segunda-feira, 15 de julho de 2013

Os Empreendedores da Família Corey

Algumas pessoas tem perguntado como foi o começo da minha vida de microempresário, como comprei a primeira loja, as motivações, as dificuldades... Acho um assunto interessante de ser abordado, mas como é bem extenso, pretendo faze-lo aos poucos ao longo de algumas postagens. Pra começar esse papo e tentar fazer as pessoas se situarem na minha realidade, hoje vou contar alguns causos da minha família que tem tudo a ver com o assunto.

As famílias dos meus pais são totalmente diferentes. O lado da minha mãe é dominado por pessoas com curso superior (poucos não o fizeram), funcionários públicos, militares e por pessoas com funções, digamos, intelectuais. Não há ninguém rico, mas todos estão financeiramente estabilizados (embora vira e mexe tem um quebrado aqui e outro acolá!).

Até as bochechas de bulldog do Vito são
parecidas com as do meu avô!
O lado do meu pai é totalmente diferente, é formado por self made men, com pouquíssima instrução formal, nenhum dos meus tios tem curso superior (alguns primos tem, mas são minoria), mas todos eles tem grande criatividade e visão comercial, mas nem sempre utilizam essas vantagens de maneira ética, como contarei adiante. É esse ramo da família que descreverei na postagem de hoje.

Meu avô paterno é semianalfabeto, minha avó também. Iniciaram a formação da família no pós guerra, no que costumo chamar de baby boom brasileiro. Ambos trabalharam muito duro pra criar a penca de filhos. Pelos relatos do meu pai e meus tios, a família vivia confortavelmente, no que hoje seria considerado classe média, foram os primeiros do bairro a ter televisão, fogão a gás, batedeira... Passaram alguns apertos financeiros, mas devido a flexibilidade do meu avô de encarar qualquer trabalho, jamais passaram fome. Meu avô mantinha certas práticas hoje vistas como totalmente inconcebíveis, ele colocava a molecada pra trabalhar muito cedo, estudavam no máximo até a 8ª série ou enquanto conseguissem conciliar trabalho e escola, o que era bem difícil. Após começar a trabalhar, o velho cobrava estadia dos filhos, ou seja, cada um tinha que contribuir com X todo mês para “pagar o teto e o rango” e era bem rígido em relação as normas domésticas.

Meu avô dizia com todas as letras que trabalhar de empregado é a mesma coisa que trabalhar de burro pra puxar carroça, que “homem que é homem” trabalha pra si mesmo, que não queria filho dele sendo mandado por outras pessoas, etc. É natural que uma pessoa que cresce ouvindo esses conselhos acabe, mesmo inconscientemente acreditando que isso é verdade. Pra resumir a conversa, aos 18 anos todos os meus tios (inclusive meu pai) eram, de uma maneira ou de outra, donos de algum negócio ou profissionais liberais: pedreiros, mecânicos, vendedores de carros usados, feirantes... Meu pai se orgulha até hoje de ter somente um registro em carteira que durou uns 2 meses, tenho somente um tio que, após anos batendo cabeça como profissional liberal, arrumou um emprego formal recentemente.

Nesse meio de tempo, meus tios fizeram muita coisa pra ganhar a vida, inclusive muita coisa errada como sonegar impostos, vender terrenos que não existiam, vender carros acidentados como novos, entre outras contravenções de maior ou menor gravidade. Reunião de família na casa dos meus avós parece uma reunião da família Corleoni, onde cada um se gaba e dá risada dos golpes que já aplicaram na vida. Todos, sem exceção, tiveram altos e baixos: momentos com muita grana e momentos de quase miséria e nenhum deles consegue administrar dinheiro. Quando tem, gastam tudo, quando não tem, gastam por conta!

Desde criança tive pouco contato com a família da minha mãe, junte a isso o fato de ser homem e viver colado ao pai, fica fácil descobrir a qual porção da família eu puxei. Cresci envolvido em negociações comerciais, acostumei desde cedo com jargões e nomenclaturas específicas. Desde sempre andei junto com meu pai, se não estava na escola, estava colado ao velho, que sempre estava envolvido com algum negócio, conversando com pessoas, visitando bancos e repartições públicas, etc. Como era de se esperar, passei a acreditar que os "jeitinhos" brasileiros eram coisas totalmente necessárias e que não havia outra maneira de fazer as coisas, mas isso me incomodava um pouco... justo eu que sempre fora caxias e CDF na escola, que nunca matou aula e cujo maior crime era dirigir sem habilitação... Meu pai compartilha, até hoje, a velha máxima do meu avô: um homem de verdade deve ser dono do seu próprio nariz. Ele não simpatiza nenhum pouco com a ideia de ter um filho empregado, cresci com esse conceito na cabeça.

Com 14 anos arrumei meu primeiro emprego, passei por algumas empresas até que, com 17 anos a pressão pra “procurar algum negócio pra ser seu” começou a apertar. Meu pai vivia caçando negócios para eu entrar, ele sabia que, ao contrário dele, eu tinha facilidade pra juntar dinheiro e já tinha uma boa poupança (tive sorte, os empregos que tive pagavam muito bem) e um carrinho que valia uns trocos (carro pro velho é o mesmo que dinheiro na carteira). Meus tios sempre me perguntavam se eu não pensava em comprar ou montar um negócio, alguns primos mais velhos já eram donos de seus negócios e a pressão psicológica disso em cima de um garoto imaturo era bem incômoda. Foi aí que o negócio da primeira loja apareceu... mas isso vou deixar pro próximo capítulo!

16 comentários:

  1. Muito bom esse post. Ansioso para ler a continuação da estória!

    ResponderExcluir
  2. Muito legal seu post.

    O que mais me chamou atenção foram o primeiro ponto sobre a educação familiar de empurrar rumo aos negócios e o segundo que mais me deixou pensando foi o ensinamento do seu avô de que "homem que é homem não é mandado" e que "emprego é um burro puxando a carroça".

    Isso foi um socaço na minha cara porque no post sobre meu dia de trabalho eu falei que eu nasci pra ser respeitado, livre, autonomia e ser feliz e não ser mandado e escurraçado como um cachorro como sou ás vezes.

    Note a frase do meu chefe LEVANTANDO A VOZ pra mim e falando como se eu fosse um lixo "nã nã nã nã, não não, Pobretão NÃO"".

    Que merda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Pobreta!

      Acho que a família bem ou mal acaba empurrando os filhos pro mesmo caminho, por um lado tive sorte de ser empurrado rumo ao empreendedorismo, por outro me ensinaram muita coisa errada também.

      A opinião do meu avô contextualizada faz sentido, afinal a 40 ou 50 anos atrás, sem leis trabalhistas, a exploração era muito maior e por outro lado as oportunidades de empreender eram maiores tb, então até fazia sentido naquela época, hj acredito que não é bem assim.

      Chefe levantando a voz? Uma vez um chefe fez isso comigo, levantei a voz mais alto que a dele e ele percebeu que comigo aquilo não funcionava, depois desse dia ele passou a me respeitar e minha promoção saiu mais rápido que devia. Nunca levantei a voz com funcionário algum meu, mesmo que alguns merecessem.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Belíssimo relato.
    Isso mostra a influência que podemos sofrer, mesmo que involuntariamente.

    Bom que você foi pro lado empreendedor, mas sabendo administrar o dinheiro. É o melhor dos dois lados, na minha opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Viver bem e Investir!

      Pois é, acho q isso serve pra todos que tem filhos ponderarem suas atitudes perante as crianças, que acabam absorvendo as atitudes da família, mesmo que sem querer.

      Eu e alguns primos demos sorte de desviarmos do comportamento auto destrutivo da família, tentando fazer as coisas de maneira diferente.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  4. Cara nem por um segundo compare essa família de meliantes com a família Corleone. Eles são muito mais éticos, iriam ficar ofendidos com a comparação. Eles fizeram coisas sérias, de má fé e má índole, nada do que ficar orgulhoso e compartilhar com os outros. Eu teria vergonha de falar esse tipo de coisa da minha família.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Desculpe por falar da minha família que mancha a reputação das demais famílias perfeitas brasileiras. Tenho certeza absoluta que minha família é um mal exemplo, afinal todo mundo por aqui é honesto... Vou me suicidar e já volto!

      Excluir
    2. Mandou bem Corey, até parece q existe uma família 100% correta, acontece que as pessoas mascaram seus problemas familiares, veja no face, todos se amam e se respeitam, mas duvido que na vida real seja assim. Te admiro por expor sua verdade! Abraço, Ricardo

      Excluir
    3. Avisa a esse anônimo ai de cima, o da família perfeita, que ele deve ter entrado no lugar errado. O blog da xuxa é outro. Esse é o blog do corey. Um blog de uma pessoa do mundo real.

      Anônimo, desculpe! Talvez ninguém nunca tenha lhe dito isso, mas vou dizer.Sente ai e se prepare. Tá pronto? Ok, vamos lá: Papai Noel não existe. kkk




      Excluir
    4. Poxa anônimo, não precisava ter contado isso assim, na lata, o cara deve tá chorando até agora! Ainda bem q.vc não falou a verdade sobre o coelhinho da páscoa!

      Excluir
    5. É, depois se perguntam porque o Brasil está na merda. Um cara diz que pessoas da sua família cometeram crimes, provavelmente contra pessoas honestas e trabalhadoras, eu recrimino esse comportamento e sou o errado da história. O bonito é passar a perna nos outros, o normal é ser malandro, passar os outros pra trás.

      Esse complexo de Gerson está impresso no DNA do brasileiro médio como vocês. Talvez se morassem fora num país civilizado de 1o mundo entenderiam como um comportamento coletivo correto faz toda a diferença.

      Excluir
    6. Seu pensamento está correto, concordo totalmente! Agora me diz o que tem a ver contar a verdade e dizer que faz o mesmo. Muito pelo contrário, eu disse que sempre me senti mal pelas atitudes da minha família e esse é o principal motivo de manter distância deles. O fracasso deles tem tudo a ver com os crimes que cometeram, o meu sucesso tem tudo a ver por fugir da lei de Gerson.

      Excluir
  5. A sua descrição está de acordo com o que penso. Tenho certa dificuldade de pular para um negocio próprio e penso que é pq toda a minha família de ambos os lados são servidores públicos ou funcionários de carreira de grandes e médias empresas. Nunca tive algum funcionário liberal ou comerciante da família para me espelhar.
    Estou tentando ser um pioneiro na família o que é bem difícil, mas vou estudando e desenvolvendo alguns dotes de vendas e negócios até o momento que me sinta seguro para saltar para a 1º tentativa de voo.
    Aguardo ansiosamente o próximo capítulo.
    Abraços

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.