quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Esposa Gerente?

Antes de mais nada, gostaria de agradecer pelos 100.000 acessos que estou atingindo hoje no blog!

Sempre que começo a reclamar dos problemas de ser empreendedor (eu sei, sou um chato, reclamão e mal agradecido!), alguém me dá a sugestão de colocar minha esposa como gerente da loja. Segundo muitos, isso resolveria boa parte dos problemas porque ela seria uma extensão dos meus olhos... Será mesmo?

Perfil

Em primeiro lugar, não são todas as pessoas que possuem perfil de gerência, tem gente que simplesmente não tem talento pra líder. Você pode ter perfil empreendedor, vontade de crescer, dominar 1001 técnicas de venda, de liderança e administrativa. Sua esposa pode te apoiar nessa empreitada, te ajudar vez ou outra na empresa e estar disposta a fazer sua empresa crescer, mas ela deve ter perfil empreendedor para por a mão na massa e te ajudar na empresa. Somente boa vontade não serve. Não é porque você confia na esposa que ela conseguirá vigiar funcionários, tratar clientes de maneira profissional, etc.

Conflitos

Suponha que sua esposa é a gerente/supervisora/administradora da sua empresa. Ela toma uma atitude que, no seu modo de ver, é errada. Você está num dia ruim, com saco cheio e pouca paciência, vai conversar sobre essa atitude errada, ela está na TPM. Qual a chance disso não acabar em discussão? Garanto que é mínima. Qual a chance dessa discussão ficar somente na empresa? Garanto que não ficará, muito pelo contrário, vocês até podem fingir que nada aconteceu, mas é impossível não levar para o lado pessoal. Se ao mesmo tempo vocês estiverem passando por algum problema em casa, a probabilidade de dar merda é muito maior.

Lazer

Posso estar errado, mas no meu ponto de vista, minha esposa deve estar presente em pelo menos 90% do meu lazer (os outros 10% são "coisas de homem" que mulher nenhuma faz questão de acompanhar e nenhum homem quer a companhia da mulher). Então como faço se ela for gerente da minha loja e eu decidir tirar férias? Deixo ela trabalhando e embarco naquele cruzeiro pelo Mediterrâneo sozinho?

Renda All-in

Quando você compra uma empresa, está assumindo o investimento mais arriscado que existe, quase sempre de maneira all-in. Quando você tira sua esposa de um emprego e coloca-a pra trabalhar na sua empresa está agravando ainda mais o all-in, ou seja, está arriscando demais ao abrir mão de uma segunda fonte de renda. Nesse ponto há muitas variáveis que podem quebrar meu argumento, como desemprego, esposa que ganha pouco, etc, mas estar desempregado ou insatisfeito com trabalho não são bons motivos pra empreender.

Diversificação

Se por um lado tirar a esposa de um trabalho (ruim ou não) e coloca-la pra trabalhar na empresa é fazer um all-in, tem gente que abre empresas pensando justamente o contrário: na diversificação. Imaginem a seguinte cena: Ela tem um emprego onde trabalha de segunda a sexta com salário de 3k. Ele tem um emprego fodão de 15k por mês. Acabam juntando 100k despretensiosamente. O que fazer com esse dinheiro? Abrir uma franquia, é claro!!! Franquias "não quebram", dão "muito dinheiro sem fazer força" e são "simples de serem tocadas", além disso o status de ser um franqueado é tentador. Resumindo: "é perfeito pra minha esposa e ainda por cima diversifico meus investimentos". Depois de 1 ano, o casamento acaba e a loja está a venda...

Minha experiência

Bia já me ajudou muito na empresa, principalmente na anterior. Houve inclusive uma época que ela foi "efetiva" na loja. Deu certo? Claro que não! Ela não se deu bem com o negócio e os conflitos começaram. Por vontade dela, saiu e arrumou um emprego que, tempos depois, sustentou nossa casa enquanto eu corria atrás da saída da corrida dos ratos. Temos alguns planos (na realidade são ideias, não planos) de no futuro abrirmos uma empresa juntos, mas pra isso acontecer precisamos achar um negócio formatável dentro do que precisamos: fácil operacional, possível de ser controlado remotamente e que não exija nossa presença integral. Como não vejo nada que se encaixe nesses parâmetros, fica só na ideia mesmo.

Não existe dinheiro que compra um casamento feliz e equilibrado. Pode até ser que sua esposa tenha perfil empreendedor e de liderança, vontade de crescer e vocação, mas será que vale a pena? Será que enfrentar conflitos em casa ou deixar de ter lazer com ela em prol de ganhar alguns reais a mais é algo inteligente?

42 comentários:

  1. Oi Corey, acompanhe o blog do gerente e estará instruido a contratar um gerente com perfil que sua empresa precisa.

    ResponderExcluir
  2. Reflexões interessantes...
    Eu tenho uma empresa, seria inviável a esposa trabalhar nela pois é na área de T.I. que ela não conhece nada, então ela tem o emprego próprio dela no governo do estado, não é efetivada mas ganha o suficiente para pagar todas as contas hoje, inclusive já bancou as despesas quando fiquei 5 meses sem faturar nada, então posso dizer que uma esposa longe da minha empresa me trás tranquilidade. Acho que trabalhar juntos seria mais tenso, nem penso nisto, rs.

    Abraço!



    http://blogdouo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uorrem: vc faz muito bem, não é pq ela é sua esposa e é de confiança q seria uma excelente gestora, uma coisa não tem nada a ver com a outra!

      Seu exemplo é perfeito para o q eu quis dizer sobre concentração de rendimentos, imagine se durante essa crise de 5 meses q vc passou sua esposa não tivesse renda?

      Obrigado pelo depoimento!

      Corey

      Excluir
    2. Não há de quê!
      Ah, li seu comentário no meu post, achei vc um pouco assustado, rs, mas sim, estou em momento de mudança de estratégia às custas de algumas realizações de prejuizo que irão afetar me rendimento este mês, e já cheguei à conclusão que swing trade é pouco rentável e muito trabalhoso, farei um post sobre isto.
      Abraço!

      Excluir
    3. Uorrem:

      Fiquei assustado mesmo, mas se vc tem consciência do precisa mudar está no caminho certo. Na minha opinião de leigo, é possível se dar bem sim com trades, mas é preciso dedicação e levar como um trabalho ativo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. O bom é que vc já se conhece e conhece sua esposa. Já sabe que certas coisas não vão dar certo.

    Vc mesmo já deixou transparecer que prefere um emprego com carteira assinada mas que continua empreendendo por causa do dinheiro que ganha, que é maior sendo dono de empresa.

    Porque vc não define uma meta de patrimônio? Quando chegar num valor X, que seria o patrimônio que vc quer para sua vida, vc vende a loja e volta trabalhar?

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aé... Esse trabalho pode ser no serviço público, que tal?

      Excluir
    2. Bom dia Eike!

      Nos conhecemos muito mesmo, mas acho q essa é a característica básica q qq casal q pretende morar junto deveria ter.

      Quanto ao lance da carteira assinada vc tem a mais absoluta razão, tenho muita vontade de voltar a ter a segurança de um salário no fim do mês, 13º, férias de verdade e demais benefícios. A empresa só serve pra 2 coisas: me dar dinheiro e frustrações.

      Nos últimos dias eu tenho pensado muito sobre isso, inclusive até fiz o rascunho de um post a respeito... Basicamente acho q vou acelerar a saída da empresa, tirar um sabático e arrumar um trampo. Quanto ao serviço público é algo q não deixa de ser interessante, especialmente na minha área de formação.

      Abração!

      Corey

      Excluir
    3. Qual é a sua área de formação?


      Sou um grande adminirador seu. Gosto muito de sua postura "pé no chão", vc é muito consciente e qualquer que seja o caminho que trilhe, vc se sairá muito bem.

      abraço!



      Daniel

      Excluir
    4. Daniel, minha área de formação é algo bem tradicional, com boa empregabilidade tanto no setor privado quanto público, os salários são bem interessantes.

      Obrigado pelas palavras, acho q devemos colocar a razão na frente de tudo e não ser radical em nada, até agora essa minha filosofia tem dado certo...

      Abração!

      Corey

      Excluir
  4. muitolegal seu ponto ded vista no final do ano estava pensando em montar um negocio para minha esposa tocar so que não vejo nela perfil empreendedor vontade de correr atras das coisas como acredito que um lider tem que fazrt pot isso desiste da ideia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aprendiz:

      Se ela não tem perfil, não adianta insistir, isso não é algo q se aprende, no máximo consegue-se lapidar, qd a pessoa está disposta a isso...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  5. Já ouviu o ditado? "onde se ganha o pão, não se come a carne" hehehe. Corey, não tem jeito mesmo cara, a melhor coisa é você mesmo tomar conta, colocar sua esposa para gerenciar é fria! mesmo se ela tivesse perfil de gerencia, o lado pessoal ia sempre falar mais alto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sovina, esse ditado é uma das coisas mais sábias q existem. Conheço muitos casos q acabaram em merda pq as pessoas não seguiram isso.

      Tem razão, sempre o lado pessoal vai falar mais alto e tudo ficará bagunçado.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. mulher cuidando de bar é difícil. neguinho acha que por ter mulher atrás do balcão já tem direito a certas liberdades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, esse é mais uma coisa que eu poderia acrescentar nas desvantagens.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  7. "Quanto ao lance da carteira assinada vc tem a mais absoluta razão, tenho muita vontade de voltar a ter a segurança de um salário no fim do mês, 13º, férias de verdade e demais benefícios. A empresa só serve pra 2 coisas: me dar dinheiro e frustrações."


    Perdoai senhor, ele não sabe o que fala.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pobretão, conte-nos sobre sua imensa experiência como empresário.

      Excluir
    2. Boa anônimo...

      Pobreta, eu já estive dos 2 lados e por isso tenho conhecimento de causa, e vc?

      Excluir
  8. esposa gerente em uma palavra: CAGADA...

    ou o negocio é seu ou é dela... no sentido administrativo, claro.

    ja tive essa experiencia com a ex e te garanto que nao foi legal...

    A patroa atual inclusive tem formação diferente da minha, pra "diversificar". Ela tambem nao tem perfil pra empresaria...

    Concordo com tudo o que disse.

    abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor:

      É cagada mesmo, até esqueci de citar uma coisa: a imagem perante funcionários, eles nunca saberão a quem obedecer ao menos que ocorra uma excelente divisão de tarefas, o q nunca é feito direito.

      A Bia tb tem uma formação diferente da minha.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  9. Primeiramente acredito que você colocar uma pessoa da família para trabalhar junto com você, fica uma coisa complicada, pois sempre que houver um problema irá ser levado para o lado pessoal, isso ainda mais se as pessoas forem um pouco estressadas.

    Os meus empreendimentos eu sempre peço conselhos para minha namorada, mas nunca penso em colocá-la no meio. Não por achar que ela vai fazer alguma coisa errada, mas pelo fato de não ter um relacionamento pessoal juntamente com o de trabalho.

    Logicamente existem muitas empresas familiares que dão certo, mas acredito que muitas delas são exceções a regra.

    Não aconselho a colocar a mulher ou filhos ou qualquer outro parente junto da empresa, alguma hora isso vai dar problema.

    Uta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Estagiário!

      É impossível não levar pro lado pessoal, quem diz q separa totalmente as coisas está mentindo, e como vc disse, se os ânimos forem mais rebeldes a merda é maior ainda.

      Sim, as empresas familiares q dão certo são minoria ou no máximo são empresas medíocres. Cansei de ver discussões entre parentes dentro de comércios familiares!

      Abração!

      Corey

      Excluir
  10. Oi, Corey,

    conheço um cara que tem uma empresa familiar, mas teve um momento que realmente haviam situações onde tudo se misturava.

    A solução que deu uma aliviada: cada um ia trabalhar em carros separados! rsrsrsrsrsrs

    Mas depois passou...

    []s!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dimarcinho:

      Como disse pro Estagiário, as empresas familiares q não possuem conflito são minoria, e qd acontece normalmente acharam um jeito não ortodoxo para conseguir toca o negócio.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  11. Eu tenho muito medo desse negócio de trabalhar com sua mulher.
    Acho que a chance de ter uma dor de cabeça e um divórcio são muito grandes, principalmente quando os perfis são diferentes.

    Acho que se é pra colocar sua esposa pra tocar algum negócio da família tem que dar carta branca e ver o que acontece.
    Atuar no máximo como um conselheiro mas deixar ela tomar todas as decisões. Se tentar se meter no dia dia, e dizer como cada coisa deve ser feita é fria na certa!

    Eu mesmo incentivo minha namorada a investir nas Vending Machines, mas deixo bem claro que seria algo separado. Eu daria todo o suporte necessário, mas as máquinas dela serão responsabilidade dela etc.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vending:

      Esse lance de ser conselheiro só funciona se vc tiver perfil pra isso e ela ter perfil para empreender, caso contrário a merda pode ser ainda maior pq ela pode achar q vc está se metendo em algo q não sabe...

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  12. Oi Corey

    qdo ajudei na administração de uma escola, os donos eram um casal e nossos amigos, se davam super bem e sempre saíamos juntos, até o local começar a 'funcionar', então começaram os atritos, era pq um trabalhava menos, pq o outro exigia demais, pq um não assumia responsabilidade, pq o outro não enxergava o tamanho dos gastos e das dividas.

    O clima se tornou insuportável, os passeios em casal tb se tornaram terríveis, tudo se tornou motivo de brigas, após 1 ano e não tinha vontade alguma de continuar trabalhando com eles e acabei pulando fora, e claro: o negócio quase faliu, o casamento acabou, o meu amigo foi embora, virou ex-amigo nosso e a minha amiga assumiu sozinha tudo, implorando para que eu voltasse a trabalhar lá, mas percebi que nesse caso amizade demais tb não funciona para trabalhar junto, escolhi manter a amizade e nem visitar o local mais.

    Acho q para algo assim funcionar o casal precisa separar muito bem as tarefas e conseguir distinguir trabalho de vida pessoal e mesmo assim acho dificil demais dar certo.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ostra:

      Esse caso q vc citou é típico, o casal começa com todo gás, empolgados e super unidos, os problemas aparecem assim como as deficiências pessoais, a tendência é gera brigas no trabalho q com certeza serão levadas pra dentro de casa. É um ciclo vicioso auto alimentável!

      Misturar amizade com negócios é outra merda, quase sempre o negócio não dá certo e acaba-se com a amizade.

      Separar as funções e tarefas é muito fácil na teoria, mas na prática é bem diferente, e esse é um dos motivos q meu plano de ter uma empresa com a Bia fica só no papel.

      Corey

      Excluir
  13. Olá Corey,
    Bela reflexão.

    Acho que em muitos casos temos que saber separar as coisas. Já tive experiências de empreendedorismo em família e posso afirmar que não deu certo mesmo! Claro, cada caso é um caso. No meu caso, cada um 'puxava pra um lado' entende? Aí complica mesmo!


    Abraços!
    Pobre Poupador
    www.pobrepoupador.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá PP!

      O problema é justamente conseguir separar as coisas, na teoria é fácil, mas na prática estamos lidando com seres humanos, a emoção quase sempre se sobrepõe a razão.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  14. COrey,
    meus pais tentaram e não deu certo. Os outros sócios passavam por cima das decisões dela, e várias discussões ultrapassavam atênue linha que se forma entre pessoal-profissional.
    Não digo que é impossível, mas é bastante complicado.
    E aconteceu que minha mãe sai de la pra ser gerente de outra empresa, e sustentou a casa durante um periodo que a empresa do meu pai estava mal das pernas.
    Ou seja, você está correto em todas as suas observações
    Abs,
    Urso
    http://investidorurso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Urso:

      É praticamente impossível separar as coisas, sempre acaba indo pro lado pessoal. Ainda bem q sua mãe conseguiu sair, né?

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  15. Olá Corey,

    Grande professor dos empresários, rsrs, obrigado por mais esta lição mestre.
    Acredito que essa lição vale não só para esposa mas para a família em geral, principalmente porque os familiares sempre se acham acima dos demais empregados e se ofendem em começar de baixo, porque sua esposa deveria ser a gerente por exemplo? Só porque é sua esposa como bem colocou não a licencia automaticamente para um cargo deste nível e tem várias empresas enorme por ai que a família só fica da gerência geral para cima, sendo que muitos (cerca de 90%) não tem preparo algum para o cargo e nem busca ter esse preparo. Já prestei serviço para empresas assim e normalmente quando o cabeço do grupo, aquele cara que assim como você tem o jeito para o empreendedorismo, se afasta da empresa o grupo começa a decair.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa quanto erro gramatical eu cometi, o ruim é que não dá para ajustar o texto... rs. Desculpe!

      Excluir
    2. Grande General!

      Não se preocupe, eu fugia das aulas de português, rsrs!

      Sim, essa lição vale para esposa, pais, filhos, demais parentes e até para amigos. COm certeza a coisa é mais grave qd envolve pessoas q moram na mesma casa, separar o pessoal do profissional fica ainda mais complicado.

      Sobre a qualificação vc tem absoluta razão, eu não havia pensado nisso. Lembrei da história da Nadir Figueiredo (que faz copos e pratos de vidro). É uma empresa familiar, mas para trabalhar lá os filhos dos donos devem passar por todas os cargos da empresa, começando no chão de fábrica, para provar ser capaz de atuar na empresa. Essa é uma maneira inteligente de empregar parentes.

      Abração!

      Corey

      Excluir
  16. Olá Corey. Muito bom post, esclarecedor. Acredito que eu fui um dos que gerei este assunto, pois no meu caso tenho um negócio com minha esposa, que é a gerente do local. O meu caso está dando certo (mesmo sendo recente) por vários fatores que sei que são de difíceis repetição para outros casais. Primeiro é que a minha esposa é muito mais empreendedora do que eu (ela é filha de comerciantes) e formação acadêmica no ramo. Além disso somos um casal muito bem resolvido e firmados em nossas filosofias sobre o casamento (cristianismo). Ela cuida do operacional e dia a dia e eu fico com o planejamento, marketing e estratégias do negócio. Eu tenho outro emprego na iniciativa privada, numa função tradicional e bem remunerada, garantindo a nossa segurança financeira. Ela largou o emprego que trazia a ela grandes decepções em troca do desafio do comércio. Meu caso e exceção e tenho conhecidos que tentaram o que eu tentei e não estão tendo sucesso.

    Acredito que se o casal não for bem resolvido não deve nem sequer pensar sobre esse assunto. Se o casal for bem resolvido, dever pensar bem como dividir as tarefas e analisando o perfil de cada um. Uma empresa pode ser o fim de um bom casamento. Com relação a amigos e parentes eu tenho bem claro que é uma dificuldade até maior que a esposa. Prefiro perder uma empresa do que perder o amigo e a empresa.

    Corey, gostaria de saber suas opiniões a respeito da segurança nos dias de hoje. Nunca fui assaltado, mais tenho cada dia mais percebido a presença de suspeitos no meu estabelecimento e sei que o risco é frequente. Também aproveitar e falar das questões de golpes em empresa. Ontem mesmo eu recebi uma nota falsa (R$ 50) facilmente identificada.

    Abraços.

    Carvalhopower

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carvalhopower!

      Acho q vc foi um dos q me deram essa ideia sim. Lendo seu relato percebo nitidamente q seu caso é uma exceção total, vc é um cara de muita sorte.

      Justamente pelo fato de Bia e eu sermos um casal bem resolvido e com entrosamento total é que ponderamos muito antes de tomar a iniciativa de trabalharmos juntos, acreditamos q o ônus será maior que os benefícios financeiros de um negócio desses. Cada caso é um caso, mas é importante tomar cuidado.

      Quanto a segurança é algo muito relativo, graças a Deus nunca tive problemas graves com isso, mas conheço gente bem próxima q sim. Na minha opinião o q mais agrava esse tipo de coisa é a localização, horário de funcionamento e setor do negócio. Notas falsas são de época, tem semanas q aparecem várias, algumas acabam passando... Depois fica meses sem aparecer. Com o dia-a-dia, aprendemos a identificar, mas vc pode comprar uma daquelas canetas q marcam as falsas, funcionam bem.

      Grande abraço!

      Corey

      Excluir
  17. Vc disse tudo: perfil empreendedor e de liderança! Se não tem, não da!

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.