quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Descomplicando - Apego Familiar

Leia a primeira postagem da série Descomplicando aqui.

Uma das maiores prisões que complicam a vida de uma pessoa é o apego, seja ele sentimental, material, territorial, etc. É impossível ser totalmente desapegado a tudo e todos, mas tem gente que exagera, ou melhor, a maioria das pessoas não se dão conta de quanto exagerado é o apego que sentem por coisas e pessoas. Para organizar melhor meu ponto de vista, vou dividir esse post em algumas sessões, na primeira vou falar sobre apego familiar.

O apego familiar é algo nato, desde crianças somos apegados a pessoas de nossa família, aprendemos a amar nossos familiares acima de tudo e de todos. Você pode discordar de mim, me chamar de ingrato e mi mi mi, mas vejo um apego exagerado pela figura materna. As pessoas colocam suas mães no lugar mais alto do altar, como se fossem santas, pessoas puras e exemplos de dignidade, humildade, dedicação e amor. Não que isso não seja verdade em alguns casos, mas se você for destrinchar a vida da sua mãe, verá que é mais podre do que você imagina. É natural, mães são seres humanos, logo erram, cometem besteiras, etc. O apego por pais e irmãos é menos intenso, mas também existe. Pragmaticamente falando ninguém tem obrigação de amar pai e mãe simplesmente por serem seus progenitores, acredito que amor deve ser uma coisa livre e recíproca, o que muitas vezes não ocorre dentro do ambiente familiar. Não me dou muito bem com meus pais, mas temos uma relação de respeito, o que é algo muito importante.

Percebo que esse apego familiar é algo bem brasileiro, em outros países que conheço a coisa é bem diferente. Americanos não possuem o mesmo afeto e até cuidado com os filhos, afinal não receberam isso de seus pais que provavelmente trabalharam muito e os educaram a sair de casa e se virar aos 17 anos quando vão para a faculdade. O brasileiro mora com os pais até casar, o que facilmente acontece após os 30. A grande maioria dos meus amigos ainda mora com os pais e eu jamais me imaginaria morando com os meus, me arrependo por não ter saído de casa aos 18. Não recrimino quem mora com os pais mesmo com 30 anos nas costas, financeiramente falando é uma ótima decisão, sem contar a comodidade, mas essas pessoas abrem mão de uma parcela considerável de amadurecimento.

Acorde pra realidade que seus pais não são as pessoas mais corretas do mundo, faça isso cedo, quanto mais cedo melhor. Fui acordar e ver que meu pai tem uma boa parcela de filha-da-putisse muito tarde e a decepção foi grande. Se você consegue se desapegar da sua família, um novo horizonte de possibilidades se abrem: morar sozinho (ou com algum amigo/a), sair e viajar sem dar satisfações pra ninguém, arrumar um emprego no Acre... Você pode estabelecer suas próprias regras de vida, arriscará mais e automaticamente terá mais coisas (e quebrará a cara mais também). Quando seus pais te tiveram , deveriam ter a consciência que filho é pro mundo, qualquer pensamento além disso é egoísmo, então se eles sofrerem por sua ausência a opção foi deles na hora que decidiram engravidar. Isso não quer dizer abandono, nada disso, mas seus pais simplesmente não tem o direito de impedir que você viva sua vida do jeito que você quer, independente da chantagem moral que possam fazer, você é livre!


Conheço pessoas que deixam de levar suas vidas da maneira que querem devido aos pais. Amigo, entenda uma coisa, aquele velho e batido discurso de mãe que “larguei minha vida por você”, “me dediquei inteiramente por você” não é nada mais que a obrigação dela! Não há altruísmo nenhum nisso, é simplesmente o mínimo de obrigação que os pais devem ter quando decidem engravidar. Eles tinham a OPÇÃO de ter ou não filhos, decidiram ter, então possuem a OBRIGAÇÃO de cria-los. Você NÃO teve OPÇÃO de nascer, portanto, você também NÃO tem a OBRIGAÇÃO de satisfazer os caprichos de seus pais. A partir da hora que sua ficha cair, você terá uma vida muito menos complicada.

36 comentários:

  1. clap clap clap

    to virando seu fã, brah

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc.o amor tem q ser espontaneo e nao por obrigacao.tb ficava revoltado qdo minha mae me jogava na cara o q tinha feito por mim,mesmo sem eu pedir ou ter nocao do q era.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, a minha mãe tb sempre fez isso, ela faz parte daquele grupo de pessoas que tem filhos por ter, sem pensar no porquê e isso me fez sofrer bastante durante a infância.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Belo texto. Estou começando agora com o blog e nunca imaginei que encontraria esse tipo de conteúdo por aqui o/. Um dos piores dias de minha vida foi quando descobri que meu pai não era essas coca-cola toda. A credibilidade de uma vida desmanchada em um dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo!

      Comigo aconteceu algo semelhante, descobri que meu pai é uma pessoa egoísta e hipócrita, não foi bem de repente, mas mesmo assim me fez (e faz) muito mal.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Olá amigo Corey!

    Aqui na China eh um pouco diferente, apego familiar eh muito grande!!
    Como abriram as portas por volta do ano 2000 a cultura ainda eh muito local e os mais velhos são realmente respeitados. As meninas se dedicam muito no namoro pois foram rigidamente instruídas pela geração anterior que a família eh o principal foco, não eh raro encontrar chineses que só farão sexo após o casamento. Os pais tem uma atenção ímpar pelo filho, não sei se eh devido a política do filho único ou se eh a cultura mesmo. Em especial as meninas, que são tratadas como crianças pelos pais e pelos homens em geral. Devido a ter um maior proporção de homens no país eles tem que ser um super homem caso queiram arrumar uma esposa, namoro, ou sexo casual. Os homens trabalham duramente pela família e entre os antigos eh raro casos de divorcio, adultério etc. Penso que talvez seja proximo de um Brasil de 1940-60.

    E no final as meninas acabam nunca fazendo nada por conta própria sempre ha homens para ajudar. Minha namorada disse que na época de colegial (ha 2 anos) logo que entrava em ónibus, pessoas se levantavam para ela sentar, carregavam a mala dela etc etc. O que colabora para a mulher chinesa atrasar o amadurecimento (mais de 20 anos) ainda se comporte como uma brasileira de uns 14-15 anos. O homem chines faz de tudo pela mulher, desde abrir portas ate lavar roupas e pés da esposa. Isso na região que estou, onde eh difícil encontrar pessoas mais liberais.

    Um abraco, GN.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Graduando!

      Muito legal vc contar como é na China, tenho uma certa ideia de como é no Japão por ter muitos amigos descendentes de japoneses, mas pelo jeito na China esse negócio da super proteção feminina é bem pior.

      Nos EUA ocorre totalmente o oposto, os pais chegam a ser, so meu ver, relaxados com as crianças, mas isso acaba colaborando para o amadurecimento.

      Abração!

      Corey

      Excluir
    2. Na china existem além da cultura leis que propiciam a maior responsabilidade dos filhos para com seus pais, lembro que li uma vez que ai existe uma lei em que os filhos devem sustentar seus pais.
      Abraços

      Excluir
    3. Ainda bem que não moro na China, não vejo sentido algum nisso simplesmente pq o filho não pediu pra nascer então não deve arcar com um fardo imposto a ele. Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Morar sozinho deve ser muito bom para amadurecer. Estou no limite quase saindo de casa. Só vou esperar formar este ano, juntar um dindin ano q vem e sair de casa em 2016. Tá certo q já trabalho desde 2011 e daria para eu morar sozinho antes, mas juntar dinheiuro realmente virou uma prioridade. Meu objetivo é alugar um apartamento bem perto do trbaalho e dividir com algum estudante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá FRF!

      Tb não adianta sair de casa no susto, quebrar a cara, perder rios de dinheiro e ter que voltar depois. Deve ser algo bem planejado, abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Exatamente! Sair por sair pode aumentar as chances de dar errado. Planeje e no momento certo, saia.

      Abraço!

      SdP

      Excluir
  6. Excelente postagem Corey,

    Tenho problemas com desapego familiar, e isso está causando sérios transtornos.
    O maior problema de não poder sair de casa no momento é a falta de renda. Como estou focando em um mestrado logo após a graduação, até eu conseguir a bolsa vou necessitar morar com meus pais, feliz ou infelizmente.
    Porém se tudo der certo vou conseguir me desapegar na marra ainda este ano, mas ainda não é certo.

    Pessoas que já cresceram com essa mentalidade e não com pais super protetores realmente é muito mais fácil ocorrer o desapego, o problema é quando seus pais tem o segundo perfil e ainda por cima é filho único.

    Uta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Estagiário!

      Vc pode ter problemas com isso mas pelo jeito já caiu a ficha disso, o que é um grande passo. Conheço gente de 40 anos que é totalmente apegado aos pais do tipo que telefona 2x ao dia e não se dá conta que isso não é saudável.

      Abração!

      Corey

      Excluir
  7. Tenho apego a minha família e não vejo problema algum com isso.
    Já morei há mais de 1000 quilômetros de distância.
    Hoje, vivo a 300 km. Mas porque quero, não por sentimento de obrigação.
    Eu gosto da minha família. Tenho amigos, mas não troco nunca por meus familiares.
    Na minha opinião, a amizade é limitada. Entre familiares há algo que vc nunca terá em uma amizade: o comprometimento.
    Um exemplo: se uma pessoa ficar aleijada e necessitar de cuidados diários, vc vê um amigo te ajudando?
    Difícil né?
    Eu tenho amigos e não vejo isso acontecendo. Agora, na família, no sentido amplo - não só pai e mãe, eu consigo ver.
    Mas respeito a sua opinião e de qualquer um.
    Eu, particularmente, quero o bem de todos. Desejo o melhor para todo mundo. Prefiro que todos estejam melhores do que eu.
    Isso eu aprendi com o meu pai, que também adota essa política. Na minha casa, e na casa dela, não tem lugar para fofoca, inveja, egoísmo, enfim, essas merdas de ficar querendo o do outro, diminuindo conquistas dos outros etc.
    Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo:

      Pelo jeito seu apego familiar é algo saudável, não patológico como vemos em algumas pessoas, o simples fato de vc morar longe já demonstra isso. Quanto ao que vc falou sobre comprometimento, é algo muito relativo, nem todas as famílias são assim e pelo que entendi a sua é bem comprometida o que é algo muito especial. Seu pai te ensinou coisas boas, mas isso nem sempre acontece.

      grande abraço!

      Corey

      Excluir
  8. Olá Corey,
    Fui agraciado com pais que sempre me deram bons exemplos e que me ajudaram a trilhar um bom caminho.
    Concordo contigo, os pais precisam dar educação e condições de vida aos seus filhos sem pedir nada em troca.
    Acredito que se eles derem o exemplo, o filho naturalmente irá retribui com amor ou outro tipo de ajuda quando for necessário. Mas sem pressão e chantagens baratas.
    Pais que não agregam nada na vida de um filho, não merecem o seu respeito.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola´BBB!

      Vc captou bem o que pretendi dizer com o texto. Meus pais me deram bons exemplos, mas tb me deram vários errados, pena que só fui perceber isso depois de velho... Não vejo sentido em idolatrar pessoas.

      Abração!

      Corey

      Excluir
  9. Grande Corey,

    Sinceramente nunca parei para pesar a respeito do apego familiar, esse tipo de apego "presencial" eu acredito não possuir. Com essa possibilidade de me mudar para outro país temporariamente consegui perceber isso de forma mais clara, no meu caso, o meu pai emocionalmente não demonstrou nada, ele é bem racional e só falou que tenho que ir mesmo e aproveitar a oportunidade, minha mãe ao contrário, fica falando que vai sentir saudades etc, mas ainda assim apoia minha ida, mas especialmente para alguns países ela diz que não gostaria que eu fosse, já meus irmãos estão "se lixando", só querem saber pra onde eu vou para que no futuro possam me visitar. Hahaha.... Eu eu estou bem tranquilo quanto a família, meu apego maior é com o namoro, mas talvez eu deva entrar em detalhes quando você chegar nesse tópico.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mire!

      Entendo o sentimento dos pais perante a chance de ter um filho indo morar longe, mas eles deveriam se preparar pra isso, ou então, deveriam ter optado por não ter filhos. Meus pais não sabem dos meus planos de sair do Brasil, só contaremos aos 45 do segundo tempo, qd as malas já estiverem arrumadas justamente pra evitar mais problemas.

      Sobre namoro, vou falar sobre isso futuramente, esse é meu ponto fraco...

      Abração!

      Corey

      Excluir
  10. Grande corey!

    Acredito que essa questão do apego familiar não é tipicamente brasileira, italianos por exemplo, são acredito eu, até mais apegados à família do que nós brasileiros. Concordo com você quando diz que há certos exageros nesta relação em alguns casos.

    Só para citar um exemplo, quando passei no concurso público, tive que mudar de estado e acredite, tive resistência de alguns parentes ao determinar que isso era o que queria para mim, só que com o tempo foram entendendo e tudo foi melhorando, mas foi uma situação desagradável por um tempo. Viver fora do meu estado e sozinho foi uma experiência incrível e me arrependeria muito se não tivesse vivido isso.

    Aquele que está receptivo à mudanças tem muito mais chances de vencer e ser feliz, isso é fato!

    Grande abraço e apesar de postar pouco, acompanho o seu blog e sou fã dele!

    SdP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Pinda!

      Não sei em relação aos italianos, mas os espanhóis são apegados mas não demonstram como os brasileiros, das culturas que conheço a mais desapegada é a americana. Imagine se vc tivesse ido pela cabeça dos seus parentes e não ter aceito o cargo? Teria perdido muito, né?

      Abração!

      Corey

      Excluir
  11. Parabéns Corey. Esse texto é um soco na cara do politicamente correto. Esse é um pensamento que muita gente tem, inclusive eu, mas não tem coragem de expressar.
    Já tenho 34 anos e nao tenho nenhuma vontade de ter filhos mas se tiver sei que eu terei toda a obrigação com ele mas ele não terá comigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo!

      Adoro dar socos no politicamente correto, tenho nojo de pensamento pronto-padrão. Acho que nós, que não queremos filhos, possuímos maior discernimento sobre isso e vemos a realidade de forma mais verdadeira.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Putz.
      Rapaziada parece que não amadureceu ainda.
      Não acho que a CULTURA familiar seja pensamento pronto-padrão. É uma cultura, e como tal, foi construída durante centenas de anos.
      Acho que a maioria que pensa assim corre o risco de mudar de opinião a partir do momento em que um infortunio bater a porta.
      E acreditem: cedo ou tarde todos vamos precisar de alguém.
      Se vocês estudarem sociologia, entenderam que o homem é um ser gregário por natureza. Não é uma simples questão de politicamente correto.

      Alias, vocês que gostam de economia, deveriam estudar o caso da Italia, cujos habitantes conseguiram sobreviver a varias crises economicas com grande participação da familia como elemento de estabilização economico-social.

      Abraços,
      pepe

      Excluir
    3. Olá pepe!

      O que quisemos dizer é que existe um pensamento politicamente correto que não deixar fazer críticas a instituição familiar, que coloca os pais como entidades sagradas, o que nem sempre é verdade.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  12. Olha..minha opinião.
    Entendo o seu texto e respeito o ponto de vista.
    Mas reparem:
    Todo ser humano tem qualidades e defeitos. Em razão disso, nenhuma relação entre dois seres humanos será perfeita. Toda relação deve ser construída em uma via de mão dupla. Todos têm de ceder em algum ponto.
    Claro que o "apego", exagerado como descrito, é danoso para a pessoa.
    Mas o "desapego", na minha opinião, é igualmente prejudicial.
    Achei a opinião do anônimo das 10:59 a mais sensata.
    A não ser que o indivíduo seja inteiramente autossuficiente, o que eu não acredito, ele sempre vai precisar de alguém, em algum momento da vida.
    E aqui reside a questão: é melhor contar com quem? Com algum desconhecido a quem será pago um salário ou com alguma pessoa que você conhece a vida toda?
    Nenhum pai e mãe é perfeito.
    A relação entre adultos deve ser cultivada com os sacrifícios necessários, o que inclui o principio do perdão.
    No final, podem ter certeza que não há no mundo sensação melhor do que a certeza de que você pode contar com alguém acaso você se encontre em apuros.
    Pode ter certeza que, se a relação for reciproca (se seus pais puderem confiar em você), eles vão estar lá para te ajudar.
    Um abraço,
    Pepe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pepe:

      Acho que o caminho do meio é sempre o melhor, nem apego total nem desapego radical. Eu, por exemplo, tenho uma convivência respeitosa com meus pais, não desapeguei a ponto de abandona-los ou deixar de falar com eles, frequentemente nos encontramos, conversamos por telefone, etc. Por outro lado tb não recrimino quem simplesmente ignora os pais, cada um tem suas razões.

      "E aqui reside a questão: é melhor contar com quem? Com algum desconhecido a quem será pago um salário ou com alguma pessoa que você conhece a vida toda?" - sinceridade? Depende da situação, claro que o carinho de uma pessoa amada (não necessariamente um familiar) é importante, mas muitas vezes contar com o atendimento profissional, de alguém capacitado será muito melhor que alguém munido apenas de boas intenções (ou obrigação).

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  13. Corey!
    Parabéns pelo seu blog. Já acompanho a algum tempo.
    Também adoro a maneira como você encara as coisas. Temos bastante coisas em comuns.

    Queria te perguntar. Você estuda/segue/se inspira em ideologias budistas? Pergunto isto porque já li algumas referencias suas que me fizeram acreditar em tal.

    Ass. Grandao Fudido de Merda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá fudido!

      Nunca li nada sobre budismo, mas o pouco que sei me identifico sim.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  14. Belo topico!

    Me corrija se tiver errado, mas o seu texto foi em relação a como os brasileiros em geral "deusificam" seus pais, os venerando e/ou sendo extremamente dependentes deles, mesmo quando a relação não é boa.

    Eu concordo com isso, mas como o pessoal falou, tem muita relação boa entre pais e filhos.

    Outra questão que vc colocou foi em relação ao amadurecimento ao se desapegar, emocional e financeiramente, dos pais o mais cedo possível. Nisso eu discordo em partes. Concordo que a pessoa vai amadurecer, mas a custas de que? E porque devemos "amadurecer" tão cedo assim? Digo isso, porque eu vejo muitos jovens querendo bancar uma de independente saindo de casa sem preparo, quebrando a cara e depois voltando pra casa dos pais.

    Pra mim, a situação de ficar mais tempo na casa dos pais ou sair pra morar sozinha, seria o mesmo que vc querer aprender algo com estudo ou aprender na prática. Vc pouparia muito se estudar antes. Da mesma forma que vc pouparia muito ficando um pouco mais de tempo com os pais.

    Mas enfim, minha opinião geral do texto é: diversifique. Da mesma forma que devemos diversificar nos nossos investimentos financeiros, devemos diversificar nos investimentos emocionais/relacionamentos. Como diz os meus pais: "uma hora ou outro o pais e a mãe não vai mais estar por aqui, então vcs precisando aprender a si virar". Logo, diversificar os relacionamentos nos "protege" dessas perdas imprevistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo!

      Isso mesmo, o texto foi em relação a "deusificação" dos pais.

      Sobre sair de casa, eu acho que mesmo quebrando a cara, a experiência vale a pena. Me arrependo amargamente por não ter feito isso aos 18, talvez teria me dado mal, mas a experiência seria boa. Só não vejo isso como obrigação, cada um é cada um, tem pessoas que não querem passar por essa experiência, então tudo bem...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  15. Cliquei no google sobre apego familiar, pois queria entender porque amo tanto meus filhos e meus pais, o medo de perdê-los e o medo de deixá-los, e apareceu em primeiro lugar este texto de alguém que parece ser de alguém com valores deturpados...todos tem defeitos, colega e isto não é motivo pra você deixar de amar alguém...idolatrar não, mas amar e respeitar...minha vida não é complicada por isso...você foi infeliz por não se dar bem com seus pais ... e certamente procurará alguém para amar no mundo, é claro que poderá ser um solteirão e se satisfazer com outros propósitos, como amigos, viagens e trabalho, mas há pessoas e pessoas ... Eu nasci para amar e ser amado...sem isso minha vida é vazia...espero que você encontre um verdadeiro propósito para estar na Terra ... e não viver a vida sobrevivendo...ser independente não é tudo...tenha um filho e você saberá o que é o AMOR VERDADEIRO, e talvez entenda que andar por aí com seus próprios passos é algo normal...mas sem abandonar suas raízes...na verdade sinto pena de você por pensar como pensa...retrato de pessoa amargurada...Boa Sorte nesta vida...pois talvez não existam outras...mas se existirem outras a serem vividas... acredito que você deverá nascer inúmeras vezes pra entender que VIVER É AMAR...o resto é satisfação do próprio EGO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá anônimo!

      Bom, se vc precisa procurar no Google pra entender o porquê ama seus pais há algo muito errado... Em nenhum lugar eu disse que deixei de amar meus pais, mas isso pode sim acontecer, por que não?

      Sobre filhos, te faço uma única pergunta: se eu tiver um filho (não terei pq sou vasectomizado) e não gostar da experiência, onde posso fazer a devolução?

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  16. Sábias palavras! Odeio esse maldito apego familiar!!!

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.