domingo, 4 de maio de 2014

Sobre Planejamento, Sorte e Previsibilidade

Recentemente comentei aqui no blog sobre as vantagens de frequentar lugares mais caros e ter contato com pessoas de nível socioeconômico maior (leia aqui e aqui), coincidentemente essa semana aconteceu um fato curioso. Algum tempo atrás, Bia e eu conhecemos um casal na balada, essa semana nos encontramos novamente e acabamos indo no McDonalds no fim da noite onde rolou um papo muito interessante. Vou chama-los de Samara e Raul e essa é a história de Paulo, pai da Samara:

1976: Paulo, então com 16 anos, recebe de presente um Fusca 1966 de seu pai como incentivo por ter passado na prova do Senai. Paulo começa a frequentar a escola e logo consegue um emprego no qual sairia somente décadas depois, aposentado.

1980: Paulo passa no vestibular para engenharia numa faculdade pública, junta suas economias, vende o Fusca e compra um Opala 0Km, decide fazer como seu pai, só trocará de carro na próxima década.

1983: Paulo conhece Gorete na Universidade e começam a namorar, começam a juntar dinheiro para comprar uma casa e casar.

1989: O fator sorte entra em ação. Paulo e Gorete compram uma pequena casa no Campo Belo (bairro então de classe média-baixa em São Paulo), a vista, uma semana antes do confisco da poupança. No fim do ano se casam somente no civil, o dinheiro da festa foi confiscado pelo Collor.

1990: Nasce Samara. O Opala de Paulo está com 10 anos e é trocado por um Monza 0Km.

1995: A casa do Campo Belo é alugada e um bom apartamento é comprado em Moema, que começa a efervescer.

2000: Samara estuda em boas escolas particulares, não as tops, mas escolas boas. Samara não entende porque seu pai anda de carro velho enquanto os colegas de trabalho dele possuem importados alemães, não entende porque suas amiguinhas vão todo final de semana para Maresias e ela somente uma vez por ano pra Santos. Paulo troca o Monza por um Vectra 0Km.

2005: Samara começa a trabalhar, é a única de seu grupo que tem um emprego e vai ao cinema com seu próprio dinheiro, paga do próprio bolso um curso técnico e consegue uma boa colocação.

2010: Samara está no segundo ano da faculdade, Paulo a presenteia com o Vectra, compra um Fusion, se aposenta e muda-se pra Santos. Samara conhece Raul, um comerciante, e começam a namorar.

2014: Samara repete o caminho de seu pai, troca seu carro-presente de 14 anos por um 0Km vendendo o Vectra e comprando um Peugeot 308. Ela e Raul já compraram um apartamento no Campo Belo (agora um bairro classe média-alta) estão juntando dinheiro para o casamento somente no civil porque as festas de casamento são totalmente fora da realidade de uma pessoa racional. Ah! Diz Samara que só trocará de carro em 2024...

Obviamente mudei um pouco a história para preservar o anonimato do casal, mas a essência está aí: planeje, tome atitudes racionais, tenha paciência, não siga modinhas e conte um pouco com a sorte que mais cedo ou mais tarde acaba aparecendo. Fazendo isso as chances de ter sucesso na vida são muito grandes, sua vida será ao menos previsível. Por outro lado o contrário, uma vida sem planejamento, com gastos a toda e qualquer modinha, contando sempre com a sorte com certeza rumará ao fracasso e depois só restarão reclamações, sua vida também será previsível, mas de uma maneira não muito agradável. Fazer a lição de casa não é garantia de passar de ano, mas não fazer é garantia de repetência.

Gostei muito de ter conhecido um pouco da vida pessoal desse casal, são pessoas com as quais Bia e eu nos identificamos muito. É uma pena termos demorado tanto tempo pra ter uma conversa além da balada. A história da Samara é dessas que adoro ouvir nos detalhes, impossível não aprender e se estimular com cases de sucesso. Interessante também fora as circunstâncias nas quais conhecemos essas pessoas, isso serve para corroborar o que digo: conviva com pessoas de bom nível socioeconômico, more num lugar bacana, frequente ambientes bons, estimule-se com papos inteligentes. Fuja de pessoas que não te agregarão nada, de papos idiotas e sem sentido, de pessoas negativas e fracassadas, de ambientes que não te agradem e de todas as coisas que possam te nivelar por baixo. Fazendo isso, com certeza as chances de uma vida bem sucedida, não só no sentido financeiro, serão bem maiores.

31 comentários:

  1. Muito legal a história e em certo ponto me lembra a minha história. Meu pai foi parecido com o Paulo. Economizou muito, trabalhou a vida toda na mesma empresa, teve um fusca, um opala, um monza, teve mais uns 3 e hoje tem um carro da renault.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antigamente era muito comum o cara trabalhar a vida inteira numa mesma empresa, não vejo isso como algo positivo, por melhor que seja um emprego é sempre legal conhecer novos ambientes e pessoas...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  2. Eu sempre bato nessa mesma tecla: faça a sua parte, se não ta dando certo, não é deixando de fazer a sua parte que vai dar. Tem coisas que não são possíveis de manter no nosso controle, alguns chamam de sorte ou azar, no exemplo dado foi o confisco da poupança, não tinha como saber que isso ia acontecer, fugiu ao controle. Mas já que foi confiscada o que fazer? levantar a cabeça, traçar um plano e seguir a vida fazendo a lição de casa, quem sabe mais para frente o acaso não lhe apresente uma surpresa boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sovina!

      Isso mesmo, foi essa a lição que tirei da história. Fazendo o dever de casa vc pode não ter um resultado fantástico mas as chances de quebrar a cara tb são pequenas. Muita coisa foge do nosso controle, logo é besteira se preocupar com elas. O Paulo deu sorte de ter comprado a casa 1 semana antes do confisco da pp, o azar de não ter dinheiro pra festa foi o de menos...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Bacana a história, mas acredito que os trunfos da Samara foram seu pai e esposo: a) sorte dela por receber gratuitamente e sem esforço próprios um carro de um pai que foi diligente na vida. Nada contra, mas isso é sorte dela e nem todos possuem tal sorte. Sem meritocracia, apenas fruto de herança; b) sorte dela por namorar com comerciante que dispunha de capital e coragem ao comprar um caríssimo imóvel nos tempos atuais. Acabou, a princípio, por dividir os bens com o seu esposo, o que me traz dúvidas se de fato ele possui um intelecto superior e completo.

    Os méritos mais visíveis, portanto, são dos homens do planejamento em questão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, sim, acredito que é um mix de sorte e cabeça no lugar, ela me pareceu uma pessoa centrada. Teve sorte de ganhar um carro de seu pai sem meritocracia alguma, mas o mesmo aconteceu com o velho e ele soube usufruir do presente e crescer por conta própria cada vez mais. Tb acredito que a meritocracia deve estar presente sempre, mas nesse caso vejo mais como um incentivo que como um presente aleatório. Se fosse pra presentear mesmo o pai poderia ter dado um 0Km, além disso ela usou o carro velho por algum tempo até juntar dinheiro pra comprar o carro que tinha vontade.

      Não sei o arranjo que fizeram para comprar o apê, mas ainda acredito que existam relacionamentos corretos e justos do ponto de vista financeiro.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Interessante a história da meritocracia, mas sabemos pouco pra dizer que o pai não usou de meritocracia pra presentear a Samara..... Como o Corey disse, me parece mais um incentivo, e legitimo! Recentemente dei ao meu filho um XBOX 360 que ele me pedia a anos.... Devido o bom comportamento e atitudes pro-ativas no dia a dia, ajudando a mãe num periodo delicado, achei uma boa hora.. quem vê de fora pode achar que estou mimando o garoto....

      Excluir
    3. Bem colocado, não sabemos a realidade. Olhando de fora e pela impressão que tive, o carro foi um incentivo mesmo, não um mimo, mas como vc disse, quem vê de fora pode pensar que é mimo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Samara e Raul como pessoas de bom nível e informadas, certamente acessam blogs, inclusive os de finanças.

    Se Samara e Raul acessarem este blog, certamente irão reconhecer o episódio do encontro e da história contada. Como conseqüência, irão identificar o dono do blog, Sir Corey.

    Qual a sua opinião sobre isso Corey?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha opinião é que se isso acontecesse seria algo bem interessante, eu teria oportunidade de conversar fisicamente com pessoas com os mesmos interesses que os meus. Não tenho tanto medo de perder o anonimato, meu receio é perder o anonimato para pessoas erradas.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Existe uma frase que gosto de mencionar todas as vezes que o assunto é sorte e azar:
    "Sorte e azar são escolhas que fazemos dado a um evento que moldamos no passado".
    Basicamente é assim, você tem sorte ou azar hoje devido a suas escolhas no passado. Por exemplo, se você tem uma boa mulher, significa que você teve sorte, mas por conta da escolha que você fez de ficar com ela.

    Pessoas que procuram sempre melhorar, crescer e sempre buscar concluir cada objetivo da vida, com certeza terá muita sorte no caminho. Mas aqueles que não querem saber de nada e que não fazem nada para mudar, reclamam muito do azar na vida.

    Mandei um email para você essa semana Corey :D

    Uta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Estagiário!

      Frase perfeita! Engraçado como coincidentemente as pessoas mais bem sucedidas são as mais sortudas, não? E é engraçado como os fracassados são azarados...

      As vezes uma simples escolha pode representar muito no futuro, cada decisão que tomamos deve ser pensada bem pra impactar positivamente o futuro.

      Cara, vou te responder ainda hoje, aguarde...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. História simples mas cheia de significado. E há muitas outras histórias desse tipo por aí.
    Mas queria salientar o seguinte: A importância da participação de algumas pessoas em nossas vidas. Na história contada o casal provavelmente tinha um comportamento semelhante, provavelmente eles se ajudaram a conseguir os seus objetivos, isso não tem preço.
    Esse fato poderia ser contabilizado como sorte? Não sei. Mas no caso do Paulo, foram fundamentais o exemplo e a educação do pai e possivelmente da mãe e uma esposa que contribuísse com a continuidade dessa filosofia de vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, de uma história simples contada ao acaso podemos extrair muita coisa, basta querer! Sim, a participação de algumas pessoas podem trazer o sucesso ou destruir a vida de uma pessoa, acho que o Estagiário explicou bem o porque disso: escolhas. Devemos escolher as pessoas com as quais queremos caminhar juntos, elas serão fundamentais pra traçar nosso futuro. Vejo muita gente dando murro em ponta de faca, tentando e retentando relacionamentos infrutíferos somente por capricho ou paixão. Chega uma hora que a pessoa tem que agir racionalmente pensar em si próprio e decidir o que realmente vale a pena.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  7. Parabens Corey - excelente história !!!

    O interessante é notar que a receita do sucesso é sempre a mesma: investimento em educação, gastar menos do que ganha e investir o restante (no caso do pai da Samara, investimento em imóvel). Além disso, o pai dela deu um bom exemplo, evitando gastos supérfluos.

    É impressionante como as pessoas gastam o que tem e o que não tem para impressionar outras pessoas. Por isso mesmo, concordo muito com você sobre frequentar ambientes e ter amizades com bom nível sócio-cultural. Não inclui o sócio economico porque acho que a questão de grana é um pouco relativa - aprendo muito com pessoas muito humildes (financeiramente falando), muitas vezes elas tem uma história de vida exemplar e te oferecem exemplos de motivação e superação. De qualquer forma, o conceito é exatamente o mesmo: estar sempre próximo de pessoas que te puxam para cima e não o contrário.

    Um grande abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá EP!

      Bem colocado, acho sociocultural mais adequado que socioeconômico, daqui pra frente passarei a usar essa palavra, obrigado! Sabe o melhor tipo de gente pra se aprender? Aquela pessoa humilde que venceu, que usando as próprias forças e inteligência conseguiu crescer tanto financeiramente quanto intelectualmente. Acredito que a minha geração tem muita sorte por ter pessoas assim por perto, nos anos 60 e 70 houveram muitos self-made-man que saíram do nordeste ou do interior, vieram pra capital, trabalharam pra caramba e formaram pequenos impérios. É fácil encontrar pessoas assim e quase sempre são muito abertas ao diálogo.

      A cada case de sucesso que conheço me dou conta que a receita é realmente simples, não é difícil de seguir e sempre (em maior ou menor grau) dá certo!

      Abração e valeu pela dica!

      Corey

      Excluir
  8. Caramujo,

    Campo Belo, final dos ano 80, classe média-baixa... rsrsrs

    Tu não sabe de nada, Curió! Já naquela época CB era classe média-alta. Onde tu morava nos anos 80? Periferia? Vila das Mercês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, desculpe, não entendi nada, pode ser mais claro?

      Excluir
  9. Corey, vc é que nem eu que acha melhor sair de dia de semana? Detesto sair de sexta e sábado pq tudo é mais cheio, mais caro e mal frequentado. Assalariado não sai de semana pq tem que acordar cedo no dia seguinte, quem acaba saindo mais são empresários e patys que não trabalham, acho bem melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compartilho da sua experiência. Bia e eu só saímos de sexta e sábado quando o lugar que vamos só abre ou a festa só tem nesses dias, de resto saímos sempre entre domingo e quinta. Esse é um dos motivos que estão me fazendo voltar pra SP, aqui onde moramos atualmente é tudo morto durante a semana.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  10. Corey, queria ter um amigo que nem você

    ResponderExcluir
  11. Bela história, que infelizmente hoje em dia está ficando rara de se ver.
    Em alguns pontos lembra muito o meu pai e os valores que me passou, sem gastanças desnecessárias, meu pai tem o seu fusca até hoje, só foi comprar um carro zero com seus 40 anos.
    Hoje em dia as pessoas seguem modinhas, viagens caras que não agregam nada, troca de celular todo semestre. Claro que cada um faz o que bem entender com sua grana, mas é algo impressionante como queimam dinheiro a toa.

    Agora, gostei e concordo da parte: "....porque as festas de casamento são totalmente fora da realidade de uma pessoa racional."
    Hahaha exatamente!!! Mínimo de uns 30 mil para uma festa, para os outros ainda??
    Bom, eu não ligo muito pro casamento civil, e como católico quero casar-me em uma Igreja, mas minha namorada concorda comigo. Cerimônia bem simples, apenas familiares bem próximos. A grana da festa dá para fazer uma bela viagem, além de trazer artigos de fora para tentar revender aqui e lucrar em cima hahaha

    No mais, excelente blog, gosto muito das postagens aqui!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem difícil de ver histórias assim junto ao povão, mas se vc analisar isso não é tão incomum de acontecer com pessoas mais educadas. Tenho uma outra pra contar sobre um garoto de 17 anos que ganhou uma empresa do pai, pra resumir o cara com 20 anos quintuplicou o negócio. Então continuo acreditando na educação.

      Infelizmente não tive esse aprendizado com meu pai, ele sempre passou os pés pelas mãos no que diz respeito a dinheiro. O que sei tive que aprender na raça e ainda estou aprendendo, mas fui sortudo de cair a ficha a tempo.

      30k? Um amigo casou mês passado fez uma festinha mixuruca e gastou quase 50... Nem a pau gasto uma grana dessas! É melhor casar em Las Vegas por menos de 1000 dólares com direito ao Elvis cantando na cerimônia, rsrs!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Fazer um casamento de 30 ou 50k pra um casal que não é podre de rico já é o cúmulo do analfabetismo financeiro.

      Excluir
  12. Baita disciplina esta de um carro por década.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disciplina mesmo, gostaria de ser igual, mas não consigo...

      Excluir
  13. na sei onde vi mas falam que seu primeiro carro num pode passar de 10% do patrimonio e os proximos de 5% entaum para troca de carro so aumentando o patrimonio rsr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já penso diferente, na minha opinião nada justifica vc ter um carro acima de 30k se for usado ou 40k se for novo (aqui no Brasil, claro).

      Excluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.