segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Aluguel de Apartamentos - Ainda existem oportunidades?

Como sabem, mudarei do meu apartamento próprio, quitado, para outro alugado. Isso pra tentar fugir da bagunça e barulho que se alastrou pelo meu condomínio. Começamos a busca e temos alguns "pretendentes", e aproveito pra ficar de olho em algumas particularidades do negócio.

Meu foco são apartamentos maiores, em condomínios com área de lazer e localizados em bairros mais nobres. Justamente o tipo de imóvel que parece ser um péssimo negócio ao investidor, afinal o aluguel não ultrapassa 0,3% do valor venal (atual) do imóvel e todos nós sabemos que dá pra ganhar bem mais que isso em outras aplicações, com menos trabalho e risco envolvido. Por outro lado é um bom negócio para o inquilino, que consegue morar melhor, com menos dinheiro.

Essa visão superficial pode ser meio deturpada. Conversando com os corretores de locação, percebo que, a maioria dos apartamentos são de investidores que buscam renda, percebo ainda que a unanimidade deles compraram essas unidades no pré lançamento, sendo que alguns deles possuem mais de uma unidade. Vimos um caso onde um andar inteiro é de um único proprietário, que com certeza pagou muito menos que o valor "de tabela" da construtora por comprar no atacado. Não sei precisar números, mas acredito que o retorno do aluguel para essas pessoas fique me torno de 0,6 ou 0,7% em cima do valor efetivamente pago, esqueçam o valor inflado (ou não) atual, o que vale é quanto o cara pagou pelo apê. Retorno esse nada ruim, né? Obviamente essas oportunidades são raríssimas hoje em dia, mesmo comprando na planta.

Do outro lado, ao mesmo tempo que procuro apê para morar, busco alugar o meu. Estou tendo boas notícias como a que alugar meu apê não será tão difícil e que aluga-lo mobiliado pode render uma graninha considerável a mais todo mês. Descobri que há muitas pessoas buscando apartamentos pequenos pra locação na minha região devido a forte presença de algumas atividades que trazem pessoas de outros bairros e cidades. Essas pessoas buscam um ponto de apoio, muitas vezes ficam durante a semana no apartamento e voltam pra suas casas no fim de semana. São pessoas com boa renda, bom nível cultural, portanto, com MENOS chance de calote. O aluguel do meu apê renderá em torno de 1,5% o valor que paguei, claro, não estou considerando a inflação, mas caso em comprasse hoje, ele me renderia em torno de 0,5%, o que não é nada mal.

Sei o que vocês devem estar perguntando: Corey, você está pensando em comprar apartamento pra alugar? Eu respondo: Sim e Não. Sim porque, como bom conservador, considero o fato de ter um bem físico rendendo dinheiro algo bem relevante e Não porque não achei (mas nem procurei) uma oportunidade até agora. Ahh, mas  a bolha imobiliária... Não acredito na existência de uma bolha apocalíptica como muitos pregam por aí, além disso uma possível entrada nesse mercado não seria nesse momento, eu teria muito pra amadurecer e entender até lá.

49 comentários:

  1. Não precisa acreditar na bolha, basta acreditar nos fatos: Enorme encalhe de unidades, construtoras sem caixa, cotações no "piso histórico", inadimplência subindo, caixa afrouxando condições para empréstimos, etc, etc, etc.

    Nâo precisa chamar isso tudo de "bolha", chame esses fatos como bem entender.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom amigo, não tenho dados para embasar uma opinião, nem contra nem a favor da bolha. Tudo é muito controverso, então prefiro não dar uma opinião, de qualquer forma, mesmo se ela existir e estourar, não acredito no apocalipse que muitos pregam por aí.

      ABraço!

      Corey

      Excluir
    2. Boa tarde senhores,

      Me intrometendo na discussão, sem querer defender ou não a existência de uma suposta bolha no mercado imobiliário, devo corrigir alguns fatos apresentados acima. Dificilmente uma empresa que trabalhe com um custo alto de produção terá um caixa reforçado. Uma construtora que desejar construir um prédio de 5 milhões não vai esperar juntar 5 milhões em caixa para iniciar a obra. E ainda, a venda antecipada de alguns apartamentos pode servir como custo zero de capital de giro para as construtoras. Evidentemente, conforme as vendas vão aumentando, o valor também vai aumentando e assim a construtora faz o seu lucro. As cotações não estão no piso histórico e caso as ações de alguma construtora estejam apresentando baixo desempenho, não podemos generalizá-la. As ações de algumas construtoras estão, inclusive, nas máximas históricas. Se realmente estiver acontecendo um "encalhe de unidades", algumas imobiliárias já teriam quebrado. Não é o que está acontecendo. O mercado continua muito aquecido mesmo com o ingresso de novos corretores certificados.

      Quanto à inadimplência ela subiu um pouco no ano passado, reflexo da política agressiva do governo de afrouxamento no crédito. Mas nem por isso significa que ela está alta. O último dado que eu tenho disponível é que a inadimplência para pessoas físicas e jurídicas está pouco abaixo dos 6%. Ou seja, além de não estar alta, o nível se estabilizou. Além disso o Banco Central monitora todas as operações de crédito do sistema financeiro acima de R$ 1.000,00, e se houvesse risco de descontrole da inadimplência, ou má qualidade na concessão de crédito (o que não está acontecendo), a autoridade monetária elevaria imediatamente o compulsório, fechando a torneira do crédito farto. Na verdade o Banco Central está relaxando ainda mais o compulsório. A Caixa está afrouxando as condições para financiamentos (afrouxamento não significa concessão de crédito de risco, as condições continuam as mesas, o que muda é a quantidade de recursos despejados no sistema para aumentar os financiamentos no setor), pois o próprio Banco Central enxerga possibilidade de aumento na concessão de crédito para imóveis. Porque? O déficit habitacional no Brasil ainda é elevado (ou seja, há demanda de sobra para novos financiamentos), a renda das famílias aumentaram e o mercado de trabalho está aquecido (desemprego muito baixo).

      Abcs,

      Excluir
    3. FI:

      Muito obrigado pela contribuição, vc colocou em números o que o feeling de milhares de pessoas acredita (inclusive o meu). O fato é que na prática não há esse encalhe de unidades nem descontos incríveis. Percebo que os preços estacionaram, mas não vejo retração (as vezes alguma correção).

      Obrigado e volte sempre pra contribuir com o debate.

      Abraço!

      COrey

      Excluir
  2. Encontrar bons imoveis como investimento hj em dia é tarefa complicada! Mas o q vc citou é verdade, aqui no meu prédio tem uma moradora que comprou 8 unidades há uns 6 anos (alem das duas dela), complicado é em reunião de condomínio para votar qq coisa, se ela está lá é sempre a vontade dela que prevalece rsrs

    Qto ao: "São pessoas com boa renda, bom nível cultural, portanto, com MENOS chance de calote", serio mesmo? Não acho q signifique muita coisa, pessoal de boa renda anda bem endividado, sem falar q vivem de aparência na maioria dos casos, não confiaria muito que teria menos chance de calote com eles :P
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita gente da classe média quer parecer ser da classe alta. Compram carros caros a prestação, andam com roupas de grife, viajam ao exterior para colocar fotos no facebook.

      Excluir
    2. Bom dia Ostra!

      Hj o dia tá bem londrino, vc deve estar bem feliz, rsrs!

      "São pessoas com boa renda, bom nível cultural, portanto, com MENOS chance de calote" - segundo os corretores que consultei, esse público costuma usar seguro fiança o que minimiza quase a zero os riscos de inadimplência. O povão aluga com fiador, o que não adianta muita coisa no caso de calote.

      Corey

      Excluir
    3. É pobre quem paga em dia. Rico paga advogado! :)

      Excluir
    4. Quanto ao seguro fiança, certa vez fiz uma análise e descobri que, em média, o valor da fiança é de 3 a 4 vezes o valor do aluguel, válido por um ano.

      Vi só um caso de uma PJ que pagou o valor referente a um mês apenas de locação.

      Sei não, Corey, mas o mais comum ainda é pagar alguns meses adiantados, o que nem toda imobiliária gosta de fazer.

      Ou, então, utilizar um fiador mesmo, com bens e renda compatíveis.

      Excluir
    5. Em SP o seguro fiança é praticamente padrão, a grande maioria das imobiiarias indicam e ganham comissão na venda desses seguros e pro inquilino é bom pq não precisa pedir favores.

      Excluir
    6. Doutor:

      Pelo que andei pesquisando, o seguro fiança não passa de 3x o valor do aluguel, acho uma alternativa bem inteligente, principalmente pra quem não quer pedir favores ou vem de outro estado/cidade.

      A garantia por calção é raríssimo na minha região e quando acontece é em locações de quitinetes por curtos períodos de tempo. O padrão por aqui é fiador ou seguro fiança. Como disse o anônimo, as corretoras de seguro fazem parcerias com as imobiliárias para vender os seguros.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Não sei porque mas eu não curto imóveis, investimento enorme e essa bolha está me deixando super cabreiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo, vc curte um investimento mais "chocante", rsrs! Desculpe, não resisti!!!!

      Excluir
    2. A ELPL4 deu choque em muita gente...

      Excluir
    3. Podia dormir sem essa...

      Excluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. No Rio, muitas construtoras estão construindo apartamentos no meio do mato para pagar barato pelo terreno. Acredito numa bolha que faça o IBOVESPA despencar, maravilha de oportunidade de compra.

    Mas também dou razão ao Corey por ver o lado de QUANTO investidor pagou inicialmente. Essa é a rentabilidade a ser vista.

    Mesmo que a bolha estoure, quem tem ap alugado pode ganhar um bom troco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já li sobre esse lance do Rio, aqui em sampa é mais difícil. O que vc disse é uma verdade, a queda das construtoras pode representar uma oportunidade de compra. Ainda temos muito deficit habitacional.

      Duvido que os alugueis caiam consideravelmente, mesmo com estouro de uma possível bolha.

      ABraço!

      COrey

      Excluir
  6. Olha, tem um vídeo do Bastter, investidor e autor de livros respeitados, em que ele fala de um amigo médico que comprou 20 aptos em Copacabana para locação e hoje ele pode ficar olhando para a parede e ganhar dinheiro, sem se preocupar com nada...


    Se os imóveis dão um fluxo de caixa bom, acima dos gastos do investidor, ele pode ficar uns 50 anos sem trabalhar....

    Particularmente, prefiro ações agora pois aporto pouco e estou construindo meu capital, mas daqui a uns anos essa opção não pode ser descartada.



    Ass.:Crash

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crash:

      COm certeza o melhor momento pra fazer esse tipo de coisa já passou, mas ainda acredito que existam boas oportunidades e que dá sim pra ter um rendimento razoável com aluguéis. Não podemos esquecer que a rentabilidade da rf caiu, então 0,4% corrigido pela inflação pode representar um bom negócio.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  7. Corey, bem você faz ao não emitir uma veredito sobre "bolha" em imóveis. A situaçao do Brasil parece em tudo diferente de outros países. Por exemplo, li no livro Bumerangue sobre a crise imobiliária na Irlanda, e o que aconteceu lá foi quase que uma sandice coletiva. Bairros interiores foram erguidos sem qualquer necessidade, tanto que viraram bairros fantasmas. Construía-se proporcionalmente a populaçao, 5/6x mais imóveis na Irlanda do que na Inglaterra. Claro que havia alguma coisa errada.

    Mesmo se passarmos por uma retração nos preços de imóveis, isso não quer dizer que quem tem ou mexe com imóveis vai perder dinheiro. Como bem lembrado, e o mesmo se aplica a ações e a qualquer coisa na vida, tudo depende do preço de entrada. Uma empresa pode falir, e sua cotação ir a zero. Um imóvel não vai cair para zero ( a não ser em casos de grandes convulsões sociais, como uma revolução russa de 1917, ascenção do nazismo para os judeus que tinham imóveis, etc). Assim, se houver uma retração de 30% (o que é muito e foi a média dos EUA) de um imóvel que está com preço "inflado" de 400 mil e você entrou por 270 mil, ainda assim você vai ter retorno positivo.


    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem tiver uma reserva em TD pode até comprar mais imóveis e receber mais aluguéis. Vai depender do tamanho das reservas e do retorno dos aluguéis.

      Excluir
    2. Amigo, não acredito nem em retração de preços, mas essa é somente uma opinião de alguém que acompanha o mercado de imóveis como curioso (não tenho embasamento em números), mas como vc disse, mesmo que isso aconteça não será, necessariamente um desastre para os investidores do setor.

      Esse caso da Irlanda é anos luz de distância do Brasil, aqui o que temos é justamente o oposto, deficit habitacional que consumirá a produção durante muito tempo. Além disso, mesmo aqueles que já possuem habitação, querem mudar para algo melhor.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. A crise vai aparecer... É só esperar...
    Não tem jeito da nossa geração passar sem algumas crises/crashs/panicos...
    Terminei de ler o livro "Da euforia ao PÂnico" e fiquei assutado... Vou fazer um post sobre isso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faça.

      Eu vou dizer de uma vez por todas porque tem bolha:

      Como pdem esperar que um casal (eu tô dizendo casal hein) que ganha combinado 5 mil reais líquidos pode comprar um apartamento de 600.000 reais?

      Como poderão pessoas pobres que ganham 2500 reais líquidos comprarem aptos de 350.000 reais se já estão endividadas até o pescoço com carro, ajudar família, cartão, viagens?

      Excluir
    2. mas um casal q ganha 5 mil vai compra um apê de no máximo 250 mil

      Excluir
    3. Max:

      Li seu texto e respeito o livro, é fato que as crises sempre virão, todo setor passará por alguma crise, isso é inevitável. Mas daí a ficar com pânico de crise são outros 500. Se for assim, é melhor torrar toda a grana do aporte pq não existe segurança total.

      Pobretão:

      Veja bem, uma renda de 5k é suficiente apenas pra financiar um imovel do MCMV com pequena entrada ou outro um pouquinho mais caro com entrada maior. Apartamentos de 600k, embora cada vez menores e mais comuns, não são pra grande massa. Quem ganha 5k não tem ficha aprovada pra um papagaio desse tamanho.

      Quem ganha 2500 terá que juntar uma grana pra dar de entrada num MCMV e encarar uma bucha de 35 anos.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    4. Sou obrigado a fazer algo que não me agrada : concordar com o Pobretão.

      Excluir
    5. Não sei... Temos que considerar que o brasileiro é o povo mais rico do mundo.

      Sim, pois só alguém muito rico (ou burro) que paga num carro o dobro do que pagaria pelo mesmo carro em qualquer lugar do mundo...

      Excluir
    6. Eike:

      O problema nem é querer, se deixar tem nego ganhando salário mínimo e querendo financiar cobertura em Moema, acontece que essa pessoa não CONSEGUE entrar nesse negócio, a ficha simplesmente não é aprovada.

      Vejo muita gente com financiamento reprovado, não é tão simples quanto parece. O Brasil é bem chato nesse aspecto, o que deixa a coisa mais robusta.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  9. Em qualquer pais desenvolvido (EUA, Inglaterra, Suica), se compra um imovel e se paga em 30, 40, 50 anos com juros baixos (2%-5% ao ano), eh por isso que a classe media consegue comprar imoveis carissimos. O segredo é o juro baixo. ASsim quanto mais baixo for o juro no Brasil (juro real, nao o nominal), mas os imoveis se valorizarao, ate chegar a uma estabilidade e subir +/- com os indices de inflacao. As vezes com o excess de credito, os precos podem disparar muito mais que o valor real (bolha Americana), mas la o credito representa 100% do PIB Americano, aqui de 4 anos para ca dobramos o % de credito pelo PIB, mas mal chegamos aos 10%, ou seja, ainda muito espaco para crescer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pouco que sei sobre os financiamentos imobiliários nos EUA diz que o grande problema deles é alavancagem extrema associada a facilidade de aprovação de crédito. Coisas que não acontecem no Brasil.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  10. Corey, vc já pensou em empreender na área de construção civil ? Tenho notado aqui no Rio o aparecimento de uns mini condomínios com menos de dez casas. O que vc acha de comprar um terreno, construir, alugar ou vender as unidades???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já pensei sim, mas os terrenos viáveis mais próximos da minha região ficam a 50km de distância e ainda por cima estão ou em área de proteção de manancial ou em periferias barra pesada, enfim, não rola...

      Meu sonho seria construir um prédio...

      Excluir
  11. E em outra cidade? Um lugar sem crime que esteja crescendo em termos industriais???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre penso em mudar de SP, mas sei lá, gosto muito daqui.

      Excluir
  12. Corey:

    Parabéns, amigo. O conteúdo do seu blog está cada vez melhor! Tenho entrado todos os dias. Muito bom mesmo.

    Agora se possível, diga-me uma coisa: Faz quantos anos que você comprou o atual ap?

    Pergunto isso pois quero saber quantos anos demorou pra chegar na taxa de retorno (aluguel) de 1,5% do valor que tu pagou, pois comprei um ap aqui na minha cidade, aluguei, e o retorno está na faixa de 0,7. Sem considerar que ele alugado eu não preciso arcar com o condomínio (+/- 20% do valor do aluguel - valor que tbm levo em consideração pois não alugado eu que estaria pagando todo mês).

    Abraço
    Guilherme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Guilherme!

      Comprei o apê antes da disparada dos preços, paguei menos de 100k, coisa inacreditável hoje em dia, por isso o retorno é alto, o valor venal aumentou muito acima da inflação.

      Acho que 0,7% de retorno de aluguel é fantástico, não podemos esquecer q esse valor é líquido de inflação pq todo ano ocorre correção pelo IGPM.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  13. Corey:

    Pra teres uma ideia, eu tinha uma grana (mt pouco comparado a vocês aqui) mas q foi suficiente pra despertar meu interesse em instrução financeira, então comecei a ler mta coisa aqui nos sites/blogs e um ou outro livro, mas embora minha pouca idade não tive coragem de arriscar em RV. Meu pai sempre foi conservador então o mais alto que arrisquei foi um CDB de um grande banco sendo que tive o devido cuidado pra não aplicar mais de 70k pro fundo garantidor cobrir qqr problema kkkkkkk.

    Mas com a queda da selic fui obrigado a dar um tiro diferente, comprei um ap em junho, bem naquela sequencia de quedas (fdp) da selic. Hoje, 6 meses depois, o ap do lado do meu tá pra vender, vi as fotos no site da imobiliária e é idêntico ao meu, o cara ta pedindo 160% do valor que eu paguei.

    To pensando seriamente em botar o meu pra vender. Acontece que ta alugado e rendendo 0,7% ao mês.. se continuar essa subida maluca daqui a pouco chega nos teus 1.5% por isso talvez valha a pena esperar. E por isso perguntei quando q tu comprou (e tu não respondeu, kkk)

    Abraço
    Guilherme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme:

      Vc comprou o apê já pronto, né? Acredito que fez um excelente negócio pq normalmente os melhores negócios são em imóveis no lançamento ou prontos qd são encalhes.

      Quanto a vender ou deixar alugado vai depender dos seus objetivos. Vc precisa de dinheiro? Tem algum investimento em vista que renderá mais que o aluguel? Se sim, então venda. Se não, acho melhor mante-lo alugado, retorno de 0,7% em aluguel de apê é coisa rara, ainda mais recem comprado como é o seu (acredito que é um apê pequeno em alguma região muito procurada, acertei?).

      Calcule o retorno sempre baseado no valor que efetivamente o apê custou, é como uma ação ou FII, o preço (cotação) pode oscilar, mas vc deve focar no aluguel (proventos).

      Veja bem, essa é a minha opinião, vc deve tomar decisões baseadas na sua realidade.

      Ah! Desculpe, não respondi mesmo, o meu foi comprado em 2006.

      Qualquer coisa, comente, ok?

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  14. Coisa linda, Corey. És o cara mesmo!!!

    Sim, na mosca! O apê é pequeno, fica numa região muito procurada e comprei pronto, todo mobiliado. Na verdade, na hora da pechincha cheguei a falar que não queria os móveis pro proprietário baixar ainda mais o valor. Ele aceitou, e na hora q batemos o martelo ele praticamente me deu os móveis pois pra ele seria mta incomodação fazer uma mudança e ele não tinha pra onde levar as coisas (ele morava em outro estado).

    Considero ter feito um baita negócio! E to quase decidido por não vender, pois vai ser mt difícil conseguir outro negócio assim. Prefiro por enquanto poupar a renda que esse está me proporcionando (e não to precisando mexer) pra ver se daqui uns 3 anos meto a cara e compro outro. Com 2 aluguéis está feita minha semi-aposentadoria (suficiente pra pagar todos os meus custos vitais - unimed, condominio, iptu, luz, gasolina e supermercado. O resto - luxo: viagens, troca de carro, etc - eu pago com o que conseguir juntar no trampo - sou autônomo)

    Abraço
    Guilherme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corey, vou pegar o gancho do Guilherme e contar meu caso, eu comprei um apartamento em SP no auge do possivel estouro da bolha, em 2010, todos diziam que eu era louco, q estava pagando um absurdo (160mil), mesmo assim comprei na intuição (não manjo muito de estratégias que nem vocês dos blogs), aluguei e hoje recebo 1100 líquidos de aluguel (contrato feito direto comigo, sem intermediario). Semana passada o mesmo corretor q me vendeu esse imovel me ofereceu outro, uma kitnet por 100mil, já alugada por 800, não comprei porque não tenho dinheiro agora e não quero fazer dívida, mas quero dizer que as oportunidades ainda existem, mas tem que garimpar. Aluguel ainda é um bom negócio, mas tem que se achar o setor que vale a pena, comprar imoveis grandes de 3 ou 4 dormitorios pra alugar é burrice, salas comerciais novas nesses mega-mepreendimentos q as grandes construtoras estão lançando tb é (haja dentista e advogado pra ocupar tanta sala) mas apartamentos menores não (eu mesmo moro de aluguel pq acho mais viavel). Parabésn pelo blog, continue assim sendo uma pessoa ponderada.

      Marcos

      Excluir
    2. Guilherme:

      Alugar imóvel mobiliado é uma boa sacada, ainda mais no seu caso q a mobilia saiu de graça. Dá pra cobrar um pouquinho mais caro, só não dá pra ter apego as coisas de dentro do apê.

      Pelo que vc relatou foi um puta negócio mesmo, eu no seu lugar somente venderia se a vacância da região aumentasse eu tivesse outro negócio mais rentável em vista. Qd for comprar outro, não caia no primeiro negócio q aparecer, pesquise q com certeza encontrará uma boa barganha.

      Esse conceito de semi-aposentadoria é maravilhoso, eu sempre insisto q esse é o melhor caminho.

      Marcos:

      Pois é, enquanto os profetas do apocalipse choram, outros lucram. Tenho um amigo que comprou um apê (pra moradia) nessa época, pagou "exorbitantes" 120k, hj vale 200k.

      Será q não vale a pena encarar uma dívida boa e comprar essa kit? De repente a parcela pode ser paga pelo próprio aluguel...

      Minha região tá cheia desses mega-empreendimentos de salas comerciais, prédios lindos, com uma puta infra. Os primeiros estão sendo entregues e vejo uma vacância enorme, tem gente pedindo 300 reais de aluguel numa sala de 30m² e mesmo assim não aluga, não há profissionais liberais em quantidade suficiente pra encher tanta sala.

      Obrigado e abraço a todos!

      Corey

      Excluir
  15. Sinceramente acredito que o não estouro da bolha está condicionada a capacidade do governo de manter o pleno emprego. Se o desemprego chegar a patamares acima de 10%, vai começar a chover imóvel para venda e vai desencadear um ciclo de queda nos preços.

    Minha modesta opinião é que o Governo não vai conseguir manter o desemprego em taxas tão baixas. A capacidade de crescimento da infraestrutura necessária para o país crescer não é proporcional a necessidade no curto prazo por novos empregos. Prova disso é que o Governo já vem adotando várias medidas anticíclicas para evitar a bola de neve que pode iniciar com o desemprego.

    Se eu pudesse dar uma previsão seria no início do próximo mandato de presidente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido, porem acho q isso ainda demora muito, temos falta de mão de obra com um mínimo de qualificação, independente de crescimento ou não essa carência, que não é pouca, está aí. Além disso, acho q a cultura da "casa própria" empurra uma possível inadimplência para outras dívidas: carros, cartões e por último a casa.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  16. Bolha imobiliária? Mais uma ladainha dos pessimistas tentando tumultuar. Já foi o pseudo aquecimento global, depois veio a imposição do fim do mundo em dezembro de 2012, agora vem essa de bolha imobiliária. Tão falando isso desde 2007, de lá pra cá já teve gente que comprou por 50, vendeu por 150, esse que comprou por 150 já vendeu por 250. Todo mundo ta ganhando dinheiro. Só os pessimistas que estão roendo a unha e dizendo: VAI ESTOURAR, VAI ESTOURAR. O CÉU VAI DESABAR. Tá loco. Vão arrumar um lote pra carpir.. Guilherme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Booooaaaa Guilherme, minha opinião é bem parecida com a sua, até pq não temos as mesmas características "bolhosas" dos EUA, por exemplo.

      Abraço!

      Corey

      Excluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.