domingo, 24 de março de 2013

[Empreendedorismo] - Franquias - O Conceito


Desde que comecei a escrever sobre empreendedorismo, muitos leitores me perguntaram o que acho sobre franquias, demorei um pouco para escrever sobre esse assunto porque queria achar uma maneira de falar algo novo, que não fosse somente mais um dos milhares (ou milhões) de textos sobre franquias por ai.

Decidi fazer um texto sobre minha opinião, fugindo dos modelos que todos encontram procurando no painho (Google), portanto não levem as palavras a seguir como verdade absoluta, é somente a minha opinião sobre o assunto. Fugirei de lugar comum, não vou explicar como funciona a compra de uma franquia nem nada disso que você acha com facilidade no Google.

Modelos de Franquia

Ter uma franquia nada mais é que pagar pelo uso de uma marca e knowhow de alguém. O franqueado paga ao franqueador uma taxa de franquia que é uma remuneração inicial pelo direito do uso da marca e repasse do conhecimento necessário ao desenvolvimento da operação do negócio. Além disso o franqueado costuma pagar mensalmente royalties para ter o direito de continuar usando a marca e demais serviços prestados pelo franqueador como marketing e consultoria. Muitas vezes também ocorre o pagamento de taxas de publicidade. Essas são características comuns a praticamente todas as franquias, cujos modelos podem sofrer algumas variações:


Franquia clássica: o franqueado deve seguir a risca os moldes do negócio do franqueador inclusive comprando produtos exclusivos, mantendo padrões rígidos de atendimento e gestão. Modelo mais indicado pra quem quer começar um negócio do zero, mas com uma marca consolidada, muitas empresas entregam o negócio totalmente montado, pronto para operar. Exemplo: cafeterias (Grão Espresso).

 Licenciamento de marca: ao contrário da franquia clássica, o licenciamento de marca é mais flexível em relação a comercialização de produtos, permite também uma padronização menos rígida de lay-out, embalagens e serviços. Normalmente quem adere a esse tipo de negócio já tem uma operação no setor, as taxas costumam ser menores, mas o apoio do licenciador também. Exemplo: drogarias (Farmais).

Sociedade: modelo menos comum, mas que costuma ser extremamente interessante. O franqueador (se é que se pode chamar assim), “contrata” sócios operadores. O cidadão interessado no negócio entra com um capital que costuma ser bem inferior ao equivalente para compra de uma franquia tradicional, tem seu nome no contrato social da operação e torna-se sócio operador, recebe um pró-labore e participação nos lucros da loja. Exemplo: restaurante Outback.

Em todos os modelos a principal vantagem para o franqueado é a possibilidade de entrar no mercado com relativamente pouco capital e ao mesmo tempo possuidor de uma marca com forte presença perante o público alvo. Essa característica permite uma consolidação mais rápida, afinal o cliente já conhece a marca, diminuindo as chances de quebra. 

Se o franqueador for competente, mesmo pessoas com nenhuma experiência comercial podem se sair muito bem. A padronização da operação diminui a chance de erros por parte do proprietário favorecendo o desenvolvimento do negócio e a possibilidade de expansão mais racionalizada. Outros fatores subjetivos também contam: status, a sensação que franquias possuem operacional mais fácil e que são “inquebráveis”, etc.

Na próxima postagem falarei sobre o que o empreendedor deve ter para entrar num negócio desses. 

22 comentários:

  1. Um dia ainda terei uma franquia Outback...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja, Outback não é franquia, e a concorrência é mto grande.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  2. Corey, não sabia q o outback tinha esse esquema, é bem diferente, nunca ouvi falar. Aliás, o outback é um dos melhores restaurantes q já fui, o atendimento deles deveria ser padrão em todos os lugares.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, quem dera se o atendimento do Outback fosse padrão...

      Excluir
    2. Mas que estranho!

      Já fui em Outback em Salvador, Rio de Janeiro, Curitiba, Campinas.

      Tudo igual: atendimento, comida, cerveja, ausência de saideira, etc, etc, etc

      Excluir
    3. dimarcinho: o fato do Outback não ser franquia favorece a padronização, até onde sei, cada sócio operador deles só pode ter uma loja para conseguir focar no adm.

      Excluir
    4. Ah sim, claro!

      Vcs estão falando de "atendimento padrão"

      Eu falei do "padrão de atendimento" rsrsrsrsrs

      []s!

      Excluir
  3. Olá Corey,

    Gostaria de te fazer uma pergunta.
    Como você declara no IR (em que campo) o valor que está na conta corretora?
    Muito obrigada, pois é a primeira vez que irei fazer declaração.

    Valeu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Consulte sua corretora ou um contador, abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Obrigada pela atenção! Você é sempre muito prestativo!

      Valeu

      Excluir
  4. O sonho do negócio próprio continua e digo que franquias é muito legal para dar confiança e surfar nas estatísticas de baixa quebra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pobreta:

      As estatísticas de baixa quebra não querem dizer muita coisa pq a maioria das franquias em dificuldades serão repassadas e não fechadas.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Tem uma reportagem sobre isso na PEGN deste mês: há cláusula contratual de que o franqueado deverá repassar ao franqueador.

      Excluir
  5. Andei verificando, e descobri que existem franquias no formato Home Office, que nao necessitam de muito investimento e da pra trab em casa tendo assim baixissimo custo, porém n e indicado a maioria das pessoas.
    Tenho certo interesse nessa modalidade tbm, mas vou estudar mais e economizar um capital para isso antes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Zé!

      Existem sim, algumas me parecem bem interessantes, o q preocupa é q a maioria dessas é de nicho, o q não garante um bom desempenho no longo prazo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Para um iniciante sem grandes conhecimentos para tocar um negócio, é mais recomendável abrir uma franquia então.Pelo menos a taxa de mortalidade é menor pelo q vi sobre o assunto.

    abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Felipe!

      Com certeza uma franquia pode ser mais viável ao iniciante, mas não está isenta de quebra, há muitas coisas q devem ser analisadas. Vou falar mais sobre isso na continuação.

      ABração!

      Corey

      Excluir
  7. Corey,

    Mantenho um blog que trata do simples nacional,não fala absolutamente nada de investimentos, não é minha praia.

    Como um dos focos do seu blog é o empreendedorismo, gostaria que inclui-se meu blog em sua lista.

    Seu blog faz parte da minha lista de blogs desde o início do meu, pois gosto muito dele.

    Creio que irá complementar as informações de quem pretende ou já se tornou empreendedor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá MArcelo!

      Já está add, qq dia passo por lá.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. Cores,

    Ficarei feliz com sua visita!

    Obrigado!

    Marcelo

    ResponderExcluir
  9. Explicação simples mas eficaz, parabéns.

    Estou esperando para ler sua próxima postagem sobre o assunto. Escrevi algumas atitudes interessantes que um empreendedor precisa ter para ter sucesso em uma franquia (ou qualquer outro empreendimento), o link para o artigo é esse: http://heliovogas.wordpress.com/2013/03/06/os-10-principios-de-arnold-schwarzenegger/

    Abraço

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.