc ainda pretende conquistar a Ind. financeira ou isso não é mais foco na sua vida?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa lembrança, e é verdade! Não IF não é mais o foco, na verdade eu poderia ter a IF hoje se fosse minha vontade, mas hj tenho outros objetivos entre eles começar uma vida do zero em outro país. Não quero mais parar de trabalhar...

      Excluir
    2. Interessante meu amigo. Na vdd o seu barato seria impreender, não é? Será que essa adrenalina de assumir desafios nessa sua área tomou conta de vc?
      Tenho o sonho ainda da IF mas pra te ser sincero a vontade de ficar empreendendo e correndo atrás de oportunidades nunca irá passar. A vantagem de ter a IF é que eu ia me dar ao luxo de só correr atrás de desafios apenas qdo me desse vontade e nada mais por necessidade.

      Excluir
    3. Corey,
      Vc e o Pobre catarrento são pessoas que eu quero muito conhecer um dia. Mas pretendo fazer isso só depois de eu já ser independente financeiramente apenas pra vcs acharem que eu não iria encontrá-los por interesse e sim por admiração, trocar ideias, contas histórias e etc.
      Sinto falta do byebyeBrasil. Aquele safado deixou a gente.
      Abraços.

      Excluir
    4. Na vdd o seu barato seria impreender, não é? - não. Na verdade eu quero trabalhar pq isso é saudável, empreender só serve pra ganhar dinheiro.

      Será que essa adrenalina de assumir desafios nessa sua área tomou conta de vc? - essa adrenalina existe mas não é nem um pouco saudável pra mim, só faço por grana mesmo


      Excluir
    5. Quer trabalhar? Não era vc que não gostava de trabalhar?
      Aquele Bug que deu na sua saúde mudou vc , não é? heheheheh

      Excluir
  16. Esses dias recebi um comentário de que o leitor não gostava da cielo porque tinha muitos concorrentes.

    Disse pra ele agradecer a Deus pela concorrência porque em setor onde não existe concorrência de mercado existe uma pesada mão reguladora do governo e essa consegue destruir uma empresa de forma bem mais eficaz que um concorrente. Portanto agradeça a cada dia pela concorrência ou vc prefere ter que lidar com o governo ?

    ResponderExcluir
  17. Concorrência predatória existe sim.
    Dumping não é um exemplo clássico.
    Veja o mercado de sapatos, netshoes e daffiti estão há anos vendendo com prejuízo para tentar dominar este mercado.
    A mesma coisa se vê no comércio eletrônico com b2w e amazon.
    Pode ser bom para o consumidor, mas péssimo para quem quer se aventurar nestas áreas. Em casos assim, o melhor é simplesmente ficar de fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Em casos assim, o melhor é simplesmente ficar de fora." - vc resumiu muito bem o que acho...

      Excluir
  18. quem tá no hard work não tem tempo de reclamar! Só olhamos para o concorrente para aprender com ele.

    ResponderExcluir
  19. veja esse vídeo https://www.youtube.com/watch?v=bsYMDRQKd5k

    ResponderExcluir
  20. Olá Corey muito boa postagem e como sempre bem comentada no tema empreendedorismo.
    Olha eu não trabalho na área comercial, embora praticamente toda minha família seja do ramo. O que eu vejo é que falta atendimento de qualidade e eu nem falo de pós atendimento, e isso não tem jeito, pode dar treinamento, fazer curso e tudo mais se o funcionário ou patrão não quiser, não estiver satisfeito ou disciplinado, não vai fazer de jeito nenhum. Sempre evitei reclamar de atendimento dos lugares que vou, por conviver com familiares que empreendem na área, fez com que eu tivesse um maior respeito pelas pessoas do comércio. Eu também acho que temos mercado para todos, para o cara do preço, da localização, da distribuição, porém ainda acho que atendimento é um fator chave.
    Sobre profissões é bem assim mesmo, numa atual situação onde todos estão fazendo "faculdade" (se é que vários cursos podem ser chamados assim), curso superior tende a se tornar praticamente um ensino médio, talvez a danada da Medicina ainda conte como exceção. No fim o que ainda conta é sua capacidade de produzir através dos ensinamentos gerados na faculdade, que depende totalmente das experiências práticas adquiridas, coisa que nem de longe é simples. Talvez a faculdade serviria então para a pessoa desenvolver raciocínio crítico e abrir a cabeça para diferentes situações porém duvido muito que cumpra essa função, a minha mesma creio que não alcançou totalmente isso. Outro fato citado nos comentários bem importante é o fato da pessoa querer sucesso trabalhando 6 horas por dia de segunda a sexta que é o que mais conheço, isso trás a tona o "culto" aos concursos públicos, que em tese prometem pouco serviço e bons salários.
    Tem uma coisa muito importante também a questão de você dar seu melhor na sua opinião pessoal, não quer dizer que seu superior, cliente ou colega de trabalho vai achar isso também. O fato é aquilo que você postou uma vez numa postagem aqui a maioria não é Warren Buffet, embora achamos que somos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tamires!

      Por causa do atendimento porco é que minha empresa existe, eu ganho clientes dando bom dia e sorrindo pra eles, sério, é assim que funciona...

      A grande maioria dos cursos superiores não são equivalentes nem a cursos técnicos no exterior, já escrevi sobre isso: http://coreyinvestidor.blogspot.com.br/2014/07/a-falacia-do-curso-superior-no-brasil.html

      "Outro fato citado nos comentários bem importante é o fato da pessoa querer sucesso trabalhando 6 horas por dia de segunda a sexta que é o que mais conheço, isso trás a tona o "culto" aos concursos públicos, que em tese prometem pouco serviço e bons salários." - eu tenho objetivo de trabalhar 6 horas por dia de segunda a sexta mas pra conseguir isso um dia é necessário trabalhar 16 de domingo a domingo no dia de hoje.

      Nós somos na maioria medianos, não tem jeito, enquanto não pararmos de nos achar pit bulls jamais prosperaremos.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  21. Show de bola Corey, palavras corajosas de alguém experiente.

    A verdade é que a maiorias das pessoas são acomodadas, e em vez de reconhecerem que são medianas e fazer algo pra mudar isso preferem jogar a culpa no vizinho que se dedica mais que elas.

    ResponderExcluir
  22. Oi Corey, é o Pepe q comentou sobre a deslealdade do walmart no ultimo post.
    Cara, eu entendo q essa questão da concorrência usa a mesma lógica da teoria de mercado, e tb da mão invisivel na economina....
    Mas eu continuo achando que teu pensamento está muito simplista.
    A questão da concorrencia desleal não é o cara vender o grampeador com uma margem de lucro menor que a sua.
    O problema é o cara vender o grampeador por valor mais baixo q o preço de custo, pois não haverá cristão que consiga concorrer.
    Peço que teus leitores pretem atenção nesse trecho:
    "O Wal Mart foi talvez o primeiro grande "concorrente desleal" que se tem notícia, chegou chegando, quebrando empresas familiares, quebrando fábricas ao redor dos EUA, destruindo cargos de trabalho nessas fábricas ao mesmo tempo que criava milhares de postos de trabalho a salário mínimo (ou menos que isso). Graças ao Wal Mart criancinhas chinesas estão trabalhando nesse momento, adultos em Bangladesh estão trabalhando 16 horas por dia, 7 dias por semana dentro de fábricas abafadas, ganhando centavos de dólar por hora... Milhares de mercadinhos, lojas de conveniência, lojas de ferragens, pequenas farmácias, oficinas mecânicas fecharam suas portas desde a chegada do Wal Mart".

    Não consigo admitir q se ache normal ou vantajoso pra sociedade em geral reduzir a qualidade dos empregos nas cidades e se valer de trabalho escravo pra reduzir os custos.

    Devo estar muito fora do esquadro mesmo.

    Eu tento fazer minha parte, comprando de mercados de bairro e valorizando o pequeno negócio.

    Abraço
    PEpe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Pepe!

      A gente quase nunca concorda mas é muito bom argumentar com vc, é isso que gosto na blogosfera...

      Eu realmente tenho a tendência de ter pensamentos simplistas, sei lá, acho que a maioria das pessoas tende a complicar demais as coisas e a maneira simplista que tenho já me ajudou muito e faz mais sentido pra minha vida. Claro que com isso acabo deixando passar muita coisa...

      "Não consigo admitir q se ache normal ou vantajoso pra sociedade em geral reduzir a qualidade dos empregos nas cidades e se valer de trabalho escravo pra reduzir os custos." - eu tb não acho normal e assino em baixo do seu comentário, mas é justamente aí que quero chegar. O WM é uma empresa agressiva, logo irá maximizar seus lucros de acordo com a demanda. No fundo é o consumidor que destroi as empresas familiares e dá emprego pra crianças asiáticas. Se o consumidor tivesse um limite, isso não aconteceria. Se por exemplo o povo falasse: "prefiro pagar 10 dolares nessa camiseta que é feita aqui na minha cidade invés de pagar 5 nessa outra que veio da China", esse seria o limite, mas as pessoas não querem.

      Tb compro em comércios de vila quando isso é vantagem pra mim (preciso escrever sobre isso).

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  23. Corey to começando a ler posts beeem antigos seu.
    Vc se importa de eu poder ainda comentar e receber respostas sua?

    Abraços,
    S&P
    simpleseprospero.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. S&P, me manda um email, fica mais fácil pra gente conversar: blogdocorey@gmail.com

      Excluir
  24. Sam Walton - Made in America. Excelente livro.

    ResponderExcluir
  25. Simples e Direto, por isso que sempre venho por aqui. Forte Abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  26. Cara, sensacional este blog.

    Obrigado pelo post e pelas dicas! Estarei lhe acompanhando a partir de hoje.

    ResponderExcluir
  27. aqui no brasil a concorrência é combatida com canetadas e carimbos, e não com competência e criatividade. Me arde a vontade de ir pros EUA, e não vejo nenhum outro país q eu me adequaria, mas não posso deixar meu pai e minha mãe, eu realmente n conseguiria viver longe deles e eles n iriam para os EUA.

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.