sábado, 25 de outubro de 2014

A Compra da Loja Nova

Hoje começarei a falar um pouco sobre minha loja nova. Para você que caiu de para-quedas agora, aconselho a leitura do post onde falo sobre o início das negociações (leia aqui). Pra resumir: um corretor de comércios encontrou um bom negócio, uma loja localizada num baita ponto comercial, num bairro classe média-alta de São Paulo, a empresa estava a mais de 30 anos na mão do mesmo proprietário (doravante chamado Seu João), extremamente cabeça dura, que entre outras bizarrices relaxou totalmente na manutenção da loja e estava pedindo um preço totalmente fora da realidade. Para tornar o post mais interessante e ao mesmo tempo não me expor demais, adotarei a mais nova unidade monetária chamada Banana (Ba$), Ba$ 1 não vale R$ 1, ok?

No início das negociações Seu João estava pedindo Ba$ 300 mil pela loja cujo faturamento, segundo ele, era de Ba$ 30 mil. Duvido que a empresa tinha esse faturamento, com sorte Seu João faturava Ba$ 20 mil, não tinha como ele saber ao certo porque não tinha controles por escrito (informatizado então...). Enfim, se o faturamento fosse realmente os Ba$ 30 mil, o preço da loja seria no máximo de Ba$ 150 mil (muito bem pagos). O corretor tentou negociar, mas Seu João recusava-se a largar o osso, até que um fato aconteceu...

O Concorrente Predador

Dias depois de visitar a loja, fiquei sabendo no meu bar de estimação (todos devem ter um bar de estimação, me lembrem de escrever sobre isso) que um grande concorrente, daqueles bem porra louca estava para montar uma filial perto da loja do Seu João. Fiquei com aquilo na cabeça, pensei que seria uma boa hora para cutucar novamente Seu João, afinal o concorrente doidão não me oferece tanto perigo quanto parece. O lance dele é vender barato, o meu é atendimento decente, ou seja, duas características bastante distintas, sem contar que já "luto" com ele na loja antiga (é um dos meus principais concorrentes). Não foi preciso, dias depois o corretor me liga e diz que Seu João estava disposto a negociar.

Marquei uma reunião na loja, o corretor, Seu João e seu filho estavam presentes. A presença do filho me deixou animado, eu sabia que ele estava lá para puxar o pai para a vida real, era um sinal que o negócio poderia acontecer mais facilmente. O velho já começou as negociações com Ba$ 250 mil, o corretor foi mediando as partes, fiz um teatrinho básico sobre o concorrente fodão, disse que eu não sabia se queria a loja porque sabia que o cara iria abrir uma loja nas proximidades, que o velho demorou pra fechar, ficou fazendo cu doce, mi mi mi,,, Como negociações são coisas fantásticas, prazerosas e empolgantes. Você finge alguma coisa, o cara finge que acredita e vai em frente... Disse que por aquele valor eu nem começaria a negociar, o filho tomou a frente, mandou o velho ficar quieto e disse que me ligaria.

No dia seguinte o corretor me liga, marcamos outra reunião. Dessa vez o papo foi todo com o filho que já começou a conversa com Ba$ 200 mil. Disse que meu preço era Ba$ 70 mil no cash. Houve um momento de tensão, mas o cara ficou de conversar com a família. No outro dia, o corretor me liga e faz uma outra proposta, colocando uma grana de entrada, umas prestações mensais, umas anuais, carência... Enfim, uma complicação do cacete. Bati o pé no valor de Ba$ 70 mil no cash. Passaram-se algumas horas, o corretor liga novamente. Marcamos outra reunião...

Chegando lá percebi que eu estava no meio de uma reunião de família: filhos, esposa, genro... Todo mundo estava lá para fazer o velho assinar os papéis. Acabamos fechando em Ba$ 75 mil o que considerei um ótimo negócio. Fiquei sabendo que o velho é dono de metade da vila, incluindo o prédio da loja (agora sou seu inquilino); tem propriedades na Europa, litoral e interior de SP. Típico caso de gente que trabalha por doença, por vício.

O Pagamento

Para pagar, utilizei a grana do meu negócio B (quem se lembra dele?), meu carro (estou de carro alugado), além de uma boa fatia da poupança da independência financeira (falarei mais no fechamento do mês). Precisei de recursos não só para fechar o negócio mas também para e mega reforma que fiz na loja. Ao todo a reforma consumiu Ba$ 30 mil dos Ba$ 20 mil previstos. Renovei absolutamente tudo, a loja ficou linda (assunto para outro post).

Portanto a loja encontra-se paga e reformada. A única "dívida" que tenho é com fornecedores pois achei melhor estocar a loja utilizando financiamento próprio deles que é praticamente sem juros (ganho um descontinho quando compro a vista) e com a minha loja antiga, ou seja, devo para eu mesmo porque realoquei estoque. Ao fazer transferências os gerentes dos bancos ficaram loucos tentando me vender empréstimos, que era para eu manter a grana e blá blá blá... Também tinha a opção do BNDES, mas como eu tinha a grana não fazia o menor sentido pegar empréstimo. A mercadoria será paga em 6 meses e para isso utilizarei a grana do meu aporte mensal na poupança da independência financeira, portanto ficarei pelo menos esse tempo sem aportar. Os lucros da loja nova serão 100% reinvestidos também por 6 meses.

Como está indo?

Fazem poucos dias que reinauguramos, não tenho nem 1 mês completo de funcionamento, junte a isso o fator novidade que pode minguar depois de um tempo, mas mesmo assim estou com uma previsão de faturamento de Ba$ 50 mil nos primeiros 30 dias. Considero isso muito bom, afinal eu tinha certeza que o Seu João não faturava Ba$ 30 mil, logo se eu fizesse isso já estaria contente. A loja foi muito bem recebida pela clientela da região que é nitidamente diferente da outra loja, que embora perto, tem público mais humilde. Em "sociedade" com colegas, criamos um nome fantasia que iremos compartilhar. Isso era um plano antigo mas acabamos implementando em cima da hora devido a essa minha nova loja (mais um post que devo fazer, meu Deus, acho que não conseguirei cumprir tudo, rsrs!).

Problemas

Os problemas que estou enfrentando são: falta de funcionários, falta de entrosamento entre os funcionários existentes, dificuldade para obtenção de documentos secundários, prestadores de serviço da reforma que sumiram antes de terminar o trabalho (eu mesmo estou fazendo o que faltou) e principalmente overdose de trabalho. Estou trabalhando mais de 16 horas por dia, mas sei que isso é assim mesmo, que em breve acaba, e confesso que estou contente por trabalhar assim. Fiquei triste por ter que cancelar minha viagem para a costa leste do Canadá que faria em dezembro, mas faz parte! Preciso comprar um carro, mas por enquanto alugarei um nos próximos meses.

Bom, é isso pessoal! Fiquem a vontade de perguntar, ficarei contente em ajudar e tirar as curiosidades dos amigos (mas nem adianta perguntar o ramo da loja, ok?).

20 comentários:

  1. Corey, parabéns pela nova loja. Ser empreendedor no Brasil realmente deve ser um grande desafio, um verdadeiro teste de nervos. Sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu! tem razão, é um teste de saúde mental.

      Excluir
  2. Corey tenho algumas dúvidas a respeito de compra de negócios como este que tu fez.
    É feito que tipo de contrato entre as partes compradores e vendedora para compra e venda? (é necessário contratar algum advogado pra redigir o contrato, existe algum contrato padrão, ou não se faze contrato em negócios de pequeno\médio porte)

    Ass: Baiano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Baiano!

      O contrato foi elaborado pelo corretor, mas pode ser feito sim sem ajuda profissional, porém eu recomendo que esse tipo de negócio sempre deve ser acessorado.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Olá Corey, muito legal você compartilhar essas informações.
    Desses Ba$ 50 mil de faturamento esperado, sobra mais ou menos quanto de lucro líquido?
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande AdP!

      Espero sempre uma rentabilidade líquida acima de 10% do faturamento, mas isso é muito variável, dp do ramo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Corey, se puder comenta sobre setores bons para investir, montar loja, empreender e tal...

    Vejo que existem pessoas interessadas em empreender(me incluo nisso, kkk), mas não sabem por onde começar.


    Obg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre digo que os melhores setores são aqueles que sempre foram bons, ou seja, comércios tradicionais, que vendem produtos que todos precisam, independentemente de crises. O crescimento desse tipo de negócio é baixo e provavelmente vc jamais ficará rico, por outro lado a certeza de ter uma renda descente compensa.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Corey, fazendo uma análise de rendimento temos então que você investiu 105.000 bananas, 75 na loja e 30 de reforma. Vamos supor que passado o lançamento faturamento fique em 35.000 e que voce tire um lucro liquido de 10%. Então voce teria 3.500 de lucro por mes. Assim a loja te daria um rendimento de 3,3%, o que está muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não está bom não, rsrs! Ba$ 35 mil é pouquíssimo, esse negócio tem perspectiva de faturamento acima de Ba$ 80 mil no médio prazo, caso contrário eu vendo. Os problemas são muitos para pegar só 3,3% de rendimento.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Você comprou o CNPJ dele junto? Como ficam os funcionários antigos dele? foram demitidos da antiga empresa e admitidos na sua? E se tiver problemas trabalhistas com o antigo dono, você que assume a bronca?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, foi transferência de CNPJ. Ele demitiu os funcionários e eu readmiti. os problemas trabalhistas dizem respeito a gestão do antigo proprietário, uma cláusula contratual me protege.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  7. Compensa mais alugar um carro mensal do que andar de taxi?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, compensa pela flexibilidade. Estou alugando um popular basicão pelo CNPJ (aluguel de longo prazo), custa-me menos de 1k por mês.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. Corey, se for possível da pra explicar melhor esse negócio de administrar a loja remotamente?

    ResponderExcluir
  9. Corey, você como empreendedor acredita que é possível abrir seu próprio negócio sem muito dinheiro para investimento, como diversos blogs de empreendedorismo da internet trazem a tona em forma de textos para reflexão como coisas de sair da zona de conforto? Se sim, poderia fazer um texto sobre isso?

    Parabéns pela compra da nova loja e muito sucesso!

    Abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assunto complicado, tenho uma visão pouco ortodoxa. Acredito que só vale a pena encarar todos os problemas do empreendedorismo no Brasil se for para ganhar um bom dinheiro, digo isso em termos de quantidade de dinheiro, não rentabilidade em %. Eu, Corey, não entraria num negócio para ganhar, por exemplo, 500 reais por mês. Na minha opinião, não vale a pena, mas cabe a cada um pensar a respeito.

      Excluir
  10. Corey, vc não sabe como postagens assim me colocam pilha..... conhecendo gente que se joga e arrisca nos faz acreditar mais..... eu tenho um bom emprego, então economizo forte...... mas já tô cansado da miséria desses rendimentos.... combinando com a vontade da esposa em empreender, logo pretendo me arriscar tb, exatamente como comentou, em ramos onde a demanda sempre existirá....

    E PARABÉNS PELO NOVO NEGÓCIO!!! MUITO SUCESSO!!!

    ResponderExcluir
  11. Olá Corey

    Parabéns pela sua nova loja! Te desejo muita sorte nessa nova empreitada.

    Esses prestadores de serviço são fodas! O certo é pagar eles só depois do serviço terminado e bem feito. Mas se falar isso, eles virão as costas e vão pegar outra pessoa que paga adiantado. Tem que saber levar com jeito esse povo. Eles fazem um pouco, vc paga um pouco. E vai indo.

    Os funcionários são outro grande problema. Vamos ver se com o aumento do desemprego as coisas melhorem.

    Abraço

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.