terça-feira, 15 de outubro de 2013

Como estudo Inglês?

PEÇO DESCULPAS POR TER RETIRADO ESSE POST DO AR, ACONTECE QUE ERA APENAS RASCUNHO, FIZ ALGUMA TRAPALHADA E ACABEI PUBLICANDO ANTES DA HORA. O ARTIGO FOI REFEITO.

Uma das minhas promessas de ano novo era melhorar meu inglês. Até então meu conhecimento da língua era bem limitado, além das aulinhas toscas da escola, cursei o idioma numa escola de idioma tradicional durante algum tempo durante a adolescência. Escolas de idiomas, pelo menos na minha época, somente serviam para fazer o aluno ler e escrever em inglês, falar e compreender já eram outros quinhentos... Meus colegas que possuíam melhor domínio da língua eram aqueles que tiveram a oportunidade de fazer intercâmbio ou ao menos aulas particulares com nativos.

O tempo passou, jamais precisei usar o idioma e obviamente o pouco aprendido foi se perdendo, até que durante minha primeira viagem internacional me dei conta que falar inglês não é opcional, é necessidade, ao menos pra quem pretende viajar e conhecer novos lugares e culturas, o que é meu caso. Até o começo de 2013 eu era capaz de ler e entender um texto simples em inglês usando o dicionário muitas vezes. O curso da adolescência serviu para que eu entendesse a formação de frase (acho que chama-se análise sintática, me corrijam por favor), os tempos verbais e a estrutura do texto, porém o vocabulário diminuiu drasticamente desde então. Por outro lado eu não era capaz de entender nem 5% de um episódio de série sem usar legendas, ou seja, eu não era capaz de entender absolutamente nada. Falar, eu até falava, ou melhor, me fazia entender. Lembro-me que quando cheguei nos EUA pela primeira vez precisei pedir para o atendente do balcão do aluguel de carro para que escrevesse o que estava tentando me dizer. Foi constrangedor, mas ele foi bacana e até pediu desculpas por não ter nenhum latino lá no momento que pudesse falar comigo em "Portunhol".

Dessa viagem até o começo desse ano pouco me dediquei para melhorar o idioma, comprei um cursinho desses de banca de revista no Mercado Livre (semelhante a esse), fiz algumas lições, mas deixei de lado. Peguei minhas apostilas da adolescência, mas também acabei encostando. Eu não sentia prazer em estudar inglês e parece que aquilo tinha se perpetuado até a atualidade... Até que um dia fuçando na internet descobri o motivo: eu não via sentido em estudar gramática, eu precisava falar e principalmente entender inglês, e estudar gramática (embora importantíssimo) não me ajudava nesse objetivo. Descobri que existiam maneiras de estudar inglês sem me preocupar com gramática e então fui procurando a melhor forma de fazer isso. Tentei muitas coisas:

1- Curso de inglês on-line: a promessa de ter professores nativos, não ter compromisso com horários, não ter que pegar trânsito e estacionar aliado a preço bacana me levaram a tentar essa possibilidade. Após testes vi que não servia pra mim: as lições são chatas, cheias de gramática, existe uma grande dificuldade de saber em que nível começar, etc. Porém considero uma excelente alternativa, a Bia mesmo está se dando muito bem com a Englishtown

2- Curso de banca de jornal: decidi tentar fazer o curso de banca de jornal que havia comprado eliminando as lições de gramática e focando na conversação, porém não deu certo justamente por não ter com quem conversar e pelo curso não ser voltado a conversação.

3- Aulas no Youtube: o Youtube é repleto de aulas de inglês para os mais variados gostos, tem muita porcaria mas tem muita coisa boa também. Acabei ficando perdido no meio de tanta variedade e sem saber por onde começar, acabei desistindo. Com paciência acredito ser possível fazer um curso completo por esse canal, recomendo o Elswinner e Inglesonline, além de canais que não dão aulas, porém ajudam com dicas, como o da Julia. Recomendo também o excelente site English Experts, com dicas para todos os tipos de estudantes.

4- Leitura: eu queria entender inglês mas a falta de vocabulário me impedia, então decidi começar a ler textos de maneira a agregar vocabulário. Comecei com textos relacionados a um hobby. Eu lia e quando uma palavra desconhecida surgia, consultava no Google Translate, anotava numa planilha e continuava. No começo foi muito chato, parava muito, mas aos poucos foi fluindo. Deu muito certo, comecei a aprender palavras novas pelo contexto, continuo fazendo isso até hoje.

5- Podcasts: a internet tá forrada de podcasts para aprender inglês, a maioria gratuita ou mediante uma assinatura módica. A partir da hora que consegui melhorar o vocabulário, parti pra cima dos podcasts com intuito de melhorar o listening. Foi aí que meu aprendizado deu um salto fantástico! Os podcasts que mais uso são:

a) Eslpod: voltado ao ensino, é formado por lições sobre temas variados que são explicadas (em inglês bem falado e lento) detalhadamente. Vale a pena assinar para ter acesso ao learning guide (transcrição do texto, vocabulário extra, etc). Uso como aula mesmo, tentando entender todas as palavras e expressões e fazendo traduções.

b) VOA: o site é bem bagunçado e confuso, tem material novo diariamente, desde notícias até áudios sobre a história dos Estados Unidos. Gosto dos programas similares a rádios, com entrevistas e bate papo. Não tem o caráter de aula como o Eslpod, uso para treinar o ouvido já que o ritmo de fala é mais rápido que o Eslpod porém mais lento que o "native speech"

6- Séries: os seriados americanos são extremamente úteis pra aprender inglês, prefiro aquelas com episódios curtos (cerca de 20 minutos) e tom bem humorado. Um das mais recomendadas é Friends. Comecei assistindo uma vez com legenda em inglês e outra com legenda em português, agora assisto a primeira vez sem legendas e depois com legendas em inglês. Não faço interrupções nem traduções, procuro entender pelo contexto. Uma vez que você se acostuma com os personagens e suas vozes e com o vocabulário próprio do estilo da série, tudo fica mais fácil.

Atualmente consigo entender uns 70 a 80% de uma série sem legendas, comecei a ler meu primeiro livro em inglês e estou conseguindo entender nessa mesma porcentagem (fazendo somente traduções relevantes). Tive a oportunidade de conversar com nativos da língua e consegui manter um diálogo aceitável. Meu speaking continua bem ruim, mas só vou me preocupar com isso mais pra frente, uma coisa de cada vez...

Evito traduzir palavras, faço somente quando estudo o learning guide do Eslpod ou quando a tradução é extremamente relevante para o entendimento do contexto. Quero pensar em inglês, ouvir uma frase e entende-la em inglês sem querer traduzir mentalmente para português. No começo é difícil mas depois, conforme se adquire vocabulário, fica bem mais fácil. Quer um exemplo? Se você tem um mínimo de conhecimento em inglês, ao ouvir a frase "the book is on the table", a imagem que virá na sua cabeça provavelmente é a seguinte:


O objetivo é ver o "livro em cima da mesa" em qualquer frase em inglês. É igual dirigir: no começo ter que tirar o pé da embreagem, acelerar e virar ao volante ao mesmo tempo demanda uma concentração surreal, depois tudo é feito no automático.

Gostei tanto de estudar inglês que comecei com francês, mas desisti. Quero fluência no inglês, depois farei outras línguas "acessórias". Saber inglês abre uma gama de oportunidades muito interessantes como a possibilidade de mudar para outro país, mais confiança em viagens, melhor aproveitamento de conteúdo cultural, etc. O teste de fogo será em breve, Bia e eu faremos um tour pelos EUA visitando locais de interesse turístico local, ou seja, sem o monte de latinos da Flórida o que facilita em muito a vida do turista que arranham espanhol. Falando em EUA, uma coisa que é preciso estabelecer ao querer melhorar a fala e entendimento em inglês é qual "tipo" de inglês você quer aprender: americano ou britânico. Particularmente acho o britânico muito mais fácil de ser entendido, melhor pronunciado e tem o ritmo de fala mais lento, porém, tenho mais interesse em conhecer os EUA que o UK, além da maioria do material encontrado na net ser americano, então meu foco é o inglês da américa.

Basicamente é isso, gostaria que vocês compartilhassem suas técnicas de estudo de inglês.

24 comentários:

  1. Preciso melhorar o meu também.

    O post foi útil pra dar uma ideia geral mas pecou por não falar a fonte das coisas. Mas tudo bem, a gente resolve isso aqui no comentário....

    Por exemplo, vc disse que a Bia anda se dando bem com um online. Qual ela está fazendo que ela recomenda? Você comentou também de podcasts. Qual você acha mais indicado, que você está gostando? Tem muitos, e a maioria fala muito rápido, então saber qual você está se dando bem seria bom...

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá anônimo!

      Fiz confusão e publiquei o rascunho, refiz o post com alguns links, qualquer coisa pergunte, ok?

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  2. Algo contra um professor particular?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada, pelo contrário, todos que conheço que fazem aula com professor particular dizer ser muito bom. Vou procurar um quando for treinar o speaking.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Julgam que meu inglês é bom, mas eu não fiz muito curso formal não.
    Por isso acho que o método de assistir a séries e filmes muito eficaz. Funcionou comigo.
    Mas não aconselho abandonar totalmente a teoria, porque só com ela você vai poder associar para várias ocasiões o que os personagens dizem em certo contexto.
    Inglês é essencial mesmo, não só pra quem quer ir pros EUA ou UK. Se você vai pra outros países da UE, exceto França, todos falam a língua dos "malditos yankes".
    Abraços,
    Pepê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pepê!

      Tenho um amigo que nunca fez qualquer tipo de curso e tem inglês razoável. Acho que depende da pessoa, umas tem mais facilidade, outras não. Bem que eu queria ser assim...

      Pois é, vejo tanta gente investindo em cursinhos inúteis enquanto poderiam gastar tempo e dinheiro aprendendo inglês que é fundamental em tudo. Ah! Eu diria "abençoados yankes"!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Cara, que saga pra aprender ingles kkkkkkk! Não pensou em fazer o mais básico, que seriam aulas em escolas de idioma como Wizard etc? Por quê?
    Agora, da pra entender como vc é um self-made man, com o perdão do trocadilho em inglês kkkkkkkkkkk!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dr!

      Então, os cursos focam muito em gramática, possuem horários engessados e custam caro. Além disso não curto muito salas de aula, acho chato demais!

      Tem razão, sou self-made-man até nisso, rsrs!

      Grande abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Meu inglês é fluente para ler, passo noites e dias lendo em inglês então entendo tudo, também assisto só séries em inglês com no máximo legendas em inglês, algumas séries eu só assisto sem nada de legendas ou dublado. Pra escrever eu escrevo legal e pra ouvir, entendo praticamente tudo o que me falam a questão é que não lido com nativos ingleses.

    Meu inglês pode ser considerado fluente, fiz curso formal com mto custo. Só se aprende visitando filmes, músicas e sites inglês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Pobreta!

      Legal vc compartilhar sua experiência, meu inglês ainda não chegou nesse nível, vou melhorar cada aspecto de uma vez.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. tenta o englishcafe.com é um ótimo podcast e canal do youtube veja jenniferesl e
    mister duncan in England.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eduardo!

      Dei uma olhada nesse englishcafe, está fora do ar, o site direciona para outro voltado a negócios.

      Valeu!

      Corey

      Excluir
  7. Olá meu caro! Morei um ano fora em intercâmbio e te conto que ajuda muito este período lá fora. O que eu mais adorava era tirar notas de inglês escrito melhor que meus colegas em classe rsrs!

    O que eu faço pra aprende ou desengessar o idioma? Compro um livro em inglês e o leio. Se quiser tem Dan Brown, Tom Clancy Mike Crichton. Até hoje tem um monte de expressão que eu não sei, os livros ajudam muito, muito mesmo.

    Jà fiz aulas no último nível da universidade e acho que os livros ensinam mais. Outra dica: Toefl - o inglês de admissão para as universidades americanas. Ali terá tudo o que precisa para se virar.

    Abraço Self-made man!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pastor!

      Valeu por compartilhar sua experiência. Pretendo fazer um intercâmbio mais pra frente, qd der pra conciliar com férias da Bia, nem que seja 1 mês.

      Acho impossível saber todas as expressões, tenho grande dificuldade com isso, preciso ouvir ou ler várias vezes pra entender e mesmo assim tem várias que simplesmente não entendo...

      Valeu!

      Corey

      Excluir
  8. Fala Corey! Poxa, devo dizer que meu inglês é mais ou menos. Não sou bom em conjugar verbos ou até mesmo na hora de falar devo engasgar um pouco.

    Mas a unica coisa que fiz pra aprender inglês foi jogar video-game, assistir filmes legendados e ler hqs americanas.

    Na escola mesmo, era aquele inglês tosco, tanto que eu levava hqs em inglês (que eu comprava num sebo) para ler durante a aula. É só criar o habito de prestar atenção que aos poucos vamos acostumando. Não tenho interesse em falar fluentemente (apenas ler e entender pra mim tá bom por enquanto).

    Tanto é que to partindo pro Japonês agora... e no mesmo estilo: games, hqs e animes.

    O importante é ter a vontade de aprender e achar a maneira que mais se adequa a pessoa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fábio!

      Admiro pessoas que tem essa facilidade em aprender outra língua, infelizmente não sou assim, então tenho que me virar...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  9. e ai cara? como fluente em ingles e em muitas outras coisas por conta propria (depois entrei no nivel avançado numa escola, estudei uns poucos meses e tirei o certificado), te sugiro que compre um dicionário como o Webster ou baixe o Merrian-Webster no android.

    Eu não lembro de todas as expressões e em livros antigos como Adventures of Sherlock Holmes, que estou lendo, há inumeras expressões inglesas e arcaicas, que não se usa hoje. Então de janela em janela, quando aparece uma dessas expressões, abro o Webster e confiro do que se trata.

    O google translator também é util para algumas coisas e você devia considerar o live mocha para aprender alguma coisa.

    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Victor!

      Valeu pelas dicas, não conhecia o webster, dei uma olhada e gostei.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  10. Tem uma outra opção que vc não citou que achei bastante bacana particularmente.Apps de cursos de idiomas para smartphones.
    Achei vantajoso pq pode ser levado aonde quiser e sempre surge aquele momento em que vc fica esperando (fila, consulta, mercado, mulher se vestir haha)
    Daí sai algo produtivo de um momento ocioso.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela dica Felipe! É verdade, esqueci de mencionar, a Bia usa um desses, só não sei qual...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  11. Gosto do busuuu.e do live mocha.

    Assistir a filmes e seriados em ingles também é uma boa. Aliás, se alguem gosta de seriado, de uma conferida em http://thebigbangtheorychannel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Corey, muito legal suas dicas. Vou segui-las.
    Como você superou o trauma ou o pânico de um gringo em sua frente falando com você e vc não entendendo completamente o que ele esta falando? Tem algum "truque" pra isso? Tks Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo!

      Foi complicado... Nessa viagem passei por algumas situações difíceis, a sorte é que em Miami tem muito latino, então sempre rolava um "spanenglish". O truque é ficar calmo, pedir pra pessoa repetir mais devagar e, como aconteceu comigo, se tudo der errado pedir pra pessoa escrever.

      Abraço!

      Corey

      Excluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.