sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Empreendedorismo: Cuidado com Banca de Jornal

Em 27 de abril, publiquei um post falando sobre precificação de empresas e dei exemplos de bancas de jornal. Surgiram alguns comentários falando sobre o investimento nesse tipo de negócio e tempos depois o leitor Carlos apareceu dando uma importante contribuição a blogosfera e em especial para aqueles que pensam em entrar para essa ramo de negócios, segue a baixo os comentários do Carlos:

Amigos não confiem no valor de Faturamento Liquido desses anúncios; Estão superestimados. O faturamento real de 1 banca em um ótimo ponto é de 4500-5000 reais livre no maximo( com no max 1 funcionario). Em pontos médios é de 3000-3500 reais livre no maximo.Em pontos ruins não chega a 1800 reais. 

O faturamneto c/ venda de jornal e revista é 50% do faturamento total.O resto vem de cigarro, regarga de celular e doces permitidos.

Por ex na Av Paulista em São Paulo as bancas tem taxas anuais a serem pagas p/ a Prefeitura em torno de 40 mil reais por ano.Alguns proprietarios não conseguem pagar e estão c/ dívidas (a Banca Trianon da Av Paulista tem uma divida c/ a Prefeitura de quase 1 milhão de reais e foi cassada recentemente).Cinco bancas na Pça da Sé foram cassadas por motivos banais como vender doces c/ mais de 30 gramas .Em São Paulo é proibido por lei anúncio na lataria da banca que não seja relacionado às publicações vendidas(Tb é proibido sorvetes e refrierantes)

No Rio de Janeiro o Pref Eduardo Paes também esta perseguindo as bancas( no centro do Rio em torno de 20 bancas foram cassadas).
Então pense bem antes de comprar uma banca pq vc pode perder o investimento se a Prefeitura resolver cassar sua permissão.Cuidado c/ a legislação que é rigorosa na distancia mínima entre bancas e entre a banca e a esquina(Lei LEI n.° 3.425/2002 no Rio e DECRETO N. 22.709 /1986 para São paulo)

Fonte : trabalho em banca

Deem uma olhada no site do Sindicato do Jornaleiros de Sao Paulo
e na comunidade do orkut 'Revistaria e banca de jornal"
Boa sorte e cuidado!

Continuação:

1)qdo falo em "ótimo ponto" me refiro a uma banca na avenida Paulista em Sampa ou uma banca na Visconde de Pirajá no Rio(Ipanema); São pontos obviamente concorridíssimos. 
2) um ponto médio seria uma banca em uma grande avenida num bairro classe B ou C, por exemplo onde pode -se conseguir no maximo uns 3000 reais livres como eu disse na postagem anterior.
3) a concorrencia da internet e as promoçoes das editoras para o cliente comprar via assinatura reduziram drasticamente a venda de revistas e jornais; há 10 anos o faturamento era 90% constituido pela venda de revistas e jornais; hoje revistas e jornais são responsáveis por apenas 50% do faturamento de uma banca.
4)lucro medio c/ cigarros = 450 reais/ meslucro medio c/ recarga de celulares = 200-250 reais meslucro medio c/ talao zona azul ( Sao paulo)= 300 reais / mes
O lucro c/ doces varia mto do lugar pois em certas cidades é permitido um tipo de doce e em outras não(São Paulo não permite sorvetes por ex).Mas em geral ,o lucro em cima de doces e bombonieres varia de 40 - 100% do valor de custo da unidade.
5)Se a banca estiver c/ dívida na Prefeitura ou c/ as distribuidoras de revistas/jornais vc não conseguirá transferir a banca p/ seu nome 
6)há 4 anos as distribuidoras exigiam um fiador para entregar as revistas/jornais em sua banca; atualmente esta exigencia esta em processo de mudança e o comprador deve consultar as Distribuidoras Dinap e A.R. (juntas formam a empresa Treelog)p/ ver a necessidade de fiador.
Faço parte de um movimento catolico chamado Focolares q acredita ser possivel ser comerciante e ter lucro SEM PASSAR NINGUÉM P/ TRÁS.Por isso estou dando dicas p/ quem comprar banca não ser enganado. Se minha atitude incentivar ao menos outras 2 pessoas a fazer o mesmo na sua área de negocio,já valeu a pena.
Um abraço 

Gostaria de agradecer ao Carlos por essa excelente contribuição e repetir aquilo que todo mundo que tem um pouco de experiência em algo diz: FAÇA SOMENTE AQUILO QUE VOCÊ SABE FAZER, ESTUDE OS DETALHES DE UM NEGÓCIO, JAMAIS ENTRE EM UM NEGÓCIO PORQUE ELE ESTÁ NA MODA OU PORQUE APARENTA SER RENTÁVEL.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Metas - 5 - O que estou disposto a sacrificar em prol de aumentar os aportes?

Essa é a última meta que preciso definir, sendo que a meta principal, a de definir essas 5 metas até o fim de setembro, foi cumprida! Me sinto muito feliz por conseguir colocar minha vida nos trilhos!

Essa não chega a ser uma meta, definir o que estou disposto a sacrificar em prol de aumentar os aportes é mais uma maneira de refletir e definir o que realmente tem valor na minha vida e o peso financeiro dessas coisas. Uma coisa é certa: dinheiro não é nem nunca será tudo na minha vida! Dou muito mais valor a equilíbrio psicológico e fazer coisas que me deem prazer.

Conforto

Uma coisa que não abro mão são pequenos confortos. Por exemplo: ar condicionado no carro, chuveiro bem quente, comer aquilo que tenho vontade (escolher a refeição pelo lado esquerdo do cardápio), entre outros. Esses pequenos luxos demandam dinheiro, mas nem tanto...

Um ponto que está me incomodando nos últimos tempos, e até já falei aqui no blog, é a vizinhança barulhenta. Não tem jeito, o negócio não vai melhorar, muito pelo contrário, não vejo perspectiva de melhora. Mais cedo ou mais tarde eu precisarei me mudar, e com isso terei uma despesa alta e que não estava no meu planejamento original. Tenho algumas opções: alugar outro imóvel, comprar na planta (como já falei por aqui), comprar usado, etc. De qualquer maneira isso demandará dinheiro, que já computei nas minhas metas de prazo. O que me deixa chateado nem é o fato de ter que gastar dinheiro com moradia, é o fato de gastar com algo que não seria necessário, já que tenho apê próprio, mas fazer o que... o conforto de ter silêncio e sossego para descansar tem um preço e terei que paga-lo. Não abro mão do sossego em prol de aportar mais.

Lazer

O lazer é algo que consome uma boa quantidade de dinheiro, principalmente o tipo de lazer que eu gosto: baladas boas (leia-se caras) e viagens. Acredito que se eu abrisse mão de viagens e baladas conseguiria aportar cerca de 15k a mais por ano, mas isso não vai acontecer. Esse ano tenho viajado pouco o que nitidamente tem influenciado no meu humor e estresse, então acho que não vale a pena sacrificar algo que gosto e me faz bem só para aportar mais. Fazia algum tempo que Bia e eu não saíamos para balada, o que fizemos sábado, percebemos que essa semana estamos muito melhores, mais alegres e menos encanados com os problemas. Descansar não é só dormir!

Carro e Gadgets

Já comentei aqui no blog que temos usado pouco o carro e que ele não anda muito bem das pernas (ou seria das rodas?), já pensei de tudo: vender e alugar um quando necessário, comprar um carrinho mais velho que não precisasse de seguro nem pagasse IPVA e também já pensei o extremo oposto: comprar um carro legal, do jeito que gosto, pra ter um carro bacana pra sair e viajar com mais conforto e segurança. Ainda não sei exatamente o que farei, mas o provável é que eu abra mão de ter um carro legal e fique com o atual por mais algum tempo. Esse é um ponto que posso abrir mão em prol de aportes melhores.

Uma coisa que abro mão totalmente é de acompanhar as tecnologias. Nunca peguei um tablet nem um smartphone na mão, nem faço questão, afinal não tenho a menor necessidade desses produtos. Minha televisão é de tubo, ainda uso videocassete (afinal não houve avanço nessa tecnologia) e meu notebook roda Windows XP. Isso não faz  a menor diferença na minha vida, acredito que economizarei uma boa grana nos próximos anos só por não querer acompanhar a moda tecnológica.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Metas - 4 - O que devo fazer para melhorar o lado pessoal?

Essa meta de ação é muito importante por influenciar muito a minha qualidade de vida. Todos nós temos uma lista enorme de coisas que temos vontade de fazer e acabamos postergando e nunca começando, ou quando começamos paramos no meio do caminho. Decidi fazer uma lista curta, com coisas que eu conseguirei fazer com um pouco de boa vontade e tempo até o final de 2013.

Aumentar a fluência no Inglês

Durante a adolescência cursei inglês nos moldes antigos: escola, apostila, fita k7, prova oral, etc. Foi ótimo, aprendi ler e escrever relativamente bem, porém a fluência e principalmente, o entendimento, nunca foi o meu forte. Eu até me viro quando preciso falar, mas entender já são outros quinhentos... Decidi que até dezembro de 2013 deverei conseguir assistir a um filme em inglês sem legendas e entender grande parte da história, além de conseguir ter um diálogo decente com algum nativo da língua inglesa.

Para isso iniciarei um curso on-line, recomendado por 2 amigos que estavam na mesma situação que a minha. Um deles está com uma fluência muito boa, 90 dias após o início do curso, o outro já está fazendo a quase um ano e está meia boca, mas como ele mesmo diz, é devido a falta de organização que o faz pular aulas. Além disso me foi recomendado assistir a filmes e programas reprisados, mas sem legendas e ler notícias no NY Times diariamente pra aumentar o vocabulário. Estou aberto a dicas.

Praticar uma atividade física rotineiramente

Não sou obeso, minhas taxas estão ok, mas não tenho uma disposição física muito boa. Eventualmente eu pratico caminhada ou ando de bicicleta e percebo melhoras significativas no meu humor, sono e disposição física, porém preciso fazer algo diariamente.

Já contratei funcionários para aliviar minha rotina de trabalho, acredito que dentro de alguns dias eu consiga ter uma rotina de apenas 8 horas de trabalho diário o que irá permitir dedicar ao menos 1 hora por dia para alguma atividade física. Por ser minimalista e não ter muito saco pra aturar pessoas, provavelmente a atividade escolhida será caminhada (fui proibido de correr por 3 ortopedistas) e alguns exercícios feitos em casa que pesquisarei no YouTube.

Essa é uma meta cujos resultados serão difíceis de mensurar, mas tomarei como referência fazer ao menos 5 horas de exercícios por semana.

Praticar um hobby

Até uns 4 anos atrás eu praticava um hobby muito legal e que não demanda muito dinheiro. Era uma terapia, me fazia muito bem, além de influenciar positivamente vários outros aspectos do meu dia-a-dia. Infelizmente acabei parando, por falta de tempo e dinheiro, e nunca mais voltei. Acredito que voltar a praticar um hobby trará mais equilíbrio pra minha vida.

Próxima e última meta: 5- O que estou disposto a sacrificar em prol de aumentar os aportes?


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Metas - 3 - Quanto deverei ter na carteira de investimentos em dezembro de 2013/14/15/16?

Bom dia a todos! Hoje continuarei a falar sobre minhas metas de ação, uma vez definida minha estratégia de semi-aposentadoria, cabe agora definir as metas financeiras para que isso aconteça.

Fiz uma simulação de quanto precisarei ter na carteira de investimentos para bancar minha semi-aposentadoria a partir de janeiro de 2017 levando em consideração uma rentabilidade real de 5% ao ano (acima da inflação), o que é uma taxa bem realista. Então defini valores que deverei ter todo dezembro, como não divulgarei mais o valor da carteira, decidi fazer essa demonstração utilizando a taxa de riqueza. Há inúmeras maneiras de calcular a taxa de riqueza, mas usei a maneira mais simples possível: rendimento passivo / valor das despesas. As metas são:

dezembro/2013: 0,4
dezembro/2014: 0,6
dezembro/2015: 0,8
dezembro/2016: 1

Para bater essas metas, precisarei ser constante nos aportes e buscar melhorar consideravelmente minha rentabilidade. Os Fundos Imobiliários estão melhorando bastante o rendimento da minha carteira mas preciso urgentemente criar vergonha na cara e estudar (de verdade) o mercado de ações, em breve falarei mais sobre isso.

Bater essas metas é sem dúvida muito importante, porém preciso aliar o crescimento da carteira com fluxo de caixa. Meu prazo é relativamente curto (4 anos) então acredito que devo fazer investimentos que gerem fluxo de caixa para ir me acostumando com a dinâmica desses recebimentos e quando chegar a hora de utiliza-los no dia a dia, ter menos problemas de administração. Outro fato que me leva a pensar dessa maneira é psicológica: me sinto melhor vendo o dinheiro pingar periodicamente que somente no fim do investimento ou na venda de algum ativo. Nesse contexto os FIIs são ótimos, mas não acredito que os excelentes desempenhos dessa modalidade continuarão no longo prazo, portanto preciso buscar alternativas. Paradoxalmente estou olhando (superficialmente) os ETFs que, embora não gerem fluxo de caixa, podem ser uma boa alternativa para entrar no mercado de ações de maneira mais segura. Vamos aguardar cenas dos próximos capítulos...

Próxima meta: 4- O que devo fazer para melhorar o lado pessoal?

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Metas - 2- Qual a minha estratégia de aposentadoria ou semi-aposentadoria?

Continuando o assunto das minhas metas de ação, hoje vou falar sobre minha meta de aposentadoria. Obviamente o motivo principal da criação do blog e de manter uma carteira de investimentos é a independência financeira e aposentadoria precoce, mas desde o começo, deixei claro não ter metas específicas, com datas e valores para que isso aconteça, mas agora decidi definir metas a serem cumpridas.

Como já falei aqui no blog, a ideia da semi-aposentadoria ou independência financeira parcial me parece a melhor alternativa. Une-se menos tempo de sacrifícios para acumular patrimônio com mais tempo para usufruir de uma vida mais tranquila. Esse será definitivamente meu objetivo.

Quando acontecerá e quanto dinheiro deverei ter para usufruir dos benefícios da semi-aposentadoria?

Quando: janeiro de 2017
Quanto: renda passiva suficiente para cobrir as despesas básicas da casa,

Observação: esse valor já está definido, mas não contarei porque provavelmente irei parar de divulgar o valor da carteira a partir de janeiro.

O que a minha semi-aposentadoria contempla?

A semi-aposentadoria acontecerá quando o rendimento dos meus investimentos (renda passiva) forem suficientes para pagar:

a) Contas de consumo: luz, internet, gás, condomínio e plano de saúde;
b) Despesas comuns da casa: mercado, farmácia, transporte, veterinário, lazer do fim de semana.
c) Despesas anuais: IPVA, IPTU, seguros, etc.

Um trabalho remunerado (meu, da Bia ou os dois) deverá existir para pagar as seguintes despesas:

a) Viagens;
b) Moradia* (se for o caso);
c) Despesas pessoais do dia-a-dia: roupas, eletrônicos, revistas, jornais, etc.

* Decidi que não continuarei morando no meu apartamento, preciso de um lugar mais tranquilo e definitivamente isso não vai acontecer onde estou, ainda não sei se pagarei aluguel ou comprarei outro imóvel, mas separarei uma grana mensalmente para isso a partir de janeiro/2013.

Entendo que para curtir de maneira mais intensa os benefícios de uma redução da jornada de trabalho ou mesmo de parar de trabalhar, deve-se pensar no coletivo da família, ou seja, a semi-aposentadoria deve contemplar os demais integrantes do núcleo familiar. No meu caso, o núcleo familiar é formado somente por eu e a Bia (minha esposa), então ela deve estar 100% inserida nos meus planos.

O que será preciso para atingir o objetivo?

1º Manter as despesas baixas, sem arrumar passivos que aumente de maneira substancial a demanda de dinheiro;
2º Estudar mais sobre alternativas de investimentos de maneira a aumentar a rentabilidade da carteira;
3º Manter consistência nos aportes durante todo o período de acumulação;
4º A rentabilidade e aportes devem ser mantidos dentro de parâmetros pré definidos e os registros e acompanhamentos do resultados devem ser feitos de maneira sistemática (preciso melhorar isso).

Próxima meta: 3- Quanto deverei ter na carteira de investimentos em dezembro de 2013/14/15?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Os Sustos da Vida

Fiquei assustado, muito assustado...
No final de junho, relatei que estava passando por um período complicado, com problemas sérios, que demandariam algum tempo para serem sanados por completo. Pois bem, finalmente o pesadelo acabou e tudo está bem!!!

Basicamente o que aconteceu foi um possível caso de grave doença gravíssima bem grave (já disse grave?) na família. Quando eu digo gravíssima, é GRAVE mesmo, algo que poderia causar óbito iminente ou no mínimo mudar completamente o rumo da minha vida, e pior, é algo que poderia ter sido evitado. Foram mais de 2 meses para obter um diagnóstico definitivo, felizmente a doença não passou de um alarme falso. Esse período foi extremamente complicado, sendo que os primeiros 15 dias foram, sem dúvida, os piores da minha vida! Minha vida parou, tudo congelou, esse problema atormentou 24 horas do meu dia, tirando minha fome, meu sono e quando conseguia dormir, agravando meu bruxismo e me dando pesadelos. Fiquei totalmente transtornado, meu desempenho profissional foi a zero, as ideias fervilhavam na cabeça, pensei que ia ficar louco!

Meu lado agnóstico deu lugar ao lado religioso, busquei ajuda espiritual e confesso que isso me ajudou de sobremaneira a superar essa fase. Percebi que não tenho a menor estrutura emocional pra suportar situações adversas como essa.  Demorarei um bom tempo para recompor meu psicológico que ainda está extremamente abalado com esse susto. Sem querer ser poliana, consegui enxergar coisas que até então eu não valorizava:

1- A vida é realmente muito curta e de uma hora pra outra podemos morrer ou perder pessoas amadas;
2- A vida é imprevisível, por mais planos mirabolantes que você faça, sempre acontecerão coisas que mudarão tudo de um minuto para outro;
3- Equilíbrio é a chave de tudo: nem 8 nem 80. Isso serve pra tudo na vida, também pra investimentos;
4- Investir e pensar na independência financeira é ótimo, mas isso não pode ser a única coisa importante nas nossas vidas;
5- Temos DEVER de aproveitar a vida fazendo coisas que nos dá prazer, sem deixar tudo pra amanhã, já que o amanhã pode nem chegar (isso me lembra uma música...)
6- Devemos aproveitar cada momento ao lado das pessoas amadas, sem deixar pequenas coisas azedarem uma relação bacana;
7- Todo problema que pode ser resolvido facilmente com dinheiro não é um problema;
8- Devemos usar o dinheiro para manter a saúde equilibrada e não a saúde para ganhar mais dinheiro;
9- Investir na qualidade de vida é, sem dúvida, a melhor coisa que uma pessoa pode fazer com dinheiro;
10- Opinião pessoal: se fosse necessário, daria TODO o dinheiro que tenho hoje e que ganharei para não passar novamente por essa situação.

É impressionante a burrice do ser humano (sim, a minha burrice)! Estamos cercados de histórias de pessoas que quase morreram ou passaram por uma situação de violência para acordar que a vida não é bem aquilo que achamos. Eu mesmo passei por uma situação chata (bem menos ruim) em 2008, o que mudou drasticamente minha atitude com dinheiro, me levando a educação financeira. Mesmo assim, não aprendi, tive que passar por outra situação, infinitas vezes pior, pra criar vergonha e mudar o rumo da vida.

Conclusão: de agora em diante, priorizarei a qualidade de vida e equilíbrio. Investir será secundário! Quero fazer coisas que me dão prazer, conhecer lugares e pessoas legais, conviver com pessoas queridas, obter crescimento intelectual e espiritual. Se for preciso, gastarei dinheiro para isso, como eu disse, se você pode resolver um problema com dinheiro, ele não é um problema! De maneira alguma abandonarei meu plano de independência financeira, muito pelo contrário, como disse num post anterior, vou fazer um planejamento mais eficaz baseado em metas, até porque ter liberdade financeira é um dos pilares que sustentam a qualidade de vida.

Agradeço a todos que deram-me forças durante esse período barra pesada que enfrentei, parece besteira, mas uma palavra pode mudar o dia de uma pessoa. Peço a todos que parem pra repensar certos conceitos, analisem o que realmente tem valor na vida e aquilo que não passa de utopia ou perda de tempo. Não desejo o que passei pra ninguém!

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Metas - 1 - Venderei a loja antecipadamente ou ficarei com ela mais algum tempo?

Faz algum tempo que não falo sobre empresas, até o Lord me deu um puxão de orelhas, rsrs! Hoje decidi voltar ao assunto, vou falar sobre uma possível venda da minha empresa e ao mesmo tempo falar sobre a minha primeira meta de ação: se devo ou não vende-la.

Nesses pouco mais de 5 meses que estou nessa loja, já consegui retirar a maior parte do valor investido com "juros" de 5% ao mês, obter um fluxo de caixa muito saudável além de um incremento de 30% no faturamento. Esses 30% podem representar cerca de 50% de lucro numa possível venda, veja nesse exemplo hipotético (NÃO SÃO NÚMEROS DA MINHA EMPRESA):

Valor do faturamento no ato da compra: 50.000,00
Valor da compra da empresa: 200.000,00
Valor do faturamento atual: 65.000,00
Valor da possível venda: 300.000,00
Lucro: 100.000,00

Ainda faltam algumas prestações a serem quitadas com o antigo proprietário, mas mesmo assim, caso eu vendesse hoje, conseguiria embolsar uma boa grana. Junte a isso o fato da empresa estar praticamente no topo (prevejo uma melhora de no máximo 10%, com algum esforço), e esse seria um excelente negócio.

Prós

1- O maior incentivador de uma possível venda é o fato do trabalho não me dar prazer, por outro lado, não sei o que me daria prazer, rsrs!
2- Com o faturamento em alta, seria a melhor época de vender, ou seja, venderia na alta;
3- Permitiria a compra de uma empresa maior ou me deixar sossegado uns meses e depois arrumar um trabalho CLT investindo a grana da venda.
4- Deixar a tarefa de encontrar novos funcionários (que preciso hoje) para o próximo dono. Lidar com a parte de RH é sem dúvidas a pior pra mim.

Contras

1- Perda de fluxo de caixa. De agora em diante, com as finanças e faturamento equilibrado, a empresa tende a manter um fluxo de caixa muito positivo, mesmo com a contratação de mais funcionários.
2- Manter a empresa, contratar mais funcionários me deixaria menos atarefado, o que poderia aliviar meu stress no trabalho, consequentemente me deixar um pouco mais contente com o trabalho além de proporcionar mais tempo livre para atividades de cunho pessoal.
3- Manter a empresa pode representar alguns anos a menos na minha jornada rumo a IF, ou ao menos, melhorar minha qualidade de vida.
4- Não tenho garantias de encontrar outra empresa lucrativa como essa para fazer o mesmo que fiz aqui: levantar faturamento, valoriza-la e vende-la.

Analisei 2 propostas, sendo que uma delas me deixou bastante balançado, mas já decidi, não vou vende-la agora. Ficarei pelo menos mais 12 meses, ou até quando achar necessário quando fizer o planejamento da minha meta 2 (estratégia de semi-aposentadoria). O dinheiro investido que já resgatei está num CDB diário, não será incluído na carteira de investimentos nem gasto. Tentarei negociar um desconto das parcelas que ainda devo pagar ao antigo proprietário e o restante ficará no CDB até junho/2013 quando decidirei o que farei.

Resumo:

1- Não venderei a loja agora;
2- Somente colocarei data para vender a loja quando tiver minha estratégia de aposentadoria e valores definidos para os próximos 3 anos;
3- O dinheiro investido na loja e já resgatado será usado para barganhar desconto numa possível antecipação das parcelas que ainda tenho a vencer;
4- O restante desse dinheiro ficará aplicado no CDB diário até junho/2013 aguardando um novo negócio;
5- Com o saldo que eu venho obtendo nos últimos meses (que usei para "pagar" o dinheiro que investi) será destinado ao pagamento de funcionários e melhorias na loja, me desafogando de trabalho.

Próxima meta: 2- Qual a minha estratégia de aposentadoria ou semi-aposentadoria?

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Atualização Mensal de Ideias - Setembro/2012

Profissional:

A loja me deu uma grata surpresa em agosto, o faturamento melhorou, o que só era esperado para setembro, acredito que terei um aumento gradativo do faturamento até dezembro. O dinheiro investido está sendo retirado e colocado num CDB diário, aguardando para ser usado (ainda não sei como). Já estou procurando funcionários e estou tendo grande dificuldade com isso. recebi algumas propostas de venda da empresa, que tratarei em breve.

Pessoal

Os meus problemas pessoais estão muito próximos da solução, já até preparei um post falando sobre o que aconteceu e o que aprendi com isso. Ao mesmo tempo, sinto-me na fase mais confusa da minha vida, estou com o psicológico abalado e com receio de tomar decisões sérias. Acho que entrei num quadro de depressão, mas não vou deixar o Google me diagnosticar (viu Eike??).

Dinheiro

No mês passado, meus registros e acompanhamentos estavam redondos, tudo certinho... Em agosto dei uma relaxada a partir da segunda quinzena devido a alguns problemas. Larguei os estudos sobre FII, o que irá me prejudicar em setembro, precisarei me dedicar mais a esse tema.

Geral

Estou planejando uma viagem legal no fim de ano, não gosto de viajar na temporada, mas infelizmente é a única época que a Bia pode pegar dias de folga. Vou pagar o dobro por um serviço mediano, mas pelo menos descansarei um pouco.

Tenho muita coisa a definir em setembro, portanto provavelmente ficarei ausente do blog por uns tempos, mas acompanharei todos, mesmo sem comentar.

sábado, 1 de setembro de 2012

Atualização Mensal - Agosto/2012

Esse mês comecei a investir em fundos imobiliários, com compras de BCFF11B, FAED11B e FEXC11B o que elevou minha rentabilidade para 1,25%.  Aqui vale um comentário: não seria mais correto colocar o valor dos fundos descontando o IR de uma possível venda? Assim teríamos o valor real das cotas, assim como lançamos CDBs. Os valores dos meus FII lançados na tabela são brutos. Ainda procuro um fundo de tijolo para comprar em setembro, alguma sugestão?

Como disse na atualização passada, esse mês fiz mais um aporte na poupança, na realidade foi uma substituição de uma poupança antiga da Bia no valor de R$ 4.050,00. Aos exterminadores de caderneta de poupança, digo que esse foi meu último aporte na poupança, rsrs! Meu aporte total do mês foi de R$ 10.737,00. Em setembro provavelmente farei um aporte alto novamente, talvez o último do ano.

Recebi cupom de juros do NTNB 150824 e também aluguel dos BCFF11B que comprei no mês passado como teste. Esses valores foram somados a carteira dos respectivos investimentos, acho que é assim que se faz, se estiver errado, peço que alguém me avise.. Confesso que dei uma relaxada nos registros e acompanhamento dos investimentos na segunda quinzena de agosto devido a problemas pessoais, isso também prejudicou meus estudos sobre FII. Preciso voltar com tudo em setembro, caso contrário, vai virar uma bagunça novamente.


Resumo da carteira em 01/09/2012:

Essa postagem foi programada, segunda passarei no blog de todos. Bom fds!
Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.