domingo, 5 de abril de 2015

Até Quando a Frugalidade Vale a Pena?

O começo da minha educação financeira foi através dos livros do Cerbasi, de lá foi um pulo pra achar mais material na internet e dentro esse material a tecla da frugalidade é batida até a exaustão. Eu mesmo me considero uma pessoa frugal, mas estou sempre me perguntando: qual o limite pra frugalidade? Até quando ela vale a pena?

Ele é definitivamente o cara! Mas definitivamente
não quero a vida dele!
Vejam o exemplo do Mr Money Mustache, o cara se aposentou com 30 anos, hoje está com 39, mais rico do que nunca. Toda sua vida foi baseada na frugalidade, por viver como um universitário (dividindo casas, andando de bicicleta, cozinhando macarrão com atum) mesmo tendo um emprego de engenheiro, o resumo é que ele conseguiu levantar um patrimônio incrível em pouco tempo. Admiro pracaraleo esse cara, porém, a vida dele não é pra mim. Jamais deixaria de tomar banho ou lavar roupas pra salvar alguns trocados. Não moro (ainda) nos EUA onde é possível comprar uma casa top com pouco dinheiro, onde existe segurança e as casas não tem muros mesmo nos bairros mais pobres, onde as ruas são bike friendly (se você acha que as famigeradas ciclofaixas do Haddad são bike friendly, meu amigo, você não deve saber nem quantas rodas uma bicicleta tem, sem contar o relevo de São Paulo que também não ajuda), onde o sistema tributário embora complexo é justo, onde tudo é extremamente mais barato e com melhor qualidade que aqui, onde os serviços públicos funcionam... Enfim, eu não moro no Colorado, eu moro em São Paulo, uma cidade fantástica porém repleta de problemas que custam dinheiro, muito dinheiro pra serem resolvidos.

Desigualdade? Sim! Mas nem por isso eu quero
morar do lado esquerdo...
Eu poderia morar no meu apartamento, quitado, de tamanho suficiente e totalmente funcional a um custo baixíssimo (impostos e condomínio), mas ele está localizado na periferia, longe das minhas empresas e principalmente num lugar com a população digamos (pra ser politicamente correto, eca), pouco amigável. Desculpe, não consigo morar perto de gente barraqueira, barulhenta, criminosa, sem noção entre outros adjetivos. Se você consegue tolerar isso em prol de economizar uma grana, ótimo! Fico muito feliz por você, eu gostaria de ter tal qualidade, mas não tenho. Cresci numa região que foi apodrecendo aos poucos, quando eu era criança o lugar era pobre porém amigável, vizinhança simples porém gente boa. Hoje nem meu pai quer passar perto de lá, ano passado ele se mudou após mais de 30 anos, não aguentou a bagunça. Então, pra fugir disso e tentar ter uma vida mais segura e calma, pago aluguel caro num micro-apê localizado num bairro mais nobre, moro num típico apartamento de executivo classe média-alta de São Paulo, com decoração clean porém moderna, futilidades, frescuras, porém seguro e confortável. Aqui não tem gritaria de morador, nunca vi um carro de polícia nas áreas internas nem pinos de cocaína e cachimbo de crack. Frugalidade fail em prol do meu conforto e paz de espírito.

Carro, o eterno sugador de recursos. Um passivão de metal. Como eu gostaria de não precisar ter carro (até falei sobre isso no começo do blog), mas infelizmente ele é um mal necessário. Tenho na minha cabeça que carro deve ser seguro, confortável de maneira a minimizar os problemas do trânsito diário e principalmente robusto econômico. Sou defensor do carro zero, acho que a melhor opção é comprar um carro bom zero, dentro das suas necessidades e casar com ele durante ao menos 10 anos. Porém eu mesmo não faço isso porque tenho uma outra regra em relação a carro: não pago mais de 45k num carro (era 30k, mas tive que subir). Como não abro mão de itens de segurança e conforto como air bag, abs, ar condicionado e câmbio automático; sou obrigado a comprar carros usados. Mais uma vez a frugalidade vai pro ralo, não dá pra andar de QQ!!! Não acho possível ter uma vida decente dentro de um carro sem ar condicionado e direção hidráulica em pleno janeiro as 15h na Paulista. Também não acho legal pegar uma estrada com um carro sem ABS e Air Bag. Frugalidade fail again!

Produtos de qualidade. Entre dois produtos de marcas, preços e qualidades diferentes eu sempre tenho a tendência de comprar o mais caro desde que a qualidade compense. Um exemplo tosco: café. Só compro café Pilão porque embora mais caro que a maioria, tem qualidade melhor. Por outro lado minha frugalidade não me deixa comprar cafés gourmet que na prática não possuem uma qualidade superior que justifique o preço. O mesmo pra vinhos, gosto dos sul-americanos de entrada, os chilenos na faixa de 20 conto costumam ser ótimos. Não pago mais de 25 numa garrafa de vinho, mas também não deixo de tomar vinho pra economizar. Não deixo de tomar meu bourbom, cerveja pouco mais cara como Heineken e Stela Artois, fumar um charuto bom (não compro mais cubanos, só nacionais ou de outros países do caribe, boicote a tudo da ilha do Fidel!!!). Compro carnes de primeira, as de segunda são boas, mas costumam render menos, então acho que não compensa. O mesmo pra frutas e legumes, prefiro lugares mais limpos e com produtos melhores, mesmo que isso signifique pagar mais caro. Gasolina só em posto conhecido (nesse caso economizo porque abasteço nos postos de supermercados). O que quero dizer nesse parágrafo é que não sou frugal a ponto de deixar de consumir produtos que gosto em prol de economizar dinheiro, também não diminuo a qualidade pra salvar alguns trocados.

Não fico miguelando gasolina, se está calor ligo o ar, dane-se que o carro vai consumir mais (carros com motores acima de 1.8 nem sentem essa diferença), o mesmo em casa, o ar ficou ligado janeiro inteiro, a conta de luz foi 200 pilas. Dane-se, paguei com gosto, cada real me deixou menos suado e mais confortável, fez minhas transas com a esposa mais intensas, rsrs! Vou nos restaurantes que gosto, independente do preço, porém não consigo entender como alguém possa gastar mais de 150, 180 conto numa refeição pra casal. Não acho que exista o que justifique esse preço, não acredito que exista comida tão especial e gostosa que possa ser tão cara. Também não como fora todo dia, levo marmita pra loja, nada a ver com economia e sim com a qualidade do alimento. Já fui no Fogo de Chão, é excelente, mas troco sem o menor problema por outra churrascaria perto de uma das lojas que é menos da metade do preço. Quando viajo como sempre a mesma coisa, por exemplo frango grelhado ou seu equivalente regional (todo mundo come frango), como nos fast foods da vida sem o menor pudor, não tenho o menor interesse em conhecer a cozinha regional, isso não me atrai! Economizo comendo fast food? Sim, mas não faço isso pela economia, faço porque coloco segurança de comer o que conheço na frente de "descobrir novos sabores", sou chato pra caramba pra comer, não gosto de um monte de coisas, logo prefiro não arriscar. Mais uma vez: não é o dinheiro, é a qualidade do produto e a qualidade de vida que ele proporciona, a frugalidade deve ser natural, não forçada.

May I have a number 1, no onions, no pickles, a regular Pepper
and an apple pie... Yes, large, please. To go. Get the change!
Vejam o Buffett, muitos aqui já leram sua biografia (eu inclusive, e recomendo) e sabem que ele é um cara extremamente frugal. Sua comida preferida é hamburger com Pepsi, usa ternos comprados na JC Penney e troca seu Cadillac a cada 10 anos (lembre-se que um Cadillac nos EUA custa 30 salários mínimos, algo como um QQ aqui no Brasil), detesta reuniões cheias de formalidades, etc. Porém ele não é nem um pouco frugal no que diz respeito a amizades, seus amigos são presidentes de empresas, Bill Gates é seu parceiro de filantropia, ele conversa com caras muito fodas todos os dias. A frugalidade do Buffett é na minha opinião a frugalidade certa: ele não come Mc Donalds pra economizar, ele come porque gosta, ou seja, é algo natural, não é porque ele é podre de rico que será obrigado a comer somente caviar. Não sou rico, mas tenho condições de pagar por uma moradia num lugar agradável, então por que não fazer isso? Por outro lado detesto juntar tralha em casa, eu poderia ter um monte de tranqueiras que a maioria das pessoas da minha idade e condições financeiras tem: adega climatizada, maquininhas de cozinha diversas, TV 50", mas não tenho! Não tenho nada disso porque não são importantes pra mim. Prefiro ter uma TV 14" de tubo e morar no 25º andar de um prédio numa região nobre que ter uma super-mega-ultra-foda TV 3D super full HD e morar no meu apê lá na quebrada...

Tenho um cliente que também é comerciante. É um cara simplão de tudo, migrante, chegou em São Paulo fudido e fez um pequeno império, mora numa casinha simples com a esposa (os filhos já casaram), usa roupas também simples, celular de flip de 5 anos atrás, barba por fazer... É aquele cara que se você vê na rua não dá nada, jamais vai imaginar que é dono de mais de 10 imóveis de aluguel. Não é mão de vaca, está sempre viajando dentro do país, ajuda a molecada da vila patrocinando o time de futebol, formou todos os filhos "dotô", mas é uma pessoa simples. Agora uma coisa que ele não é nada simples é com carro: troca de carro a cada 6 meses, sempre está com o lançamento mais quente do mercado. Aí você vai dizer: ahh, ele torra dinheiro trocando de carro a cada 6 meses, perde uma fortuna todo ano só com esse capricho... Verdade! Porém é o que ele gosta, ele perde dinheiro com carro, mas deixa de perder com outras: seus filhos estão todos estabilizados (não sustenta ninguém), sua casa é pequena e simples, não torra grana no shopping comprando roupas, jóias pra "véia" e gadgets... A frugalidade dele é algo natural!

Sei que muitos leitores do blog são adeptos da frugalidade extrema. Sinceramente, eu não os critico, não acho que estão errados, muito pelo contrário. Se isso é sustentável na realidade de vida deles, ótimo, que assim seja, mas esse modelo não serve pra todos, assim como modelos em geral não servem pra todos, cada um deve achar seu caminho. Eu realmente acredito que abrir mão da frugalidade em certas coisas me ajudou a ganhar mais dinheiro. Acredito 100% que somos aquilo que nos rodeia, sempre que dou um passo em direção a algo melhor (que custará dinheiro) como uma moradia melhor, um carro melhor, morar num bairro melhor, isso me abre a cabeça e as vezes me dá oportunidade de crescimento, de conhecer outras pessoas, novas ideias, novos negócios... Vejam essa minha postagem: http://coreyinvestidor.blogspot.com.br/2014/04/um-tranco-pra-sair-da-zona-de-conforto.html, nela explico como frequentar lugares caros, com pessoas sofisticadas mudaram minha vida pra melhor.

 E você, o que pensa a respeito da frugalidade? É adepto da frugalidade extrema? Já mudou de opinião sobre esse tema?

74 comentários:

  1. Na minha opinião frugalidade é uma necessidade pra quem quer algo a mais que ser extremamente dependente de consumir produtos lixo. No Brasil trata-se do clássico "cave antes fique rico depois".
    Frugalidade é inerente o modo de vida do guerreiro. Existem coisas completamente normais pra um homem de verdade que a própria sociedade atual classifica como frugalidade extrema.
    A própria percepção sobre a dor e o desconforto mudou muito ao longo das últimas décadas... O sistema lava a cabeça das pessoas como se elas fossem sofredoras dignas de pena.
    Acho que a blogsfera deve estimular comportamentos frugais, pois a riqueza na maioria dos casos vem pra quem menos gasta do que qualquer outra coisa.
    Agora, qualquer coisa verdadeiramente EXTREMA, na maioria dos casos, pode trazer mais mal que bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, frugalidade é necessária, mas muitas vezes pode mais atrapalhar do que ajudar e como vc mesmo disse, tudo o que é extremo pode ser mais danoso que útil.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  2. é muito dificil pra qualquer um viver com menos do que ele vivia quando era menor na casa dos pais, esse retrocesso é quase impossível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser... Hoje vivo com mais do que vivia na casa dos meus pais, então deve ser por isso que não sinto isso. Meus pais além de frugais são totalmente ignorantes em relação a tecnologia, pra vc ter uma ideia eles até hj não possuem microondas e cafeteira, só tiveram videocassete pq eu insisti muito durante minha adolescência.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Grande Corey,

    Excelente postagem. Também concordo que devemos ter a frugalidade expontânea e não a forçada. Por exemplo, aqui no Canadá eu estou pagando um aluguel para morar com mais quatro pessoas, poderia facilmente alugar um para dividir com mais uma ou duas apenas, mas não vejo razão para isso. Também sou frugal com relação a móveis, consegui mobiliar metade do apartamento e meu quarto inteiro com os móveis que foram jogados no lixo (até consegui uma graninha pegando os móveis de lá e vendendo depois).

    Agora, não sou nem um pouco frugal quando o assunto é bebida e charutos (que agora descobri que curto). Quando viajo por aqui no Canadá faço o meio a meio, ficando em hotéis mais baratos mas não chegando a necessitar ficar em hostels, junto uma galera para dividir o carro, que acaba saindo mais barato que transporte público.

    Acho que tudo na vida deve ser razoável, devemos sim juntar dinheiro, mas não a ponto de ficarmos vivendo quase que embaixo da ponte por causa disso.

    Comentei sobre o assunto em uma das minhas postagens: http://oblogdoestagiario.blogspot.ca/2015/03/o-jogo-seducao-do-dinheiro-em-minha-vida.html onde falei que fazia de tudo para juntar o máximo de dinheiro possível, mesmo que isso fosse atrapalhar minha vida pessoal. Hoje, depois do tombo percebi que isso não vale a pena.

    Uta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Estagiário!

      Olha, esse lance de pegar móveis no lixo é muito sensato, qd fui morar com a Bia (a long time ago...) nós pegamos muita coisa do lixo e eu reformei, transformei, adaptei... Até hj temos uma mesinha e um banquinho oriundos dessa época. Taí uma coisa que ainda sou frugal: móveis. No nosso apê a gente tinha a cozinha planejada e o restante era comprado nas Casas Bahia, agora nem isso! Boa parte do que temos aqui eu mesmo fiz usando MDF.

      Não consigo me imaginar num hostel, qd viajo procuro hotéis econômicos e de rede (Ibis no Brasil e as grandes redes de moteis nos EUA), não faço questão alguma de luxo, mas quero conforto, uma cama legal e um chuveiro quente. Por outro lado não vejo problema em fazer escalas e conexões pra abaixar o custo da viagem, veja o BBB, ele prefere viajar menos porém de classe executiva. Ele tá errado? Não! Cada um sabe onde economizar o ou não.

      Sobre seu texto eu destaco a seguinte frase: "Decidi que esta ideologia de poupar a qualquer custo fez muito mal para a minha vida." Definitivamente essa é uma grande verdade!

      Abração!

      Corey

      Excluir
  4. Não sou adepto de frugalidade e nem nunca serei.
    Sou casado e tenho uma filha. Na minha casa (minha mesmo, não do banco) não falta nada.
    Vivemos muito bem no melhor bairro de BH.
    Saímos direto para comer fora porque gostamos. Viajamos pelo menos 3 vezes por ano, porque amamos conhecer lugares diferentes.
    Só se vive uma vez, e não vou ficar de mimimi guardando dinheiro para outros gastarem depois. kkkkkkkk
    Mas, não gasto dinheiro com celular (tenho um lg optimus 2012, apesar de poder comprar o top do top), não gasto dinheiro com carro (tenho um fit 2012, apesar de poder comprar carro bem melhor - status), nem roupas (não me lembro a última vez que comprei roupa).
    Enfim, gasto com o que gosto com muito gosto. kkkkkkk.
    Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tiro sua razão, eu meio que faço o mesmo. Moro num apê alugado porém muito bom, com qualidade construtiva, num bairro nobre e caro, porém com vizinhos educados e discretos. Meu carro é 2009, meu celular custou 300, como vc disse, poderia ter um muito melhor mas abro mão em prol de viajar e comer fora.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Olá Corey

    Posso dizer para você que frugalidade é meu segundo nome, não só pelo personagem em si, mas sobre minha própria pessoa.
    Apesar do que disse acima eu não vivo o modo frugal extreme. Tem uma frase que você disse e foi muito feliz ao dizê-la que foi "a frugalidade deve ser natural, não forçada" Concordo com essa sua afirmação.
    Para muitas pessoas ser frugal é economizar em tudo que é possível, já para outras ser frugal é economizar com qualidade. Eu sou adepto da segunda opção pois não adianta economizarmos tudo agora e desfrutar o amanhã se nem sabemos como será o futuro. Tem que haver equilíbrio. As pessoas focam muito no futuro e acabam esquecendo de viver o presente. Eu mesmo era assim. Hoje aproveito mais as coisas e posso viver com mais qualidade de vida e planejando um futuro mais promissor.
    Fico realmente feliz por você pensar assim. É uma das pessoas mais sensatas que conheci na blogosfera.
    Sou grato por ter conhecido seu blog.
    Muito obrigado e grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Centavos!

      Sou desses que ser frugal é economizar com qualidade, prefiro pagar mais caro num produto que sei que me servirá melhor e por mais tempo. Devemos achar um meio termo de gastar como se não houvesse amanhã e poupar cada centavo, nem 8 nem 80.

      Obrigado pela força! Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Aumento de renda gera um aumento consciente e/ou inconsciente do padrão de consumo.

    Caso real 1:

    Tenho um vizinho que, por coincidência, trabalha no mesmo prédio que eu.

    Vou andando pro trabalho. É uma caminhada de 10 minutos sem muitas ruas para atravessar e em sua maioria debaixo de sombra.

    Ele vai de carro. Paga R$ 229 para alugar uma vaga de garagem no prédio em que trabalhamos.

    Um dia eu perguntei: "já cogitou ir andando pro trabalho? é tranquilíssimo..." e a resposta foi: "rapaz, isso não é pra mim não".

    Pra ele eu devo ser só um pobre sem dinheiro pra comprar um carro. Pra mim ele é só um imbecil jogando R$ 229,00/mês fora por pura preguiça de andar 10 minutos.

    Caso real 2:

    Um colega de trabalho era bastante feliz bebendo Santa Helena e Casillero del Diablo, dois vinhos na faixa de R$ 25, R$ 30.

    Entrou numa confraria de vinho, passou a estudar mais o assunto e a provar vinhos mais queridinhos do mercado.

    Hoje em dia diz que se botar Santa Helena na boca já percebe de imediato a qualidade inferior, e agora só consegue beber vinhos de mais qualidade e preço bem mais elevado.

    Eu me pergunto: "porra, mas ele não era feliz pagando R$ 25 num Santa Helena? Inventou de "enchiquecer" pra quê?

    Caso real 3:

    Alfredo e Madruga são sócios numa empresa e ganham a mesma coisa.

    Alfredo se sentirá infeliz se não beber vinho caro; se não trocar um Punto por um Lancer até o fim do ano; se não tiver Sky que custa R$ 200/mês; se não levar a madame pra jantar num restaurante chique 4 vezes por mês; se não comprar uma bicicleta Specialized de R$ 7.000; se não tiver dinheiro pra viajar pra São Paulo só pra gastar R$ 1.000,00 em carne nobre num açougue gourmet.

    Madruga ganha a mesma coisa que Alfredo e está feliz em morar num apartamento pequeno perto do trabalho, em não ter carro, em não ter televisão e só assistir coisa de graça baixada na internet, em gastar só R$ 100,00 por mês pra levar a madame pra comer; em ter uma caloi antiga que funciona com perfeição, em sentir plena satisfação gastronômica com um hambúrguer de R$ 15,00 ou feijão tropeiro com linguiça no self-service de R$ 25/kg.

    Aí eu lhe pergunto: se eu estou feliz vivendo uma vida bem mais "humilde", pra que refinar? Pra que consumir mais e mais? Pra que me "auto-adestrar" pra achar que feijão tropeiro é comida de peão e só sentir prazer com um penne ao alho e óleo de R$ 150,00 num restaurante com nome italiano? Pra que deixar de sentir prazer com um Santa Helena pra só conseguir sentir prazer gastando R$ 300,00 num Boscato Anima Vitis safra 2005?

    Será que, pelo simples fato de gastar mais, ele está vivendo a vida melhor que eu?

    Eu não entendo, meu caro, eu não entendo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Epicuro - sua lógica do prazer é relacionada justamente a isto.

      Excluir
    2. Fala Madruga!

      Nesse seu exemplo 1 eu com certeza faria como vc, iria a pé, até pq pra mim carro é um mal necessário, um dos meus sonhos é não precisar ter carro, mesmo sendo apaixonado por eles. Seu colega não gasta 229, ele gasta muito mais: gasolina, tempo, chance de multa, acidente...

      Caso 2: Adoro Sta Helena e Sta Carolina, entendo seu amigo, acho isso bem possível, por isso nem tento descobrir outros vinhos. Deixo do jeito que tá...

      Não, seu sócio não deve estar vivendo uma vida melhor só por gastar mais dinheiro, mas por outro lado, não vejo motivo pra vc se fechar a novas experiências somente pra evitar gastos. É aquela questão do meio termo... Qd deixei de me privar de um monte de coisas descobri coisas que gosto, deixei de gostar de algumas e continuei gostando de outras, mas no fim das contas conheci coisas novas... pense nisso...

      Abração!

      Corey

      Excluir
    3. olá Seu Madruga, que interessante isso que vc escreveu, é bem assim que acontece mesmo. Meu marido e eu vivíamos felizes (bom, eu estava feliz, ele nem tanto) com carro bem modesto e econômico. Uns 9 anos atrás um conhecido nosso morreu relativamente jovem, e isso afetou meu marido profundamente. Passou a questionar nossa frugalidade, pra que serve o dinheiro etc. Insistiu muito em comprar um carrão top de linha, com várias frescuras tecnológicas que hoje são comuns mas na época eram ainda novidade (keyless drive, câmera quando engata a marcha ré, etc...). Eu me opus justamente por pensar que "conforto é uma via de mão única, uma vez que a gente experimentar conforto e tecnologia de ponta em carro não tem mais volta"... Mas acabei cedendo. Hoje já estamos no segundo carro top de linha (sendo que o segundo foi BEM mais caro que o primeiro, sendo que é bem mais carro também!) e admito que não tenho a menor vontade de voltar a dirigir carrinhos econômicos, nunca mais. Logo eu, que por ANOS e ANOS fui super feliz com os carrinhos mais modestos do mercado. Para mim isso tudo foi um grande choque, porque sou uma pessoa SUPER econômica, de família SUPER econômica... Mas depois dessa experiência com o carro, passei a me perguntar "o que mais estou perdendo por insistir na economia?". Então esse ano, pela primeira vez na vida, voei de classe executiva para o Brasil. Moramos no exterior e eu costumo viajar 2x por ano para o Brasil para visitar meus pais. Minha justificativa para gastar tanto foi "está na hora de gastar mais e ter mais conforto". Duvido muito que eu volte a voar classe econômica para essas viagens longas. E assim o dinheiro vai se indo... mas como meu marido (que nunca foi muito econômico) sempre me disse "caixão não tem gaveta", "pra que a gente trabalha" e outras pérolas de sabença no mesmo estilo :)

      Excluir
  7. Fala Corey, ótimo post como sempre. Eu concordo com você, acho que a frugalidade é importante sim, mas não podemos deixar a qualidade de vida em segundo plano, principalmente quando se trata da nossa saúde física ou mental.
    Como por exemplo mudar se para um lugar melhor, acho que justifica procurar um lugar melhor em busca de paz e tranquilidade. Sou Engenheiro aqui no Brasil, e uma das minhas metas é desapegar de tudo que conquistei aqui no Brasil e possivelmente começar a vida no Canadá. Eu e a esposa estamos trabalhando nisso. Abraços e boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vindo ao clube dos insatisfeitos, rsrs! Fazer uma mudanças dessa pode representar uma atitude frugal por mais difícil que isso possa parecer, veja, se vc morar num lugar mais tranquilo, com custo de vida menor, pode se dar ao luxo de trabalhar menos, ter coisas melhores por custos inferiores, deixar de ter outras... ou seja, é uma atitude frugal.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. Corey,

    Realmente é claro que cada solução de consumo é adequada para cada um. O mais importante é o equilíbrio, isto é, ser frugal naquilo que importa menos para você, o que liberará dinheiro para não ser frugal naquilo que realmente importa para você e você não abre mão.

    O problema é que tem gente que não quer ser frugal em aspecto nenhum da sua vida, aí danou-se (risos)....

    Agora perceba que existem 2 tipos de frugalidade: a compulsória (isto é, não há dinheiro) e a opcional (seu caso e dos que aportam).

    Pelos hábitos de consumo adquiridos ao longo da vida, cada um sabe o quão pode (e o quão não pode) abaixar o seu padrão de vida para fazer sobrar algum dinheiro. É preciso respeitar isto.

    O modelo que eu gosto, para mim, é abaixar o máximo possível os custos mensais fixos (isto é, os hábitos) para fazer "sobrar dinheiro" em tudo aquilo que seja extra, isto é, os não-hábitos. Gastar dinheiro com o que não é rotineiro, para mim, é o que dá prazer.

    Existe um prazer também associado à sensação do dinheiro bem gasto em seu custo/benefício - este talvez seja o principal estimulante e herança de uma educação financeira bem consolidada.

    Abraços, Renato C

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Renato!

      É isso mesmo! Devemos ser frugais com aquilo que não nos importa pra liberar dinheiro pra aquilo que gostamos. Um exemplo simples: jamais deixo uma luz acesa sem necessidade, porém uso o ar condicionado como se não houvesse amanhã qd é necessário. A economia das lâmpadas acaba ajudando a pagar o custo do AC.

      Eu chamo frugalidade compulsória de pobreza mesmo e isso é triste pq a pessoa não tem opção.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  9. Corey, gostaria de uma dica sua, pois você já é um empresario experiente no ramo do comércio.

    No seu negócio, como você escolhe os fornecedores? Preço do produto, qualidade do produto, prazo de entrega, condições de pagamento, assistência técnica?


    Pergunto isso pois estou em vias de abrir uma distribuidora de aço. Como o aço é um material bruto, e é uma commoditie da construção civil, assim como o cimento, areia, tijolo, eu vejo que o diferencial nesse ramo, acaba sendo o preço.

    Você concorda? Claro que o resto das atribuições são importantes, mas se você vende o litro da gasolina a 3.30, e o posto vizinho vende uma gasolina igual ou muito semelhante a 3.15, em qual posto o cliente vai comprar? O grande diferencial é ter preços baixos mesmo.




    Att,
    Pretorian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, escolher fornecedores é uma somatória dessas características que vc descreveu. Eu trabalho assim: tenho fornecedores com melhor preço, outros não tem um preço tão bom mas tem uma variedade maior, outros tem uma entrega melhor... Trabalho com todos, dependendo da situação compro de um ou compro de outro, mas acho importante ter um bom relacionamento com todos pq sempre um irá falhar, vc jamais deve ter somente um fornecedor.

      Produtos que não possuem diferencial ficam mais atrelados ao fator preço mesmo, porém isso não é regra. Td depende de vários fatores, mas vc pode sim cobrar mais caro por um produto se o seu consumidor estiver disposto a pagar? Por que ele pagaria mais caro com vc? Seu atendimento, ambiente da empresa, pós atendimento, cordialidade... Para alguns clientes (mais do que vc imagina) essas características são importantes.

      Aguarde meu próximo post e vc entenderá melhor o que quero dizer...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  10. Acho que devemos economizar em tudo que não diminua nossa qualidade de vida, e isso varia de pessoa para pessoa, pois as necessidades e percepções são diferentes.

    ResponderExcluir
  11. Fala Corey


    Esse negócio de frugalidade é uma coisa que vai muito de cada um na minha opinião. Acho que a primeira coisa que uma pessoa precisa aprender sobre "atingir objetivos" ou "vencer na vida" é aprender a economizar, gastar menos do que ganha e depois investir.

    Eu concordo que é necessário haver um equilíbrio e que não devemos nos negar certos prazeres. A frugalidade extrema é algo prejudicial. Acho que o equilibrio dever ser feito da seguinte maneira:

    1 - Se dar as coisas/experiências que fazem vc sentir bem e perceber que seus esforços estão valendo a pena

    2 - Ter em mente que fazer isso não vai prejudicar seu plano principal, caso prejudique, não fazer. Ai entra o bom senso de cada um e cada um sabe qual seu objetivo e onde quer chegar.

    Eu me dou certos luxos. Viagens principalmente. Eu acho que já viajei muito mais que nego bem rico por ai. Alguns pequenos hobbies e prazeres eu tbm me permito. Tenho minha casa própria (apê) que tbm gastei um pouco mais devido à localização, concordo que não dá pra morar perto de favelado, que me desculpem os favelados.

    O segredo é gastar com aquilo que te dá realmente prazer e não naquelas coisas que vão aumentar seu status e como as outras pessoas te veem.

    Eu por exemplo, tenho um Fiestinha 99 bem zuado. O carro me leva de A a B e aqui no Brasil eu não gasto mais de 15 mil em carro, nisso nós diferimos Corey. Dirigir pra mim é uma espécie de ritual, algo que eu gosto demais. Depois que eu dirigi muitas SUVs de luxo, Mustangs e Corvette nas minhas viagens, eu não tenho tesão de pagar 70 paus em um carro asiático (que é carro simples lá fora) só pq tem ar condicionado e câmbio automatico. Eu poderia pagar, mas não quero, não aqui, por motivos que já dei no meu artigo do Low profile.


    Em tudo é necessário o equlibrio. E esse equilibrio é algo pessoal de cada um. Eu tbm não viveria como o Mr. Money Mustache. Quando eu viver no Canadá, quero ter uma bela casa, com um man cave pra mim ter minhas guitarras e meu violão, meu barzinho, minha TV pra ver meus esportes e quero ter uma garagem com dois carros que as pessoas consideram "brinquedos de menino grande". Aqui no Brasil no entanto eu ando abaixo do radar. Tudo se baseia no feeling de segurança e realização. Fazer por prazer sempre vale a pena, fazer por status não.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Rover!

      Com certeza a frugalidade é algo muito individual, gastar menos do que ganha já é um ótimo passo em direção ao sucesso.

      Com certeza meu luxo é viajar, é onde gasto boa parte da minha grana, pra isso abro mão de um monte de coisas no "mundo real", como ter o carro que eu gostaria de ter, por exemplo. Tb não sou um viajante que esbanja, muito pelo contrário, sou bem frugal nas minhas viagens. Gastar com moradia infelizmente é necessário, não consigo morar "mal".

      Quanto ao carro eu considero qualidade de vida. Já que tenho que dirigir nessa merda de trânsito paulistano que seja com um mínimo de conforto: climatizado, sem trocar marchas. Se eu tivesse um Fiesta pelado eu estaria mais louco que já sou, rsrs! Mas vc tem razão, não dá pra pagar 70k num carro que lá fora é popular, por isso compro esses carros usados por 30k.

      O que vc quer ter no Canadá é totalmente viável por lá, não é nada que te custará um rim.

      Abração!

      Corey

      Excluir
  12. Belo post Corey !! tudo tem o seu equilíbrio !!!

    ResponderExcluir
  13. O cara se aposentou aos 30 sendo engenheiro e frugal? Balela hein?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que balela? O cara teve uma baita renda durante 9 anos, economizou mais de 80%. Perfeitamente possível!

      Excluir
    2. Vamos pensar no Brasil.

      Um engenheiro ganha 5K ao mês. Ele economizará 70%, pois o imposto, as despesas e etc consumirão o resto. Ele não tem vida, e vira zumbi por 9 anos.

      5K x 12 meses x 9 anos x 0,7 = 378K

      Nem levando em conta a inflação desse período, o que tornaria seu poder de compra ridículo, você acha mesmo que com isso dá pra aposentar e viver de renda?

      Ah tá, você acredita mesmo, eu esqueci.

      Excluir
    3. Leia o texto: o cara é CANADENSE, mora no COLORADO, ESTADOS UNIDOS!!! Vai lá no site dele e veja os números vc mesmo.

      Excluir
    4. Nem mendigo ganha 5k reais nos EUA. O Mr. money ganhava na faixa dos 100.000 dolares anuais.

      Excluir
    5. Lembro que era mais de 100k e a esposa outro tanto.

      Excluir
  14. Cara, comprei esses tempos um i30 2011, na garantia ainda, completinho por 49k. Melhor que qualquer coisa 0Km por aí. Mas demorei um tempinho pra achar o carro que eu queria.
    Carne honesta para assar é fraldinha. Sem osso é tem um bom custo-benefício. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cesar!

      Taí uma excelente compra, é desses carros que gosto: possuem qualidade acima da média e desvalorizam absurdo, sendo mais fácil de comprar usado.

      Fraldinha é realmente excelente, bife gosto de alcatra, filé mignon além de mais caro é sem graça.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  15. Acho que isso depende da pessoa e da fase de vida em que ela se encontra.

    É fácil ser frugal na época de estudante universitário, mas quando se começa a trabalhar e ganhar mais, você quer coisas melhores.

    Entretanto, depende também da relação entre o que a pessoa ganha e o custo básico de vida que ela tem. Pra quem não ganha muito, não resta muita opção a não ser viver de forma frugal (ou se endividar).

    Nos EUA, eles conseguem viver com pouco, porque o consumo é muito pouco tributado. Aqui no Brasil, cerca de 50% do preço dos produtos que consumimos é imposto.

    Se o americano tem uma renda bem baixa, os dividendos de ações por exemplo passam a ser isentos de tributação também.

    Leia o blog do Jason. O cara é muito bacana.
    http://www.dividendmantra.com/

    Abçs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza tudo depende da fase da vida, mas aí mora o perigo. O cara vai sofisticando cada vez mais e quando se dá conta virou dependente do estilo de vida gastão. É preciso ter equilíbrio.

      Verdade, nos EUA a frugalidade pe muito mais viável pq vc consegue gastar pouco e ter produtos de qualidade. Mesmo assim veja que a esmagadora maioria dos americanos estão endividados até as tampas.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  16. Hey Corey, tudo bem?

    Concordo com o Investidor Zé Ninguém! Devemos procurar o equilíbrio e não a frugalidade a qualquer custo (ou melhor sem custo..rs).
    Como tudo na vida, o equilíbrio é o que deve ser buscado. Por exemplo, eu gostaria de não depender de carro, ainda mais morando a 8 Km do trabalho. Para ir ao trabalho tem um ônibus que leva 15 min para chegar lá. Porém, esse mesmo ônibus leva 1 hora (sim uma hora) para fazer o percurso de volta. De carro levo 12 min para ir e 12 min para voltar. Dai eu penso, "será que vale a pena ser frugal tendo condições de ter um carro e ganhando 48 min de tempo?"

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá II!

      Equilíbrio é a palavra chave nessa equação. Tb passamos por algo semelhante em casa. Moramos a 2km do trabalho da Bia, se ela for de ônibus são 40min!!!! Por isso ela vai a pé, só vai de ônibus quando chove. Carro é um mal necessário, infelizmente...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  17. Olá Corey,
    Na verdade frugalidade é muitas vezes confundida com sovinice.
    Frugalidade é o gasto consciente, sem desperdícios, comprando-se o que necessita sem esbanjar.
    Já sovina, o que muitos chamam de "frugal extremo", é aquele que está disposto a abrir mão de boa parte do conforto por causa de alguns trocados. Este estaria disposto a tomar banho de água fria no inverno para não gastar luz, ou melhor, tomaria apenas um banho ultrarrápido para economizar água também, inclusive no verão, kkkkkkk. Como você disse, é difícil uma pessoa manter este hábito por um longo tempo e muitas vezes o custo benefício disso não compensa.
    O contrário seria o perdulário, que é aquele que esbanja. Compra as coisas mais para agradar os olhos dos outros do que para si mesmo e não consegue ficar com dinheiro na mão, pois voa fácil. Esse tipo de gente tem aos montes.

    Eu fui sovina em minha adolescência mas aos poucos fui mudando para o frugal. Considero-me o meio termo entre eles, pendendo mais para o frugal do que para o sovina.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande AdP!

      Excelente comentário! Isso mesmo, tem gente que confunde frugalidade com pão durice, como vc disse ser sovina é algo insustentável ou ao menos vai atrapalhar a vida da pessoa, já ser frugal, evitar desperdício e usar tudo até o fim da vida útil além de ajudar a economizar pode ser feito sempre, independente da riqueza.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Concordo com vocês.

      Consumo consciente é diferente de pão-durisse.

      Abçs!

      Excluir
  18. Olá Corey,
    Excelente post, como sempre!
    O que muitos chamam de frugalidade eu chamo de análise de custo benefício.
    Quanto a questão do carro, infelizmente no Brasil não dá pra se ter muito luxo, e as concessionárias cobrarem 30k num populixo é vergonhoso. Hoje tenho um gol 2006 peladão que comprei usado e pra minha necessidade tá ótimo.
    E Itaipava é o caralho! Cerveja é Stella, Budweiser, Brahma Extra.
    Abraços,
    Chimpa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 30k um populixo pelado! Se for completinho é mais que isso! Puta vergonha mesmo, sem chance... Por isso gosto dos intermediários usados.

      Cerveja é um excelente exemplo de como é possível ser frugal com qualidade. Essas que vc citou são ótimas e com custo baixo, não tem porque pagar 20 conto numa long neck importada que não é tão melhor que uma Stela, por exemplo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  19. Muito interessante o post. Identifiquei-me bastante com ele, pois também sou muito econômico no que se refere a celular, carro e roupas, mas não abro mão de viagens internacionais com a família, segurança no carro, moradia boa, restaurantes legais e vinho.
    Duas observações:
    1) vale a pena você fazer um upgrade pra vinhos na faixa de R$35-45. A diferença para os da faixa R$20-30 é enorme. Experimente.
    2) corrigir "paço" para "passo", no post acima.
    Jeca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jeca!

      Erro corrigido, obrigado por avisar. Acho que somos bem parecido, valorizamos as mesmas coisas. Tenho um carro seguro, confortável e barato, gostaria de ter um novo, mas não coloco a mão no bolso pra isso. Meu maior prazer é gastar dinheiro com viagens.

      Sobre vinhos eu prefiro me manter nos de 25, rsrs! Sei que vou preferir os mais caros aí ferrou, rsrs!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  20. kkkkk tb nao é para mim esse tipo de frugalidade, porém há boas oportunidades no Brasil em diferentes cidades e zonas! E ha lugares seguros com menos desigualdade.. o brasil nao é dos piores e longe de ser dos melhores! kk abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o Brasil pode não ser dos piores mas acho que devemos olhar pra cima, não pra baixo, logo devemos almejar coisas melhores invés de agradecer por não estarmos num Congo da vida...

      Excluir
  21. Preciso de dicas que não encontrei em materiais na internet, estou estudando sobre investimentos, e vi que a diversificação é a melhor alternativa, como não tenho nenhuma quantia ainda para investir e o que tenho na poupança não passa de R$ 100,00, as duvidas são.

    1-Qual a quantidade ideal para juntar antes de colocar grana em uma conta de corretora (no caso do tesouro direto)?

    2-É melhor eu juntar um montante, tipo R$ 1000,00/2000,00 ou 3000,00 e ai sim investir?
    (Sei que se colocar grana picada em pequenas cotas isso influencia em taxa de corretagem).

    3-É melhor ter contas diferentes para aportes de investimento e a de fundo de segurança(ambas seriam poupanças, mas uma seria movimentada e a outra só receberia dinheiro que só seria usado em caso de emergência).

    4-No caso de projetos como aquisição de casa carro seria melhor eu ter contas diferentes para guardar dinheiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, aconselho esmiuçar a blogosfera, todas as respostas pra suas perguntas estão nos blogs.

      Boa sorte!

      Corey

      Excluir
  22. Sandra

    Para mim qualidade e custo benefício são coisas muito importantes
    Tem um mercado na minha cidade, que é levemente mais caro que os demais (levemente mesmo, nada d+) porém os corredores são maiores, ele está sempre limpo, as prateleiras sempre abastecidas, não vejo bagunça ou coisas caídas nunca, por não viver cheio, as frutas, legumes e verduras não são remexidos, idem pra frango e peixes, e claro, as carnes são ótimas e o atendimento é 10 (educação e conhecimento do produto). Entro compro minhas coisas e vou embora sem demora, sinceramente podem me criticar mas só vou nele.
    Também prefiro comprar coisas de qualidade superior e obviamente mais caras, mas que duram muuuuito mais tempo.
    Em compensação, não sou uma pessoa que vive saindo, não gosto mesmo, então não gasto fortunas em baladas, muito menos para impressionar ninguém, só gasto com aquilo que me faz bem de verdade, minhas saídas são pra outras coisas, e bem mais em conta.
    Não ligo para celular (só troquei o meu anterior porque parou de vez depois de anos) o meu atual é um basicão acho que paguei R$ 170,00 usado, kkkkk a pessoa queria um tooop e me vendeu esse quase novo que na loja custaria 500,00, ou seja, me dei bem!!kkk.; não vejo sentido em ter um ponta, pois não ligo mesmo, e não vou fazer isto para outras pessoas acharem lindo.
    Mas confesso que vez ou outra me vem aqueles pensamentos com contas mirabolantes de onde ou com quanto eu poderei estar daqui a um tempo se economizasse em tudo kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sandra!

      Sou igual a você em relação a mercado. Vou mais no Pão de Açúcar que tem perto de casa, vou a pé, ele é pequeno, arrumado e principalmente: não tem aqueles caras gritando oferta no ouvido! Pode ser que seja um pouco mais caro, mas dane-se, é mais confortável. Compro muita coisa em atacadistas, mas esses só uma vez a cada 2 meses.

      Bia e eu saímos muito, porém 100% das vezes aproveitamos o período de consumação e dificilmente gastamos mais que a mesma. T|em lugares que tb não pagamos pra entrar pq somos frequentadores a muitos anos.

      Essa do celular foi ótima! O meu comprei novo mas baratinho,.,

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  23. Mais um ótimo post do grande Corey. Gostei da frase: "a frugalidade deve ser natural, não forçada".
    Me identifiquei bastante com o post, vejo pessoas que economizam R$5 do café para acumularem patrimônio, aí quando ficam ricas vão lá e compram café. Porque a pessoa não comprou logo a porcaria do café quando estavam afim? (Por café leia-se qualquer objeto de desejo).
    Aprendi bastante sobre frugalidade com meu pai. Ele comprou TV de plasma bem na época que lançou, só fui ver as pessoas comprarem depois de alguns anos. Por outro lado, só compra roupas novas quando as dele já estão literalmente rasgadas rsrs.
    É isso aí, dá pra viver numa boa comprando o que você gosta e sendo frugal, basta pensar muito antes de comprar, pensar no conforto, pesquisar preços, não comprar algo só porque está na moda ou pra impressionar alguém, muito menos só porque o item é de marca.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o pior é perder saúde pra ganhar dinheiro e depois perder dinheiro tentando recuperar a saúde. Os objetos de desejo podem ser comprados a qq momento da vida, embora nem sempre terão o mesmo valor pra pessoa, mas a saúde é um ativo muito perecível que muitas vezes não pode ser recuperado.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  24. Eu concordo, e é por isso que meu blog tem o nome que tem.
    Acho que sendo equilibrado, você vive bem, e tem grandes chances de terminar com um bom capital acumulado no final.
    Basta não torrar tudo com passivos, que mesmo gastando com alguns 'dengos", a tendência é que você consiga um bom acumulo de capital.

    Não sou de sofre tambem. Tenho um bom carro, os eletrônicos que gosto, roupas boas... e mesmo assim, guardo boa parte da minha grana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, se vc vive bem terá mais chances de ter ainda mais dinheiro, uma coisa puxa a outra...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  25. Esse post me lembrou aquele programa de tv Chamado "Muquiranas" que dá na TLC se não me engano.É muito engraçado ver até onde as pessoas são capazes de ir com o objetivo de economizar.

    Eu cheguei no nível limite de economia do que posso suportar, pois não vou abrir mão do ar condicionado ligado o dia todo ou das "besteirinhas" que compro no mercado.Seria uma pessoa infeliz se não tivesse esses confortos.

    O que levo em conta é que devo manter o padrão atual, mas devo evitar ficar subindo este, porque a tendência é de nos acostumarmos com o que é bom e dificilmente queremos voltar um degrau novamente.

    O carro que possuo por exemplo, é um "semi-novo" com menos de 10km com todos os itens de segurança e conforto, com exceção do câmbio automático!
    Todos falam que depois que se tem um automático, dificilmente vai se querer voltar a ter um manual, e por isso, quero postergar o máximo possível esse upgrade, porque sei que é um caminho sem volta para um novo nível de conforto.

    Acompanho a bastante tempo seu blog e tenho bastante admiração pelo seu modo de pensar.Muitas coisas boas tirei proveito daqui pra minha vida..

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Felipe!

      Bem lembrado... Aquele programa é ótimo, adoro usa-lo como anti modelo pra minha vida. Jamais farei coisas que aquele povo faz a não ser se for extremamente necessário.

      Uma vez li o seguinte: "vc deve combater o desperdício, não o supérfluo pq o supérfluo é o que dá sabor a vida". Concordo 100%.

      Vc tem razão, câmbio automático é caminho sem volta, o conforto proporcionado por ele é 1000% maior que do ar condicionado, direção hidráulica e elétricos do carro somados.

      Obrigado pela força, abraço!

      Corey

      Excluir
  26. O nível de frugalidade tem haver com os objetivos e resultados alcançados. Depois de atingido as netas a frugalidade é uma resultante do bom senso e da sensatez.

    ResponderExcluir
  27. Já fui muito frugal, fazem dois anos que parei, como em restaurante bom pois não sei quanto tempo vou viver, Cohiba behike, explendor e siglo VI fazem parte das minhas degustações, Corey pergunta a Bia não reclama do cheiro com você dos robustos? A minha mulher reclama muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso mais ou menos assim tb, não gasto tudo o que ganho mas não fico me privando de coisas que gosto e como vc disse, não sabemos até qd vamos viver. A Bia não gosta apesar de provar de vez em quando, eu simplesmente não fumo em casa! Vou para algum bar que tenha espaço pra isso ou mesmo na casa de amigos q tb gostam.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  28. Um dos pontos que o mr money mustache gosta de sempre enfatizar é o de que a frugalidade não deve ser vista como uma privação, mas sim uma escolha dentre as diversas possíveis na busca da felicidade.
    Se o sujeito sofre ao ser frugal, então melhor deixar de ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com isso, mas tem coisas que passam um pouco do limite do bom senso como o próprio MMM que não toma banho todo dia...

      Excluir
  29. Olá, Corey!

    Penso assim também, pra que se privar a ponto de viver como um mendingo? E o fato de não negar a sí certos luxos, serve na verdade de ajuda para suportar a vida de merda no Bostil, digo bRASIL.

    Att.
    off topic - Sobre a prender inglês achei um material interessante que pode te ajudar dê uma olhada aqui primeiro - http://faroldafluencia.com - e depois aqui - http://formulafluente.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, ter alguns luxos é um incentivo pra continuar vivendo nessa latrina, caso contrário ficaremos loucos. Valeu pelas dicas, vou dar uma olhada, abraço!

      Corey

      Excluir
  30. Para quem é pobre e quer fazer dinheiro, a frugalidade e a pão durice são obrigações nos primeiros 10 anos de aportes, é poupar e aportar forte. Os prazeres podem crescer um pouco a cada ano, mas é preciso aportar muito forte.


    Depois desses 10 anos, já se pode pensar em alguns gastos extras, alguns confortos, mas antes nem pensar.


    Lembrem-mos do Mobral que fez 300k em 5 anos de aporte forte epão durice máxima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que tal aumentar a renda? Acredito ser uma estratégia muito mais eficaz que viver como mendigo...

      Excluir
  31. A questão é aumentar a renda e diminuir os gastos, sem prejudicar a qualidade de vida. Com isso, junta-se 1M muito mais rápido que um cara gastão.

    Algumas coisas como sexo, academia, saúde e alimentação não podem ser cortadas em hipótese alguma.

    No entanto, alguns luxos podem ser adiados para daqui a uns anos, sem maiores dramas. Isso vai de cada um.

    Estou numa fase de mudar meu comportamento e gastar menos diariamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso exatamente a mesma coisa, é legal ganhar mais e gastar menos mas combatendo o desperdício, não diminuindo a qualidade de vida.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  32. Corey, me identifiquei muito com a parte sobre imóveis. Estou no mesmo barco. Estava em uma casa da minha família em uma quebrada, um bairro que também ja foi decente, mas virou uma mistura de Selva com Circo devido aos tipinhos que moram lá. Gente ignorante, barraqueira, barulhenta, criminosa e sem noção. Eu ecomnomizava uns R$ 1000,00 por mês morando la, mas minha saúde estava indo pro saco, pois não dormia direito, vivia estressado e quase estourava uma veia da têmpora quando meus "Agradáveis" vizinhos resolviam fazem os malditos pancadões na rua! Fora achar os famosos "pino" de tóxicos e outras coisa mais nas calçadas. Joguei a toalha e esta semana estou me mudando pra um bairro civilizado onde os chimpanzés de periferia nunca poderão pagar e morar. Um lugar calmo, com gente decente e discreta. Eu quero muito guardar o máximo de dinheiro possível, mas não vai adiantar nada se alguém der um tiro na minha cara ou se eu morrer de infarto. Estou cansado de dar toda a minha qualidade de vida por dinheiro. Vou viver um pouco também.
    Quanto a carro, como gosto de mecânica, tenho um bem velhinho (1995 nem paga IPVA mais) e uma moto. Os consertos e manutenções eu mesmo faço, então diminui o passivo.

    No resto sou naturalmente econômico. Meus aparelhos eletrônicos são antigos e eu odeio desperdício de qualquer espécie.

    Um agrande abraço!

    Ass: Antidireito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos experiências semelhantes, tanto o bairro onde cresci quanto onde tenho meu apartamento são regiões que já foram boas um dia e hoje atrai esse tipinho bizarro que vc tão bem descreveu. Não há dinheiro que pague a qualidade de conseguir dormir, de não ter que lidar todo o tempo com gente mal encarada, drogas e bandidagem.

      Vc vai ver que essa mudança fará muito bem pra vc em todos os sentidos.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  33. Olá Corey, gosto muito do seu blog, sempre acompanho os posts, mas comento bem pouco. Esse post ficou ótimo, e é sobre um assunto que gosto muito. Concordo com a frase que vc colocou, de que a frugalidade tem que ser algo natural. Percebo exatamente assim. Sou um cara que vive de forma muito mais econômica do que poderia. Não sou de me privar das coisas que gosto, mas mesmo assim gasto aproximadamente metade do que ganho. Tudo bem que ter uma boa renda ajuda bastante. Mas o fato é que sou um cara extremamente simples, não me interesso por coisas sofisticadas, luxo, etc. Tenho um carro ano 2007... rs que me serve muito bem pra deslocar, tem ar condicionado, direção, e até hoje não tem dado problemas. Enquanto tenho colegas com a mesma renda que possuem carros muito superiores. Gosto de comida simples, roupa então, nem se fala. Não é questão de ser pão duro, e sim de ter um estilo de vida simples. Quanto ao local de moradia, também acho que aí ja vale a pena gastar um pouco mais, embora também seja adepto de um meio termo. Enquanto alguns colegas de trabalho moram em prédios luxuosos da cidade, moro num condomínio de bom nível, mas não luxuoso. Almoço todos os dias em casa, o que me gera economia, mas nos finais de semana sempre saio pra jantar ou almoçar fora com a esposa pelo menos 2 vezes. Enfim, acho que vai muito da personalidade, e tenho sorte de ter uma personalidade frugal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza esse lance vai muito da personalidade, como vc mesmo disse tb acho que ter uma vida inferior ao que poderia ter é uma excelente solução e é bem isso que faço. Abro mão de alguns luxos em prol de outros e vou levando, abraço!

      Corey

      Excluir
  34. Tem vários comentários bacanas sobre frugalidade. Apenas para ser breve, tenho uma regrinha pessoal que é:
    Se eu compro algo que não preciso, não importa o preço que eu paguei, pois paguei caro.

    Abraços pessoal,
    Maluco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Maluco! É bem por aí mesmo, qq coisa que vc não precise será caro, até se custar 1 real.

      Abraço!

      Corey

      Excluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.