segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Coloque no Pau Sim!

Minha última postagem onde afirmei que o Pobretão está certo em usar as leis trabalhistas a seu favor, tentar ser demitido e assim sacar o FGTS gerou uma certa polêmica. Muitos concordam que devemos tirar proveito das leis, outros não. Alguns acham que o Pobreta deveria agir com ética e jamais relaxar no trabalho ao ponto de ser demitido, que ele deveria jogar aberto com seus superiores, etc. A verdade é que sempre o cenário ideal é o da verdade, da sinceridade porém não vivemos num mundo cor de rosa com nuvens de purpurina, o buraco é mais em baixo e nem sempre o approach correto é o que dará certo. Esse foi o ponto da minha postagem, que não adianta querer jogar contra o sistema, se você faz isso ficará louco (assim como eu quase fiquei ao não me conformar com as coisas erradas no país e tentar fazer tudo de maneira correta, no fim só serviu pra prejudicar minha saúde).

Bom, agora serei meio contraditório, admito (como se contradição fosse algo ruim... muito pelo contrário, se você é contraditório isso muitas vezes quer dizer que você repensa sobre suas opiniões e não aceita verdades absolutas, anyway...). Se por um lado acho que devemos danças conforme a música e jogar com o regulamento em baixo do braço, por outro acho que devemos ir contra certos padrões estabelecidos ao longo do tempo. Um deles é o mito que "se você colocar uma empresa no pau, estará sujando sua reputação". Isso tem um fundo de verdade mas acredito que isso já passou da hora de mudar e só mudará quando as pessoas começarem a processar as empresas quando isso for necessário.

Veja bem, sou microempresário a mais de 10 anos, sempre tentei ser um patrão justo, sempre tentei fazer o que achava certo e esse é um dos motivos do meu desgaste como empreendedor e também do relativo pouco sucesso que obtive nesses anos de proprietário (não posso reclamar, mas conheço pessoas que tiveram muito mais sucesso no mesmo tempo, assim como conheço outras que quebraram a cara). Nunca tomei um processo trabalhista mas não bato no peito pra dizer isso porque não estou livre, aliás, ninguém está livre e nem deveria estar. Acho que o motivo disso é o que já disse, sempre tentei ser justo com meus funcionários, pagando bem, procurando ver o lado pessoal deles, etc. Claro que se minha microempresa tivesse se transformado num WalMart (em 10 anos Sam Walton, fundados do WalMart, saiu de meia dúzia de lojas de "1,99" para a maior rede de supermercados dos EUA) eu teria processos trabalhistas pelo simples motivo que perderia o approach pessoal com meus funcionários. Logo empresas grandes são muito mais sujeitas a porcessos trabalhistas que as pequenas (pelo menos assim deveria ser).

Nessa década de empreendedorismo já vi muita sacanagem tanto de empregado quanto de patrão. Existe muita empresa filha da puta por aí, aliás acredito que boa parte das empresas são filhas da puta. E patrão filho da puta deve se foder e ponto final. As pessoas deveriam começar a processar as empresas com mais frequência, só assim o tratamento melhoraria. As leis de "proteção" do empregado não são tão eficientes quanto a liberdade de processar um empregador por não cumprir um contrato de trabalho assim como nenhum sindicato (odeio) e multas tem tanto poder quanto uma paulada que um empregador deve pagar a título de indenização a um empregado.

Digo mais, a grande maioria das pessoas são preguiçosas e relaxadas em seus trabalhos graças ao empregadores. Falo isso porque meus funcionários tem um desempenho muito acima da média do setor e não acredito que sou um ás da contratação, possuidor de uma mente de análise perfeita que seleciona somente aqueles indivíduos excepcionais. Não, não é isso, meus funcionários trabalham acima da média porque recebem acima da média, possuem vida pessoal (dentro do possível) porque faço escalas de trabalho justas e equilibradas, não fazem hora extras não remuneradas (insisto para que o cara esteja fora da loja em no máximo 5 minutos após o fim do expediente), tiram férias todo ano impreterivelmente quando elas vencem, etc. A partir da hora que o cara decide ser empreendedor ele assume o compromisso de seguir com as leis trabalhistas, ele não precisa concordar (assim como eu não concordo com tudo) mas deve seguir. É tudo extremamente simples!

Quer um exemplo de como forçar as coisas pode funcionar? Experimente andar a pé no centro de São Paulo ou região da Paulista e em Itaquera. Anos atrás no centro de São Paulo foi feita uma campanha de conscientização da importância de dar passagem ao pedestre, as pessoas eram orientadas a gesticular com a mão e pedir passagem. Poucas pessoas aderiram a isso mas as que fizeram simplesmente forçaram a barra: se enfiavam na frente dos carros para faze-los parar, brigavam com motoristas, etc. Resumindo: São Paulo está longe de ser Barcelona mas os motoristas respeitam um pouco mais o pedestre, dão passagem, etc. O mesmo para bicicletas. Agora experimente andar a pé na quebrada de Itaquera... Mermão, as chances de você morrer atropelado são enormes. A partir da hora que as empresas começarem a ser processadas com mais frequência, o tratamento dos funcionários vai melhorar assim como os motoristas paulistanos melhoraram o trato dos pedestres.

Isso do processo serve também para outras áreas da vida. Nos EUA se processa por tudo, existem advogados especializados em todo tipo de causa que você imaginar. Tomou Viagra e ficou com a cara vermelha? Dr Fulano vai processar a Pfizer. Se entupiu de BigMc durante anos e ficou hipertenso? Dr Ciclano processará o Mc Donalds... Precisamos de algo parecido aqui. O americano não é bonzinho, educado e cordial a toa, parte disso é fruto da cultura do processo, as empresas tem medo de serem processadas, por isso fazem de tudo pra seus clientes. Por isso as embalagens tem orientações estranhas e exageradas, veja:


Como eu disse, esse texto poderia ser um pouco contraditório porque ao mesmo tempo eu prego que devemos usar as regras a nosso favor e falo pra desafiar o sistema e o status quo. É contraditório e não tenho uma solução para esse impasse, eu simplesmente não acho legal polarizar e tomar somente uma opinião como verdadeira. Sinceramente não saberia como resolver um impasse desse caso fosse necessário na minha vida, mas o importante é a reflexão.

34 comentários:

  1. Costumo devolver o que me oferecem. Gentileza gera gentileza, ingratidão gera ingratidão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, é tão ridiculamente simples!!!

      Excluir
  2. Você está certíssimo novamente.

    Fiquei apavorado com um mané lá no último post seu que falou DEFENDEU as canalhices de empresa multinacional com uma série de argumentos submissos e típico do status quo.

    Caralho cara. Se a porra da empresa lhe maltrata, faz você sair 7:10 da manhã de casa e você chegar 21:00 da noite (sem necessidade várias vezes, por típica "cultura corporativa" de sair tarde) bota uma pressão escrota em você que lhe faz mal, lhe deixa com problemas de ansiedade, utiliza palavrões e desrespeito quando lhe dá esporro (sim, já presenciei váárias vezes), levanta a voz para fazer valer suas idéias e posições, caras feias, pequenas ameaças, horas extras e banco de horas não pagos, tarefas injustas e ridículas, promoções injustas, imparciais e canalhas de outros colegas, é ÓBVIO que você vai ficar com a saúde debilitada e é ÓBVIO que você vai criar raiva e vai querer meter no pau.

    Vendo o Corey descrever como age com os funcionários eu NUNCA que meteria no pau ou faria sacanagem. Porra, não fazer hora extra, ou ser remunerado por eles e terminou expediente tô indo pra casa, ganhar acima da média, jornada de trabalho justa, festinha de fim de ano, férias respeitadas, patrão tranquilo, justo, competente e gente boa, eu não ficaria de "chorôrô" como algumas filhas da puta falam que fico.

    Empresas e pessoas corruptas e antiéticos pedem por medidas também do mesmo teor. E é o que farei com os canalhas dessa empresa imunda que trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Pobreta, tem gente que defende e acha essas coisas normais! Não tá certo, se a legislação exige pagamento de hora extra ou banco de horas, que assim seja, fazer o cara trabalhar sem receber é procurar problema por diversos motivos. caralho, ninguém trabalha de graça, nem relógio.

      Tenho um funcionário que faz 4 horas extras todos os dias a 2 anos. Motivo: precisa de dinheiro. É uma relação de troca, eu não preciso contratar outro cara e ele ganha mais dinheiro. Nada mais justo!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Para mim eh mais simples.
      Estou satisfeito, eu fico
      Estou insatisfeito, envio currículos e mudo de emprego.
      A empresa tem que servir para mim, assim como eu tenho de servir para a empresa, o resto eh mimimi

      Excluir
  3. Só digo uma coisa...
    Já diria o grande Darwin:
    Não é o que se acha inteligente, ou que é monstrão que ganha nessa porra... Mas sim aquele que se ajeita nesta merda toda.
    Se é possível conseguir algo desta maneira... Por que não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Estagiário!

      É isso aí, temos que dançar conforme a música, ter jogo de cintura, caso contrário, nada feito!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Você está certo, e é interessante esse seu ponto de vista, já que você é empresario hehe

    O que acontece é que as pessoas tem sim medo de "ficarem queimadas" e não achar outro emprego porque processaram a empresa que trabalharam por anos, mesmo que com razão.

    Mas é de se pensar. Usar FGTS + processo, pode adiantar a busca pela IF hehe
    Então, anotem sempre os abusos da sua empresa, e na hora certa, reclamem seus direitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já deixei de contratar gente que colocou ex patrão no pau e tb já contratei. Não sei se deixei de contratar um bom funcionário, mas no momento eu tinha preconceito. O que contratei não fedeu, não cheirou, simplesmente não deu certo, demiti e ficou tudo bem. Acho que cada caso é um caso...

      Excluir
  5. Lamento ler isso de uma pessoa presumivelmente culta. Imagino o que os incultos não pensam. Bem, respeito sua forma de pensar, embora discorde veementemente da mesma. Explico : quem "banca" o país são as empresas. Na hora que os empreendedores desistirem de montar uma empresa, seja porque o país não dá condições, seja porque o empregado só pensa em como ser mais "experto" (lei de Gerson) ou seja porque a nossa legislação é paternalista, aí meu amigo só resta sair e apagar a luz.

    Assim, imaginando que você é um microempresário, e se eu fosse um funcionário seu de 7 ou 8 meses, e um dia fosse franco : "Corey, não tô mais com tesão de trabalhar aqui, mas não vou pedir para sair para não perder os meus direitos. Você me demite e paga logo essa porra de 40% de multa do FGTS?" Você aceitaria de boa, nobre Corey?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc tocou no ponto certo. Eu que sou a última pessoa que deveria pensar assim penso dessa maneira. É por isso mesmo que estou desistindo de ter empresa, funcionários é um dos motivos pelo qual digo que não vale a pena ser patrão no longo prazo aqui no Brasil. eu estou saindo fora e assim como eu vários, portanto já já a luz pode ser apagada.

      ""Corey, não tô mais com tesão de trabalhar aqui, mas não vou pedir para sair para não perder os meus direitos. Você me demite e paga logo essa porra de 40% de multa do FGTS?" Você aceitaria de boa, nobre Corey?!" - ué, mas é claro! Pago 4=a multa, vc me devolve e estamos quites! Cansei de fazer isso, alias, fizeram isso pra mim no passado. É muito simples, acordo de cavalheiros.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. O empregado merece sim ser tratado com respeito e educação, assim como o cliente e qualquer outra pessoa.
    O que acontece é que o empregado no geral é folgado. Dificilmente irá se dedicar ao trabalho como poderia.
    Claro que remunerar acima da média e não abusar do funcionário ajudam a ter um rendimento melhor mas por medo de perder o trabalho e ter de enfrentar algo pior e não porque o func. gosta do chefe e quer ajudar a empresa a todo custo.
    Sou contra sindicatos e dificilmente concordo com funcionários (nunca fui empregado ou empregador; trabalho em empresa familiar).
    Sou da ideia de que se o funcionário não está contente, tem que acordar cedo demais, chega em casa tarde demais, mimimi, saia do trabalho e procure coisa melhor.
    A coisa mais comum é escutar empregado reclamando do chefe, das cobranças, da pressão. Mas é lógico que irá ser cobrado! Se você erra, vai ser cobrado! Se você não está entregando um serviço satisfatório, irá ser cobrado!

    Com relação a Justiça Trabalhista, é a Justiça mais sem lógica do mundo. Pende para o lado do empregado. Dificilmente você irá ver um empregado que processou o empregador e mentiu, tendo de pagar algo, ou até mesmo sendo condenado a prestar serviços comunitários, já que possui atestado de pobreza.

    Você tem medo de ficar queimada? Mas por que? Você mentiu? Se realmente você tem direito, processe e leve a grana. Está com medo de ficar queimada com uma empresa igual a que acabou de sair?

    As pessoas querem ganhar mais sem ter responsabilidade, sem esforço, sem se dedicar.

    Att.
    Giovanni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovanni, eu ainda acho que esse lance de empregado folgado é relativo. Insisto no meu exemplo, não tenho funcionários folgados e os que entram com essa mentalidade acabam saindo por conta própria. Realmente acredito que isso é devido ao bom salário, bom ambiente de trabalho, etc. Quem trabalha pra mim dificilmente sai. Tento fazer o mesmo que meu ex patrão português fez comigo: cobrar mas ao mesmo tempo ser humano.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  7. Corey, como é a estrutura do judiciário americano?
    Concordo com vc no post. Mas acho q devido à porcaria da estrutura do judiciário brasileiro essa cultura do processo seria inócua.
    E mais: aqui temos sim a cultura do processo, mais do que vc pode imaginar. Quem trabalha no meio sabe, advogados, juízes, funcas do judiciário, etc.
    Só que aqui o processo (lei processual eu digo) é elaborada em favor do devedor, não do credor. Se vc é condenado a pagar, mas não quer.... Tem inúmeros artifícios para para jamais pagar aquilo que deve.
    Abraco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza a estrutura lá é melhor, mas será que uma sobrecarga aqui não forçaria uma mudança?

      Não cara, lá o negócio é muito mais forte. Dificilmente vc vê uma pessoa que não esteja brigando por uma causa, tem gente que vive disso. Vc vê propaganda de advogados na Tv a qq hora do dia, tem outdoors espalhados pela cidade inteira com propagandas... Enfim, é algo enraizado na cultura deles. Não tem comparação.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Sobrecarga? Aqui tem sim...
      vc ja imaginou alguem pedir adicional de periculosidade somente pq trabalha na cidade de São Paulo? Existe! Tem inúmeros pedidos sem amparo legal na mossa justica morosa.
      mas concordo que a ideia de propaganda em alta escala desses servicos iriam aumentar ainda mais a procura desses pedidos - aí sim teríamos um grande impacto.
      (Mas ja pensou seu funcionario pedindo adicional de periculosidade pq trabalha em sao paulo? Isso deveria alcancar todos os funcionários, por consequência). Kkkkk
      só que oq tem de diferente la é uma coisa: la a empresa deve, reconhece que deve e paga (aqui nós ja conhecemos a historia - judiciario nao é capaz de impor nada e o desrespeito impera).
      Abracos!!

      Excluir
    3. rapaz, acho que vou pedir esse adicional de periculosidade tb , rsrs!

      Na boa, esses exageros sempre existirão, mas a justiça deve ser capaz de corrigir isso com agilidade (pelo menos deveria)

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. Infelizmente hoje em dia a grande maioria dos empregados trabalham o suficiente para não serem demitidos e os empregadores pagam o suficiente para não perderem seus empregados.

    Salvo algumas exceções.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a mais pura verdade e digo mais: o patrão sempre acha que está ´pagando a mais e o funcionário sempre acha que está recebendo a menos.

      Excluir
    2. Corey essa colocação sua é perfeita e no caso ambos estão corretos!!!O funcionário (salário mínimo pra exemplificar) recebe uns 680-700 na mão o patrão paga mais de milão.....Vc esta certo corey tem que se usar o sistema, caso todo mundo desista de empreender como voce ou se muda o sistema ou acaba-se de vez esta merda chamada brasil.
      Baiano

      Excluir
  9. Corey venho percebendo um desanimo em sua persona nos últimos meses,algo aconteceu para desistir tentar o caminho do empreendedorismo.
    Acredito que sua saúde esteja sendo afetada pela carga emocional, também baixo retorno de seus negócios nos últimos anos.
    Porem reavalie a seguinte afirmativa: O que lhe faz pensar que trabalhando para governo ou para iniciativa privada terá maior qualidade de vida do que já tem?
    Não seria viável diminuir a escala do seu negocio jogar um capital na renda fixa, FII e ações dividendeiras até mesmo investimento no exterior a fim de aumentar seu fluxo de caixa obtendo assim mais tranquilidade qualidade de vida, vendendo uma das lojas?
    Se não quais opções tu teria ao trabalhar para outros que melhorariam muito sua qualidade de vida?
    Conheci diversos ex comerciantes tendo crises existencialista querendo trabalhar na iniciativa privada, depois de algum tempo voltaram a exercer seus negócios de oficio por não aguentarem se submeter a processos desqualificados.
    Para quem pensar em seguir carreira pública :Saiba que o teto vai congelar nos próximos anos, concursos vão minguar a competição ficara mais desleal.
    Ou seja o Brasil é um caso perdido para onde você correr vai se afogar. A não ser que tenha estratégias no mercado financeiro para absorver a crise enquanto bola seus planos de imigração.
    Se tu largar a empresa para trabalhar na iniciativa privadas estando tanto tempo fora do mercado de trabalho não conseguiria salários a altura.
    Já no caminho público teria que se matar em concursos público concorridíssimos para ganhar 5 ou 6 mil líquidos ao final do mês.
    Mera opinião diminuir a escala do negocio é uma saída em tempos de crise.
    O Brasil esta afundando se muita gente sonha em passar concurso público, tendo cargo de alto escalão na iniciativa privada.
    Pode se preparar e ter um plano B porque a coisa só tende a piorar.
    Quando a luz apagar não adianta correr só investimentos estruturados vão lhe salvar, desde dólar ,ações de grande empresas, terras, imóveis etc.












    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo excelente comentário.

      Sim, estou desanimado, e muito. São diversos motivos que me trouxeram a essa situação, muitos deles estão no próprio blog. O resumo é que não tenho saco pra empreender no ambiente brasileiro que é agressivo demais com o empreendedor. Não tenho saúde nem pra ter uma barraca de cachorro quente, que dirá as lojas.

      O que vc disse é verdade, tem gente que larga empresas e logo volta porque não se adapta na iniciativa privada. O que tem de errado nisso? Eu não digo que se largar não voltarei, prefiro dizer que vou dar um tempo. Outro dia alguém comentou algo bem bacana, ele disse: "Corey, vc é empreendedor, mas pode não estar numa fase empreendedora." É verdade!

      Não é que estou tanto tempo fora do mercado de trabalho, eu simplesmente nunca estive! Me formei e guardei o diploma na gaveta mas felizmente isso não chega a ser um problema na minha profissão.

      Carreira pública é algo que nem penso por razões pessoais.

      "também baixo retorno de seus negócios nos últimos anos." - aí que vc se engana, 2014/15 foram anos de retornos incríveis pra mim.

      Aguarde os próximos meses, teremos novidades...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  10. Corey, achei seu blog hoje e dei uma olhada nos posts. Mesmo você me chamando de burro e quase toda minha família por ter votado no 13, eu não me arrependo. Meu viés é mais de esquerda sim, mas isso não me deixa cego. Exemplo: um post sobre a meritocracia e seus funcionários. Esse tipo de meritocracia é válido e certo para mim, mas a meritocracia propagada por Aécio Neves não (ele não foi diretor de loterias da Caixa por meritocracia e sim por apadrinhamento. Não acho que as políticas do PT crie vagabundos. Você diz que quer mudar de país e cita Canadá, por exemplo, mas a maiorias das politicas publicas canadenses são consideradas esquerdistas pela direita americana. Até mesmo os EUA e qualquer país de primeiro mundo tem políticas públicas de auxílio aos mais pobres e a nova onda é uma renda fixa para toda a população. Curti muito algumas postagens (da meritocracia na sua loja, de como voce se tornou independente tão cedo, etc) mas outras me deixaram chateado (volta da ditadura). Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc está satisfeito e não se arrepende por ter votado 13, amigo, acho que vc está no site errado e pior, acho que deve ter algo bem errado com vc.

      Não sou polarizado, detestar socialismo não quer dizer que discordo de políticas sociais e que sou eleitor do PSDB. Essa polarização é criada pela esquerda.

      Excluir
    2. Anon PSDB é centro esquerda.
      Progressistas americano são centro esquerda moderados.
      Entenda teoria econômica para tu ver que esquerda favorece o corporativismo.
      Quem tu acha que banca campanhas de PT, PSDB e PMDB e cia?
      Essa lance de direita vs esquerda que mídia prega é algo totalmente errôneo.
      Primeiro que não existe direita propriamente dita no brasil.
      Segundo que não existe almoço grátis redistribuição de renda é paga com impostos altos .
      Se tu ganha beneficio de um lado o governo lhe tira de outro.

      Outra questão diz respeito ao modelo nórdico que os esquerdistas adoram citar.
      Se tu tem um pais que acumulou riqueza por meio do capitalismo em época anteriores.
      Com 5 milhões de pessoas renda per-capta de 40 mil dólares fica fácil fazer redistribuição.
      Só que uma hora a conta chega.
      Já estudou sobre estados de bem estar social nos anos 80 anteriores.
      Tu sabe que se os trabalhadores ativos ficarem mais velhos o governo arrecada menos imposto e não consegue pagar os benefícios?
      Resumo estudo um pouco mais de teoria economia e pare de ler veja, carta capital ou assistir televisão para entender realmente como a banda toca.



      Porque tu acha que produtos de consumo tem altos impostos no Brasil?

      Excluir
  11. Concordo com tudo.

    Só tem um problema específico relativo ao Brasil.

    Existem muitas pessoas que falam mentiras em processos, por exemplo o cara fala que não tinha folgas mas tinha, o cara fala que era açoitado mas não era, o cara fala que trabalhava horas extras mas não trabalhava.

    Só isso.

    Na minha família mesmo tenho exemplo, minha tia comprou um belo apartamento com um processo trabalhista mentiroso em cima de um banco. Ela foi pilantra e chupa Brasil, quem paga isso no final das contas é o cliente do banco que com certeza tem essa taxa embutida.





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra isso existe relógio de ponto, é tão simples mas a maioria não quer gastar com um item que pode eliminar processos trabalhistas. Todos meus funcionários batem ponto, se não o fazer levam advertência, inclusive um gerente já levou cartinha por causa disso.

      Excluir
  12. Ola Corey. Minha visao e bem simples: Se a empresa faz sacanagem, e justica mesmo.

    Pior e quando a gente paga certinho e entram na justica, fui acionado este ano, felizmente provei que o empregado estava mentindo.

    Abraco

    VDC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse risco sempre existe, mas se vc se cerca de provas, as chances de ter problemas diminuem.

      Excluir
  13. opa dimarcinho, estava navegando na blogosfera financeira e achei teu blog legal.
    Eu resolvi fazer um blog apos quase 3 anos como leitor anônimo e investidor selfmade.
    Vou passar sempre aqui. Quando puder dá uma passada lah no meu pra conhecer. Abraço.

    frugalsimple.wordpress.com

    ResponderExcluir
  14. SHow de bola Corey. Nunca mais havia lido algo do seu blog. Sucesso em 2016.

    ResponderExcluir
  15. Achei muito importante você postar sobre esse assunto. Em relação exemplo de Carlos, acho que a religião influencia. Sempre fui católico, mas abandonei a igreja e por enquanto não coloquei outra no lugar. Mas ser rico na igreja era quase um pecado, alguém teria muito mais dificuldades de entrar no reino dos céus. Seria muito mais fácil um camelo passar pelo buraco da agulha.
    Como os cristão não são desse mundo, devem vender tudo e juntar tesouro nos céus. Ditas por Jesus, representam o ápice da plenitude da vida verdadeira. Porém, manipulada por líderes religiosos, é garantia de miséria para o fiel e prosperidade para a igreja, que aliás, vive da providência divina.
    Esses dias recebi um post onde o pastor solicitou em cadeia nacional, 30% de dizimo sendo 10% em nome do pai, 10% em nome do filho e 10% em nome do espirito santo. E o doador, que faria uma prova de fé, seria ricamente recompensado.
    Sempre fui católico bem praticante, testemunha de muitas experiências místicas que hoje pondero ser histeria coletiva. Porém, com o tempo, vendo a conduta de algumas pessoas, a distância entre pratica e discurso e tal, a praticamente alienação do pensamento, onde tudo era obra do maligno, acabei por me afastar. Hoje vejo que foi uma decisão acertada.
    Mas há pessoas muito felizes que se converteram ao catolicismo, e outras muito felizes por ter abandonado essa igreja. Por isso entendo que o que conta é a essência humana. Agora, talvez sendo um pouco politico: também considero que sem as igrejas, seriamos uma sociedade de bárbaros. Isso deve ser reconhecido. Dificilmente encontraremos o equilíbrio entre a fé e a razão. Mas essas discussões não são como discutir o sexo dos anjos, pois cada um acaba enxergando a religião a partir de sua vivencia

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.