segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Pequenos Problemas, Grandes Chateações

Outro dia estava conversando com um colega sobre os "probleminhas" que os donos de comércios enfrentam, comentamos muita coisa, boa parte delas são inclusive engraçadas. Sabe aquela história de "seria cômico se não fosse trágico"? Pos bem, é bem por aí... São coisas muitas vezes simples, banais e que nem dão tanto prejuízo financeiro, mas causam um transtorno enorme, e a Lei de Murphy sempre impera.

Vamos a alguns "causos" reais, alguns aconteceram comigo, com colegas, ou presenciei:

Durante o dia de mais movimento, na época mais lucrativa, a fonte de alimentação do servidor da loja fritou sozinha, todos as estações de trabalho pararam de funcionar. Os funcionários passaram a fazer as operações manualmente, perdendo muitas vendas, fazendo besteiras, etc. O dono da loja estava indo viajar, a 100km de distância, foi avisado e voltou, ao chegar na loja, trocou a fonte por outra de um computador sem uso e resolveu o problema.

Dia 31 de dezembro, 18h, o dono está fechando a loja e de repente escuta um barulho ao abaixar a porta de aço, que se recusou a descer completamente. Após inúmeros telefonemas, encontrou um serralheiro disposto a arrumar, ele chegou por volta das 22h, bêbado e cobrou o que bem entendeu.

Outra de porta: um funcionário apertou o botão da porta automática para fechar uma loja, as 23h, sem se dar conta que havia esquecido algumas mercadorias em baixo do trilho. Resultado: uma porta "descarrilada", em plena madrugada. O dono foi chamado e ficou esperando o técnico chegar, detalhe: o técnico veio de uma cidade a 60km de distância.

Fila no caixa da padaria, uma criança doente no colo da mãe que, de certo na tentativa de aliviar o desconforto do rebento, ficava balançando-a de um lado a outro, até que a criatura fica amarela, depois verde e despeja uma enxurrada de vômito em cima dos chocolates, balas e paçoquinhas em cima do balcão da padoca (obs: pessoas vomitando é algo extremamente comum de se ver nos comércios).

Cliente pediu para usar o banheiro da loja, o funcionário permitiu mas alertou que a descarga não estava funcionando e que em caso de número 2 o cidadão deveria buscar outro local. Adivinhem qual número o cliente decidiu fazer? Exato, o 2! Deu descarga que por não estar funcionando, causou refluxo, transbordou o vaso sanitário você sabe exatamente do que, causando alagamento na loja.

Sábado, 7h da manhã, o dono chega pra abrir a loja e se depara com mendigos dormindo na porta da loja, com muito jeito e educação consegue tira-los dali e se dá conta que o cheiro que ficou não é apenas das pessoas marginalizadas. Havia números 1, 2 e 3 (vômito) na porta da loja.

Apagão 2010. Após boatos de saques e vandalismo em lojas de um centro comercial, o proprietário de uma loja deixa a família em casa, pega o carro e vai correndo pra empresa, ver o que de fato está acontecendo. Por sorte tudo era boato, mas ele fica dando voltas na região pra se certificar que tudo está bem.

1971: Um grande viaduto elevado é construído através do canteiro central de diversas ruas da capital paulista, em apenas 11 meses, decreta o fim do banho de sol de diversas lojas localizadas na Rua Gal Olímpio da Silveira e Amaral Gurgel, com isso o comércio fervente dessa área, até então relativamente nobre, é rapidamente dizimado. Hoje, mais de 40 anos depois o que sobrou foram butecos, estacionamentos, oficinas e muitos salões vazios na sombra do "minhocão".


Depois dizem que a vida de comerciante é glamurosa, esse é o tipo de coisa que precisamos enfrentar no dia-a-dia pra ganhar uns trocados a mais. O comerciante ou micro-empresário do setor de serviços ou mesmo industria é parte da empresa, ele está envolvido em tudo que acontece, não tem capital pra bancar gerentes para diferentes áreas. O dono quase sempre é o técnico de informática, encanador, eletricista e muitas vezes faxineiro. Sobra tudo pro dono, não importa se o problema acontecer em horário comercial, de madrugada, nos fins de semana ou durante as férias. O dono deve cuidar da troca de uma lâmpada ou reinventar sua empresa caso a prefeitura faça alguma cagada obra na região.

19 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Caro Corey! Vc começou a refazer o planejamento 2013? kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eike, eu ia escrever sobre isso nessa semana, mas em virtude dos últimos acontecimentos deixarei pra depois.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Chato isso tudo, né?

      Se quiser trocar idéia via e-mail, estarei a sua disposição!

      Excluir
    3. Blz, Eike! Darei um jeito de voltar ao assunto, os blogs não podem parar!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Respostas
    1. Pois é, se fosse fácil eu casaria com o meu!

      Excluir
  4. Corey, saca o terror da blogosfera, todos deletando blogs porque invadiram a privacidade do i40. sairam ostra, A2038 e muita gente mudou o estilo, General Investidor, talvez o pobretao, etc... cuidado manolo.

    Victor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô ligado... me pronunciarei em breve, rsrs!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Fala Corey,

    A do serralheiro bebado as 22h é chocante. Mas também, quem deseja trabalhar em uma hora dessas? rsrs
    Abraços
    Pobre Poupador

    www.pobrepoupador.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá PP!

      O serralheiro não tem culpa, aliás ele foi um anjo, bêbado, mas um anjo...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Olá Corey,

    Não é fácil ser empresário como alguns pensam, principalmente uma empresa que está começando e que o dono precisa estar presente o máximo de tempo possível e conversar com todas as áreas. A quantidade de estresse deve ser enorme, só que após esses transtornos passando deve ser recompensador olhar para o seu próprio negócio crescendo, empregando pessoas e gerando sua renda.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande General!

      Vc tem razão, acontece q esses transtornos não param nunca, sai um entram 2 problemas no lugar, é uma coisa sem fim. Esse tipo de coisinha, que aparentemente é simples, é q tira o tesão da coisa...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  7. Hmm, interessante as histórias.

    Que tal ficar até tarde sem poder dizer não pra chefe?

    Que tal não receber hora extra e banco de horas?

    Que tal receber gritos na cara?

    Que tal o risco da demissão todo dia?

    Que tal fazer tarefas idiotas que quanto mais se esforce nada vai mudar em salário ou na vida?

    Trocaria tudo isso por esses problemas aí que falou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pobreta:

      Desculpe, mas vc se sujeita a tudo isso pq é frouxo, não vem me falar q todas as empresas são assim e mi-mi-mi. Se tudo isso é realmente verdade, mude de setor, faça outra faculdade ou aceite sua realidade como ela é!

      Vc não trocaria pq é um cagão, vc não tem coragem de mudar sua vida!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. E esse aqui pra quem comércio com banheiro pra clientes (clientela classe C e D). Não se pode usar lâmpadas fluorescentes nos banheiros, pois eles ROUBAM sempre....conheço um lugar que depois da quinta lâmpada em menos de 2 meses desistiu.......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ouvi umas histórias sememelhantes. Lâmpadas de fachadas ou são roubadas ou são quebradas, é foda...

      Excluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.