quinta-feira, 1 de maio de 2014

Muito Obrigado Senna!

Mil novecentos e noventa e quatro, um garoto em sua primeira década de vida, envolto com a ânsia de conhecimento que de vez em quando invade uma criança, simplesmente decora dados sobre uma categoria esportiva: campeões, recordes, nomes importantes... Essa criança acorda nos domingos pela manhã com toda energia, torce para seu ídolo e enxerga ali todo o seu ideal de vida: ser um campeão seja lá no que for, ser bravo, vencer o adversário de forma ética e gloriosa. A televisão vinte polegadas na sala nada mais é que uma máquina que conecta seu coração com o coração do seu ídolo, do outro lado do mundo.

De maneira abrupta, no primeiro dia do mês de maio, esse ídolo se vai, o menino descobre que seu ideal de vida é feito de carne e osso, tanto quanto qualquer um ao seu lado. Pela primeira vez na vida esse garoto sente uma tristeza profunda, uma tristeza que inconscientemente mudaria muita coisa nos próximos vinte anos em sua vida. No dia seguinte, uma segunda feira, o tradicional ânimo escolar, a vontade de comentar do fim de semana simplesmente abandona as crianças, o clima é pesado, a tristeza é nítida, os professores cabisbaixos tentam, sem muito sucesso, animar aquelas crianças. Aquele fim de semana jamais seria esquecido, aquele clima tenso e triste, jamais abandonaria aquelas crianças.

Aquele cara que inesperadamente se foi não fazia ideia que, graças a ele, o garoto e seus colegas aprenderam lições da escola: na geografia descobriram que Adelaide não é a capital da Austrália, que Suzuka fica no Japão e que, por esses países estarem no outro lado do mundo, o fuso horário fazia com que fosse preciso acordar de madrugada para assistir a corrida. Mônaco é um território independente da França. Aprenderam ciência: a borracha aquecida dos pneus facilita o atrito com o solo, melhorando a estabilidade, aprenderam funciona um aerofólio: uma asa de avião invertida. Aprenderam matemática ao perceber que milésimos de segundo faziam diferença a cada volta. E também aprenderam que é preciso treinar, mas que muitas vezes se faz necessário apenas aprimorar talentos.

A partir daquele dia, o esporte perdeu toda a graça e durante o restante do ano, o garoto e seus colegas de escola guardam luto, muitos pela primeira vez na vida, da maneira que podiam: escrevem seus deveres escolares somente de caneta preta e no rodapé de cada atividade entregue ao professor é gravado com toda a sinceridade as palavras que jamais sairiam da cabeça: VALEU SENNA!

24 comentários:

  1. Eu lembro que fui dispensado da aula e fui ver o cortejo fúnebre do senna na ponte das bandeiras... Triste mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós não fomos dispensados, mas eu não iria vê-lo, com toda certeza! Detesto velórios, acho melhor a lembrança da pessoa viva.

      Excluir
  2. Realmente um exemplo de persistência e talento. Impressionante como o Senna é unanimidade no mundo inteiro.

    Eu também era criança na época e o acidente me tirou duas coisas importantes: o próprio Senna e aquele orgulho de ser brasileiro; e também o prazer que eu tinha de assistir as corridas com meu pai - ele vinha todo final de semana que tinha corrida e me acordava para assistirmos juntos. Eu não entendia muito na época, mas era um jeito de termos um tempo entre pai e filho. Infelizmente, isso acabou em 94.

    Uma frase do Senna que irei colocar lá no Blog também:

    "O que me faz seguir em frente é a paixão pela dedicação e trabalho duro - Senna"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, ele foi um esportista de verdade, não desviava o foco por nada no mundo, um exemplo pra todos nós. Concordo com vc, perdemos a grande figura que ele era e o orgulho de ser brasileiro, de ter algo no nosso país que nos dava alegria.

      Excluir
  3. O maior esportista brasileiro que eu vi em toda minha vida...

    Lembro como se fosse ontem, não ligava muito para Fórmula 1, via de vez em quando....mas sempre era gostoso ouvir o Galvão Bueno gritando AYYYYRRTONNN SEEENNA DO BRASIILLLLLL kkkkk junto com a música de fundo.....

    Saudades demais desse gambá... :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza o maior esportista e um dos brasileiros mais fodas de todos os tempos. Há dúvidas se ele foi o melhor piloto (embora fã, não sou desses doentes que defendem o ídolo a qq custo), mas definitivamente foi o maior esportista. Eu adorava F1, acompanhava de verdade, sabia dados e discutia com qq adulto... até 1/5/94...

      Excluir
  4. Fomos dispensados da aula na segunda-feira, luto na escola.

    Grande Senna... eternizado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fomos dispensados, ainda bem que não, o contato com os colegas foi bom pra todos.

      Excluir
  5. Pode-se falar o que quiser dele (rude, grosso, introvertido) mas realmente nunca vi um cara fazer tanto sucesso e ser tão ídolo como ele no país. Talvez, no esporte, junto com Pelé, um dos maiores ídolos da história do país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pobreta, embora deteste futebol eu tinha certa simpatia com o Pelé até as barbaridades que ele andou vomitando nos últimos tempos.

      Excluir
  6. O Senna, SOZINHO, SUPEROU TODO o futebol.
    Lenda absoluta.
    Melhor do mundo.
    Senna, meu chapa, nunca te esqueceremos.
    Vc gravou o seu nome junto a eternidade de forma colossal, como O MELHOR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos anos 80 tínhamos Senna e Piquet, um pouco antes tínhamos Fittipaldi, então a força da F1 no Brasil era muito grande. Tá pra nascer um cara que chegue ao menos no joelho do Senna/Piquet/Emerson.

      Excluir
  7. Me identifiquei bastante com teu post, também tinha esssa idade e acordava domingo cedo somente para assistir o Senna. Ele foi um exemplo de garra, coragem (acho que nenhum piloto era mais maluco que ele) e talento, acredito que significou muito para as últimas 2 gerações. Difícil vir a minha mente alguém que encarne tão bem o significado de vencedor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida o maior vencedor de todos os tempos. O cara vestia o carro, eram uma coisa só, se superava a cada corrida. Incrível!

      Excluir
  8. Um exemplo!

    Cresci vendo ele vencer! Grande homem!

    Abraços Corey!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos de uma geração privilegiada por ver esse cara correr!

      Excluir
  9. amigo meu blog não está atualizando as postagens, então criei um novo blog, se puder me add ao teu blogrol agradeço, vou te add ao meu blogrol como já estava antes, att omicroinvestidor.
    http://omicroinvestidor2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Não esqueçamos também de Roland Ratzenberger, que morreu pouco antes de Senna na mesma corrida, a vítima da qual muitos não lembram.

    ResponderExcluir
  11. É verdade, aquele fds foi macabro, ainda teve o grave acidente do Rubinho...

    ResponderExcluir
  12. Que bom, mais um amante do glorioso esporte.

    Mas sou Schumacherista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto muito do Schumi, chorei qd soube do acidente. Não sei quem foi melhor entre Senna e ele, mas o que me deixa chateado é ele não ter tido ninguém a altura pra encara-lo. Os anos do Schumi foram muito sem graça, todos sabiam quem ia ganhar, não tinha treta tipo Senna-Prost, Mansell-Piquet...

      Excluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.