sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Sobre Caridade Parte 2

Meu último post, sobre Caridade, teve um retorno muito interessante. Eu jamais imaginei que essa postagem fosse causar alguma polêmica mas chegou bem perto disso.

Comentários do tipo "já pago meus impostos, não faço caridade" ou "já pago demais pro governo, você quer que eu doe mais?" abundaram os comentários. Concordo que já pagamos demais e temos retorno zero, concordo que o governo já faz "caridade" demais com as bolsas que incentivam o vitimismo e vagabundagem. Concordo com tudo isso mas não fecho meus olhos perante aquilo que vejo todos os dias, não endureço meu coração a esse ponto.

Como disse no outro post, não acho quem faz caridade melhor que ninguém, discordo do alarde que algumas pessoas fazem quando doam algo, acho patético essa busca por publicidade... Porém a ideia do texto era despertar nas pessoas o sentimento de reciprocidade: você faz bem , você se sente bem e você recebe o bem. Novamente digo: isso pode soar meio espiritual, religioso, romântico... O fato é que sinto isso no meu dia-a-dia. Fazer o bem ou ao menos não atrapalhar ajuda absurdamente a ter uma vida próspera, tranquila e com paz. Farei um post sobre como essa filosofia tem ajudado minha vida, mas por enquanto deixo essa incrível história sobre caridade para "provar" que essa minha ideia não é tão estapafúrdia quanto parece:


Uma garçonete pagou a conta de dois bombeiros de Nova Jersey (EUA) que trabalharam durante toda a noite. Foi um ato de bondade, mas o que Tim Young e Paul Hullings fizeram para devolver o favor foi ainda mais notável.
Quando Liz Woodward, 24, se aproximou da mesa deles no 130 Diner na cidade de Delran, na última quinta-feira (6) de manhã em torno das 05h30, Hullings pediu-lhe para trazer-lhe a maior xícara de café que tinham, e mencionou que ele tinha ficado acordado a noite toda tentando um incêndio que consumia uma armazém.
"Eu tinha assistido sobre o fogo em New Brunswick no noticiário", disse Woodward à rede de TV ABC. "Esta era a sua primeira refeição em mais de 24 horas, o mínimo que eu podia fazer era pagar para eles por tudo o que fazem todos os dias." 

Então, ela pegou a conta e escreveu: "O café da manhã é por minha conta hoje. Obrigado por tudo que vocês fazem para ajudar os outros e para correr em direção a lugares que dos quais a maioria das pessoas fogem. Não importa o que façam, vocês são corajosos, bravos e fortes. Obrigado por serem corajosos e durões todos os dias. Motivados pelo fogo e impulsionado pela coragem, que exemplo vocês são. Descansem um pouco".
Os bombeiros se encheram de lágrimas e agradeceram antes de sair do restaurante. E Woodward percebeu que eles nunca mais a veriam.
Quando voltou para casa, Young postou um status no Facebook incitando seus amigos para comer no restaurante.
Ele não parou por aí. Depois que ele e Hullings descobriram que Woodward estava tentando levantar dinheiro para seu pai tetraplégico, para obter uma van adaptada para deficientes, eles decidiram ajudar.
"Acontece que esta jovem senhora que nos deu uma refeição gratuita na verdade poderia receber alguma ajuda", escreveu Young em outro post, destacando a vaquinha virtual que ela começou a levantar em dezembro passado. Desde então, mais de mil pessoas ajudaram a levantar US$ 67 mil (R$ 235 mil), superando a meta de US$ 17 mil (R$ 60 mil). 
Woodward manteve contato com Hullings e Young, e até mesmo os apresentou a seu pai. "Pessoas de todo o mundo já ouviram a nossa história, e a partir dela estão reconhecendo oportunidades para fazer algo pequeno ou grande para alguém", disse Woodward.

Sem mais...

34 comentários:

  1. Achei muito maneiro ter tocado nessa questão, que não constumamos abordar por aqui. Tmb percebi que praticar doação / caridade te ajuda a absorver o minimalismo mais intimamente e os benefícios que ele traz, pelo menos para mim. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ajudar diretamente pessoas e ser minimalistas te deixam mais próximo da vida real.

      Excluir
  2. Não sou um cara religioso, mas tenho que admitir que a Bíblia é um livro cheio de sabedoria:

    "Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
    Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;
    Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente."

    Mateus 6:2-4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não sou religioso, mas tenho de admitir que a caridade (amor ao próximo) é um legado exclusivo do cristianismo. Aliás, o amor ao próximo é o centro de tudo que a Bíblia ensina.

      Muitos podem dizer que a Igreja já cometeu atrocidades no passado, mas é inegável que ela foi a responsável por disseminar absolutamente todos os valores morais que hoje compõem a espinha dorsal do chamado Ocidente, onde estão os países mais civilizados e moralmente evoluídos do globo.

      Excluir
    2. Exclusivo do Cristianismo?
      Ah sim, claro, porque em outras religiões não há amor ao próximo, ateus também não tem nenhum amor ao próximo... quanto a ser inegável que ela foi a responsável por disseminar todos os valores morais, bom, tem um cara chamado Richard Dawkins e outro chamado Nietzsche que discordam de você, acho que não é tão inegável assim.

      Excluir
    3. Anon,

      Eu disse legado, o que remete às origens e à história; não afirmei que o amor ao próximo é exclusivo do cristianismo. Existe um erro na sua interpretação.

      Reitero: é inegável que o cristianismo foi sim responsável na disseminação dos valores morais pelo mundo, e o fez através da Igreja durante muitos séculos. O que Nietzche e Dawkins questionaram se refere à postura contraditória da Igreja em relação aos valores que ela mesma pregava, e isto realmente aconteceu. Uma coisa não anula a outra.

      Abraço!

      Excluir
  3. É ... Colhemos o que plantamos realmente ... Fazer o bem, sem olhar a quem ... Ás vezes é difícil ter esta atitude de sempre ser o 'bonzinho', mas no final das contas isto é muito importante e trará coisas boas no futuro. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é nem questão de ser bonzinho é questão de fazer o que o "coração" manda. Fazer sem segundas intenções é o que manda.

      Excluir
  4. Para justificar caridade no Brasil você cita fatores de países descentes. Aqui não existe isso. Se fosse aqui os bombeiros iriam achar que a garçonete queria soltar a periquita para eles por eles estarem de farda. Lá fora caridade é vista como bondade entre as pessoas e o povo latino não entendi isso e tira proveitos da boa vontade dos outros. Quer doar doe mas usar exemplos de fora para justificar caridade no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, por que tudo hoje em dia precisa ser 100% contextualizado? Se o caso acima tivesse acontecido no nordeste o paulista ia reclamar que está fora da realidade dele. Bora parar de vitimismo!

      Excluir
    2. Confesso que eu ri muito com a parte " Se fosse aqui os bombeiros iriam achar que a garçonete queria soltar a periquita para eles por eles estarem de farda." kkkkkkkk

      Excluir
  5. Eu não entendo como um empresário brasileiro pode ser tão hipócrita ao falar de caridade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Explique melhor, vamos conversar.

      Excluir
    2. mimimi, empresário é explorador...
      mimimi, ninguém gosta de mim ....
      mimimi, o culpado pela merda de vida que eu tenho não sou eu, são os outros.
      mimimi ...

      Excluir
    3. "mimimi, ninguém gosta de mim...
      mimimi, o culpado pela merda de vida que eu tenho não sou eu são os outros"
      Puxa vida ! Será que é o Pobreta que resolveu dar as caras por aqui ?

      Excluir
  6. Fala Cara!
    Blz?

    A uns dias atrás eu acabei achando sem querer essa blogsfera referente a finanças, e coincidiu com um momento que eu buscava informação referente a investimentos, finanças inteligentes, e etc. Enfim, criei meu blog! Fiz meu primeiro post com um overview da minha situação financeira, metas para 2016, dúvidas e planos.

    Gostaria que desse um pulinho lá, e se pudesse, me adicionasse ao seu blogroll. Você já está devidamente adicionado e linkado!

    Abração e sucesso rumo a IF!

    Feliz 2016

    ResponderExcluir
  7. Sempre que se fala em caridade a pessoa logo pensa: dar dinheiro. Mas tem tantas formas de fazer caridade. Como vc mesmo disse no outro post, doar seu sangue é fazer caridade. Talvez a maior caridade seja doar seu tempo. O que temos de mais precioso na vida? É ele, o nosso tempo. Então vc não precisa ganhar rios de dinheiro para fazer caridade, nem é bom ficar distribuindo dinheiro para as pessoas, tipo, você pode adotar uma criança abandonada, doar seu tempo para ela, ensiná-la os segredos da vida, dar lhe uma perspectiva de vida, uma senhora caridade não é mesmo?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala UB!

      Cara, assino em baixo... Não precisa ser grana, aliás, grana é fácil doar pq dinheiro é sempre a equação mais fácil. Quero ver doar tempo, trabalho...

      O que vc disse sobre adoção é perfeito, gostaria muito de fazer um post com minha opinião, mas pra não ter bagunça prefiro evitar...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Boas,

      Concordo com uo .. Doar tempo é muito difícil

      Excluir
  8. Muito legal essa história. Eu cada vez vejo que as coisas que vc fala, pensa e age voltam para vc, de alguma forma ou outra.

    ResponderExcluir
  9. Apesar de acompanhar o seu e demais blogs similares, nunca fui de comentar. No entanto, faço esse comentário para parabenizar por falar nesse assunto. Sempre quis que esse assunto fosse discutido tanto em blogs quanto em sites da área mas praticamente não se vê isso.

    Vou falar um pouco sobre o meu caso. Sempre quis doar e não sabia direito como começar, qual quantia usar, a quem doar etc. Alguns anos atrás no dia do meu aniversário simplesmente resolvi que seria interessante doar alguma quantia por dia pelo resto de minha vida, inclusive como forma de agradecimento por mais um dia de vida. Pretendo fazer isso também com meus filhos e minha esposa, quando tiver. De forma prática, todo mês tenho uma transferência agendada de X reais para poupança como doação. Esse quantia equivale a Y reais por dia. Arredondo o mês com 30 dias sempre. Estipulei um valor no qual me sentisse confortável. Já aconteceu de me sentir confortável para aumentar a doação, bem como para diminuir também. Faz parte do seu momento de vida, do seu salário e etc. De toda forma, acho importante ter sempre essa doação mensal. É um compromisso com você mesmo de fazer o bem. Todo mês! E não de uma forma esporádica. Faz bem ao outro e à você. Recomendo. Apesar de separar o dinheiro, eu ainda não doei. Falta escolher as instituições e a periodicidade da doação. Instituições confiáveis tem várias. Seria legal inclusive visitar pessoalmente e ver o trabalho. Quanto a periodicidade pensei em ser todo dia do meu aniversário ou só quando morresse. Ainda tô pensando. Outra coisa seria escolher um melhor investimento e que fosse separado dos meus investimentos pessoais. Ainda não sei como fazer. Na poupança tem mês que acabo usando da doação, aí tenho que repor rápido ou incluir mais os juros do mês. O melhor mesmo seria passar pra corretora no TD mas separado dos meus investimentos. Não sei se tem como criar duas contas com mesmo CPF. De toda forma, parabéns pelo post e recomendo a prática permanente da doação.

    Desculpe qlqr erro no texto. Estou no celular e não é tão bom de escrever.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sua abordagem, é bem pragmático, só discordo de uma coisa: uma vez por ano no seu aniversário ou quando morrer é muito pouco! Acho leal doar essa grana sempre que for necessário. Tipo assim: aconteceu a desgraça de Mariana, vc se importou, vai lá e usa a grana pra compar água.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Pensei em doar com frequência menor mais pelo fato de querer fazer o dinheiro render antes da doação. Fazer com o dinheiro da doação o que eu faço com meu dinheiro. Fazer render, mesmo que seja pouco. O lado ruim dessa estratégia é que quem precisa tem pressa. Por isso doar com frequência maior é uma boa também. Talvez todo mês inclusive. Toda hora é hora de doar.

      Outra coisa, assim como dificilmente investiria em empresas com má gestão ou com gestão desconhecida (IPOs), acho que dificilmente doaria para esses desastres. Apesar de toda necessidade, é realmente triste ver matérias do povo usando de má fé e não gerenciando bem as doações. Quase todo desastre vejo matérias com o povo vendendo doações ou estocando até acabar a validade. Preferia doar pra projetos consagrados com anos de atuação. Acho mais confiável.

      De toda forma, o mais importante mesmo é essa troca de idéias. Assim vamos melhorando, cada um sua linha de pensamento. E quem sabe plantando essa semente do bem em mais pessoas.

      Excluir
    3. Sinceramente acho que vc tem boas intenções mas está complicando muito o que é extremamente simples. Sou sempre a favor da maneira mais simples de fazer as coisas.

      Excluir
  10. Corey, muito bom o post. Infelizmente quando falamos em caridade, muitas vezes somos tomados por ingênuos ou arrogantes ("fulano só faz caridade pra se sentir superior a quem não faz"). Mal sabem eles o quanto é gratificante fazer o bem para alguém sem esperar NADA em troca. Tá certo que tem muita gente mal caráter por aí, mas isso não é motivo pra nos nivelarmos por baixo, deixando de ser bons porque existe gente má. Na verdade uma sociedade só pode progredir e superar seus problemas quando se espelha em exemplos admiráveis (como este citado no post), em vez de considerar apenas a fatia mais sacana da população e agir como se todos fossem assim. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Se for pra nivelar tudo por baixo estamos todos fudidos pq no geral as pessoas são fdps.

      Excluir
  11. Corey, sou dentista no RJ e gostaria muito de doar um tempo e minha mão de obra para caridade mas na verdade não sei se conseguirei pois precisaria de ajuda de empresas ou instituições governamentais para poder realizar tratamentos odontológicos para pessoas necessitadas nem que fosse o básico que já seria muito bem vindo por essas pessoas carentes. Na verdade não sei a quem recorrer pra que eu pudesse trabalhar em prol dessas pessoas visto que preciso de espaço e equipamentos, instrumentais etc... Não tenho consultório portanto dificulta.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que o CRO deva ter algum programa voltado a caridade. Minha entidade de classe tem.

      Excluir
  12. É por essas e outras que separo um capital para ESPECULAÇÃO, tem bem menos estress do que abrir sua própria empresa e com um bom plano dá para conseguir 10k liquido todos os meses, somente para diversão! (a partir de janeiro vou passar a registrar essas operações)

    Sobre empreendedorismo:

    Vou empreender em uma area pouco explorada, vou fazer curso de PARAQUEDISMO e cobrar para a pessoa pular comigo.
    Abraços

    dimitatu - netbaladeiros

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.